Psilocibina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Estrutura química de Psilocibina
Psilocibina
Star of life caution.svg Aviso médico
Nome IUPAC (sistemática)
3-[2-(Dimethylamino)ethyl]-1H-indol-4-ol dihydrogen phosphate ester
Identificadores
CAS 520-52-5
ATC ?
PubChem ?
Informação química
Fórmula molecular C12H17N2O4P 
Massa molar 284.25 g/mol
Dados físicos
Ponto de fusão 220-228 °C (Crystals from boiling water) °C
Farmacocinética
Biodisponibilidade ?
Metabolismo Hepático
Meia-vida Oral: 163±64 min

Intravenoso: 74.1±19.6 min

Excreção ?
Considerações terapêuticas
Administração Oral, Intravenosa
DL50 ?

A psilocibina (4-phosphoryloxy-N,N-dimethyltryptamine) é um alcalóide indólico do grupo das triptaminas alucinógenas.[1] Essa substância é produzida, principalmente, por fungos do gênero Psilocybe, que são amplamente encontrados ao redor do mundo, sendo mais comumente encontrada a espécie Psilocybe cubensis.[2] Certas espécies, como o P. cubensis, podem ter evoluído a capacidade de sintetizar psilocibina para defesa contra certos insetos fungívoros, visto que apresenta certa toxicidade para artrópodes.[3] Sendo um pró-fármaco, quando ingerida por humanos, a psilocibina é desfosforilada pelo metabolismo hepático em psilocina, o real princípio ativo psicotrópico, e quantidades significativas de psilocibina e psilocina podem ser encontradas no plasma sanguíneo entre 20 e 40 minutos após o consumo, de estômago vazio.[1] A psilocina é uma substância análoga à serotonina e age como um agonista dos receptores de serotonina 5-HT,[4] podendo causar efeitos psíquicos (estados alterados de consciência, sinestesias, aumento de introspecção e experiências hipnagógicas) e somáticos (midríase, piloereção e irregularidades no sistema cardiorrespiratório).[1]

É considerado um enteógeno, sendo estudada há pouco mais de um século, ganhando popularidade com os estudos do Dr.Timothy Leary e Dr. Richard Alpert na Universidade de Harvard (Harvard Psilocybin Project) na década de 1960 sendo culturalmente associado ao movimento hippie, junto ao LSD. Não foi tão popular quanto o mesmo apesar de produzir efeitos similares.[5][6] Estava presente na medicina tradicional asteca-nahuatl da Meso-América. Os astecas o chamavam genericamente de teonanácatl ou carne dos deuses, os mazatecos o denominam ntsi-si-tho onde ntsi é um diminutivo carinhoso e o restante da palavra poderia ser traduzido como "aquele que brota".[7][8][9] A elevada frequência de provas arqueológicas, na forma de estatuetas de cogumelos, encontrados na Guatemala evidenciam seu uso na civilização maia e possível difusão para o México.[10][11]

Origem[editar | editar código-fonte]

Os fungos superiores dos gêneros "Psilocybe", "Panaeolus" e "Conocybe" perfazem uma série de mais de 180 espécies, são utilizados pelo menos 3000 anos na cultura dos povos do México Asteca-Náhuatl possuindo características comuns à utilização xamânica, ainda mais antiga, do cogumelo Amanita muscaria nas populações siberianas. Esse último além da muscarina, cujos efeitos parassimpaticomiméticos ou colinérgicos (atua feito a acetilcolina) são bem conhecidos, possuem substancias peptídicas (neuropeptídeos) ainda não bem conhecidas próximas do ácido ibotênico (muscimol) associadas ao seu efeito psicodisléptico. Wasson refere ainda que os os Dyaks de Bornéu e os nativos do Monte Hagen da Nova Guiné também recorrem a cogumelos semelhantes.[12][13]

