Protestos no Sudão em 2018–2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 13 de abril de 2019)
Protestos no Sudão em 2018–2019
Sudanese protestors chanting.jpg
Manifestantes anti-Bashir na cidade de Cartum.
Período 19 dezembro 2018 (2018-12-19) – presente
Local Sudão
Resultado
  • Imposição de um estado de emergência por um ano
  • Dissolução dos governos central e regional, formação de um novo governo
  • Adiamento de emendas constitucionais relativas à prorrogação do mandato de Omar al-Bashir, sem cancelar sua candidatura para outro mandato[1][2]
  • Militares tomam controle do país e al-Bashir é deposto do cargo por golpe militar[3]
Causas
Objetivos
Características
Participantes do conflito
Diferentes grupos de movimentos civis e pessoas individuais  Governo sudanês
Líderes
Liderança não centralizada Omar al-Bashir
Presidente do Sudão

Mohammed Hamdan Dalgo (Hemaidttie)
Chefe das Forças de Apoio Rápido

Awad Ibn Oaf
Ministro da Defesa do Sudão
Salah Mohammed Abdullah (Gosh)
Chefe do Serviço Nacional de Inteligência e Segurança

60 mortos[4]
+ 800 presos

Os Protestos no Sudão iniciaram em 19 de dezembro de 2018 quando a sede do Partido do Congresso Nacional em Atbara foi incendiada.[5] O preço do combustível e do pão, a alta inflação e a escassez de dinheiro na economia contribuíram para o descontentamento público e reivindicações para que o presidente Omar al-Bashir renunciasse.[6][7]

Os manifestantes foram recebidos com gás lacrimogêneo e munição real,[8] causando dezenas de mortos e feridos e provocando críticas internacionais. "Apenas caia - isso é tudo" (تسقط – بس)[9] é um dos mais famosos slogans dos protestos sudaneses.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2018, grandes protestos começaram nas ruas de Cartum, capital do Sudão, em oposição ao aumento dos preços dos produtos básicos, incluindo o pão. Os protestos cresceram rapidamente e encontraram apoio de diferentes partidos da oposição. Os movimentos de jovens e das mulheres também se juntaram aos protestos.[10]

O governo sudanês iniciou medidas de austeridade recomendadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI),[11] incluindo a desvalorização da moeda local, bem como a remoção de subsídios ao trigo e à eletricidade. A economia do Sudão agoniza desde a ascensão de Omar al-Bashir ao poder, mas tornou-se cada vez mais turbulenta após a secessão do Sudão do Sul em 2011, que até então representava uma importante fonte de divisas devido à sua produção de petróleo.[11][12] A desvalorização da libra sudanesa em outubro de 2018 levou a uma flutuação descontrolada das taxas de câmbio e à escassez de dinheiro em circulação.[12] Longas filas para produtos básicos como gasolina, pão, bem como dinheiro em caixas eletrônicos tornaram-se comuns. O Sudão possui uma inflação de cerca de 70%, perdendo apenas para a Venezuela.[12]

Em agosto de 2018, o Partido do Congresso Nacional apoiou a campanha presidencial de Omar Al-Bashir para 2020, apesar de sua crescente impopularidade e da sua declaração anterior de que não concorreria nas próximas eleições.[13] Essas medidas levaram à crescente oposição de dentro do partido exigindo o respeito à constituição, que atualmente impede que al-Bashir seja reeleito. Ativistas sudaneses reagiram nas mídias sociais e pediram uma campanha contra sua indicação.[13]

Al-Bashir governa o país desde 1989. Ele chegou ao poder liderando um golpe de Estado contra o eleito, mas cada vez mais impopular, primeiro-ministro da época, Sadiq al-Mahdi.[14] O Tribunal Penal Internacional (TPI) indiciou al-Bashir pelos crimes de guerra e crimes contra a humanidade ocorridos na região ocidental de Darfur.[15]

Histórico[editar | editar código-fonte]

As mais recentes ondas de protestos começaram em Atbara em 19 de dezembro de 2018, em resposta à triplicação do preço do pão, e logo se espalharam para Porto Sudão, Dongola e a capital Cartum. Os protestantes incendiaram a sede do partido nacional em Atbara e Dongola.[16] As autoridades usaram gás lacrimogêneo, balas de borracha e munição real para dispersar os manifestantes, causando dezenas de mortos e feridos.[17] O ex-primeiro-ministro Sadiq al-Mahdi retornou ao país no mesmo dia.[16]

O acesso às mídias sociais e mensageiros instantâneos foi cortado em 21 de dezembro pelos principais provedores de serviços do país, com evidências técnicas coletadas pelo observatório internet NetBlocks e voluntários sudaneses indicando a instalação de "um extenso regime de censura na Internet".[18][19]

Em 7 de janeiro de 2019, mais de 800 manifestantes contrários ao governo foram detidos e 19 pessoas, incluindo agentes de segurança, foram mortas durante os protestos.[20]

Em 9 de janeiro, milhares de manifestantes se reuniram na cidade de El-Gadarif, no sudeste do país.[21] Toques de recolher foram emitidos em todo o Sudão, com escolas fechadas em todo o país.

