Qasem Soleimani

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Qasem Soleimani
قاسم سلیمانی
Pseudônimo(s) Haj Qassem
(entre apoiadores)
[1]
"O Comandante das Sombras"
(no Ocidente)[2][3][4][5][6]
Nascimento 11 de março de 1957
Província de Carmânia,
Irã Imperial
Morte 3 de janeiro de 2020 (62 anos)
Bagdá, Iraque
Nacionalidade iraniano
Ocupação Militar
Serviço militar
Lealdade Irã Irã
Serviço Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica
Anos de serviço 1979–2020
Patente Major-general
Comando 41.ª Divisão Tharallah de Carmânia
Força Quds
Conflitos Rebelião curda no Irã em 1979
Guerra Irã-Iraque
Conflito no sul do Líbano
Guerra do Líbano de 2006
Guerra do Iraque
Conflito iraniano-israelita
Guerra Civil Síria
Guerra Civil Iraquiana (2011–2017)
Condecorações IRIA Zulfaqar Ribbon.svg Ordem de Zolfaghar
Order of Fat'h (1st Class).svg Ordem de Fath
Religião islã

Qasem Soleimani (em persa: قاسم سلیمانی; Província de Carmânia, 11 de março de 1957Bagdá, 3 de janeiro de 2020) foi um major-general iraniano da Guarda Revolucionária Islâmica (GRI) e, de 1998 a 2020, comandante da Força Quds — uma divisão responsável, principalmente, por ações militares extraterritoriais e operações clandestinas.[7][8]

Soleimani nasceu na vila de Qanat-e Malek, no condado de Rabor, na província de Kerman, em uma família de camponeses empobrecidos. Na juventude, ele se mudou para a cidade de Kerman e trabalhou na construção civil para ajudar a pagar uma dívida que seu pai devia. Em 1975, Soleimani começou a trabalhar como empreiteiro para a Kerman Water Organization.[9] Quando não estava no trabalho, passava o tempo levantando pesos nas academias locais e assistindo aos sermões de um pregador viajante de Hojjat Kamyab, um protegido do aiatolá Khomeini.[10]

Começou sua carreira militar durante a Guerra Irã-Iraque na década de 1980, onde chegou a comandar a 41ª Divisão do exército. Então passou a comandar as forças iranianas em ações no exterior, providenciando ajuda para grupos xiitas e curdos anti-Saddam Hussein. Mais tarde prestou auxílio ao Hezbollah no Líbano e ao Hamas na Palestina. Em 2012, Soleimani ajudou as forças do governo de Bashar al-Assad a lutar contra os rebeldes durante a Guerra Civil Síria. O apoio iraniano ao regime Assad foi importante para a manutenção do mesmo no poder na Síria. Soleimani também apoiou o governo iraquiano e milícias xiitas na sua luta contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), entre 2014 e 2015.[11] Considerado um homem forte dentro do próprio regime iraniano, por seu apoio a grupos anti-americanos no Oriente Médio, recebeu sanções do governo dos Estados Unidos, ao mesmo tempo que era considerado um comandante militar capaz que ajudou os iraquianos e sírios a combater terroristas islâmicos.

Soleimani foi morto em um ataque aéreo dos Estados Unidos, em 3 de janeiro de 2020, perto do Aeroporto Internacional de Bagdá.[12] O bombardeio que o matou teria sido uma resposta pelos ataques contra a embaixada americana em Bagdá, em 31 de dezembro de 2019, executado por uma milícia iraquiana aliada ao Irã.[13] Segundo o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, o general Qasem Soleimani estaria planejando mais ataques contra diplomatas e militares americanos e tinha pessoalmente aprovado o ataque contra a embaixada.[14] Tais fatos, contudo, não foram verificados de forma independente.[15] Embora no Irã tenha sido elevado aos status de herói nacional e mártir após sua morte,[16] sua reputação internacional era baixíssima, sendo considerado um "terrorista" pela liderança política dos Estados Unidos[17] e da União Europeia.[18]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Soleimani nasceu em 11 de março de 1957 na aldeia de Qanat-e Malek, na província da Carmânia, de uma família de camponeses empobrecidos.[19] Na juventude, ele se mudou para a cidade de Kerman como trabalhador da construção civil para ajudar a pagar uma dívida que seu pai devia.[20] Em 1975 começou a trabalhar como empreiteiro para a Kerman Water Organization.[20]  Quando não estava no trabalho, ele passava seu tempo levantando pesos em academias locais e assistindo aos sermões de um pregador viajante, Hojjat Kamyab, um protegido do aiatolá Khomeini.[21]

