Quebra-nozes (ferramenta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados, veja Quebra-nozes.
Quebra-nozes
Nüsse mit Nusszange (Nussknacker) (11545246275).jpg

Quebra-nozes de alavanca com avelãs

Tipo
Utensílio de cozinha (en)Visualizar e editar dados no Wikidata

Um quebra-nozes é uma ferramenta projetada para abrir nozes quebrando suas cascas. Existem muitos designs, incluindo alavancas, parafusos e catracas. A versão de alavanca também é usada para quebrar cascas de lagosta e caranguejo.

Funções[editar | editar código-fonte]

Usando um quebra-nozes
Quebra-nozes em parafuso com nozes
Um quebra-nozes "Crackerjack", que usa um mecanismo de catraca

Historicamente, as nozes eram abertas com o uso de um martelo e uma bigorna, geralmente feitos de pedra. [1] Alguns tipos de nozes também podem ser abertas manualmente, segurando a noz na palma da mão e aplicando pressão com a outra palma ou polegar, ou usando outra noz.[2]

Os fabricantes produzem quebra-nozes funcionais modernos, geralmente semelhantes a um alicate, mas com o ponto de articulação na extremidade após o espaço para a noz, e não no meio. Eles também podem ser usados para quebrar as cascas de caranguejo e lagosta para disponibilizar a carne de dentro. O uso de quebra-nozes de alavanca articulada pode remontar à Grécia Antiga. [1] Há documentação de existirem quebra-nozes na Inglaterra, incluindo nos Contos de Canterbury, e na França no século XIV. O desenho da alavanca pode derivar das pinças dos ferreiros. Os materiais incluíam metais como prata, ferro fundido e bronze,[3] e madeira, incluindo buxo, especialmente os da França e Itália. Mais raramente eram feitos com porcelana. Muitos dos quebra-nozes entalhados em madeira tinham a forma de pessoas e animais.

Durante a era vitoriana, frutas e nozes eram apresentadas nos jantares, acompanhados de quebra-nozes ornamentados, muitas vezes banhados a prata. [1] As nozes são há muito tempo uma escolha popular para sobremesas, principalmente em toda a Europa. Os quebra-nozes eram realmente feitos de metais como o latão, e foi somente em 1800 na Alemanha que a popularidade dos de madeira começou a se espalhar.[4]

O final do século XIX, viu duas mudanças na produção do quebra-nozes: um aumento dos designs decorativos, principalmente dos Alpes, onde eram vendidos como souvenirs, e uma mudança para a manufatura industrial, incluindo a disponibilidade em catálogos, em vez da produção artesanal.[1] Após a década de 1960, a disponibilidade de nozes pré-descascadas diminuiu a popularidade dos quebra-nozes e à queda na tradição de colocar nozes nas meias infantis de Natal.

Designs alternativos[editar | editar código-fonte]

No século XVII, foram introduzidos quebra-nozes de parafuso que aplicam uma pressão mais gradual à casca, com alguns desenhor semelhantes a tornos.[1] O quebra-nozes com junta de mola foi patenteado por Henry Quackenbush em 1913.[5] Um mecanismo de catraca (do inglês, ratchet), semelhante a um macaco de carro, que aumenta gradualmente a pressão sobre a casca para evitar danificar o cerne da nóz é usado pelo quebranozes "Crackerjack", patenteado em 1947 por Cuthbert Leslie Rimes de Morley, Leeds e exibido no Festival da Grã-Bretanha.[6] [7] [8][9] Nozes sem casca ainda são populares na China, onde um dispositivo de chave é inserido na fenda de nozes, nozes e macadâmias e torcido para abrir a casca.[10]

Para crustáceos[editar | editar código-fonte]

Quebrando uma garra de caranguejo

O quebra-nozes do tipo alicate também é frequentemente usado para quebrar as cascas duras de caranguejo e lagosta cozidos.

Decorativo[editar | editar código-fonte]

Uma coleção de bonecos quebra-nozes
Quebra- nozes de luxo decorativo em latão, projetado pelo designer industrial Maurice Ascalon

Os quebra-nozes na forma de esculturas de madeira, como soldados, cavaleiros e reis existem desde pelo menos o século XV. Quebra-nozes figurativos são um símbolo de boa sorte na Alemanha, e um conto popular conta que um fabricante de bonecos venceu um desafio de quebra-nozes criando uma boneca com uma boca como alavanca para quebrar as nozes.[11] Esses tipos de quebra-nozes retratam uma pessoa com uma boca grande, que o operador abre com uma alavanca na parte de trás da estatueta . Os quebra-nozes modernos neste estilo servem principalmente para decoração, principalmente na época do Natal, uma época da qual eles têm sido um símbolo tradicional.[12] O boneco quebra-nozes é uma forma artesanal de quebra-nozes, típica da região alemã de Erzgebirge, mais especialmente da cidade de Seiffen (a leste do país, vizinha à República Tcheca), com o formato de um pequeno soldado, onde o lugar para abertura das nozes é a boca da personagem. O balé de Pyotr Ilyich Tchaikovsky O Quebra-Nozes, baseado numa história de ETA Hoffmann, deriva o seu nome desta decoração festiva de Natal.