Entre os Basídiomicetos (classe de fungos com estrutura características para dispersão de esporos) encontram-se várias espécies com Psilocibina os mais conhecidos e utilizados pelas populações americanas fazem parte dos gêneros: Psilocybe, Panaeolus e Conocybe, atualmente reunidos na ordem Agaricales e família Strophariaceae em sua maioria, principalmente o conhecido "golden top" Stropharia cubensis quando classificado como um gênero (Stropharia) integrante antiga ordem Strophariaceae (atualmente Agaricales).[14][15]

Entre os cogumelos de pasto um dos mais comuns na América do Sul e Central é o "golden top" mais recentemente classificado como Psilocybe cubensis por integrar ao gênero Psilocybe e tem como habitat: solo argiloso, pastos abertos com crescimento associado à incorporação ao solo de esterco bovino. Distinções se fazem por altitude, regiões geográficas e afinidade por água. O Psilocybe zapotecorum, cresce nos charcos e lugares alagados por isso são chamados de apipiltzin (filhos das águas) por sua relação com o Deus das Chuvas (Tlaloc).

Considerando-se a presença de Psilocibina e Psilocina além dos citados anteriormente, existem centenas de espécies do gêneros entre estes: Inocybe, Copelandia, Gymnopoulos, Pluteus e outros.

O gênero Psilocybe está presente em todos os continentes, mas nem todos possuem substancias psicotrópicas. Entre as espécies com propriedades "alucinogénas" mais utilizadas incluem-se cerca de 144-130 espécies perfeitamente classificadas no gênero Psilocybe entre as quais: P. mexicana, P. caerulescans, P. semperviva, P. mazatecorum, P. zapotecorum, P. Aztecorum.[16]

A psilocibina pode ser encontrada em cogumelos selvagens ou cultivados em ambiente controlado. Estes podem ser comprados em smartshops ou na Internet sendo que os mercados dominantes correspondem à Holanda e ao Reino Unido.[17]

Efeitos[editar | editar código-fonte]

Os efeitos da psilocibina têm caráter alucinógeno na maioria dos casos. Após a ingestão da substância (através do chá de cogumelo ou do cogumelo desidratado e moído, por exemplo) o indivíduo leva tipicamente cerca de 15 a 45 minutos para começar a sentir os efeitos. Os efeitos variam de pessoa para pessoa e também dependem do tipo de cogumelo ingerido. A princípio pode-se ter uma impressão de leve tontura e até mesmo um certo desconforto gástrico (que pode ocasionar vômito). Muitas sensações agradáveis que incluem simpatia com as outras pessoas e com o universo. Em um segundo momento é possível perceber alterações nas percepções visuais e noção de espaço. Por volta da 2º hora costuma-se alcançar o topo da "viagem". Neste ponto, dependendo da quantidade ingerida, pode-se estar em um estado totalmente desconexo da realidade. Variações intermitentes em todos os sentidos provocando sinestesia e desprendimento do ego são comuns.

Experiências místicas de comunhão com a divindade, ou integração com a natureza, são também comuns, mas dependem do contexto de utilização. Wasson inquirindo seus informantes Mixetecos das montanhas do México, sobre o que era esse efeito recebeu a seguinte resposta: "Le llevan ahí donde Dios está" (eles o levam lá onde Deus está) [12]

O ponto alto do efeito pode ser extremamente agradável e, segundo alguns usuários, descrito como "viagem" talvez pela profusão de imagens percebidas, é de um aprendizado (insight) considerável. No entanto, algumas pessoas ou em algumas situações pode-se realmente sentir-se desconfortável com as alucinações ou visões. Há pessoas que relatam experiências místicas com a psilocibina que lhes pareceram extremamente positivas, mas há também quem tenha viagens péssimas e cheias de medo ou paranoia.

Tratando-se de psicodélicos ou alucinógenos não se pode ignorar o contexto ou set em que se consome a substância, contudo há diferenças farmacológicas no efeito agonístico do LSD e psilocibina de acordo com os sítios receptores de atuação. Segundo, Miranda;Taketa; Vilaroto-Vera,[18] o LSD atua sobre vários receptores da serotonina (5-HT) enquanto que a psilocibina é mais seletiva (especificamente em relação ao 5-HT2).