Carreira militar[editar | editar código-fonte]

Soleimani ingressou no Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica, em 1979, após a Revolução Iraniana, que viu o cair e o aiatolá Khomeini tomar o poder.[22] No início de sua carreira como guarda, ele esteve no noroeste do Irã e participou da supressão de um levante separatista curdo na província do Azerbaijão Ocidental.[21][23]

Comando da Força Quds[editar | editar código-fonte]

Soleimani, em março de 2019, recebendo a "Ordem de Zolfaghar" das mãos do aiatolá Ali Khamenei.

A data exata de sua nomeação como comandante da Força Quds do IRGC não está clara, mas Ali Alfoneh a cita entre 10 de setembro de 1997 e 21 de março de 1998.[9] Ele foi considerado um dos possíveis sucessores do cargo de comandante do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica, quando o general Yahya Rahim Safavi deixou este cargo em 2007. Em 2008, ele liderou um grupo de investigadores iranianos, que investigavam a morte do Imad Mughniyah. Soleimani ajudou a organizar um cessar-fogo entre o exército iraquiano e o exército Mahdi, em março de 2008.[24]

Após os ataques de 11 de setembro de 2001, um alto funcionário do Departamento de Estado dos Estados Unidos, voou para Genebra para se encontrar com diplomatas iranianos que estavam sob a direção de Soleimani com o objetivo de colaborar para destruir o Taliba, que tinha como alvo os xiitas afegãos.[10] Essa colaboração foi fundamental para definir os alvos das operações de bombardeio no Afeganistão e para capturar os principais agentes da Al Qaeda, mas terminou abruptamente em janeiro de 2002, quando o presidente George W. Bush nomeou o Irã como parte do "Eixo do mal".[10]

Em 24 de janeiro de 2011, Soleimani foi promovido a Major-Geral pelo Líder Supremo Ali Khamenei.[25] Khamenei foi descrito como tendo um relacionamento próximo com ele, chamando Soleimani de "mártir vivo" e ajudando-o financeiramente.

Guerra Civil Síria[editar | editar código-fonte]

Soleimani foi amplamente creditado por entregar a estratégia que ajudou o presidente Bashar al-Assad a virar a maré contra as forças rebeldes e a recapturar as principais cidades e vilas sírias.[26]  Ele esteve envolvido no treinamento de milícias aliadas ao governo e na coordenação de ofensivas militares decisivas. O avistamento de UAVs iranianos na Síria sugeriu fortemente que a unidade sob seu comando, a força Quds, estava envolvido na guerra civil.[10]  Em uma visita à capital libanesa Beirute na quinta-feira, 29 de janeiro de 2015, Soleimani colocou coroas de flores nos túmulos dos membros mortos do Hezbollah, incluindo Jihad Mughniyah, filho do falecido comandante do Hezbollah.[27]

Guerra ao Estado Islâmico no Iraque[editar | editar código-fonte]

Qasem Soleimani estava na cidade iraquiana de Amirli, para trabalhar com as forças iraquianas para repelir os militantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL),[28] quando a cidade de Mosul caiu, a rápida reação do Irã foi o que impediu um colapso mais generalizado.[29]

Durante o resto do conflito Soleimani organizou seja clandestinamente[30] ou abertamente diversas ofensivas contra o EIIL, incluindo aquelas que acabaram por salvar o governo do governo de Heidar al-Ebadi do Curdistão.[31]

Morte[editar | editar código-fonte]

