Pulex irritans

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPulex irritans
pulga, pulga-humana
Pulex irritans
Pulex irritans
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Siphonaptera
Família: Pulicidae
Subfamília: Pulicinae
Género: Pulex
Espécie: P. irritans
Nome binomial
Pulex irritans
Linnaeus, 1758

Pulex irritans Linnaeus, 1758, é uma espécie de pulga com distribuição natural cosmopolita que parasita um espectro alargado de hospedeiros, incluindo os humanos. É uma das seis espécies do género Pulex (as restantes espécies estão confinadas às regiões Neárctica e Neotropical).[1] A espécie aparenta ter origem na América do Sul, onde os seus hospedeiros originais podem ter sido o porquinho-da-índia (Cavia porcellus) ou os pecari (Tayassuidae).[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A espécie parasita muitas espécies de mamíferos e de aves, incluindo os seres humanos e diversos animais domésticos. Foi encontrada em cães domésticos e canídeos selvagens, macacos em cativeiro, opossums, gatos domésticos e outros felídeos em cativeiro, galinhas, ratos negros e ratazanas, roedores selvagens, porcos, morcegos e outras espécies.

A espécie é um hospedeiro intermédio para o céstode Dipylidium caninum.

Em humanos, as mordeduras desta espécie resultam em inflamação cutânea, vermelhidão e comichão. As pulgas podem mover-se rapidamente entre áreas pilosas, incluindo sobrancelhas, pestanas e regiões púbicas. Os tratamentos mais comuns incluem a depilação, champôs medicados e utilização de pentes especializados.

Referências

  1. Michael F. Whiting, Alison S. Whiting, Michael W. Hastriter & Katharina Dittmar (2008). «A molecular phylogeny of fleas (Insecta: Siphonaptera): origins and host associations» (PDF). Cladistics. 24 (5): 1–31. doi:10.1111/j.1096-0031.2008.00211.x 
  2. Paul C. Buckland & Jon P. Sadler (1989). «A biogeography of the human flea, Pulex irritans L. (Siphonaptera: Pulicidae)». Journal of Biogeography. 16 (2): 115–120. JSTOR 2845085. doi:10.2307/2845085