Recentes pesquisas têm encontrados efeitos potenciais promissores para utilização da psilocibina e LSD sobre cefaleia em salvas. A enxaqueca vem sendo tradicionalmente tratada com triptaminas não psicodélicas e ergotaminas, ou seja, moléculas estruturalmente afins.

Efeito de cura ritual ou psicoterapia ainda necessita maior aprofundamento face aos séculos de perseguição católica ou impedimentos legais decorrentes do uso recreativo descontrolado que inadequadamente foi combatido por proibição policial e hoje se sabe que não se pode destruir valores culturais sem efeitos deletérios sobre a organização social incluindo-se nesse contexto o consumo desorientado, ou seja, o ritual é uma forma de controlar o consumo.

Entre as indicações de uso por médicos feiticeiros (ticitl) da cultura asteca-nahuatl encontram-se : febre, dores de dente, gota, constipação gripe além dos males identificados no conhecimento médico religioso tradicional como o “espanto”, “ares” de doença (elhigattl cocolitzle) “castigos” de divindades específicas do vento água, da chuva, dos montes (frio) ou mesmo o tlazolmiquiztli (a morte causada pelo amor) e as manifestações psicossomáticas de enfeitiçamento maléfico entre outros agravos para as quais o diagnóstico através do uso ritual do teonanácatl é fundamental.

O uso dos cogumelos contendo psilocibina deve ser feito com cuidado por indivíduos que consomem álcool e outro tipo de drogas de abuso, uma vez que os seus efeitos podem ser exacerbados. Indivíduos com história pessoal ou familiar de doenças psiquiátricas também devem ter cautela devido ao risco de potenciar os sintomas psicóticos e os comportamentos suicidas. Em consequência da bradicardia ou taquicardia geradas pela psilocibina, pessoas com patologias cardiovasculares devem também evitar o consumo de psilocibina.[19]

Estudos médicos[editar | editar código-fonte]

A Psilocibina tem sido objeto de pesquisas médicas desde a década de 1960, quando os médicos e cientistas estadounidenses, como referido, Leary e Alpert coordenavam o Projeto Psilocibina da Universidade de Harvard, onde conduziram vários experimentos para avaliar o valor terapêutico da psilocibina no tratamento de condições psiquiátricas, como os transtornos de personalidade, ou para averiguar se psilocibina melhorava os resultados positivos da psicoterapia. [veja referencias na página inglesa deste mesmo tópico, com os números aqui citados]

 Na primeira década deste milênio (anos 2000s), renovou-se o interesse na pesquisa médica destes cogumelos e do uso de certos remédios psicodélicos com fins de aplicações clínicas, farmacêuticas e hospitalares, como o alívio da ansiedade crônica, depressão clínica, e vários tipos de dependências sofridas por adictos.[20] Em 2008, a equipe de pesquisa médica da respeitada Universidade de Medicina de Johns Hopkins, EUA, publicou uma lista de recomendações para a condução responsável de pesquisa médica em testes com psilocibina e outros alucinógenos em humanos. Um estudo de 2010 sobre os efeitos de curto e longo prazo da psilocibina em ambientes clínicos concluiu que, apesar de um pequeno risco de reações emocionais agudas temporárias, como a ansiedade ou o pânico, "a administração de doses moderadas de psilocibina em pacientes saudáveis e capazes de cuidar-se de si mesmos, dentro de um contexto de um ambiente monitorado, demonstra um nível aceitável de risco."

