Putranjivaceae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPutranjivaceae
Putranjiva roxburghii (hábito).]]
Putranjiva roxburghii (hábito).]]
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
(sem classif.) fabídeas
Ordem: Malpighiales
Família: Putranjivaceae
Endl.[1]
Géneros
Sinónimos
Putranjiva roxburghii (ilustração).
Flores masculinas de Drypetes.
Folhagem e frutos maduros de Drypetes arguta
Folhagem e frutos maduros de Drypetes sepiaria

Putranjivaceae é uma família de plantas com flor, pertencente à ordem Malpighiales, que na sua presente circunscrição taxonómica agrupa 4 géneros com cerca de 216 espécies de árvores perenifólias,[2] com distribuição natural centrada no Paleotropis, especialmente nas regiões tropicais e subtropicais da África (incluindo Madagáscar) e da Malésia, mas também presente no Neotropis.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os membros desta família têm folhas em duas ordens (filotaxia dística), que, se frescas, geralmente têm sabor a rabanete ou pimenta, dada a presença de óleo de mostarda, já que esta é a única família fora da ordem Brassicales que produz óleos de mostarda. As flores, que ocorrem em inflorescências fasciculadas, são geralmente pequenas e os frutos são drupas com uma única semente coroada pelos restos do estigma persistente.

Morfologia[editar | editar código-fonte]

São arbustos ou árvores sempre verdes. As folhas são alternas dísticas, formando duas ordens distintas ao longo dos ramos. As folhas são simples, com pecíolo bem distinto da lâmina foliar, com a lâmina geralmente em forma de coração e assimétrica na base, com nervuras que terminam em dentes ou espinhos na margem da folha. As folhas são verde acinzentado, ficando com coloração cinza quando secam. As nervuras cinza-escuras das folhas são particularmente visíveis na maioria das espécies. Todas as espécies apresentam estípulas foliares.

São espécies dióicas (com espécimes de sexos diferentes). As flores são geralmente agrupadas em inflorescências fasciculadas. As flores são relativamente pequenas, com apenas um verticilo de quatro ou cinco (raramente sete) tépalas. As flores masculinas contêm (dois a três) a vinte (a numerosos) estames). Nas flores femininas, estão presente um a quatro (raramente até nove) carpelos fundidos num sincárpio, verticais, com um estilete curto ou ausente.

Os frutos são drupas, com uma única semente, que retêm uma coroa formada pelos estigmas persistentes que permanecem aderentes mesmo após a maturação do fruto.

Fitoquímica[editar | editar código-fonte]

As folhas frescas geralmente têm um cheiro semelhante ao rabanete, por vezes lembrando pimenta, que resulta da presença de glicosídeos do óleo de mostarda (glucosinolatos). Em espécies desta família foram frequentemente observadas lagartas de borboletas da família Pieridae, grupo que se alimenta principalmente de espécies vegetais que contêm glicosídeos do óleo de mostarda. Outros ingredientes importantes incluem triterpenos.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A família Putranjivaceae tem distribuição natural predominante nas regiões tropicais da África, incluindo Madagáscar, e da Malésia, especialmente no Arquipélago Malaio. Algumas espécies ocorrem nas regiões do Neotropical.

Filogenia e sistemática[editar | editar código-fonte]

A família Putranjivaceae foi inicialmente proposta em 1842 por Carl Daniel Friedrich Meisner.[3] As espécies que presentemente integram a família estiveram anteriormente colocadas na tribo Drypeteae da subfamília Phyllanthoideae da família das Euphorbiaceae.

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Um estudo de filogenética molecular, realizado em 2012, usou dados resultantes da análise de um número alargado de genes e por essa via obteve uma árvore filogenética com maior resolução que a disponível nos estudos anteriormente realizados.[4] Nesse estudo foram analisados 82 genes de plastídeos de 58 espécies (a problemática família Rafflesiaceae não foi incluída), usando partições identificadas a posteriori pela aplicação de um modelo de mistura com recurso a inferência bayesiana. Esse estudo identificou 12 clados adicionais e 3 clados basais de maior significância.[5][4] A posição da família Putranjivaceae no contexto da ordem Malpighiales é a que consta do seguinte cladograma:



Oxalidales (grupo externo)


Malpighiales

euphorbioides


Peraceae


  

Rafflesiaceae


  

Euphorbiaceae





phyllanthoides

Picrodendraceae



Phyllanthaceae



linoides

Linaceae



Ixonanthaceae






clado parietal 

salicoides




Salicaceae



Scyphostegiaceae




Samydaceae




Lacistemataceae






Passifloraceae



Turneraceae




Malesherbiaceae






Violaceae



Goupiaceae





Achariaceae




Humiriaceae






clusioides



Hypericaceae



Podostemaceae




Calophyllaceae





Clusiaceae



Bonnetiaceae




ochnoides

Ochnaceae




Quiinaceae



Medusagynaceae








Rhizophoraceae



Erythroxylaceae




Ctenolophonaceae





Pandaceae



Irvingiaceae





chrysobalanoides



Chrysobalanaceae



Euphroniaceae





Dichapetalaceae



Trigoniaceae





Balanopaceae



malpighioides


Malpighiaceae



Elatinaceae




Centroplacaceae




Caryocaraceae


putranjivoides

Putranjivaceae



Lophopyxidaceae






Sistemática[editar | editar código-fonte]

Esta família esteve anteriormente integrada na tribo Drypeteae da subfamília Phyllanthoideae da família Euphorbiaceae. Quando esta subfamília foi elevada ao nível taxonómico de família Phyllanthaceae o grupo Drypeteae foi segregado e transformado na família Putranjivaceae, tomando Putranjiva como género tipo.

Na sua presente circunscrição taxonómica a família integra os seguintes géneros:[6][7]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Angiosperm Phylogeny Group (2009). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III». Botanical Journal of the Linnean Society. 161 (2): 105–121. doi:10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x. Consultado em 26 de junho de 2013. Arquivado do original (PDF) em 25 de maio de 2017 
  2. Christenhusz, M. J. M.; Byng, J. W. (2016). «The number of known plants species in the world and its annual increase». Magnolia Press. Phytotaxa. 261 (3): 201–217. doi:10.11646/phytotaxa.261.3.1 
  3. «Putranjivaceae». Tropicos. Missouri Botanical Garden. 50308048 
  4. a b Xi, Z.; Ruhfel, B. R.; Schaefer, H.; Amorim, A. M.; Sugumaran, M.; Wurdack, K. J.; Endress, P. K.; Matthews, M. L.; Stevens, P. F.; Mathews, S.; Davis, C. C. (2012). «Phylogenomics and a posteriori data partitioning resolve the Cretaceous angiosperm radiation Malpighiales». Proceedings of the National Academy of Sciences. 109 (43). 17519 páginas. PMC 3491498Acessível livremente. PMID 23045684. doi:10.1073/pnas.1205818109 
  5. Catalogue of Organisms: Malpighiales: A Glorious Mess of Flowering Plants
  6. a b c d e f Rafaël Govaerts (Hrsg.): Putranjivaceae – Datenblatt bei World Checklist of Selected Plant Families des Board of Trustees of the Royal Botanic Gardens, Kew. Abgerufen am 24. September 2018
  7. «Putranjivaceae». Agricultural Research Service (ARS), United States Department of Agriculture (USDA). Germplasm Resources Information Network (GRIN) 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Putranjivaceae
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Putranjivaceae