Protestos organizados pelas Associações de Profissionais Sudanesas levaram um médico a ser baleado em 17 de janeiro,[22] e a alegações de que os hospitais estavam sendo alvo das forças de segurança.[23]

A cobertura da mídia aos protestos foi estritamente controlada pelas forças de segurança. Al Tayyar passou a imprimir páginas em branco para mostrar a quantidade de cópias censuradas pelo governo. Outras agências de notícias tiveram toda sua tiragem confiscada pelo governo. O serviço de segurança (Serviço Nacional de Inteligência e Segurança) invadiu os escritórios da Al Jarida novamente, o que levou este último a parar de produzir a sua versão impressa. De acordo com The Listening Post, os videógrafos de língua árabe estrangeiros têm sido particularmente visados pelo governo.[24][25]

Em 22 de fevereiro de 2019, Bashir declarou estado de emergência nacional - o primeiro em vinte anos[26] — e "dissolveu os governos central e regional".[27] No dia seguinte, nomeou seu sucessor, Mohamed Tahir Ayala, como primeiro-ministro, e o ex-chefe de inteligência e então ministro da Defesa, Awad Mohamed Ahmed Ibn Auf, como primeiro vice-presidente. Seu chefe de inteligência também anunciou que não buscaria a reeleição em 2020 e renunciaria ao cargo de líder do Partido do Congresso Nacional.[26]

As forças de segurança invadiram universidades em Cartum e em Ondurmã, supostamente espancando estudantes com porretes em Cartum em 24 de fevereiro.[28] Novas sentenças de dez anos de prisão e tribunais de emergência foram decretados no mesmo dia por al-Bashir.[29]

Em 7 de março, protestos foram organizados para homenagear as mulheres por seu papel de liderança na revolta.[30] "Vocês mulheres, sejam fortes" e "Essa revolução é uma revolução feminina", foram slogans cantados em vários protestos.[31]

Em 6 de abril, dias depois de Abdelaziz Bouteflika ter sido forçado a renunciar para apaziguar os manifestantes argelinos,[32] a Associação dos Profissionais Sudaneses convocou uma marcha até a sede das forças armadas. Dezenas, possivelmente centenas, de milhares responderam ao chamado. De acordo com um manifestante, surgiram divisões entre as forças de segurança, que "tentaram atacar os manifestantes vindos do norte", e os militares, que "ficaram do lado dos manifestantes e revidaram os tiros". Na manhã de 8 de abril, o exército e a força de reação rápida dos serviços secretos estavam se enfrentando na sede das forças armadas em Cartum.[33]

Em 7 de abril, o Sudão "experimentou uma falta completa de energia no domingo, apenas algumas horas depois que um bloqueio da mídia social entrar em vigor em todo o país".[34]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Golpe de Estado no Sudão em 2019