No primeiro estudo clínico da psilocibina aprovado pela Administração de Remédios e Comidas dos Estados Unidos [U.S.A. Food and Drug Administration (FDA)] desde 1970—conduzido por Francisco Moreno na Universidade de Arizona e apoiado pela Associação de Estudos Psicodélicos Multidisciplinários—estudaram-se os efeitos da psilocibina em pacientes com distúrbio ou transtorno obsessivo–compulsivo, comumente conhecidos como T.O.C. ou "toques".[21] O estudo piloto constatou que, quando administrada por profissionais médicos em um ambiente clínico, o uso da psilocibina demonstra uma redução substancial de sintomas do transtorno obsessivo-compulsivo na maioria dos pacientes. Tal efeito é causado porque a psilocibina é capaz de reduzir os níveis de receptores 5-HT2A, resultando em menor reatividade a serotonina. Psicoterapia assistida por psilocibina para o tratamento da depressão está sendo pesquisada.[22][23] Em 2018, a Food and Drug Administration (FDA) concedeu a Designação de Breakthrough Therapy para terapia assistida por psilocibina para depressão resistente ao tratamento[24] e em 2019 para transtorno depressivo maior.[25] Psilocibina também mostra-se bastante promissora em aliviar as dores insuportáveis causadas pelas debilitantes enxaquecas crônicas (cefaleia histamínica ou cefaleia em salvas), consideradas "uma das piores síndromes de dor que afetam a humanidade." Em um estudo de 2006, mais da metade dos pacientes com cefaleia histamínica confirmaram que a psilocibina abortou so ataque de dores; a grande maioria dos pacientes afirmaram que depois de tomá-la, entraram em perídos longos de remissão em que não sofreram dores nem ataques. Uma análises de tratamentos alternativos para dores de cabeça, feito em 2011, concluiu que a psilocibina merece mais pesquisa como um remédio para o alívio da enxaqueca crônica (cefaleia histamínica)—também ressaltou-se que a dosagem eficaz é subhalucinógena, ou seja, em tão pouca quantidade que o paciente se mantêm lúcido. Nenhum outro medicamento existe no mercado para tratar ou eliminar os ciclos de enxaquecas crônicas.

Muitos estudos atuais pesquisaram o alívio do sofrimento psicológico que a psilocibina oferece a pacientes em estágios terminais de câncer. Resultados indicam que uma dose baixa de psilocibina melhora o ânimo e reduz a ansiedade dos pacientes com câncer avançado; tais efeitos duram entre duas semanas e seis meses.

Há uma perceptível vivência de efeitos humanitaristas e conexão com o "Todo Universal", o que leva os usuários a sentir uma espécie de integração com a Natureza e com o Cosmos. Bem direcionado, este aumento da percepção extrassensorial leva a uma experiência positiva de crescimento pessoal num nível mais sutil e evoluído.

Adicionalmente, foram realizados outros estudos que demonstram a utilidade da psilocibina em condições como o alcoolismo,[26] o tabagismo[27] e a desmoralização associada à SIDA.[28]

Tolerância e dependência[editar | editar código-fonte]

A psilocibina e psilocina não causam vício ou dependência, por não interagirem com o sistema de recompensa dopaminérgico.[29] Novas estratégias farmacológicas de tratamento para Transtornos de Abuso de Substância têm tido como alvo o craving ou “fissura”,[30] que se caracteriza, de forma bem simplificada, pelo desejo intenso do uso da substância.[31] O grupo dos psicodélicos alucinógenos, como a psilocina, podem ter efeito de anti-craving e já foi comprovado que possuem a capacidade de aliviar os sintomas de dependência de álcool e tabaco.[30] A psilocina pode gerar certa tolerância, havendo, também, tolerância cruzada entre o LSD e a psilocina.[32]

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

A toxicidade da psilocibina é baixa. Em ratos, a dose média letal (LD50) quando administrada oralmente é de 280miligramas por kilograma (mg/kg), aproximadamente uma vez e meia a da cafeína. Quando a administração endovenosa em coelhos, a LD50 da psilocibina é de aproximadamente 12.5 mg/kg. A psilocibina representa aproximadamente 1% do peso dos cogumelos Psilocybe cubensis, assim 1.7 kg de cogumelos secos ou 17 kg de cogumelos frescos seriam necessários para uma pessoa de 60Kg alcançar as 280 mg/kg necessárias para uma overdose. Baseado nos resultados com estudos em animais, a dose letal da psilocibina é considerada 6g, 1000 vezes maior do que sua dose efetiva de 6 milligramas.

