Quantitative easing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Quantitative easing (QE), conhecido também como flexibilização quantitativa é a criação de quantidades significantes de dinheiro novo (geralmente electronicamente) por um banco central. É um jargão para uma ação de política monetária do Banco Central.

A quantidade é expandido maciçamente em moeda de banco central, por isso é chamado um relaxamento (flexibilização). Um Banco Central imprime dinheiro para comprar títulos. Este dinheiro é criado para estimular a economia, em particular para promover empréstimos pelos bancos. Os bancos centrais usam o dinheiro criado para comprar grandes quantidade de títulos bancários. Isto aparece como depósitos e entrega dinheiro novo para os bancos emprestarem. Estes títulos podem ser títulos do governo, empréstimos comerciais ou até ações. Quantitative easing geralmente é usado quando baixar as taxas de juros não é mais efetivo para estimular a economia e novos empréstimos, porque elas já estão próximas de zero. O inventor desta estratégia em 2013 renegou e criticou esta estratégia.[1]

Assim, os políticos querem alimentar a inflação e empurrar artificialmente a economia. Além disso, as taxas de juro de longo prazo cairam. Os Estados podem obter dinheiro mais barato dos investidores. No Japão e nos Estados Unidos[2] , os bancos centrais estão tentando desta forma já há algum tempo para reanimar a economia.

Perspectivas[editar | editar código-fonte]

QE poderia fazer os preços subirem e incentivar as empresas e os consumidores a gastar mais dinheiro. Além disso, os bancos poderiam passar o dinheiro fresco através de empréstimos para empresas e consumidores. Também é possível que a moeda seja enfraquecida.

Riscos[editar | editar código-fonte]

Finalmente, os países economicamente sólidos poderia ser responsabilizada por países em crise. Esse é o medo dos críticos. Falham papéis, o contribuinte teria de cobrir. Além disso, os críticos alertam que, com compras de títulos dos bancos centrais, poderiam fortalecer o cansaço das reformas: se os Estados poderiam esperar que o banco central tampa taxas de juro, através da compra de títulos do governo, isso poderia levar a incorrer governos dívidas.

Weblinks[editar | editar código-fonte]