Queijo Serra da Estrela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Queijo Serra da Estrela
Queijo Serra da Estrela.jpg
País de origem
Cidade
Origem do leite
peso
0,7 a 1,5 quilograma
Textura
semimole
Designação
Tempo de envelhecimento
60 a 120 dias
Outdoor sobre o Queijo Serra da Estrela DOP instalado em Seia

O Queijo Serra da Estrela é um queijo português feito com leite de ovelha, e com denominação de origem controlada[1]. As mais antigas menções a este queijo remontam ao século XII, tornando-o o mais antigo dos queijos portugueses. É um dos mais afamados queijos de ovelha de todo o Mundo. Esteve presente nas mesas reais e foi mesmo evocado por Gil Vicente no século XVI.

A Serra da Estrela serve de pasto às ovelhas das raças "Serra da Estrela" ou "Churra Mondegueira", que são consideradas como as de melhor aptidão leiteira. Para que o queijo atinja a qualidade desejada, deve ser feito sempre da mesma ordenha. Atualmente, o fabrico do queijo e seu ritual são feitos de forma tradicional, como há centenas de anos. Os pastores saem com o rebanho de manhã e regressam ao fim da tarde. Mulheres e filhas fazem o queijo de acordo com as técnicas que as suas antecessoras lhes legaram. O pastor deve escolher cuidadosamente o pasto das suas ovelhas, pois certas ervas dão mau gosto ao leite. Todos os dias, o pastor ordenha as ovelhas ao cair da noite, após o que a sua mulher prepara o leite para fazer o queijo.

Vulgarmente chamado Queijo da Serra, é um queijo curado, com pasta semimole, amanteigada de cor branca ou amarelada. É feito a partir de leite de ovelha, na região da Serra da Estrela. Em 1996, a União Europeia atribuiu-lhe uma Denominação de Origem Protegida (DOP)[2].

Celorico da Beira, conhecida como a "Capital do Queijo da Serra da Estrela", é o cartão de visita do verdadeiro Queijo Serra da Estrela, graças às condições naturais privilegiadas do Rio Mondego.

O queijo da serra foi nomeado uma das 7 Maravilhas da Gastronomia de Portugal em 2011[3].

Área geográfica[editar | editar código-fonte]

A área geográfica da produção deste queijo denomina-se por "Região Demarcada de Produção de Queijo Serra da Estrela"[1] e abrange o seguinte território:

Concelho Freguesias
Carregal do Sal Todas
Celorico da Beira Todas
Fornos de Algodres Todas
Gouveia Todas
Mangualde Todas
Manteigas Todas
Nelas Todas
Oliveira do Hospital Todas
Penalva do Castelo Todas
Seia Todas
Aguiar da Beira Carapito
Cortiçada
Dornelas
Eirado
Forninhos
Pena Verde e Valverde
Arganil Anceriz
Barril do Alva
Cerdeira
Coja
Pomares
Vila Cova do Alva
Covilhã Aldeia de Carvalho
Cortes do Meio
Erada
Paul
Sarzedo
Unhais da Serra
Verdelhos
Guarda Aldeia Viçosa
Corujeira
Cavadouce
Faia
Famalicão
Fernão Joanes
Maçainhas de Baixo
Meios
Mizarela
Pêro Soares
Porto da Carne
São Vicente
Seixo Amarelo
Vale Amoreira
Trinta
Vale de Estrela
Valhelhas
Videmonte
Vila Cortês do Mondego
Vila Soeiro
Tábua Midões
Póvoa de Midões
Vila Nova de Oliveirinha
Tondela Canas de Santa Maria
Ferreirós do Dão
Lageosa
Tonda
Lobão da Beira
Molelos
Mosteiro de Fráguas
Nandufe
Parada de Gonta
Sabugosa
São Miguel de Outeiro
Tondela
Trancoso Aldeia Nova
Carnicães
Feital
Fiães
Freches
Santa Maria
São Pedro
Tamanhos
Torres
Vila Franca das Naves
Vilares
Viseu Fragosela
Povolide
São João de Lourosa
Loureiro de Silgueiros

Produção[editar | editar código-fonte]

As ovelhas pastam livres, ou seja, não são alimentadas com ração. Produzido no inverno, o êxito depende da temperatura das mãos das mulheres que o fabricavam nas frias casas de granito típicas da arquitetura da região. O leite é coalhado quando entra em contacto com sal e a flor do cardo, nativo da região.[4] O soro é retirado com a prensa e salga manual do coalho.[4] O tempo de cura dura cerca de 60 dias a 120 dias em câmaras com temperaturas e humidades controladas.[4] O peso varia entre 0,7 kg e 1,5 kg.

Queijo Serra da Estrela Velho DOP curado.
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Queijo Serra da Estrela

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «ANCOSE». Consultado em 26 de dezembro de 2015 
  2. «Vai um queijo da Serra da Estrela com flor de castanheiro?». Ciência Hoje. 30 de outubro de 2014 
  3. «História e Tradição». Queijo da Serra 
  4. a b c Fecarotta, Luiza. (27 de janeiro de 2011). Queijo de colher. Folha de S.Paulo, Caderno Ilustrada

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Manteigas e queijos: Itália, Suissa, Dinamarca, Holanda, Bélgica, França, Portugal, João da Motta Prego. Lisboa: Livr. Ferin. 1906.
  • Leitaria moderna, Ad. Baptista Ramires. Lisboa: Ed. J. Rodrigues & Ca. 1931.
  • O Problema Queijeiro das Beiras, Henrique Soares Rodrigues, Lisboa: Serviço Editorial da Repartição de Estudos Informação e Propaganda, 1944.
  • Queijo: notas sobre queijos regionais das Beiras, António Gomes Rebelo ; Coord. Engo Camilo Silveira da Costa ; pref. Décia Carreira. Lisboa: Livraria Popular Francisco Franco, 1983.
Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.