Soleimani foi morto em 3 de janeiro de 2020, as 1:00h da manhã, horário local,[32] por mísseis disparados por drones americanos, próximo ao Aeroporto Internacional de Bagdá.[33] Seu corpo foi identificado com um anel que usava no dedo e posteriormente uma análise de DNA.[34] Ao menos outras dez pessoas, incluindo Abu Mahdi al-Muhandis, o líder das Forças de Mobilização Popular (uma organização iraquiana pró-Teerã), também morreram no ataque americano.[12] Segundo o jornalista Thomas Friedman, Soleimani "lançou um projeto imperial regional agressivo" e foi morto pelos muitos erros de cálculo que cometeu.[35]

Funeral[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Funeral de Qasem Soleimani

Em 4 de janeiro, uma procissão fúnebre para Soleimani foi realizada em Bagdá, com milhares de pessoas presentes, agitando bandeiras iraquianas e da milícia e cantando "morte para a América, morte para Israel".[36][37] A procissão começou na mesquita Al-Kadhimiya em Bagdá. O primeiro-ministro do Iraque, Adil Abdul-Mahdi, e os líderes das milícias apoiadas pelo Irã participaram da procissão fúnebre.[38][39] Os restos de Soleimani foram levados para as cidades sagradas xiitas de Karbala e Najaf.

Em 5 de janeiro, os restos mortais chegaram a Ahvaz e depois a Mashhad. Dezenas de milhares de pessoas em roupas pretas assistiram à procissão fúnebre nas ruas com bandeiras verdes, brancas e vermelhas - tradicionalmente usadas pelos xiitas para simbolizar o sangue de pessoas mortas injustamente e pedir vingança de suas mortes. As pessoas estavam batendo no peito em ohmenagem a Soleimani.[40][41]

Muqtada al-Sadr fez uma visita à casa de Soleimani para expressar sua condolência à sua família.[42]

Em 6 de janeiro, o corpo de Soleimani e outras vítimas chegaram à capital iraniana, Teerã. Enormes multidões, supostamente centenas de milhares ou milhões, lotavam as ruas. O líder supremo iraniano Ali Khamenei, que tinha um relacionamento próximo com Soleimani, liderou a tradicional oração islâmica pelos mortos, chorando em um ponto diante dos caixões cobertos de bandeiras.[43][44] Ali Khamenei chorou abertamente perto do caixão, enquanto o sucessor do general jurava vingança. Esmail Ghaani, que foi nomeado comandante da Força Quds horas após o assassinato de Soleimani, disse: "Deus Todo-Poderoso prometeu se vingar, e Deus é o principal vingador".[45][46] ministro das Relações Exteriores iraniano Mohammad Javad Zarif perguntou se Donald Trump já tinha visto "um mar de humanidade".[47]

Soleimani é considerado um herói e mártir no Irã. Ele foi o primeiro homem a ser homenageado com um funeral de várias cidades na história do Irã e sua procissão fúnebre foi considerada a segunda maior após a do Ruhollah Khomeini.[48]

Em 7 de janeiro de 2020, ocorreu uma debandada na procissão funerária de Soleimani em Kerman, com a presença de centenas de milhares de pessoas, matando 56 e ferindo mais 212.[49][50]

Funeral de Soleimani em Azadi Square, Teerã.

Vida política[editar | editar código-fonte]

Em 1999, Soleimani, juntamente com outros comandantes seniores assinaram uma carta ao então presidente Mohammad Khatami sobre os protestos estudantis em julho. Eles escreveram cobrando uma uma decisão que defende-se a revolucão se utilizando da força ou caso contrário o Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica tomaria a ação com suas próprias mãos.[51]

A mídia iraniana informou em 2012 que ele poderia vir a concorrer nas eleições presidenciais de 2013 mas o mesmo negou apesar do grande apoio a sua candidatura.[52][53]  Em 2016, ele foi especulado como um possível candidato, no entanto, em um comunicado publicado em 15 de setembro de 2016, ele chamou especulações sobre sua candidatura como "relatórios divisórios dos inimigos".[54]

