Quisto do ovário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quisto do ovário
Quisto do ovário simples de origem provavelmente folicular
Especialidade Ginecologia
Sintomas Nenhuns, sensação de inchaço, dor na parte inferior do abdómen, dor no fundo das costas[1]
Complicações Rotura do quisto, torção do ovário[1]
Tipos Quisto folicular, quisto do corpo lúteo, quisto devido a endometriose, quisto dermoide, quistadenoma,cancro do ovário[1]
Método de diagnóstico Ecografia[1]
Prevenção Contracepção hormonal[1]
Tratamento Vigilância, analgésicos, cirurgia[1]
Prognóstico Geralmente bom[1]
Frequência 8% sintomáticos antes da menopausa[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 N83.2
CID-9 620.2
DiseasesDB 9433
MedlinePlus 001504
eMedicine 255865
MeSH D010048
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Um quisto do ovário é a presença de um ou mais quistos (tumores benignos cheios de líquido) no ovário.[1] Geralmente não causam sintomas.[1] Em alguns casos podem causar sensação de inchaço, dor na parte inferior do abdómen ou dor no fundo das costas.[1] A maioria dos quistos é inofensiva.[1] No entanto, o quisto pode-se romper ou causar torção do ovário, casos em que causa dor intensa e pode causar vómitos ou sensação de desmaio.[1]

A maior parte dos quistos do ovário está associada à ovulação, sendo quistos foliculares ou quistos do corpo lúteo.[1] Entre outros tipos estão quistos devido a endometriose, quistos dermoides e quistadenomas.[1] A síndrome do ovário policístico está na origem de vários quistos pequenos em ambos os ovários.[1] A doença inflamatória pélvica pode também causar múltiplos quistos.[1] Em casos raros, os quistos podem ser uma forma de cancro do ovário.[1] O diagnóstico é realizado com uma ecografia pélvica ou outros exames.[1]

Em muitos casos, é suficiente ir vigiando os quistos ao longo do tempo.[1] Se causarem dor, podem ser administrados analgésicos como o paracetamol ou o ibuprofeno.[1] Em mulheres que desenvolvem frequentemente quistos, pode ser usada contracepção hormonal para prevenir a formação de novos quistos.[1] No entanto, as evidências científicas não apoiam a utilização de contracepção hormonal como forma de tratamento de quistos já formados.[2] Nos casos em que os quistos não desaparecem ao fim de vários meses, aumentam de volume, têm aparência suspeita ou causam dor, podem ser removidos cirurgicamente.[1]

A maior parte das mulheres em idade fértil desenvolve pequenos quistos todos os meses.[1] Os quistos de maior dimensão que causam problemas ocorrem em cerca de 8% das mulheres antes da menopausa.[1] Após a menopausa, os quistos estão presentes em cerca de 16% das mulheres e a sua presença tem maior probabilidade de estar associada a cancro.[1][3]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os cistos ovarianos pelo regular não causam sintomas, mas quando estes ocorrem, são

  • Dor.
  • Atraso da menstruação.
  • Distensão abdominal.
  • Dor pélvico pouco depois do começo ou finalização do período menstrual.
  • Dor nas relações sexuais ou dor pélvico durante o movimento.
  • Dor pélvico constante ou surdo.
  • Dor pélvico intenso repentino (o qual indica que o cisto se rompeu), com frequência com náuseas e vómitos, que pode ser um signo de torque ou retorcimento do ovário em sua irrigação sanguínea ou ruptura de um cisto com sangramento interno.
  • Fraqueza (perda de força no corpo).

Causas[editar | editar código-fonte]

A cada mês, durante o ciclo menstrual, cresce um folículo (onde o ovócito se está a desenvolver) no ovário. A maioria dos meses, liberta-se um ovócito deste folículo, ao qual se lhe denomina ovulação. Se o folículo não consegue se abrir e libertar um ovócito, o líquido permanece dentro do folículo e forma um cisto, o qual se denomina cisto folicular; também há outro tipo de cisto, este é chamado cisto do corpo lúteo, se apresenta após que um ovócito tem sido libertado de um folículo e com frequência contém uma pequena quantidade de sangue. Os cistos ovarianos são mais comuns desde a puberdade até a menopausa, período que se conhece como nos anos férteis de uma mulher. Estes cistos são menos comuns após a menopausa. Tomar drogas para a fertilidade pode causar a formação de múltiplas cistos grandes nos ovários e denomina-se-lhe síndrome de hiperestimulação ovariana.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O médico ou o pessoal de enfermaria podem descobrir um cisto durante um exame pélvico ou quando façam uma ecografia por outra razão.

A ecografia pode-se fazer para diagnosticar um cisto. O médico ou o pessoal de enfermaria talvez precisem examinar de novo à paciente em 6 semanas para verificar que este tenha desaparecido.

Outros exames imaginológicos que se podem fazer quando seja necessário:

  • Tomografia computadorizada
  • Estudos de fluxo Doppler
  • Ressonância magnética.

Podem-se fazer os seguintes exames de sangue:

  • Exame Ca-125 para procurar possível cancro se a paciente tem chegado à menopausa ou tem uma ecografia anormal
  • Níveis hormonais (como a HL, FSH, estradiol, prolactina e testosterona)
  • Prova de gravidez (GCH em soro).

Tratamento[editar | editar código-fonte]

A maioria dos cistos ovarianos são funcionais e inofensivos (benignos).[4]

Os cistos ovarianos funcionais geralmente não precisam tratamento. Pelo regular, desaparecem ao cabo de 8 a 12 semanas de maneira espontânea.

Se apresentam-se cistos frequentes, o médico ou o pessoal de enfermaria podem prescrever pílulas contraceptivas (contraceptivos orais). Estes medicamentos podem reduzir o risco de novos cistos ovarianos. Estas pílulas não diminuem o tamanho dos cistos existentes.

Pode-se precisar cirurgia para extirpar o cisto ou o ovário com o fim de verificar que não seja cancro ovariano. A cirurgia se faz necessária quando existem:

  • Cistos ovarianos complexos que não desaparecem.
  • Cistos que estejam a causar sintomas e que não desaparecem.
  • Cistos ovarianos simples que sejam maiores que 5 a 10 centímetros.
  • Mulheres menopáusicas ou que estejam perto da menopausa.

Tipos de cirurgia para os cistos ovarianos:

  • Laparoscopia explorativa.
  • Laparoscopia pélvica para extirpar o cisto ou o ovário.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z «Ovarian cysts». Office on Women's Health. 19 de novembro de 2014. Consultado em 27 de junho de 2015. Cópia arquivada em 29 de junho de 2015 
  2. Grimes, DA; Jones, LB; Lopez, LM; Schulz, KF (29 de abril de 2014). «Oral contraceptives for functional ovarian cysts.». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 4 (4): CD006134. PMID 24782304. doi:10.1002/14651858.CD006134.pub5 
  3. Mimoun, C; Fritel, X; Fauconnier, A; Deffieux, X; Dumont, A; Huchon, C (dezembro de 2013). «[Epidemiology of presumed benign ovarian tumors].». Journal de Gynecologie, Obstetrique et Biologie de la Reproduction. 42 (8): 722–9. PMID 24210235. doi:10.1016/j.jgyn.2013.09.027 
  4. «Ovarian Cysts Causes, Symptoms, Diagnosis, and Treatment». eMedicineHealth.com