Pseudofungi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPseudofungi
Heterokontimycotina
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Chromalveolata
Filo: Heterokontophyta
(sem classif.) Pseudofungi
Cavalier-Smith, 1986[1]
Classes
Sinónimos

Pseudofungi, também conhecido como Heterokontimycotina,[2] é um agrupamento taxonómico dos Heterokontophyta.[3][4] É composto pelos grupos Oomycota e Hyphochytriomycetes.[2] Apesar de numerosas características bioquímicas, genéticas e ultraestruturais o colocarem no grupo dos Heterokontophyta, a presença de hifas e o modo de nutrição assemelham-no aos fungos (que não é um grupo proximamente relacionado).[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Pseudofungi é um agrupamento taxonómico de heterocontes,[5][6] também frequentemente designado por Heterokontimycotina dada agrupar heterocontes morfologicamente semelhantes a fungos (daí a terminação «mycotina»),[7] que agrupa para além do género unicelular Developayella (cuja colocação no grupo é incerta) as classes Oomycota e Hyphochytriomycetes.[2]

Apesar de numerosas características bioquímicas, ultraestruturais e genéticas colocarem claramente estes organismos entre os heterocontes (Heterokonta), a sua forma de crescimento (caracterizada pela presença de hifas) e modo de nutrição (numa forma de osmotrofia) são muito semelhantes aos fungos (embora claramente não estejam filogeneticamente próximos).[2] Estas semelhanças parecem resultar de um fenómeno de convergência evolutiva associada a transferência horizontal de genes, o que explicaria as profundas coincidências de soluções morfo-estruturais e bioquímicas.

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Face ao presente estado dos conhecimentos sobre a filogenética do grupo, acredita-se que os pseudofungos descendam de uma linhagem heteroconte unicelular de algas cromistas que perderam os plastídeos no decurso do processo evolutivo. Embora não tenham sido até agora encontradas evidências desses plastídeos, foi contudo comprovada a existência de plastídeos endossimbióticos em algas vermelhas.[8] Por analogia com o percurso evolutivo das algas vermelhas, é possível admitir um proto-pseudofungi, provavelmente um parasita unicelular heterotrófico de cogumelos, possa ter obtido genes de origem fungíca por transferência horizontal de genes, o que levaria ao desenvolvimento da multicelularidade fúngica por evolução convergente,[9] o que explica a presença de um tipo de parede celular em que por vezes coexistem a quitina e a celulose.

Na sua presente circunscrição taxonómica o agrupamento apresenta as seguintes relações filogenéticas:

Chromalveolata heterotróficos 
 Bigyra
(unicelular) 

 Bigyromonadea (inc. Developayella)



 Bicosoecea


 Sagenista

 Labyrinthulomycetes



 Eogyrea



  Opalinata/Slopalinida 

 Opalinidae



 Proteromonadidae



 Blastocystidae




 Pseudofungi  
(multicelular) 
 

 Oomycetes



 Hyphochytriomycetes




Outros estudos postulam que seria um grupo parafilético, mostrando as seguintes relações:[10]

Heterokonta 

Bigyra (P)


Gyrista

Developayellida




Oomycota




Hyphochytridiomycota



Ochrophyta






Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Prog. Phycol. Res. 4: 341, 1986.
  2. a b c d e Van der Auwera G, De Baere R, Van de Peer Y, De Rijk P, Van den Broeck I, De Wachter R (1995). «The phylogeny of the Hyphochytriomycota as deduced from ribosomal RNA sequences of Hyphochytrium catenoides». Mol. Biol. Evol. 12 (4): 671–8. PMID 7659021 
  3. Riisberg I, Orr RJ, Kluge R; et al. (2009). «Seven gene phylogeny of heterokonts». Protist. 160 (2): 191–204. PMID 19213601. doi:10.1016/j.protis.2008.11.004 
  4. Cavalier-Smith T, Chao EE (2006). «Phylogeny and megasystematics of phagotrophic heterokonts (kingdom Chromista)». J. Mol. Evol. 62 (4): 388–420. PMID 16557340. doi:10.1007/s00239-004-0353-8 
  5. Riisberg I, Orr RJ, Kluge R, et al. (Maio 2009). «Seven gene phylogeny of heterokonts». Protist. 160 (2): 191–204. PMID 19213601. doi:10.1016/j.protis.2008.11.004 
  6. Cavalier-Smith T, Chao EE (Abril 2006). «Phylogeny and megasystematics of phagotrophic heterokonts (kingdom Chromista)». J. Mol. Evol. 62 (4): 388–420. Bibcode:2006JMolE..62..388C. PMID 16557340. doi:10.1007/s00239-004-0353-8 
  7. Van der Auwera G, De Baere R, Van de Peer Y, De Rijk P, Van den Broeck I, De Wachter R (Julho 1995). «The phylogeny of the Hyphochytriomycota as deduced from ribosomal RNA sequences of Hyphochytrium catenoides». Mol. Biol. Evol. 12 (4): 671–8. PMID 7659021. doi:10.1093/oxfordjournals.molbev.a040245 
  8. Richards TA, Talbot NJ (2007). «Plant parasitic oomycetes such as phytophthora species contain genes derived from three eukaryotic lineages». Plant Signal Behav. 2 (2): 112–4. PMC 2633911Acessível livremente. PMID 19704752. doi:10.4161/psb.2.2.3640 
  9. Richards TA, Dacks JB, Jenkinson JM, Thornton CR, Talbot NJ (2006). «Evolution of filamentous plant pathogens: gene exchange across eukaryotic kingdoms». Curr. Biol. 16 (18): 1857–64. PMID 16979565. doi:10.1016/j.cub.2006.07.052 
  10. Philippe Silar 2016, Protistes Eucaryotes.: Origine, Evolution et Biologie des Microbes Eucaryotes. 2016, 978-2-9555841-0-1. <hal-01263138>

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Pseudofungi
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pseudofungi