Quadrilhão (política)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Quadrilhão é o nome dado pela Polícia Federal e pelo Procurador-Geral da República Rodrigo Janot e usado pela imprensa brasileira contra as supostas organizações criminosas do PT e do PMDB, do qual Janot denunciou junto ao Supremo Tribunal Federal.[1]

O aumentativo "quadrilhão" é uma alusão ao tamanho e ao poder dos integrantes do grupo suspeito de, entre outros crimes, organização criminosa, quando quatro ou mais pessoas se associam para o fim específico de cometer infrações penais cujas penas máximas superem quatro anos.[2]

Em 5 de setembro de 2017, o procurador-geral da República denunciou o que ele chamou de "quadrilhão do PT".[3] Entre os denunciados estão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ex-presidente Dilma Rousseff, os ex-ministros Antonio Palocci, Guido Mantega, Edinho Silva, Paulo Bernardo, a senadora Gleisi Hoffman e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.[4] Em denúncia contra Lula e Dilma, o procurador-geral da República afirmou que o PMDB da Câmara foi comprado e que grupo liderado pelo presidente Michel Temer recebeu 350 milhões de reais do esquema na Petrobras.[5]

Em 12 de setembro de 2017, a Polícia Federal concluiu um inquérito que investiga o chamado "PMDB na Câmara",[6] conhecido por "quadrilhão do PMDB".[7] Dois dias depois, Rodrigo Janot denunciou o "quadrilhão do PMDB" - segundo as investigações do PGR e a denúncia - composto pelo presidente da República Michel Temer, ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, pelos ministros do governo Temer Eliseu Padilha e Moreira Franco, pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima, ex-assessorres de Temer, Rodrigo Rocha Loures, Tadeu Filippelli e Sandro Mabel, além do deputado Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel Vieira Lima, preso pela Polícia Federal após ter sido encontrado 51 milhões de reais em um apartamento ligado à Geddel.[2] Janot colocou no rol de testemunhas quarenta delatores, sendo 36 colaboradores e quatro pretendentes à delação como Antonio Palocci, e Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS.[8]

Referências

  1. «Entenda o que a PF concluiu contra Temer e o 'quadrilhão do PMDB'». VEJA. Abril. Consultado em 14 de setembro de 2017. 
  2. a b Fernanda Odilla (12 de setembro de 2017). «Os 12 suspeitos: quem é quem no 'quadrilhão do PMDB' apontado pela PF». BBC. Consultado em 14 de setembro de 2017. 
  3. André Gonçalves (5 de setembro de 2017). «Entenda o "quadrilhão do PT": quem é quem na teia de Janot». Gazeta do Povo. Consultado em 14 de setembro de 2017. 
  4. Ricardo Brandt, Breno Pires, Rafael Moraes Moura, Beatriz Bulla, Luiz Vassallo e Fausto Macedo (5 de setembro de 2017). «Janot faz denúncia contra 'quadrilhão' do PT e inclui Lula e Dilma». Estadão. Consultado em 14 de setembro de 2017. 
  5. Ricardo Brandt, Fausto Macedo, Julia Affonso, Breno Pires, Rafael Moraes Moura e Beatriz Bulla (6 de setembro de 2017). «Temer negociou com 'quadrilhão do PT' apoio a Lula em troca de cargos, diz Janot». Estadão. Consultado em 14 de setembro de 2017. 
  6. «Entenda o que a PF concluiu contra Temer e o 'quadrilhão do PMDB'». VEJA. Abril. Consultado em 14 de setembro de 2017. 
  7. «PF aponta crime de corrupção de Temer, Moreira Franco e Padilha». VEJA. Abril. Consultado em 14 de setembro de 2017. 
  8. «Janot quer Palocci como testemunha contra 'quadrilhão' do PMDB da Câmara». JC Online. Consultado em 14 de setembro de 2017.