Quinto Servílio Pudente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Quinto Servílio Pudente (em latim: Quintus Servilius Pudens) foi um senador romano da gente Servília que serviu como cônsul em 166 com Lúcio Fábio Galo[1]. Pudente foi também procônsul da província da África por volta de 180. Ele é conhecido apenas através de inscrições.

História[editar | editar código-fonte]

Pudente pode ser parente de Marco Servílio Silano, cônsul em 152 e 188, e os dois podem ser parentes do cônsul em 189, Quinto Servílio Silano[2]. É certo que Pudente se casou com Ceiônia Pláucia, filha de Lúcio Élio César, filho adotivo do imperador Adriano e herdeiro aparente entre 136 e 138[3].

Aparentemente havia dois Servílios Pudentes vivendo na mesma época: uma inscrição atesta que uma pessoa com este nome era prefectus frumenti dandi, juridicus da Regio VIII Aemilia, e governador de Creta e Cirenaica. Géza Alföldy lembra que o cargo de juridicus para os distritos da Itália só passou a existir em 166, um cargo pretoriano geralmente detido antes do consulado. Como qualquer filho do cônsul Pudente seria um parente da família imperial (a dinastia nerva-antonina), ele poderia pular os cargos pretorianos em sua carreira. Por conta disto, Quinto Servílio Pudente que foi procônsul pode ser um sobrinho deste outro Pudente mais velho[4].

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
'Marco Gávio Órfito

com Lúcio Árrio Pudente

Quinto Servílio Pudente
166

com Lúcio Fufídio Pólio

Sucedido por:
'Lúcio Vero III

com Marco Umídio Quadrado Aniano
com Tibério Cláudio Pompeiano


Referências

  1. Géza Alföldy, Konsulat und Senatorenstand unter der Antoninen (Bonn: Rudolf Habelt Verlag, 1977), p. 180
  2. Alföldy, Konsulat und Senatorenstand, p. 101 n. 13
  3. Birley, Marcus Aurelius, revised edition (London: Routledge, 1987), pp. 238, 247
  4. Alföldy, Konsulat und Senatorenstand, p. 264 n. 314