Pruitt-Igoe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pruitt-Igoe
Pruitt-Igoe-overview.jpg

Aspecto do complexo.

História
Arquiteto
Abertura
1955
Demolição
1972-1976
Status
Demolido
Uso
Residencial
Arquitetura
Estilo
Superfície
230 mil metros quadrados
Pisos
11
Localização
Localização
Endereço
Coordenadas

O Pruitt-Igoe foi um complexo residencial urbano desenvolvido entre 1954 e 1955 na cidade de St. Louis, no Missouri, Estados Unidos. Seu nome vem da configuração inicial dos edifícios, que eram dois complexos chamados Wendell Olliver Pruitt Homes e William Leo Igoe Apartments.[1][2] Logo após sua conclusão, as condições de vida em Pruitt-Igoe começaram a entrar em decadência, e na década de 1960, a área estava em extrema pobreza, com altas taxas de criminalidade e segregação, o que provocou a reação da mídia internacional ao declínio do bairro. O conjunto foi projetado pelo arquiteto Minoru Yamasaki, que também projetou as torres do World Trade Center.

Todos os 33 prédios foram demolidos com explosivos em meados dos anos 1970[3][4], e o projeto se tornou um símbolo de renovação urbana e planejamento de políticas públicas. As dimensões do fracasso de Pruitt-Igoe, provocaram um intenso debate sobre a política de habitação pública. O projeto Pruitt-Igoe foi uma das primeiras demolições de edifícios arquitetônicos modernos e sua destruição foi descrita pelo arquiteto paisagista, teórico e historiador de arquitetura Charles Jencks como "o dia em que a arquitetura moderna morreu"[5]. O material gravado da demolição foi incluído no filme Koyaanisqatsi, de Godfrey Reggio, com música de Philip Glass, que compôs uma peça de oito minutos que recebeu o nome do projeto.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Durante as décadas de 1940 e 1950, a cidade de Saint Louis, restrita por seus limites estabelecidos em 1876, era "um lugar lotado"; em um sentido clássico, parecia e parecia uma verdadeira grande cidade... como se fosse tirada de um romance de Charles Dickens.[6] Seu inchaço urbano tornou-se dramático durante o período entreguerras e a Segunda Guerra Mundial. Mais de 85.000 famílias viviam em apartamentos do século XIX e um estudo oficial em 1947 revelou que 33.000 famílias ainda tinham banheiros comunitários[6]. Residentes de classe média, principalmente brancos, estavam deixando a cidade e suas antigas casas eram ocupadas por famílias de baixa renda. Os bairros negros (ao norte) e brancos (ao sul) da parte antiga da cidade segregaram e se expandiram, ameaçando engolir o centro da cidade[7]. Para salvar as propriedades do centro de uma desvalorização iminente, as autoridades de St. Louis iniciaram um redesenvolvimento do "anel central" ao redor do distrito de negócios[7]. A decadência foi tão profunda que a gentrificação dos imóveis existentes foi considerada impraticável.[6]

Em 1947, os planejadores de St. Louis propuseram a substituição do bairro negro de DeSoto-Carr, por dois e até três novos blocos de edifícios residenciais e um parque público. No entanto, o plano não foi finalmente implementado. Em vez disso, o prefeito democrata Joseph Darst, eleito em 1949, e os líderes republicanos do estado, optaram pela limpeza total das favelas e sua substituição por habitações públicas de alta densidade. Eles explicaram que os novos projetos criariam um resultado líquido positivo para a cidade através de maiores receitas, novos parques, áreas de recreação e espaços comerciais.[6]

Devemos reconstruir, abrir e limpar os corações das nossas cidades. O fato de que os bairros marginalizados foram criadas com todos os males intrínsecos foi culpa de todos. Agora é responsabilidade de todos reparar esse dano.
Joseph Darst, 1951[8]

Em 1948, os eleitores rejeitaram a proposta de um empréstimo municipal para financiar a mudança, mas logo a situação mudou com a Housing Act (Lei de Habitação) de 1949 e as leis do estado de Missouri que forneciam um co-financiamento de projetos habitacionais públicos. A abordagem feita por Darst, de renovação urbana, foi compartilhada pela administração de Harry S. Truman e prefeitos de outras cidades, oprimidos pelos trabalhadores industriais recrutados durante a guerra.[2] Em particular, a Saint Louis Land Clearance and Redevelopment Authority ("Autoridade de Limpeza e Redesenvolvimento das Terras de St. Louis") foi autorizada a adquirir e demolir os bairros menos favorecidos do anel central e, assim, vender o terreno a preços mais baixos para promotores privados, incentivando o retorno da classe média e o crescimento do setor empresarial. Outra agência, a Saint Louis Housing Authority ("Autoridade de Habitação de Saint Louis"), teve que limpar a terra com o objetivo de construir habitação pública para a antiga população dos bairros mais pobres.[7][9]

