Protoceratops

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Protocerátopo)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaProtoceratops
Carnegie Protoceratops andrewsi.jpg

Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Ornithischia
Subordem: Marginocephalia
Infraordem: Ceratopsia
Família: Protoceratopsidae
Género: Protoceratops

Protoceratops (do latim "primeiro com chifre na cara") foi um dinossauro herbívoro e quadrúpede que viveu no fim do período Cretáceo. Media em torno de 2,5 metros de comprimento e pesava algo entre 200 quilos a 1,5 toneladas. Ao contrário de membros posteriores da infraordem Ceratopsia, estes não tinham chifres na cabeça tão desenvolvidos. O Protoceratops viveu na Ásia e foi descoberto na Mongólia na década de 1920.[1][2]

Reconstrução hipotética de um Protoceratops.

O Protoceratops caracterizava-se por uma pequena crista em forma de leque ao redor do pescoço, ou seja, uma estrutura óssea coberta de pele que além de fixar a forte musculatura maxilar, também servia de escudo. Seu corpo parecia um barril, a cabeça era grande e saiam-lhe elevações sobre os olhos e focinho. O Protoceratops andava sobre as quatro patas, porém, como as dianteiras eram mais curtas, acredita-se que também podia erguer-se nas patas traseiras. A fêmea cavava buracos na areia onde botava seus ovos cuidadosamente em círculo.

O tamanho do Protoceratops comparado com o do humano

Em 1922 foi descoberto na Mongólia, uma grande quantidade de restos de um dinossauro que foi apelidado de protocerátops, "primeira cara de corno". O Protoceratops caracterizava-se por uma pequena crista em forma de leque ao redor do pescoço, ou seja, uma estrutura óssea coberta de pele que além de fixar a forte musculatura maxilar, também servia de escudo. Seu corpo perecia um barril, a cabeça era grande e saiam-lhe elevações sobre os olhos e focinho.

Paleobiologia[editar | editar código-fonte]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Na década de 1920, Roy Chapman Andrews descobriu os primeiros ovos de dinossauro fossilizados conhecidos, no deserto de Gobi da Mongólia. Cada ovo tinha cerca de 8 polegadas de comprimento, e os dinossauros em desenvolvimento ficaram em seus ovos três a seis meses antes da eclosão.[3]

Os recém-nascidos foram estimados em cerca de 30.5 cm de comprimento. Devido à proximidade e abundância de Protoceratops, estes ovos cientistas acreditavam pertencer a este gênero. Cientistas descobriram, uma jazida de fósseis com mais de 30 ovos agrupados, e também havia fósseis de varias fêmeas de Protoceratops, o que indica que as fêmeas da espécie compartilhavam os seus ninhos entre os membros de seu grupo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Lista de dinossauros

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. [S.l.]: Impr. Nacional. 1953 
  2. Cavinato, Maria Lúcia (1998). Fósseis – Guia prático. [S.l.]: NBL Editora. ISBN 9788521310365 
  3. «Dinosaur incubation periods directly determined from growth-line counts in embryonic teeth show reptilian-grade development» (PDF) 
Ícone de esboço Este artigo sobre dinossauros é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.