A intoxicação por psilocibina é rara e, geralmente, é acidental. Quando ocorre em adultos, raramente é necessária hospitalização mas em crianças pode gerar sintomas graves. Os sintomas iniciam cerca de 30 minutos após a ingestão e podem manter-se por 4-12 horas.[33] Não existe nenhum antidoto para a psilocibina[34] pelo que o tratamento da intoxicação passa pelo suporte a nível dos sintomas. Para tal, usa-se benzodiazepinas e/ou antipsicóticos.[35]

Toxicinética[editar | editar código-fonte]

Após a administração oral, a psilocibina demora cerca de 20-40 minutos até ser detetada no sangue, sendo que a concentração máxima se atinge após 80-100 minutos.

A psilocibina é um pro-fármaco que é sujeito a uma desfosforilação, pela fosfatase alcalina, no fígado e no intestino originando a psilocina que é responsável pelos efeitos psicadélicos.

Por sua vez, a psilocina é sujetia a reações de fase I tais como a desmetilação e oxidação, pela MAO ou pela aldeído desidrogenase, a um metabolito intermediário que sofre posteriormente uma oxidação ou redução.[34] As reações de fase II correspondem à glucuronidação por ação da UGT1A10 no intestino delgado e da UGT1A9 no fígado.[36]

A psilocibina tem um tempo de semi-vida de 160 minutos enquanto que a psilocina tem um tempo de semi vida de 50 minutos. A psilocibina é eliminada maioritariamente na urina (65%) sob a forma de metabolito glucuronídeo.[34]

Uso étnico[editar | editar código-fonte]

Semelhantes a cultos de possessão, no ritual, os deuses meninos falam através de seus ticitl (médicos feiticeiros) em nome de Jesus Cristo e Deuses da cultura nahuattl como Piltzintecuhtli ou Quetzalcóatl.

Psilocybe Mushrooms statues.jpg

Nessa cultura, entre os nahua e toltecas/ mazatecas, tais cogumelos fazem parte de ritos de cura (consultas individuais, veladas) onde os cogumelos são representados como meninos santos, que ensinam a causa das doenças, mostram a presença de tonal (tonalli), e sofrimentos infligidos ao duplo animal ou nagual (naualli) são fórum de discussões éticas de feitiçaria e oráculos de relações interpessoais.[8][9]

Entre as fontes de pesquisa do conhecimento desse sistema etnomédico estão os depoimentos do os médicos – feiticeiros mais conhecidos encontram-se Maria Sabina; Don Miguel Ruyz e o mítico Don Juan “criado” pelo Carlos Castaneda. Os códices astecas descritos por Frei Bernadino de Shagún; o Codex Vibonense e relatos de proibições do Tribunal do Santo Ofício também trazem algumas informações analisadas em conjunto com estudos históricos da cultura asteca-nahualt.[8][9][10][37][38]