A escultura de quebra — nozes - assim como de figuras religiosas e de presépios — desenvolveu-se como uma indústria artesanal nas áreas rurais florestadas da Alemanha. As esculturas de quebra-nozes mais famosas vêm de Sonneberg, na Turíngia (também um centro de fabricação de bonecas) e como parte da indústria de fabricação de brinquedos de madeira nas montanhas de minério . A escultura em madeira geralmente fornecia a única renda para as pessoas que moravam ali. Hoje, a indústria de viagens complementa sua receita, trazendo visitantes para áreas remotas. Esculturas de nomes famosos como Junghanel, Klaus Mertens, Karl, Olaf Kolbe, Petersen, Christian Ulbricht e especialmente os quebra-nozes Steinbach tornaram-se itens de colecionador.

Os quebra-nozes decorativos tornaram-se populares nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial, após a primeira produção americana do balé O Quebra-Nozes em 1940 e a exposição dos soldados americanos aos bonecos durante a guerra. Nos Estados Unidos, poucos quebra-nozes decorativos são funcionais, embora projetos mais caros, que funcionam, ainda estejam disponíveis. Muitos dos marceneiros da Alemanha estavam em Erzgebirge, na zona soviética após o fim da guerra, e produziam em massa projetos mal feitos para o mercado dos Estados Unidos. Com o aumento das nozes pré-descascadas, a necessidade de funcionalidade também foi diminuída. Após a década de 1980, as importações chinesas e taiwanesas que copiavam os designs alemães tradicionais assumiram o controle.[13] [14] A recriada "vila bávara" de Leavenworth, Washington, possui um museu do quebra-nozes. Muitos outros materiais também servem para fazer quebra-nozes decorados, como porcelana, prata e latão. O United States Postal Service (USPS) emitiu quatro selos em outubro de 2008 com quebra-nozes feitos sob medida pelo artista de Richmond, Virginia, Glenn Crider. [15]

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Alguns artistas, entre eles o multi-instrumentista Mike Oldfield, já usaram o som que os quebra-nozes fazem como elemento musical.[16]

Referências

  1. a b c d e Mills, Robert (2001). Nutcrackers. [S.l.]: Shire Books. ISBN 9780747805236. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  2. Perry, Nicole (7 de dezembro de 2015). «Holiday Hack: How to Crack Open Nuts With Your Bare Hands». PopSugar. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  3. Malone, Noreen (Dezembro de 2012). «In a Nutshell: A Brief History of Nutcrackers». Slate. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  4. «History Of Nutcrackers». Oktoberfest Haus. Consultado em 27 de março de 2017 
  5. «Nutcracker history - invention of the nutcrackers». ideafinder.com. Consultado em 20 de junho de 2012 
  6. Yarrow, Stella (6 de fevereiro de 1994). «TRIED & TESTED / Taking a crack at it: We sample seven nutcrackers. The hard shell won when it came to the crunch». The Independent. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  7. «Morley's Nutcrackers». Morley Advertiser. 22 de junho 1951. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  8. «Improvements in or relating to nut-crackers GB592232 (A)». Espacenet. 9 de setembro de 1947. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  9. «Crackerjack nutcrackers; C.L. Rimes Limited, Leeds, UK; 1969; T92». City of Belmont Museum. Ehive. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  10. Honan, Kim (24 de outubro de 2014). «Is China's love for our native nut a production threat or marketing opportunity for Australian macadamia growers?». ABC Rural. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  11. Malone, Noreen (Dezembro de 2012). «In a Nutshell: A Brief History of Nutcrackers». Slate. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  12. Gabilondo, Pat (23 de dezembro de 2011). «The Nutcracker: A Timeless Symbol of Christmas». Lilburn-MountainParkPatch. Consultado em 10 de dezembro de 2012 
  13. Malone, Noreen (Dezembro de 2012). «In a Nutshell: A Brief History of Nutcrackers». Slate. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  14. Albright, Mary Beth (8 de dezembro 2014). «Why Fancy Nutcrackers Don't Actually Crack Nuts». The Plate. National Geographic. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  15. Gambino, Megan (24 de dezembro de 2008). «Nutcrackers at National Postal Museum». Smithsonian Magazine. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  16. «Island life inspires music icon Mike Oldfield» (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]