Rádio Boas Novas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde janeiro de 2012)
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada.
Rádio Boas Novas
País  Brasil
Frequência(s)
Pertence a Fundação Evangélica Boas Novas
Proprietário(s) Samuel Câmara
Formato Comercial
Idioma (português brasileiro)
Nome(s) anterior(es)
  • Rádio Guajará AM
  • Rádio Transpaz
Emissoras irmãs Boas Novas

A Rádio Boas Novas é uma emissora de rádio brasileira localizada em Belém, capital do Pará. É afiliada/geradora da Rádio Boas Novas e é sintonizada em 1270 KHz, em Ondas Médias e em 91.9 MHz em Frequência Modulada.

História[editar | editar código-fonte]

Antes do surgimento da Rádio Transpaz, a aprovação de uso de meios radiofônicos foi feita pela gestão de Nels Nelson, o terceiro pastor da igreja evangélica Assembleia de Deus que só foi concretizado na gestão de Alcebíades Pereira Vasconcelos, o sexto da igreja.

O 1º programa radiofônico apresentado pela igreja foi o programa “O Som do Evangelho” (nome sugerido por Júlia Monteiro, integrante da mesma igreja já falecida), que foi ao ar em 15 de novembro de 1955 às 6h15min. As músicas utilizadas eram gravadas no púlpito, pois havia escassez de discos evangélicos.

Depois disso, surgiram vários programas evangélicos feitos pela Assembleia de Deus e de outras igrejas evangélicas de Belém, distribuídos para as rádios Clube do Pará e Marajoara.

Em 1988, a Rádio Guajará AM em crise, alugou os horários para fazer programas independentes; entre elas, apareceu a Assembleia de Deus. A igreja levou ao ar no dia de Natal, 25 de dezembro de 1988, seu primeiro programa na emissora.

Em 1991, depois de mais de dois anos de contrato, o pastor e líder da igreja Firmino Gouveia (que sucedeu Alcebíades Pereira Vasconcelos) pediu a igreja a rescisão do compromisso, sob alegação de elevação de custos financeiros para manter o programa na rádio no ar.

O cancelamento trouxe frustração à igreja, especialmente a Gouveia, que chegou a pensar em jamais utilizar os meios de comunicação de massa. Sendo incentivado pelo pastor auxiliar Antônio Siqueira, quem o estimulou a retomar o seu interesse em adquirir uma emissora para a igreja. O pastor Firmino assim se expressou: “Antônio Siqueira de certa forma pressionou-me para que eu aceitasse negociar. Ele tem um papel preponderante nesse desafio, e não se pode tirar esse mérito dele”.

Em 1992, Gouveia decidiu então querer adquirir uma emissora de rádio, de preferência AM, por vantagem e avaliação clara de preço. Na época existiam as rádios Clube do Pará, Marajoara AM, Maguari AM e Rádio Guajará AM.

Gouveia ficou em dúvida, mas pediu a alguns técnicos de sua confiança e conhecedores do assunto sobre emissoras de rádio, que procedessem à devida avaliação, indicassem viabilidades e lhes aconselhassem a respeito de qual delas oferecia melhores vantagens.

Em 1993, após as avaliações dos técnicos, a rádio Clube do Pará foi logo descartada por ter sido comprada por Jader Barbalho em 1992. Já a Marajoara e Maguari não estavam à venda. Chegou-se ao resultado de que a Guajará AM seria a melhor opção, única à venda.

Quando o pastor Firmino Gouveia tinha a certeza Rádio Guajará AM estava oficialmente a venda, decidiu comprar a emissora, mas antes apresentou a proposta aos pastores e integrantes da igreja numa reunião. A decisão de comprar uma rádio AM foi unânime e Gouveia motivou a igreja Assembleia de Deus a adquiri-la definitivamente ao dizer na reunião: “Vamos dar um passo de fé e adquirir esta emissora para a nossa Igreja AD em Belém do Pará, o Berço Pentecostal”.