Referências

  1. a b c Passie, Torsten; Seifert, Juergen; Schneider, Udo; Emrich, Hinderk M. (outubro de 2002). «The pharmacology of psilocybin». Addiction Biology (em inglês) (4): 357–364. doi:10.1080/1355621021000005937. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  2. Lowe, Henry; Toyang, Ngeh; Steele, Blair; Valentine, Henkel; Grant, Justin; Ali, Amza; Ngwa, Wilfred; Gordon, Lorenzo (janeiro de 2021). «The Therapeutic Potential of Psilocybin». Molecules (em inglês) (10). 2948 páginas. ISSN 1420-3049. PMC 8156539Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 34063505 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.3390/molecules26102948. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  3. Lenz, Claudius; Sherwood, Alexander; Kargbo, Robert; Hoffmeister, Dirk (janeiro de 2021). «Taking Different Roads: l ‐Tryptophan as the Origin of Psilocybe Natural Products». ChemPlusChem (em inglês) (1): 28–35. ISSN 2192-6506. doi:10.1002/cplu.202000581. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  4. Halberstadt, Adam L.; Geyer, Mark A. (1 de setembro de 2011). «Multiple receptors contribute to the behavioral effects of indoleamine hallucinogens». Neuropharmacology. Serotonin: The New Wave (em inglês) (3): 364–381. ISSN 0028-3908. PMC 3110631Acessível livremente. PMID 21256140. doi:10.1016/j.neuropharm.2011.01.017. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  5. Escobar, José Arturo Costa. Observação e exploração da percepção visual e do tempo em indivíduos sob o estado ampliado de consciência após o consumo de cogumelos “mágicos” (Psilocybe cubensis). Dissertação Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva da Universidade Federal de Pernambuco Orientador: Prof. Dr. Antonio Roazzi, Recife, 2008 PDF - NEIP Dissert. Acesso, agosto 2019
  6. RODRIGUES, Sandro Eduardo. Modulações de sentidos na experiência psicotrópica. Tese (Doutorado). Orientador: Eduardo Passos. – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de Psicologia, 2014. PDF - NEIP Dissert. Acesso, agosto 2019
  7. GUZMÁN, Gastón. El uso tradicional de los hongos sagrados: pasado y presente. Etnobiología, ISSN-e 1665-2703, Vol. 9, Nº. 1, 2011, págs. 1-21 Disponível em https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5294476 Acesso em 25 de agosto de 2019
  8. a b c ESTRADA, Álvaro. A Vida de Maria Sabina, a Sábia dos Cogumelos. SP: Martins Fontes. 1984
  9. a b c SCHULTES, Richard Evans; HOFMANN, Albert. Plantas de los Dioses Las fuerzas mágicas de las plantas alucinogenas. Mexico: Fondo de Cultura, 2000 ISBN 968 16 6303-9
  10. a b BORHEGYI, Stephan F. de Miniature Mushroom Stones from Guatemala. American Antiquity Vol. 26, No. 4 (Apr., 1961), pp. 498-504 Published by: Cambridge University Press DOI: 10.2307/278737 https://www.jstor.org/stable/278737 Aces. aug. 2019
  11. LOWY, Bernard. New records of mushroom stones from Guatemala. Mycologia, 63, 983-993, 1971
  12. a b WASSON, Robert Gordon. Seeking the Magic Mushroom. LIFE Magazine (June 10, 1957)
  13. Treu, Roland; Adamson, Win. Ethnomycological Notes from Papua, New Guinea. McIlvainea 16 (2) Fall 2006 disponível em pdf
  14. Swann, Eric and David S. Hibbett. 2007. Basidiomycota. The Club Fungi. Version 20 April 2007. http://tolweb.org/Basidiomycota/20520/2007.04.20 in The Tree of Life Web Project, http://tolweb.org/
  15. Redhead S, Moncalvo JM, Vilgalys R, Matheny PB, Guzmán-Davalos L, Guzmán G (2007). "Proposal to conserve the name Psilocybe (Basidiomycota) with a conserved type". Taxon. 56 (1): 255–257. JSTOR 25065762.
  16. Guzmán, Gastón. (2005). Species Diversity of the Genus Psilocybe (Basidiomycotina, Agaricales, Strophariaceae) in the World Mycobiota, with Special Attention to Hallucinogenic Properties. International Journal of Medicinal Mushrooms - INT J MED MUSHROOMS. 7. 305-332. 10.1615/IntJMedMushr.v7.i12.280. https://www.researchgate.net/publication/240299754_Species_Diversity_of_the_Genus_Psilocybe_Basidiomycotina_Agaricales_Strophariaceae_in_the_World_Mycobiota_with_Special_Attention_to_Hallucinogenic_Properties Aces. 11 de setembro de 2021
  17. Griffiths, Paul; Mounteney, Jane; Lopez, Dominique; Zobel, Frank; Götz, Wolfgang (3 de maio de 2011). «Addiction Research Centres and the Nurturing of Creativity. Monitoring the European drug situation: the ongoing challenge for the European Monitoring Centre for Drugs and Drug Addiction (EMCDDA)». Addiction (2): 254–258. ISSN 0965-2140. doi:10.1111/j.1360-0443.2011.03369.x. Consultado em 25 de abril de 2022 
  18. Miranda, R.P.;Taketa, A.T.C.; Vilaroto-Vera, R.A. Alucinógenos naturais, etnobotânica e psicofarmacologia in Simões, Cláudia Maria Oliveira; Guerra, Miguel Pedro…et al. Farmacognosia, da planta ao medicamento. Porto Alegre/Florianópolis, Editora da UFRGS e UFSC, 2004
