Rádio Piratininga de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rádio Piratininga de São Paulo
RádIo Piratininga de São Paulo S/A
País  Brasil
Cidade de concessão Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Frequência(s) AM 1200 kHz
Slogan O ano tem cinco estações : primavera, verão, outono, inverno e a Piratininga
Fundação 1952
Extinção 1974
Fundador Miguel Leuzzi
Pertence a Família Leuzzi
Género Jornalismo, popular, esportes
Idioma Língua portuguesa
Prefixo PRB-6
Cobertura São Paulo e estado de São Paulo
RádIo Cruzeiro do Sul (São Paulo)

A Rádio Piratininga foi uma emissora de rádio brasileira de São Paulo, que operava na frequência de onda média (AM) 1200 kHz. Fundada em 1952, sucedendo a Rádio Cruzeiro do Sul e tirada do ar pelo regime militar em 1974. [1]

História[editar | editar código-fonte]

A emissora foi inaugurada em 30 de maio de 1932 por Alberto Byington Júnior com o nome de Rádio Cruzeiro do Sul e adquirida pelo médico e politico Miguel Leuzzi em 1952, que a rebatizou como Rádio Piratininga. Salomão Esper (egresso da Cruzeiro do Sul) foi um de seus primeiros locutores, pois além de comandar o programa de auditório Torre de Babel, era responsável pela leitura dos horários da rádio ao som das badaladas do Mosteiro de São Bento, [2] Tambem passaram pela Piratininga nomes como Edgard de Souza, Hélio Ribeiro, Ferreira Martins, Boris Casoy, o narrador esportivo Hamilton Galhano, [3] entre outros.

O cantor e compositor Raul Torres comandou nos anos 1950 o programa Embaixada do Torres. As irmãs Galvão foram reveladas através do programa de auditório apresentado por Salomão.

Foi na Piratininga onde Manuel de Nóbrega e Milton Neves tiveram suas estreias no rádio de São Paulo. Na década de 1950, Manuel apresentava na emissora os humorísticos Cadeira de Barbeiro e Domingo sem Bola, além da Escolinha do Manuel, com participações de outros humoristas, como Simplício. [4]

De 1959 ate 1974, no rastro do sucesso da radionovela Jerônimo, o Herói do Sertão pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, a Piratininga levou ao ar no fim de tarde Juvêncio, o justiceiro do sertão, com o compositor e ator Vicente Piá no papel-título, que era retransmitida para emissoras de rádio do interior de São Paulo e do Paraná. [5]

Em 1965, a emissora levou ao ar da meia-noite às duas da manhã o programa Bossa à Noite, comandado por Cláudio Mamberti, Renato Correia e Castro e os irmãos Hoyagen (Lafa e Hoya), onde eram tocadas músicas ao vivo e shows da bossa nova gravados em fitas. Foi nesse programa onde um jovem estudante chamado Chico Buarque de Holanda deu seus primeiros passos como artista.

Na segunda metade dos anos 1960, Ferreira Martins comandava a parada de sucessos nas tardes da emissora com enorme audiência. Em 1970, transferu-se para a Rádio Bandeirantes. [6]

Sandro Villar e J. Pimentel (que revelou Eli Corrêa na Rádio São Paulo) foram os derradeiros locutores da Piratininga no início dos anos 1970, já em crise financeira e arrendada para uma igreja evangélica. [7]

Em 1974, o Governo Federal então presidido por Ernesto Geisel decidiu não renovar sua concessão (declararando-a perempta) e a emissora saiu do ar. [8]


Referências

  1. «Sandro Villar». Portal dos Jornalistas 
  2. «Rádio Piratininga». São Paulo Minha Cidade 
  3. «Hamilton Galhano- Que fim levou?». Terceiro Tempo 
  4. «Rádio Piratininga». São Paulo Minha Cidade 
  5. «Rádio Piratininga». São Paulo Minha Cidade 
  6. «Ferreira Martins». Portal dos Jornalistas 
  7. «Rádio Piratininga». São Paulo Minha Cidade 
  8. Siqueira, Ethevaldo. «Memórias do rádio paulista». Igreja de Cristo