Prova de tolerância à glicose oral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A prova de tolerância à glicose oral (PTGO), ou teste de tolerância à glicose (TTG) ou ainda teste oral de tolerância à glicose (TOTG), é um exame laboratorial que é geralmente utilizado para realizar o diagnóstico de pré-diabetes, diabetes, resistência à insulina ou disfunção de células beta do pâncreas. Além disso, também pode ser utilizada para diagnóstico de acromegalia e hipoglicemia reativa. Na gestação, o teste é realizado entre 24 e 28 semanas para auxiliar no diagnóstico de diabetes gestacional. No teste padronizado do exame, são realizadas coletas de sangue seriadas após a ingestão de 75 gramas de dextrosol (glicose anidra).

O fundamento do teste é dosar a glicose nestes intervalos e avaliar se a glicose está a ser metabolizada pela insulina (cuja função é transportar a glicose para dentro das células e tecidos, diminuindo a sua concentração no sangue).

Quando a insulina não age de forma correta, diz-se que o paciente tem resistência à Insulina. Se essa resistência for muito acentuada o paciente pode desenvolver diabetes mellitus tipo II, sendo, neste caso, necessário tratamento.

A primeira opção de tratamento é sempre controle da dieta e prática de exercícios físicos. Quando esse tratamento não funciona é necessária a administração de hipoglicemiantes orais e, em situações mais graves, é necessária a administração de insulina.

Avaliação[editar | editar código-fonte]

Critérios de diagnóstico da diabetes[1][2]
Condição Glicemia P às 2h Glicemia P jejum HbA1c
mmol/l(mg/dl) mmol/l(mg/dl) %
Normal <7,8 (<140) <6,1 (<110) <6,0
Anomalia da glicemia em jejum (AGJ) <7,8 (<140) ≥ 6,1(≥110) & <7,0(<126) 6,0–6,4
Anomalia da tolerância à glicose (ATG) ≥7,8 (≥140) <7,0 (<126) 6,0–6,4
Diabetes mellitus ≥11,1 (≥200) ≥7,0 (≥126) ≥6,5

Interpretação[editar | editar código-fonte]

A existência de níveis elevados de glicemia após 2 horas da ingestão da carga de 75 gramas de dextrosol mostra uma alteração do metabolismo da glicose, geralmente ocasionado pela resistência à insulina.

Pacientes com valores superiores a 200 mg/dL de glicemia após 2 horas são diagnosticados como diabetes. Nos pacientes que apresentam um valor entre 140 e 199 mg/dL de glicemia às 2 horas, existe um tipo de pré-diabetes chamado de intolerância à glicose ou tolerância à glicose diminuída. pelo menos 50% das pessoas classificadas como Intolerantes à Glicose vão desenvolver Diabetes nos próximos 10 anos[3].

Referências

  1. Definition and diagnosis of diabetes mellitus and intermediate hyperglycemia: report of a WHO/IDF consultation (PDF). Geneva: World Health Organization. 2006. p. 21. ISBN 978-92-4-159493-6 
  2. Vijan, S (março de 2010). «Type 2 diabetes». Annals of Internal Medicine. 152 (5): ITC31-15. PMID 20194231. doi:10.1059/0003-4819-152-5-201003020-01003 
  3. Niemies, Alan (27 de agosto de 2018). «Intolerância à Glicose». MedSimples. Consultado em 31 de agosto de 2018. 

Ver também[editar | editar código-fonte]