Pteridina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pteridina
Alerta sobre risco à saúde
Pteridin - Pteridine.svg
Nome IUPAC Pteridina
Outros nomes Pirazino[2,3d]pirimidina
Azinpurina
1,3,5,8-Tetraazanaftaleno
Identificadores
Número CAS 91-18-9
PubChem 1043
SMILES
Propriedades
Fórmula molecular C6H4N4
Massa molar 132,123
Ponto de fusão

140 °C[1]

Ponto de ebulição

125–130 °C (27 kPa)[1]

Solubilidade em água solúvel [1]
Solubilidade solúvel em etanol [1]
insolúvel em éter dietílico e benzeno [1]
Compostos relacionados
Anéis aromáticos simples relacionados Purina (anel pentagonal fundido com anel hexagonal, 4 Ns substituindo Cs)
Quinazolina (1,3-Diazanaftaleno)
Quinoxalina (1,4-Diazanaftaleno)
Compostos relacionados Pterina (2-amino-1H-pteridina-4-ona)
Lumazina (pteridina-2,4-diona)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A pteridina é um composto químico formado pela fusão de anéis pirimidina e pirazina. O nome é aplicado também ao grupo de compostos heterocíclicos que contêm diferentes grupos substituintes nesta estrutura. As pterinas e as flavinas são classes de pteridinas com tais substituições que possuem actividade biológica de relevo.

As pteridinas são pigmentos, que produzem cor em estruturas biológicas como as íris dos olhos de muitos animais invertebrados,[2] e vertebrados,[3] [4] mas não na cor dos olhos humanos.

A pteridina, é um precursor na síntese de ácido diidrofólico em muitos microorganismos.[5] A pteridina e o ácido 4-aminobenzoico convertem-se pela acção da enzima diidropteroato sintetase em ácido diidrofólico na presença de glutamato. A enzima dihidropteroato sintetase é inibida pelos antibióticos sulfamidas. [6]

Referências

  1. a b c d e Thieme Chemistry (Hrsg.): RÖMPP Online - Version 3.5. Georg Thieme Verlag KG, Stuttgart 2009.
  2. Tara C. Thiemann, Truman. Genotype to Phenotype: Investigating Eye Color Mutations Using Chromatography. [1]
  3. Geoffrey Edward Hill, Kevin J. McGraw. Bird Coloration: Function and evolution. Google books. [2].
  4. Pigeon Genetics. Pigeon eye colors. [3]
  5. Alun Bermingham, Jeremy P. Derrick. The folic acid biosynthesis pathway in bacteria: evaluation of potential for antibacterial drug discovery. BioEssays. Volume 24, Issue 7, pages 637–648, Julho de 2002. [4]
  6. VOET, D.; VOET, J.G. (2004). Biochemistry (3ª ed.). John Wiley & Sons. ISBN 0-471-39223-5