Queda que as mulheres têm para os tolos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Books-aj.svg aj ashton 01.png A Wikipédia possui o
Portal de Literatura

Queda que as mulheres tem para os tolos (em francês, De l'amour des femmes pour les sots) é um ensaio satírico de autoria do escritor e advogado belga Victor Hénaux, publicado no final da década de 1850[1]. Este livro ficou famoso no Brasil com uma tradução de Machado de Assis, publicada na revista A Marmota, em série, sem qualquer indicação de autor, de tradutor ou sequer de que se tratasse de uma tradução, entre abril e maio de 1861[2]. Neste mesmo ano foi publicada uma versão impressa em livro, que mencionava o escritor brasileiro como tradutor, mas não se referia ao texto nem ao autor originais[3]. Tais lapsos fizeram com que boa parte da crítica da obra de Machado de Assis considerasse o texto como um original, incluindo-o como tal em suas obras completas, não raramente no volume de seu teatro completo, apesar de não se tratar em absoluto de um texto teatral.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Neste breve ensaio, argumenta-se que os homens tolos teriam mais facilidade em conquistar as mulheres, devido à sua desenvoltura, garantida por sua superficialidade e indiferença naturais. Os homens de espírito, isto é, os inteligentes ou sábios (logo no início o autor cita uma lista de personalidades históricas que entrariam nesta categoria: "Alcibíades, Sócrates, Platão, Turenne, La Rochefoucauld, Racine e Molière"[4]), estes teriam uma dificuldade natural de se aproximar da mulher amada, devido à sua timidez e caráter essencialmente introspectivo.

Polêmica da autoria[editar | editar código-fonte]

Este texto sempre dividiu a crítica machadiana. Mário de Alencar, na sua advertência às obras completas de Machado de Assis de 1910 já listava este texto como tradução, sem mais detalhes, ainda que o colocasse, por engano, entre a produção teatral do autor[5]. Outros críticos, como Lúcia Miguel Pereira e Afrânio Peixoto, levados pelos lapsos das primeiras edições, e pelo fato de o original ser um texto que caiu em esquecimento, consideraram a Queda como original[3]. Porém, o pesquisador Jean-Michel Massa propõe, já em 1969, que este texto se trataria de uma tradução, e o liga mesmo ao de Hénaux. Uma edição da Queda preparada por Oséias Ferraz menciona essa pesquisa, mas não traz à luz o texto original[6]. Em 2008, a Edunicamp (editora da Unicamp) lança uma edição organizada por Ana Cláudia Suriani da Silva e Eliane Fernanda Cunha Ferreira que põe fim à polêmica: trata-se de uma edição bilíngüe, tornando finalmente acessível o texto de Hénaux e permitindo a comparação que demonstra ser o texto de Machado de Assis, de fato, uma tradução[7].

Influência na obra de Machado de Assis[editar | editar código-fonte]

A Queda que as mulheres tem para os tolos também foi considerado erroneamente o texto de estréia do escritor quando jovem; consideração também enganosa independentemente da questão da autoria, uma vez que lhe é atribuído um soneto publicado em 1854.

Contudo, para além da polêmica sobre a originalidade do texto, aceita-se que ele tenha profundas afinidades com a famosa concepção pessimista que o autor tinha da sociedade. Diz-se mesmo que a Queda teria fornecido a inspiração para compor a peça Desencantos, que teria afinidades com Ressurreição, romance posterior, e por conseqüência, com Dom Casmurro, considerado seu principal romance[3].

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Queda que as mulheres têm para os tolos

Referências

  1. Capa da quarta edição do ensaio, no Google Books, e fac-simile desta mesma edição, disponíveis online.
  2. Queda que as mulheres tem pelos tolos, disponível online.
  3. a b c SILVA, Ana C. Suriani da. Texto original, tradução, adaptação ou imitação?. Disponível online no Jornal da Unicamp. Consultado em 24/01/2013.
  4. "Alcibíades, Sócrates e Platão foram sacrificados por elas aos pre­sumidos do tempo. Turenne, La Rochefoucauld, Racine e Molière, foram traídos por suas amantes, que se entregaram a basbaques no­tórios." In Queda que as mulheres tem para os tolos. Consultado em 24/01/2013.
  5. Vide Nota dos Editores ao rodapé da página 8 in ASSIS, Machado de. Teatro completo. São Paulo: Editora Mérito, 1961.
  6. ROSSO, Mauro. Queda que as mulheres têm para os tolos, uma tradução de Machado de Assis?. Disponível online. Consultado em 24/01/2013.
  7. HÉNAUX, Victor. Queda que as mulheres tem para os tolos. Tradução de Machado de Assis. Organização e introdução de Ana Cláudia Suriani da Silva e Eliane Fernanda Cunha Ferreira. Campinas: Edunicamp, 2008