No verão de 2018, Soleimani trocou comentários públicos relacionados ao transporte marítimo do Mar Vermelho com o presidente americano Donald Trump, o que aumentou as tensões entre os dois países e seus aliados na região.[55]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Seu pai era um fazendeiro que morreu em 2017. Sua mãe, chamada Fatemeh, morreu em 2013.[56] Ele era de uma família de nove pessoas e tinha cinco irmãs e um irmão, Sohrab, que viveram e trabalharam com Soleimani em sua juventude.[57] Sohrab Soleimani é diretor e ex-diretor geral da Organização das Prisões de Teerã. Os Estados Unidos impuseram sanções a Sohrab Soleimani em abril de 2017 "por seu papel em abusos nas prisões iranianas".[58]

Soleimani praticava karatê e era um instrutor de academia em sua juventude. Ele teve quatro filhos: dois filhos e duas filhas.[59]

Dizia-se que ele tinha uma presença calma, se portava "de maneira discreta e raramente levantava a voz", exibindo "carisma discreto".[60][61] Nas fontes ocidentais, a personalidade de Suleimani foi comparada aos personagens fictícios Karla, Keyser Söze e The Scarlet Pimpernel do escritor britânico John le Carré.

Ao contrário de outros comandantes do IRGC, ele geralmente não aparecia em suas roupas militares oficiais, nem mesmo no campo de batalha.[62][63]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2015, Hadi Al-Ameri, chefe da Organização Badr no Iraque, disse sobre ele: "Se Qasem Soleimani não estivesse presente no Iraque, Haider al-Abadi não seria capaz de formar seu gabinete no Iraque".[64]

A revista britânica, The Week, apresentou Soleimani na cama com o Tio Sam em 2015, que indicou os dois lados combatendo o EIIL, embora Soleimani estivesse liderando grupos militantes que mataram centenas de americanos durante a Guerra do Iraque.[65]

O filme Bodyguard de 2016, dirigido por Ebrahim Hatamikia, foi inspirado pelas atividades de Soleimani.[66]

O livro persa de 2016, "Noble Camaradas 17: Hajj Qassem", escrito por Ali Akbari Mozdabadi, contém memórias de Qassem Soleimani.[67]