  19. Lowe, Henry; Toyang, Ngeh; Steele, Blair; Valentine, Henkel; Grant, Justin; Ali, Amza; Ngwa, Wilfred; Gordon, Lorenzo (15 de maio de 2021). «The Therapeutic Potential of Psilocybin». Molecules (em inglês) (10). 2948 páginas. ISSN 1420-3049. PMC 8156539Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 34063505 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.3390/molecules26102948. Consultado em 25 de abril de 2022 
  20. [S.l.: s.n.]  line feed character character in |nome= at position 128 (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  21. «Transtorno obsessivo-compulsivo». 2015-06-14T12:11:05Z  Verifique data em: |data= (ajuda)
  22. «FDA approves magic mushrooms depression drug trial». Newsweek (em inglês). 23 de agosto de 2018 
  23. «The New Science of Psychedelics» (em inglês) 
  24. «COMPASS Pathways Receives FDA Breakthrough Therapy Designation for Psilocybin Therapy for Treatment-resistant Depression – COMPASS» (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2018 
  25. «FDA grants Breakthrough Therapy Designation to Usona Institute's psilocybin program for major depressive disorder». www.businesswire.com (em inglês). 22 de novembro de 2019. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  26. Bogenschutz, Michael P; Forcehimes, Alyssa A; Pommy, Jessica A; Wilcox, Claire E; Barbosa, Pcr; Strassman, Rick J (março de 2015). «Psilocybin-assisted treatment for alcohol dependence: A proof-of-concept study». Journal of Psychopharmacology (em inglês) (3): 289–299. ISSN 0269-8811. doi:10.1177/0269881114565144. Consultado em 25 de abril de 2022 
  27. Johnson, Matthew W; Garcia-Romeu, Albert; Cosimano, Mary P; Griffiths, Roland R (novembro de 2014). «Pilot study of the 5-HT 2A R agonist psilocybin in the treatment of tobacco addiction». Journal of Psychopharmacology (em inglês) (11): 983–992. ISSN 0269-8811. PMC 4286320Acessível livremente. PMID 25213996. doi:10.1177/0269881114548296. Consultado em 25 de abril de 2022 
  28. Anderson, Brian T; Danforth, Alicia; Daroff, Prof Robert; Stauffer, Christopher; Ekman, Eve; Agin-Liebes, Gabrielle; Trope, Alexander; Boden, Matthew Tyler; Dilley, Prof James (outubro de 2020). «Psilocybin-assisted group therapy for demoralized older long-term AIDS survivor men: An open-label safety and feasibility pilot study». EClinicalMedicine (em inglês). 100538 páginas. PMC 7599297Acessível livremente. PMID 33150319 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1016/j.eclinm.2020.100538. Consultado em 25 de abril de 2022 
  29. Dinis-Oliveira, Ricardo Jorge (2 de janeiro de 2017). «Metabolism of psilocybin and psilocin: clinical and forensic toxicological relevance». Drug Metabolism Reviews (1): 84–91. ISSN 0360-2532. PMID 28074670. doi:10.1080/03602532.2016.1278228. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  30. a b de Veen, Bas T.H.; Schellekens, Arnt F.A.; Verheij, Michel M.M.; Homberg, Judith R. (1 de fevereiro de 2017). «Psilocybin for treating substance use disorders?». Expert Review of Neurotherapeutics (2): 203–212. ISSN 1473-7175. PMID 27684102. doi:10.1080/14737175.2016.1220834. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  31. Araujo, Renata Brasil; Oliveira, Margareth da Silva; Pedroso, Rosemeri Siqueira; Miguel, Alessandra Cecília; Castro, Maria da Graça Tanori de (2008). «Craving e dependência química: conceito, avaliação e tratamento». Jornal Brasileiro de Psiquiatria: 57–63. ISSN 0047-2085. doi:10.1590/S0047-20852008000100011. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  32. Isbell, Harris; Wolbach, A. B.; Wikler, A.; Miner, E. J. (1 de maio de 1961). «Cross tolerance between LSD and psilocybin». Psychopharmacologia (em inglês) (3): 147–159. ISSN 1432-2072. doi:10.1007/BF00407974. Consultado em 25 de novembro de 2022 
  33. Jo, Woo-Sik; Hossain, Md. Akil; Park, Seung-Chun (setembro de 2014). «Toxicological Profiles of Poisonous, Edible, and Medicinal Mushrooms». Mycobiology (em inglês) (3): 215–220. ISSN 1229-8093. PMC 4206786Acessível livremente. PMID 25346597. doi:10.5941/MYCO.2014.42.3.215. Consultado em 25 de abril de 2022 
  34. a b c Dinis-Oliveira, Ricardo Jorge (2 de janeiro de 2017). «Metabolism of psilocybin and psilocin: clinical and forensic toxicological relevance». Drug Metabolism Reviews (em inglês) (1): 84–91. ISSN 0360-2532. doi:10.1080/03602532.2016.1278228. Consultado em 25 de abril de 2022 
  35. PubChem. «Psilocybine». pubchem.ncbi.nlm.nih.gov (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2022 
  36. Geiger, Haden A.; Wurst, Madeline G.; Daniels, R. Nathan (17 de outubro de 2018). «DARK Classics in Chemical Neuroscience: Psilocybin». ACS Chemical Neuroscience (em inglês) (10): 2438–2447. ISSN 1948-7193. doi:10.1021/acschemneuro.8b00186. Consultado em 25 de abril de 2022 
  37. CASTAÑEDA, Carlos. Uma Estranha Realidade (A Separate Reality: Further Conversations with Don Juan). RJ: Record, 1971
  38. RUIZ, Don Miguel Ruiz. Os quatro compromissos. O livro da Filosofia Tolteca. Editora Best Seller (1997) 2005 ISBN 8576840707; ISBN 13: 9788571236370


