Puppet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Puppet
Captura de tela
Puppet manually invoked on a client
Desenvolvedor Puppet Labs
Lançamento 2005
Sistema operacional Linux, Unix-like, Microsoft Windows
Gênero(s) Gerenciamento_de_configuração
Licença Apache for >2.7.0, GPL para versões prévias
Página oficial www.puppetlabs.com

Puppet é um utilitário para gerenciamento de configuração de código livre. Ele roda em muitos sistemas Unix-compativeis bem como em Microsoft Windows, e inclui sua própria linguagem declarativa para descrever a configuração do sistema.

Puppet é produzido pela Puppet Labs, fundada por Luke Kanies em 2005. Ele é escrito em Ruby e liberado como um software livre sob a Licença Pública Geral (GPL) até a versão 2.7.0 e a Licença Apache 2.0 após isto.[1]

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Puppet é uma ferramenta declarativa, projetada para gerenciar a configuração de Unix-compativeis e Microsoft Windows. O usuário descreve recursos do sistema e seu estado, usando a linguagem declarativa do Puppet ou uma (Linguagem_de_domínio_específico). Esta informação é armazenada em arquivos chamados "Puppet manifests". Puppet descobre a informação do sistema via um utilitário chamado Facter, e compila os arquivos Manifests em um sistema específico com recursos e dependências catalogados, que são aplicados no sistema alvo. Quaisquer ações tomadas pelo Puppet são então relatadas.

Puppet consiste de uma linguagem declarativa personalizada para descrever a configuração de sistemas, que pode ser tanto aplicada diretamente no sistema, ou compilada em um catálogo e distribuída ao sistema alvo via paradigma cliente–servidor (usando uma API REST), e o agente usa provedores para aplicar o recurso especificado nos manifestos. A camada de abstração do recurso habilita os administradores a descrever a configuração em termos de alto-nível, como os usuários, serviços e pacotes sem a necessidade de comandos específicos do SO como (rpm, yum, apt).

Puppet é feito na arquitetura MDA (sigla em inglês para Arquitetura Dirigida pelo Modelo), requerendo conhecimento limitado em programação para uso.[2]

Plataformas e usuários[editar | editar código-fonte]

Feito para ser Multi-plataforma, ele trabalha nas distribuições Linux, incluindo CentOS, Debian, Fedora, Mandriva, Oracle Linux , RHEL, Scientific Linux, SUSE e Ubuntu, bem como multiplos sistemas Unix (Solaris, BSD, Mac OS X, IBM AIX, HP-UX), e tem suporte ao Microsoft Windows.[3][4]

Referências

  1. «Puppet - Perguntas Frequentes (em inglês)». Puppet Labs. Consultado em 10 de março de 2010 
  2. «Implantando Aplicações Apache/Tomcat com Puppet (em inglês)» 🔗. tomcatexpert.com. Consultado em 23 de janeiro de 2015 
  3. «PE 3.7 » Instalação » Requisitos do Sistema — Documentação — Puppet Labs (em inglês)» 🔗. puppetlabs.com. Consultado em 23 de janeiro de 2015 
  4. «Puppet Open Source » Plataformas Suportadas e Requisitos do Sistema — Documentação — Puppet Labs (em inglês)» 🔗. puppetlabs.com. Consultado em 23 de janeiro de 2015