Em 1950, St. Louis já havia obtido um compromisso federal para financiar 5.800 unidades de habitação pública.[10] O primeiro grande projeto deste tipo na cidade, Cochran Gardens, foi concluído em 1953 e foi destinado a brancos de baixa renda. Consistia de 704 habitações dispostas em doze grandes edifícios[2] e sua continuação foi Pruitt-Igoe, Darst-Webbe e Vaughan. Pruitt-Igoe destinava-se a jovens brancos e negros de classe média, isolados em diferentes edifícios; enquanto Darst-Webbe teria como alvo inquilinos brancos de baixa renda. A Habitação Pública no Missouri manteve a segregação racial até 1956.[11]

Projeto e construção[editar | editar código-fonte]

Concepção para um corredor comum do Pruitt-Igoe.

Em 1950, a cidade contratou a empresa Leinweber, Yamasaki & Hellmuth para projetar Pruitt-Igoe, um novo desenvolvimento urbano. O nome do complexo veio de Wendell Olliver Pruitt, um piloto afro-americano natural de St. Louis que lutou na Segunda Guerra Mundial, e William Leo Igoe, ex-congressista estadunidense.[12] Em princípio, a cidade planejou duas divisões: as habitações do Capitão W.O. Pruitt para residentes negros e os apartamentos William L. Igoe para brancos.[13] A área era limitada pela Avenida Cass ao norte, a Avenida North Jefferson Avenue a oeste, a Rua Carr ao sul e a Rua North 20th ao leste. O complexo foi construído no bairro de DeSoto-Carr.[7]

O projeto foi feito pelo arquiteto Minoru Yamasaki, que mais tarde projetaria o World Trade Center em Nova Iorque. Este foi o primeiro grande trabalho de Yamasaki, conduzido sob a supervisão e restrições impostas pela Public Housing Authority (PHA, "Autoridade de Habitação Pública"). A proposta inicial consistia em uma mistura de edifícios altos, médios e baixos. Foi aceito pelas autoridades de St. Louis, mas excedeu os limites do orçamento federal impostos pela PHA. A agência interveio e impôs um edifício uniforme de onze andares[10][13]. A escassez de materiais causada pela Guerra da Coreia e as tensões no Congresso aumentaram o controle da PHA.[10]

O Pruitt-Igoe e seu entorno.

Em 1951, a Architectural Forum elogiou a proposta original de Yamasaki e chamou-a de "o melhor apartamento em altura" do ano. A densidade total foi estabelecida em um nível moderado de 50 unidades por acre (maior que nos bairros pobres do centro)[10], e ainda, de acordo com os princípios de planejamento de Le Corbusier e do Congresso Internacional de Arquitetura Moderna, os edifícios foram organizados em onze andares, numa tentativa de alocar os jardins e o térreo para áreas comuns[14]. Architectural Forum descreveu o design como "bairros verticais para pessoas pobres"[8]. Supunha-se que cada fileira de edifícios seria flanqueada por "um rio de árvores"[14], de acordo com o desenvolvimento de uma ideia por Harland Bartholomew[13]. No entanto, parques e áreas de recreação não eram adequados; as áreas de recreação só foram adicionados depois que os proprietários pressionaram pela sua instalação. Com a sua conclusão em 1955, Pruitt-Igoe consistia, então, em 33 edifícios de onze andares cada um em uma área de 23 hectares localizada no norte de St. Louis. O complexo abrigava 2.870 apartamentos, tornando-se um dos maiores dos Estados Unidos.[11] Os apartamentos eram extremamente pequenos, tendo cozinhas mínimas.[11] Os elevadores suspensos pararam apenas no primeiro, quarto, sétimo e décimo andar, forçando os vizinhos a usar as escadas na tentativa de descongestionar o uso do elevador. Os andares térreos eram equipados com grandes corredores, lavanderias, salas comuns e canos de lixo. No entanto, escadas e corredores atraíram assaltantes.[11] O sistema de ventilação era ruim e não havia ar-condicionado.[11][9]

Apesar dos cortes iniciais do governo federal, o custo final de Pruitt-Igoe subiu para 36 milhões de dólares, 60% acima da média nacional de habitação pública na época.[11] Os conservadores atribuíram os custos excessivos aos salários inflacionados devido à influência dos sindicatos, que também levaram à instalação de um sistema de aquecimento caro[11]; esses custos extras levaram a uma série de cortes arbitrários em outras partes essenciais dos edifícios.