Referências

  1. «Qassem Suleimani not Just a Commander! – Taking a Closer Look at Religious Character of Iranian General». abna24. 10 de março de 2015. Consultado em 14 de julho de 2016. Arquivado do original em 10 de outubro de 2017 
  2. Dexter Filkins (30 de setembro de 2013). «The Shadow Commander». The New Yorker. Consultado em 31 de março de 2015 
  3. Joanna Paraszczuk (16 de outubro de 2014). «Iran's 'Shadow Commander' Steps Into the Light». The Atlantic. Consultado em 31 de março de 2015. Arquivado do original em 10 de outubro de 2017 
  4. Kambiz Foroohar. «Iran's Shadow Commander». Consultado em 31 de março de 2015. Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  5. «RealClearWorld - Syria's Iranian Shadow Commander». Consultado em 31 de março de 2015. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  6. «Iran's 'shadow commander' steps into the spotlight». The Observers. Consultado em 31 de março de 2015. Arquivado do original em 8 de julho de 2015 
  7. «Iran's Spymaster Soleimani Counters U.S. Moves in the Mideast». Wall Street Journal 
  8. Marcus, Jonathan (3 de janeiro de 2020). «Por que o general iraniano Qasem Soleimani foi morto pelos EUA e o que acontece agora» (em inglês) 
  9. a b Alfoneh, Ali (janeiro de 2011). «Brigadier General Qassem Suleimani: A Biography» (PDF). Middle Eastern Outlooks (1). Cópia arquivada (PDF) em 25 de julho de 2012 
  10. a b c d Dexter Filkins. «The Shadow Commander». The New Yorker. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  11. «From the east, Iran-backed force advances on Tikrit». The Daily Star. Consultado em 31 de março de 2015 
  12. a b «Trump Orders Strike Killing Top Iranian General Qassim Suleimani in Baghdad». The New York Times. 3 de janeiro de 2020  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "NYT" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  13. «Top Iranian general killed in US airstrike in Baghdad, Pentagon confirms». CNBC. 2 de janeiro de 2020. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  14. «Statement by the Department of Defense». United States Department of Defense. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  15. Filkins, Dexter (23 de setembro de 2013). «The Shadow Commander» (em inglês). ISSN 0028-792X 
  16. «'We Promise to Continue Down Martyr Soleimani's Path.' Huge Crowds of Mourners in Tehran Attend Funeral For Qasem Soleimani». Time Magazine. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  17. «OFAC Sanctions List Search, id=1778». Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  18. «List of persons, groups and entities subject to freezing of financial assets and enhanced measures in police and judicial cooperation». Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  19. «Iran Guards Intelligence Chief Says Plot To Kill Soleimani Neutralized». RFE/RL (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  20. a b O'Hern, Steven K., 1954- (2012). Iran's Revolutionary Guard : the threat that grows while America sleeps 1st ed ed. Washington, D.C.: Potomac Books. ISBN 978-1-59797-823-1. OCLC 815970236 
  21. a b Filkins, Dexter (23 de setembro de 2013). «The Shadow Commander» (em inglês). ISSN 0028-792X 
  22. analeca (24 de janeiro de 2017). «Aiatolá Khomeini assume poder para fundar República Islâmica do Irã». HISTORY. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  23. «Os Curdos. Os Curdos: uma nação sem Estado». Alunos Online. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  24. «McClatchy Washington Bureau | 03/31/2008 | Iranian who brokered Iraqi peace is on U.S. terrorist watch list». web.archive.org. 18 de julho de 2008. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  25. crazydead (3 de fevereiro de 2011). «THE ISLAMIC REPUBLIC'S 13 GENERALS». Iran Briefing | News Press Focus on Human Rights Violation by IRGC, Iran Human Rights - نقض حقوق بشر توسط سپاه پاسداران (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  26. Sharafedin, Bozorgmehr (6 de março de 2015). «Gen Soleimani: Iran's rising star» (em inglês) 
  27. «MehrNews.com - Iran, world, political, sport, economic news and headlines». web.archive.org. 2 de abril de 2015. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  28. «قوات الجيش العراقي "تدخل" بلدة آمرلي المحاصرة». BBC News Arabic (em árabe). Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  29. tiendamovistar.terra.com http://tiendamovistar.terra.com/sc/pe/pemovistarfp/. Consultado em 3 de janeiro de 2020  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  30. Abdul-Zahra, Qassim; Salama, Vivian. «Iran general said to mastermind Iraq ground war». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  31. «MehrNews.com - Iran, world, political, sport, economic news and headlines». web.archive.org. 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  32. Ghattas, Kim. «Qassem Soleimani Haunted the Arab World». The Atlantic. Consultado em 3 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2020 
  33. Tom O'Connor; James Laporta. «Iraq Militia Officials, Iran's Quds Force Head Killed in U.S. Drone Strike». Newsweek. Consultado em 2 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2020 
  34. Barbara Campbell (2 de janeiro de 2020). «Iraqi TV Says Top Iranian Military Leader Killed In Rocket Strikes on Iraqi Airport». NPR. Consultado em 8 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2020 
