Quemeres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Real Balé do Camboja
Dançarina

Quemeres[1][2] (khmer) são um grupo étnico majoritário do atual Estado do Camboja, que no passado consolidou um império capaz de dominar, em seu apogeu, do século IX ao XII, a maior parte da Indochina. Sua origem, segundo historiadores, decorrem da migração de populações do norte da Indochina e Índia, identificados sob traço cultural comum, que se estabeleceram nas terras férteis do delta do Rio Mekong. Por volta do ano 100, criaram o reino de Funan, cujo poderio cresceu ao longo dos anos de paz na região, fincado no intercâmbio comercial. A partir do século VI já se havia registrado considerável expansão do Reino, por meio de conquistas e vassalagem de tribos e populações adjacentes, tornando notável o enriquecimento cultural do povo Khemer. Ainda na metade do século VI a tribo dos Kambujas, fixados na região central do Mekong, estabeleceu um novo reino de nome Chemla, o qual, visando a rica região do delta do Mekong, começou a absorver Funan, de sorte que dois séculos mais tarde dividira os Khermers em dois reinos rivais, um ao norte e outro ao sul. A discórdia continuou por séculos até o século VIII, que marcou o fim do reino Chemla e a reunificação do povo sob o Império de Angkor, o mais ilustre de sua história antiga, cujo apogeu cultural impulsionou a construção de centenas de belos templos de pedra, além de canais de irrigação, hospitais, represas e rodovias. Símbolo desse período é o famoso Templo Hindu de Preah Vihear ou o templo de Angkor Wat. O império experimentou grande riqueza e expansão durante o século IX ao XII. Entretanto, os projetos de construção dispendiosos, as epidemias, as brigas internas da família real e as guerras com os tailandeses enfraqueceram esse Império. Forças tailandesas ocuparam a cidade de Angkor em 1432, iniciando um período de 400 anos onde os quemeres sofreram sob a agressão tailandesa e posteriormente vietnamita. Durante esse tempo o território quemer foi pulverizado. Tanto os tailandeses quanto os vietnamitas tentaram absorver o quemer e destruir sua identidade cultural. Contudo, um reino quemer independente, cuja capital ficava perto da atual Phnom Penh, sobreviveu até meados do século XIX. No século XIX, o Estado do Camboja tornou-se colônia francesa e foi ocupado pelos japoneses na Segunda Guerra Mundial, conquistando finalmente sua independência em 1954.

A população cambojana (quemer) é estimada em mais de 17 milhões, pelo mundo todo.[3]

Referências

  1. Castro 1950, p. 386.
  2. Guérios 1976, p. 40.
  3. Hattaway, Paul (ed.) (2004), "Khmer", Peoples of the Buddhist World, William Carey Library

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Castro, Ferreira de. Obras completas de Ferreira de Castro: A volta ao mundo. Lisboa: Guimarães 
  • Guérios, Rosario Farani Mansur. Tabus linguísticos. São Paulo: Companhia Editora Nacional