Que Fazer?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Este artigo é sobre a novela de Tchernichevski; para o livro de Lênin, consulte Que Fazer? (Lênin).


Что делать?
Que fazer?
Capa de 1905
Autor (es) Nikolai Gavrilovitch Tchernichevski
Idioma Russo
País  Rússia
Género Crítica social, novela
Lançamento 1863
ISBN NA

Que fazer ? foi um livro escrito em 1862 por Tchernichevski quando se encontrava preso na Fortaleza de Pedro e Paulo em São Petersburgo. [1]

Orlando Figes faz em "A tragédia de um povo" um resumo da obra e de sua importância no contexto da Revolução Russa. Referindo-se ao herói do livro, Rachmetjev, diz:

  • "Este Titã monolítico que serviria de inspiração a toda uma geração de revolucionários (incluindo Lenin), renuncia a toda a alegria da vida para fortalecer a sua vontade sobre-humana e se tornar imune contra todo o sofrimento humano que a futura revolução trará forçosamente consigo. Ele é um puritano e ascético: numa certa ocasião chega mesmo a dormir numa tábua de pregos para oprimir o seu impulso sexual. Treina o seu corpo com ginástica e levantamento de peso. Não come nada que não carne crua e treina o seu raciocínio de forma semelhante, pela leitura de dia e de noite de "apenas o essencial" (política e ciências naturais) até que ele se apoderou do conhecimento da Humanidade. Só então o herói revolucionário se inicia na sua missão. Nada o desvia da sua causa, nem mesmo os interesses amorosos de uma bela jovem viúva, que ele recusa. Ele leva uma vida rigorosa e disciplinada: decorre como um relógio, com tantas horas de leitura, tantas com exercícios, etc. E (é esta a mensagem da história) é apenas esta devoção que possibilita o novo homem, a deixar para trás a existência alienada do velho "homem supérfluo". Ele encontra a redenção através da política".
  • Orlando Figes continua: "Foi um dos maiores erros da censura czarista que tenham permitido a publicação do romance de Tchernichevski, pois ele converteu mais homens para a causa da revolução do que todas as obras de Marx e Engels juntas (o próprio Marx aprendeu russo para poder ler o livro). Plechanov, a "Pythia do Marxismo na Rússia disse: "todos nós ganhamos do romance a força e a crença num futuro melhor". Tkatchov, teórico da revolução, chamou-lhe a Bíblia do movimento, Kropotkin "a bandeira da juventude russa". Um jovem revolucionário dos anos 60 (do século XIX) afirmou que só houve três grandes homens na História: Jesus, São Paulo e Tchernichevski. Lenin, cuja ascética forma de vida tem uma espantosa semelhança com a de Rachmetjev, leu o romance 5 vezes num Verão. Mais tarde afirmou que este livro tinha sido decisivo para a sua conversão à causa revolucionária. "Ele mudou-me completamente", contou a Valentinov em 1904. "Este é um livro que nos muda para toda a vida".
  • O herói de Tchernichevski inspirou os estudantes nihilistas dos anos sessenta. A sua asquese, sua crença na Ciência, a recusa da velha ordem moral agradava-lhes. O seu niilismo tinha por consequência a rebelião contra o diletantismo artístico da geração dos seus pais (os homens dos anos 40), militantes do utilitarismo, materialismo e crença no progresso através do uso de métodos científicos na sociedade, um questionar de toda a autoridade, moral e religião, o que se manifestava numa paixão pela destruição revolucionária. Dmitri Pissarev, nos anos 60 um dos ídolos dos estudantes, apelava aos seus seguidores, de esquerda ou de direita, a atacar todas as instituições, que não merecem mais do que serem desmoronadas.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Middlebury Academics. "Dostoevsky's - Notes from Underground" (em inglês). Consult. 27 de novembro de 2012.