  35. «General iraniano morto em ataque americano era burro e superestimado». Folha. 6 de janeiro de 2020. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  36. «Thousands mourn assassinated Iranian general» (em inglês). 4 de janeiro de 2020 
  37. O'Brien, Amy (4 de janeiro de 2020). «Thousands march in Baghdad funeral procession for Qassem Suleimani – video». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  38. Safi, Ghaith Abdul-Ahad Michael; Graham-Harrison, Emma (4 de janeiro de 2020). «Qassem Suleimani: 'Death to America' chants at Baghdad funeral procession». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  39. «Primeiro-ministro do Iraque diz que Suleimani estava em Bagdá em missão de paz». Folha de S.Paulo. 7 de janeiro de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  40. «As Iran mourns Soleimani, Iraqi PM may ask U.S. troops to leave Iraq». NBC News (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  41. «Tens of thousands mourn as Soleimani's remains return to Iran». www.aljazeera.com. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  42. «Influential Iraqi cleric pays visit to Soleimani home to condole his family». Tehran Times (em inglês). 4 de janeiro de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  43. «Huge crowds at funeral for Iranian commander» (em inglês). 6 de janeiro de 2020 
  44. «Mourners flood Tehran as calls for revenge over Soleimani grow». www.aljazeera.com. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  45. «Após recuo de Trump, Guarda Revolucionária do Irã promete 'vingança mais dura'». O Globo. 9 de janeiro de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  46. Gilbert, David (6 de janeiro de 2020). «Here's Everything You Need to Know About the Situation in Iran Right Now». Vice (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  47. CNN, By Fernando Alfonso III, <a href="/profiles/ivana-kottasova">Ivana Kottasová</a>, <a href="/profiles/amir-vera">Amir Vera</a>, <a href="/profiles/jessie-yeung">Jessie Yeung</a> and <a href="/profiles/eliza-mackintosh">Eliza Mackintosh</a> (5 de janeiro de 2020). «January 5 US-Iran news». CNN (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  48. staff, T. O. I.; Agencies. «'Million mourner' Soleimani funeral procession said to be largest since Khomeini». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  49. Istanbul, Michael Safi Bethan McKernan in; Tehran, a correspondent in (7 de janeiro de 2020). «Iran: dozens dead in crush at Suleimani burial procession». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  50. Agencies and TOI staff. «Over 50 killed, 212 hurt in Soleimani funeral stampede; general's burial delayed». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  51. «Will Qasem Soleimani Become the Next President of Iran?». International Policy Digest (em inglês). 16 de maio de 2016. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  52. «Iran's Conservatives Grapple for Power». Stratfor (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  53. Sharafedin, Bozorgmehr (6 de março de 2015). «Gen Soleimani: Iran's rising star» (em inglês) 
  54. «Qasem Soleimani». Wikipedia (em inglês). 3 de janeiro de 2020 
  55. Cunningham, Erin (26 de Julho de 2018). «Top Iranian general warns Trump that war would unravel U.S. power in region». Washington Post. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  56. «مادر حاج قاسم سلیمانی درگذشت». سلام دلفان | اخبار شهرستان دلفان| نخستین سایت خبری تحلیلی در دلفان (em persa). ۱۳۹۲-۰۶-۱۸T20:34:22+04:30. Consultado em 4 de janeiro de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  57. «پاسخ پرمعنای پدر سردار قاسم سلیمانی به استاندار - محنوا - طنین ایران». web.archive.org. 27 de outubro de 2016. Consultado em 4 de janeiro de 2020 
  58. AFP. «US sanctions Iran military chief's brother over prison torture». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2020 
  59. «خبرگزاری فارس - رازهای زندگی سردار ایرانی/ حاج قاسم چگونه زندگی می‌کند». خبرگزاری فارس. 24 de agosto de 2015. Consultado em 4 de janeiro de 2020 
  60. Gorman, Jay Solomon And Siobhan (6 de abril de 2012). «Iran's Spymaster Counters U.S. Moves in the Mideast». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660 
  61. Weiss, Michael (2 de julho de 2014). «Iran's Top Spy Is the Modern-Day Karla, John Le Carré's Villainous Mastermind» (em inglês) 
  62. «Subscribe to read | Financial Times». www.ft.com. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  63. «Qasem Soleimani, Iran's Celebrity Warlord». Atlantic Council (em inglês). 21 de fevereiro de 2017. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  64. «هادي العامري: لولا ايران وسليماني لما كانت الحكومة العراقية موجودة في بغداد». Mehr News Agency (em árabe). 5 de janeiro de 2015. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  65. Kelley, Michael B. «The war on ISIS is getting weird in Iraq». Business Insider. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  66. «Gen. Soleimani: A new brand of Iranian hero for nationalist times». Christian Science Monitor. 15 de fevereiro de 2016. ISSN 0882-7729 
  67. «RhymeZone: Use Akbari in a sentence». www.rhymezone.com. Consultado em 3 de janeiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]