Após cinco meses de grandes protestos contra o governo, começaram a circular informações de que al-Bashir pretendia renunciar a presidência. Em 11 de abril de 2019, esse fato foi confirmado pelo comando das forças armadas sudanesas. Bashir havia ficado no poder por quase trinta anos como um autocrata.[35]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Reuters (22 de janeiro de 2019). «Bashir Calls on Parliament to Delay Amendments Allowing Him Another Term». Haaretz 
  2. «Sudan Call Launch Campaign Against Al Bashir Re-Election». allAfrcia. 9 de outubro de 2018 
  3. «Sudan: Army says it will make 'important announcement'». www.aljazeera.com. Consultado em 11 de abril de 2019 
  4. Jean-Philippe Rémy (8 de abril de 2019). «Le mouvement de protestation embrase le Soudan» (em francês) 
  5. «Sudão: "É hora do Presidente Omar al-Bashir renunciar", diz especialista». Deutsche Welle. 30 de dezembro de 2018 
  6. «Sudan political parties call for 'transitional council' to run country». Middle East Eye. 2 de janeiro de 2019 
  7. Osha Mahmoud (25 de dezembro de 2018). «'It's more than bread': Why are protests in Sudan happening?». Middle East Eye 
  8. «Newsday – A protester shot in Sudan explains why he'll continue to demonstrate – BBC Sounds». www.bbc.co.uk (em inglês) 
  9. «'تسقط تسقط تسقط بس'». Alhurra (em árabe) 
  10. Mohammed Amin (18 de janeiro de 2018). «Protests rock Sudan's capital as bread prices soar». Middle East Eye 
  11. a b Amina Ismail and John Davison (12 de dezembro de 2017). «IMF says Sudan must float currency to boost growth, investment». Reuters 
  12. a b c «'We are all Darfur': Sudan's genocidal regime is under siege». The Economist. 10 de janeiro de 2019 
  13. a b Mohammed Amin (14 de agosto de 2018). «Omar al-Bashir's nomination draws fire from all sides in Sudan». Middle East Eye 
  14. Alan Cowell; anon. (1 de Julho de 1989). «Military Coup In Sudan Ousts Civilian Regime». NY Times 
  15. Xan Rice (4 de março de 2009). «Sudanese president Bashir charged with Darfur war crimes». The Guardian 
  16. a b Khalid Abdelaziz (20 de dezembro de 2018). «Sudan price protests subverted by 'infiltrators': spokesman». Leading Sudanese opposition figure Sadiq al-Mahdi returned to Sudan on Wednesday from nearly a year in self-imposed exile 
  17. Ruth Maclean (30 de dezembro de 2018). «Dozens have been killed by the regime. But Sudan's protesters march on». The Guardian 
  18. «Study shows extent of Sudan internet disruptions amid demonstrations». NetBlocks (em inglês). 21 de dezembro de 2018 
  19. Yousef Saba; Nafisa Eltahir (2 de janeiro de 2019). «Sudan restricts social media access to counter-protest movement». Reuters 
  20. «Over 800 arrested in Sudan demos». Daily Nation 
  21. «Thousands protest al-Bashir's rule in eastern Sudanese city». News24. AP. 9 de janeiro de 2019 
  22. «Doctor and child killed as protests break out across Sudan». Al Jazeera. 17 de janeiro de 2019 
  23. «Is the government of Sudan's Omar al-Bashir unravelling?». The Take. Al Jazeera. 1 de fevereiro de 2019 
  24. «Sudan: A crumbling regime puts the squeeze on the media». The Listening Post. Al Jazeera. 16 de fevereiro de 2019 
  25. «Sudanese authorities prevent distribution of Al-Jarida newspaper». CPJ: Committee to Protect Journalists. 17 de junho de 2018 
  26. a b Khalid Abdelaziz (23 de fevereiro de 2019). «Day into emergency rule, Sudan's Bashir names VP and prime minister». Reuters 
  27. Mohammed Alamin (22 de fevereiro de 2019). «Sudan's Al-Bashir Declares State of Emergency for One Year». Bloomberg 
  28. Mohammed Alamin (27 de fevereiro de 2019). «Protesters Face Whippings and Tear Gas in Sudanese Crackdown». Bloomberg. Leading Sudanese opposition figure Sadiq al-Mahdi returned to Sudan on Wednesday from nearly a year in self-imposed exile 
  29. Mohammed Alamin (26 de fevereiro de 2019). «Sudan's Leader Issues Decrees to Curb Protests, Black Market». Bloomberg 
  30. Iliana Hagenah (8 de março de 2019). «Women are leading the push to topple Sudan's Omar Hassan al-Bashir, and suffering for it». CBS News 
  31. Ryan Lenora Brown (12 de março de 2019). «'A women's revolution': Why women are leading calls for change in Sudan». The Christian Science Monitor 
  32. «Clashes between rival Sudan armed forces risk 'civil war', protesters warn». The Independent. 10 de abril de 2019. Protests [...] have been reignited by the successful 3 April ouster of Algeria's Abdelaziz Bouteflika[.] 
  33. Jean-Philippe Rémy (8 de Abril de 2019). «Le mouvement de protestation embrase le Soudan» (em francês). [Selon] une bonne source soudanaise: "Un scénario de cauchemar se profile, avec des affrontements. Or, l’armée n’est pas aussi bien équipée que l’ensemble constitué par les hommes des FSR et les nombreuses milices secrètes." 
  34. Dahir, Abdi Latif; Dahir, Abdi Latif. «Sudan's anti-government protests face a total power outage and social media shutdown». Quartz Africa 
  35. «Presidente do Sudão é deposto e conselho militar vai assumir comando do país». G1. Consultado em 11 de abril de 2019