Queda do Hidroavião Dornier Do J prefixo P-BAIA (Guanabara)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Desastre do Hidroavião Santos Dumont
Acidente aéreo
Dornier Do J, similar ao aparelho acidentado
Sumário
Data 3 de dezembro de 1928 (88 anos)
Causa erro do piloto
Local Baía de Guanabara, Rio de Janeiro
Mortos 14
Feridos 0
Primeira Aeronave
Origem Rio de Janeiro
Destino Rio de Janeiro
Passageiros 9
Tripulantes 5
Sobreviventes 0
Segunda aeronave
Modelo Dornier Do J Alemanha
Operador Syndicato Condor
Prefixo P-BAIA (Guanabara)
Origem Rio de Janeiro
Destino Rio de Janeiro
Tripulantes 5
Sobreviventes 5

A queda do Hidroavião Santos Dummont foi um acidente aéreo ocorrido durante as comemorações pelo retorno de Alberto Santos Dumont ao Brasil em 3 de dezembro de 1928.[1] Por ocasião do retorno de Santos Dumont, foram organizadas diversas homenagens, entre elas o sobrevoo de dois hidroaviões Dornier Do J Wal do Syndicato Condor sobre o SS Cap Arcona, navio que transportava o ilustre aviador brasileiro.[2]

Acidente[editar | editar código-fonte]

O SS Cap Arcona em 1927.

As aeronaves Dornier Do J prefixos P-BAIA (batizada Guanabara) e P-BACA (Santos Dumont -batizada em homenagem ao aviador) decolaram da Baía de Guanabara e sobrevoariam o Cap Arcona, onde lançaram mensagens de boas vindas a Alberto Santos Dumont. O Santos Dumont era conduzido pelo comandante alemão August Wilhem Paschen, transportando uma tripulação de 9 passageiros composta por amigos de Santos Dumont e personalidades da época.[2]

Por conta de erro de um dos pilotos, as duas aeronaves entraram em rota de colisão, obrigando os pilotos a efetuarem manobras evasivas. Enquanto que o Guanabara escaparia ileso da quase colisão, o Santos Dumont faria uma manobra que lhe custaria a perda de sustentação, causando a queda do aparelho na Baía de Guanabara, diante dos olhos dos tripulantes e passageiros do Arcona, incluindo Santos Dumont.[2] Abatido, ele suspende as festividades e retorna a Paris. Apesar dos esforços de salvamento, liderados pela Marinha do Brasil através dos Contratorpedeiros Amazonas (CT-1) e Pará (CT-2), somente o mecânico da aeronave Walter Hasseldorf sobreviveu à queda, falecendo horas mais tarde. Entre os mortos no desastre estava o médico Amaury de Medeiros. Durante a retirada dos corpos e dos restos da aeronave, ocorreu a morte de um escafandrista da Marinha.[1]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Após presenciar o acidente, Santos Dumont, ficaria abatido, cancelando as festividades e voltaria para a França. Sua depressão se agravaria, de forma que ele se suicidou poucos anos depois. Esse foi o primeiro acidente com uma aeronave comercial no Brasil, embora a mesma não estivesse operando comercialmente naquele dia, gerando grande comoção junto à imprensa e opinião pública.[2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SILVA, Carlos Ari Cesar Germano da; O rastro da bruxa: história da aviação comercial brasileira no século XX através dos seus acidentes; Porto Alegre Editora EDIPUCRS, 2008, pp 18–21.

Referências

  1. a b Folha da Manhã (4 de dezembro de 1928). «A catástrofe do Hidrovião Santos Dumont». Ano IV Nº 1297. Consultado em 13 de fevereiro de 2012 
  2. a b c d SILVA, Carlos Ari Cesar Germano da (2008). O rastro da bruxa: história da aviação comercial brasileira no século XX através dos seus acidentes. [S.l.]: EDIPUCRS. pp. 18–21 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.