Apesar disso, Pruitt-Igoe teve, no início, boas críticas, pois foi visto como um avanço na renovação urbana[8]. Apesar da má qualidade dos edifícios, os fornecedores de materiais fizeram referência ao Pruitt-Igoe em seus anúncios, aproveitando a exposição nacional do projeto urbano.[8]

O complexo em 1968.

Decadência[editar | editar código-fonte]

Janelas quebradas do decadente Pruitt-Igoe, que, abandonado, tornou-se alvo de vândalos.

Uma decisão de 1956 da corte do Missouri acabou com a política de segregação racial no estado e o novo complexo de edifícios, agora integrado sob o nome Pruitt-Igoe, foi habitado principalmente por inquilinos negros. Os brancos decidiram não fazer parte do bairro novo e inclusivo.[15]

Os edifícios permaneceram desabitados durante anos, embora diferentes fontes diferem em termos de níveis de despovoamento: de acordo com Newman, a ocupação nunca excedeu os 60%[14]; enquanto Ramroth afirmou que a desocupação foi de um terço em 1965[3]. Apesar disso, todos os autores concordam que no final da década de 1960 Pruitt-Igoe estava em um estado avançado de negligência e deterioração, transformando o bairro em foco de decadência, insegurança e criminalidade. O arquiteto do complexo lamentou essa situação: "Nunca pensei que as pessoas fossem tão destrutivas"[16]. Em 1971, Pruitt-Igoe abrigava apenas seiscentos pessoas em dezessete edifícios; os outros dezesseis foram abandonados.[17] Enquanto isso, o vizinho bairro de Carr Village, de composição demográfica semelhante, permaneceu totalmente ocupado e sem problemas durante a construção, ocupação e declínio do Pruitt-Igoe.[18]

Apesar do declínio das áreas públicas e da violência de gangues, Pruitt-Igoe manteve um relativo bem-estar durante seus piores anos. Os próprios inquilinos trabalhavam e limpavam as áreas comuns e, muitas vezes, funcionava. Mas quando os corredores foram divididos por vinte famílias e as escadas por centenas, os espaços públicos caíram, portanto, em decadência.[18] Ninguém se identificava mais com aquelas "terras de ninguém" - onde era "impossível sentir... distinguir um vizinho de um intruso"[18]-.

Os habitantes de Pruitt-Igoe criaram uma associação de vizinhos, dando origem a pequenas associações comunitárias, como, por exemplo, a criação de habitações de artesãos. Estas habitações permitiram que as mulheres de Pruitt-Igoe conhecessem, socializassem e criassem elementos decorativos, colchas e estátuas e depois as vendessem.

Demolição[editar | editar código-fonte]

A segunda e amplamente televisionada demolição de um prédio do Pruitt-Igoe em abril de 1972, que se seguiu à demolição de 16 de março.

Em 1968, o Departamento Federal de Habitação começa a incentivar os moradores remanescentes de Pruitt-Igoe a deixar o bairro[19].

Em dezembro de 1971, autoridades estaduais e federais concordaram em demolir dois dos prédios de Pruitt-Igoe. Eles esperavam que uma redução progressiva da população nos edifícios pudesse melhorar as condições. Naquela época, Pruitt-Igoe já havia consumido US$ 57 milhões, um investimento que não poderia ser abandonado[3]. Diferentes possibilidades foram consideradas para tentar reabilitar Pruitt-Igoe, entre as quais a conversão para edifícios mais baixos foi incluída, reduzindo-os a quatro plantas em uma reorganização "horizontal" do projeto.[3][20]

Após meses de preparação, o primeiro edifício foi demolido por detonação controlada às 15h em 16 de março de 1972.[3] O segundo prédio foi demolido em 22 de abril de 1972.[3] Após várias operações de detonação realizada em 15 de julho do mesmo ano, a primeira etapa da demolição concluída. O governo federal descartou qualquer plano de reabilitação e Pruitt-Igoe agonizou por mais três anos, tendo o resto do complexo sendo demolido nesse período. O local foi finalmente limpo em 1976. Hoje, o espaço em que o complexo urbano estava localizado é parcialmente usado pela Escola de Ensino Médio Gateway e Escola Básica Gateway, bem como a Escola Militar Pruitt Military Academy; todos estão dentro do distrito de escolas públicas de St. Louis. O resto da terra foi plantado com árvores. O antigo bairro de DeSoto-Carr que rodeava Pruitt-Igoe também foi demolido e substituído por residências unifamiliares de menor altura.