Então o pastor Gouveia partiu primeiro para a negociação com o proprietário Dr. Lopo de Castro Filho (filho do Lopo e Conceição de Castro), que havia vendido a Rádio Guajará FM para pastores da Igreja Presbiteriana no mesmo ano, que a transformaram em Rádio 95 FM, e foi acertada a compra da Rádio Guajará AM pelo preço de US$ 480.000 (quatrocentos e oitenta mil dólares americanos).

Para arrecadar essa grande soma de montanha de dinheiro para padrões da igreja, Gouveia mobilizou os pastores e fiéis da igreja: os que tinham condições doaram casas, carros, apartamentos, objetos de valor (como jóias pulseiras, brincos, anéis, entre outros); outros renunciaram férias, cursos, entre outros, deixando seus planos para depois. Também os que não tinham condições ajudaram: adultos, jovens, adolescentes, invadiram as ruas de Belém vendendo picolés, churrascos, bombons, etc. Cada um trabalhando para conseguir os recursos necessários.

Em 1994, os pastores liderados por Firmino Gouveia apresentaram na Avenida Governador José Malcher (onde era localizada a Rádio Guajará AM) com o dinheiro arrecadado pelos fiéis e da própria igreja, o que estourou o orçamento da igreja. A compra foi transmitida ao vivo pela emissora e Firmino Gouveia assinou junto com os proprietários da rádio, a transferência da administração da emissora.

Na ocasião, Gouveia disse na rádio após comprar a emissora: “Foi uma prova de fé. No dia da assinatura da compra não havia um centavo no caixa, mas a Igreja adquiriu a emissora, pagando US$ 480.000,00, quatrocentos e oitenta mil dólares americanos.” e em seguida, o nome da rádio foi anunciado como Rádio Transpaz e manter a programação da Rádio Guajará para virar evangélica.

Porém com nova administração teve que enfrentar o desafio: os equipamentos da velha emissora estavam sucateados pelo tempo de uso e a cobertura restrita em poucos municípios (a potência do transmissor era 1 kW); não tinha funcionários preparados para o serviço radiofônico.

A administração decidiu transferir o endereço da rádio (Avenida Governador José Malcher) para a Avenida Bernardo Saião (onde fica o parque das antenas), foram contratados quatro funcionários (que mais tarde se converteram a igreja), investir na aquisição de novos equipamentos (tendo de importá-los dos Estados Unidos) e a emissora que sempre operara com o seu transmissor auxiliar de 1 kW, passou a operar com o seu transmissor principal de 10 kW.

A compra da rádio foi antecipada em sete meses. O montante ofertado foi mais do que suficiente a ponto de ainda sobrarem o equivalente a 100 mil dólares. Essa quantia ajudou a concretizar outro grande favor ao pastor Firmino Gouveia: a igreja com esse dinheiro deu entrada na compra da grande propriedade (área de 27.000 m) onde hoje funciona o Centro de Convenções da Assembléia de Deus, o antigo Vale da Benção onde pastores da igreja fazem pregações, que são transmitidas pela rádio, das quais se ouça as pregações dos pastores e os testemunhos de curas exploradas freqüentemente que foi apelidada “a rádio dos crentes”.

Em 1995, a administração decide mudar novamente de endereço: da Avenida Bernardo Saião (que só tinha um estúdio) para o prédio do Instituto Bíblico da Assembleia de Deus, na Travessa Vileta. Nesse período em que a rádio estava na Av. Bernardo Saião, era muito frequentada pelos fiéis que todos os dias levavam comida e lanches aos engajados na rádio.

Após a nova mudança de endereço, foram adquiridos equipamentos para restauração técnica da emissora, que passou a denominar-se Rádio Transpaz.

Em termos de audiência, nos primeiros anos da Rádio Transpaz (1995-1999) sempre ocupava o primeiro lugar, desde a madrugada até 14hs, alcançando índices de até 70% nas pesquisas. Outros 30% eram divididos entre as demais emissoras, pois a emissora além de fazer pregações e tocar músicas evangélicas, tocava músicas de sucesso popular, como pagode, axé, romântico, rock, pop, entre outros ritmos.

Porém, em 1999, por decisão da nova administração da Fundação Evangélica Boas Novas, a rádio passou a ter programação 100% evangélica, o que levou à queda da audiência e anunciantes, passando da primeira posição para última colocada.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Rádio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.