Arktika (quebra-gelo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para classe de navio quebra-gelo, veja Arktika.
Arktika
Russian Nuclear Icebreaker Arktika.jpg
Quebra-gelo russo Arktika
Carreira União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Rússia
Operador Atomflot
Estaleiro Estaleiro Báltico, Leningrado
Batimento de quilha 26 de dezembro de 1972
Lançamento 25 de abril de 1975
Estado Fora de serviço desde 2008
Características gerais
Classe Quebra-gelo Arktika
Deslocamento 23 460 ton
Comprimento 147,9 m
Boca 29,9 m
Calado 11 m
Propulsão nuclear-turbo elétrica, três eixos, potência 75.000 hp (56 000 kw) (combinado)
Velocidade 20,8 nós
Tripulação 150

Arktika (russo: Арктика) é um quebra-gelo movido a energia nuclear soviético da classe Arktika. Em serviço entre 1975 e 2008, foi a primeira embarcação de superfície a atingir o Pólo Norte em 17 de agosto de 1977.[1]

Construção[editar | editar código-fonte]

A construção da embarcação começou no Estaleiro Báltico em São Petersburgo em 3 de julho de 1971.[2] Os testes no mar foram concluídos em 17 de dezembro de 1975.

Em 1982, foi rebatizado como Leonid Brezhnev em honra de Leonid Brezhnev, o secretário-geral do Comité central do Partido Comunista da União Soviética de 1964 até sua morte em 1982.[3] Em 1986 o nome foi revertido para Arktika, devido à tripulação não gostar do nome e se recusar a responder mensagens de rádio a não ser que a embarcação fosse chamada por Arktika. Antes de completar uma semana da greve, o nome foi mudado.[4] Outra explicação é de que o nome original é devido a uma confusão administrativa e o nome Leonid Brezhnev nunca fora cogitado para o Arktika e sim deveria ter nomeado outra embarcação.[5]

Propulsão[editar | editar código-fonte]

Originalmente o reator foi projetado para 100 000 horas de vida, o tempo de serviço do Arktika foi prolongado por mais 50 000 horas em 2000 e outras 25 000 depois disso, acrescentando 8 anos a um projeto de 25 anos de serviço.[6] O prolongamento da vida foi realizado por meio da substituição de equipamentos essenciais para permitir a operação segura e contínua da Central nuclear. Em 17 de maio de 2000 uma conferência de engenheiros, cientistas e oficiais do governo russo foram a bordo do Arktika depois de sua primeira extensão de serviço. A operação custou apenas $4 milhões, comparado ao custo de $30–50 milhões de um novo quebra-gelo nuclear e provou ser um empreendimento de sucesso. A conferência concluiu que as horas de serviço dos quebra-gelos nucleares russos poderiam ser estendidos com sucesso a 175 mil horas.[7]

Incêndio[editar | editar código-fonte]

Em 9 de abril de 2007 um incêndio atingiu o Arktika. O fogo causou pequenos danos a três cabines e um painel de distribuição de energia, sem atingir o reator nuclear ou deixar feridos. O quebra-gelo estava no mar de Kara, quando o fogo começou.[8][9]

Desativação[editar | editar código-fonte]

Depois de 33 anos de serviços prestados no Ártico, sendo o primeiro navio a chegar ao Pólo Norte, o primeiro navio civil a ficar mais de um ano sem sem aportar em 2000 e navegando mais de um milhão de milhas náuticas em 2005, o Arktika foi retirado de serviço em outubro de 2008.[10] Atualmente encontra-se anconrado em Atomflot, uma base nuclear em Murmansk, afastado 1 ½ km (0.9 milha) da doca principal, onde permanecerá até que sejam elaborado um plano para o seu desmanche. Enquanto isso, ele é objeto de pesquisas com objetivo de estudar meios de aumentar a vida útil de outros quebra-gelo classe Arktika.[11]

Referências

  1. Paine, Lincoln P (1997). Ships of the World. [S.l.]: Houghton-Mifflin. p. 39. ISBN 0-395-71556-3. LCCN 97-12872 
  2. Olagaard, P. Reistad, O. (April 2006). Russian Nuclear Power Plants for Marine Applications
  3. Kireeva, A. (October 6, 2008). Reactor to Russian nuclear icebreaker Arktika stopped, signalling dusk on a golden age of Soviet Technology/Bellona.Org. http://www.bellona.org/articles/articles_2008/Artkika_shutdown
  4. Walston, O. (1994), Arktika. London: Reed Consumer Ltd.
  5. Arctic legend: Saving North Pole conqueror, rt.com, October 9, 2012
  6. (October 7, 2008). Arktika Rests After 33 Years of Icebreaking/ World-Nuclear-News.Org. http://www.world-nuclear-news.org/WR_Arktika_rests_after_33_years_of_icebreaking_0710081.html
  7. Kireeva, A. (May 22, 2000). Lifetime for nuclear icebreakers prolonged/Bellona.Org. http://www.bellona.org/english_import_area/international/russia/icebreakers/16825
  8. "Fire in nuclear-powered icebreaker", BarentsObserver. Published 2007-04-09.
  9. Fire on an Atomic Icebreaker, Kommersantъ. Published Apr. 09, 2007
  10. "Arktika rests after 33 years of icebreaking", world-nuclear-news.org, October 7, 2008.
  11. Kireeva, A. (October 6, 2008). Reactor to Russian nuclear icebreaker Arktika stopped, signalling dusk on a golden age of Soviet Technology/Bellona.Org. http://www.bellona.org/articles/articles_2008/Artkika_shutdown
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arktika (quebra-gelo)