Legado[editar | editar código-fonte]

As razões pelas quais Pruitt-Igoe falhou são complexas. Geralmente tem sido apresentado como uma falha puramente arquitetônica.[21] Outros críticos atribuíram isso a fatores sociais como o declínio econômico de St. Louis, a marcha dos brancos para a periferia da cidade, e politizaram a oposição local aos planos habitacionais do governo. A verdade é que o caso de Pruitt-Igoe é mostrado como um exemplo a ser estudado em arquitetura, sociologia e política: "um embotamento no ambiente e no comportamento da literatura"[22], ao ponto de a história que cerca o Pruitt-Igoe é cheio de mal-entendidos e equívocos.[22]

Frequentemente, Pruitt-Igoe é apresentado como um projeto inovador que não funcionou na prática, mas em termos de prêmios por seu design.[23][24] No entanto, ele nunca ganhou nenhum prêmio profissional que não fosse um reconhecimento de "Melhor Edifício de Apartamentos" da Architectural Forum - sendo que a própria revista declarou o fracasso do projeto em 1965.[22][9]. Por exemplo, um projeto anterior feito em St. Louis pelos mesmos arquitetos, Cochran Gardens, recebeu dois prêmios.[22] Katherine G. Bristol afirma que este erro voluntário dos críticos foi parte de uma manobra geral para culpar os fracassos da habitação pública do estilo internacional, aparentemente insensível à sociedade do mundo real e à reavaliação da arquitetura moderna a partir da década de 1970. [22]

A cidade de arquitetura moderna, como a construção psicológica e modelo físico, é uma experiência tragicamente absurda ... A cidade de Le Corbusier, a famosa cidade dos CIAM e divulgada pela Carta de Atenas; a antiga cidade da libertação é cada dia mais inadequada.
Colin Rowe, Fred Koetter (1976). Collage City. [S.l.: s.n.] 

Charles Jencks, cuja frase "A arquitetura moderna morreu em St. Louis, Missouri, em 15 de julho de 1972, às 15h32", se referindo a demolição, ficou famosa, foi um dos críticos que se referiu aos prêmios inexistentes concedidos pelo Instituto Americano de Arquitetos[24], e usou Pruitt-Igoe como um exemplo das perigosas intenções modernas que são contrárias ao desenvolvimento social do mundo real.[24] Essa ideia ignora o fato de que a situação, a densidade populacional, as limitações de custo e até mesmo o número de andares dos edifícios foram impostos pelas autoridades estaduais e federais.[25]

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

O filme Koyaanisqatsi, de Godfrey Reggio, tem uma sequência chamada "Pruitt-Igoe", que contém várias imagens de projetos habitacionais em ruínas, incluindo imagens da decadência e demolição do projeto habitacional de Pruitt-Igoe. A sequência termina com imagens da demolição de vários prédios, dentre eles, o Edifício Mendes Caldeira em São Paulo. A sequência, como todo o filme, possui uma música composta por Philip Glass - a desse trecho é também chamada Pruitt-Igoe e já foi usada em outras mídias, como, por exemplo, no filme de 2009 Watchmen.[26]

Referências

  1. Checkoway, p. 245
  2. a b c Larsen, Kirkendall, p. 61
  3. a b c d e f Ramroth, p. 165
  4. Mendelssohn, Quinn, p. 163
  5. Jencks, p.9
  6. a b c d Larsen, Kirkendall, p. 60
  7. a b c d Bristol, p. 353
  8. a b c d Ramroth, p. 164
  9. a b c «Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki». ArchDaily. 19 de maio de 2017. Consultado em 17 de julho de 2018. 
  10. a b c d Bristol, p. 354
  11. a b c d e f g Larsen, Kirkendall, p. 62
  12. Sisson, p. 1237
  13. a b c Hall, p. 256
  14. a b c Newman, p. 10
  15. Hoffmann
  16. Patterson, p. 336
  17. Larsen, Kirkendall p. 63
  18. a b c Newman, p. 11
  19. Ramroth, p. 171
  20. Leonard
  21. Bristol, p. 352
  22. a b c d e Bristol, p. 359
  23. Pipkin, p. 232
  24. a b c Jencks, 9
  25. Bristol, p. 360
  26. Gold, p. 63

Bibliografia[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pruitt-Igoe
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em castelhano, cujo título é «Pruitt-Igoe».