Bibliografia adicional[editar | editar código-fonte]

  • Escobar, José Arturo Costa. Observação e exploração da percepção visual e do tempo em indivíduos sob o estado ampliado de consciência após o consumo de cogumelos “mágicos” (Psilocybe cubensis). Dissertação Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva da Universidade Federal de Pernambuco Orientador: Prof. Dr. Antonio Roazzi, Recife, 2008 PDF - NEIP Dissert. Acesso, out. 2013
  • Furst, Peter, E. Cogumelos psicodélicos, - tudo sobre drogas, SP, Nova Cultural, 1989
  • Heim, Roger. História da descoberta dos cogumelos alucinógenos no México. In Bailly, J.C.; Guimard (org) A experiência alucinógena (Mandala). RJ, Civilização Brasileira, 1969
  • MAPS, Research into psilocybin and LSD as potential treatments for people with cluster headaches http://www.maps.org/research/cluster/psilo-lsd/ e http://www.maps.org/research/psilo-lsd/
  • Jerome, Lisa. Psilocybin Investigator’s Brochure. MAPS LSD and Psilocybin Related Documents and Resources MAPS - March-April 2007
  • Pollan, Michael. How to Change Your Mind: What the New Science of Psychedelics Teaches Us About Consciousness, Dying, Addiction, Depression, and Transcendence, 2018

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: LSD