R. G. Collingwood

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Robin G. Collingwood
Fotografia de R. G. Collingwood, por Thoemmes Continuum.
Nascimento 22 de fevereiro de 1889
Cartmel Fell, Lancashire Inglaterra
Morte 9 de janeiro de 1943 (53 anos)
Coniston, Cumbria, Inglaterra
Nacionalidade inglês
Ocupação
Principais interesses

Robin George Collingwood (22 de fevereiro de 18899 de janeiro de 1943) foi um filósofo, historiador e arqueólogo britânico.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do acadêmico William Gershom Collingwood, professor de Belas Artes na Universidade de Reading,[1] ingressou na Universidade de Oxford em 1908, onde estudou Filosofia, foi apontado como "guardião" do Pembroke College em 1912. Collingwood, que realizaria todas as suas atividades na referida instituição, tornou-se conhecido por seu trabalho sobre a história antiga, devido às inúmeras escavações dirigidas entre 1911-1934. Sofreu influência de idealistas italianos como Benedetto Croce, Giovanni Gentile e Guido de Ruggiero, este último era um amigo íntimo. Outras importantes influencias foram as de Immanuel Kant, Giambattista Vico, F. H. Bradley, Alfred North Whitehead e Samuel Alexander.[2]

Durante boa parte da vida dedicou-se a estudar a relação entre História e Filosofia. O pensador Inglês defendeu com veemência a necessidade, de acordo com sua opinião, de unirmos o conceito de experiência metafísica a temas clássicos da História. Suas teorias epistemológicas, que foram descritas como "intelectuais" pela crítica, foram em grande parte incluídas nos volumes intitulados Ensaio sobre o método filosófico (1933), Ensaio sobre a metafísica (1940), Ensaio sobre a filosofia da história, A Ideia de História (1946) e Princípios da filosofia artística. Entre 1911 e 1934, Collingwood concentrou seus estudos na área da arqueologia, publicando obras como A Arqueologia da Bretanha Romana, em 1930, e Bretanha Romana e os Assentamentos Ingleses, em 1936. Simultaneamente, publicou vários estudos sobre a figura de Croce e escreveu uma Autobiografia (1939).[3] No campo da teoria da história, Collingwood é mais conhecido por sua obra póstuma, The Idea of History. Nesse trabalho fragmentado, aleatoriamente editado e apenas parcialmente revisado pelo autor, foi agregado uma segunda parte, intitulada Epilegômenos, cujos textos são de origem diversa.[4]

Uma das mais importantes contribuições de R. G. Collingwood é o conceito de imaginação histórica, associado ao que Collingwood intitula “critério da verdade histórica”, ou seja a ideia de que a história, sendo um tipo de conhecimento dedutivo daquilo que é transitório, não pode extrair certezas das fontes porque é a veracidade das afirmações da própria fonte que está em questão: “ [...] para o historiador não pode haver nunca fontes autorizadas, porque estas proferem um veredicto que só ele pode lançar”. Por isso o historiador deve transcender aquilo que as fontes lhe dizem através de um modo construtivo, procedendo a uma interpolação entre as afirmações feitas pelas fontes com outras, deduzidas das mesmas. A imaginação histórica utiliza-se de um processo re-construtivo das conexões internas entre dois eventos (a posição de um navio, em alto-mar em E1t1 e E2t2, por exemplo).[5]

Obra[editar | editar código-fonte]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

  • 1916 - Religião e Filosofia (Religion and Philosophy)
  • 1920 - Filosofia de Ruskin (Ruskin's Philosophy)
  • 1924 - Speculum Mentis ou o Mapa do Conhecimento (Speculum Mentis or the Map of Knowledge)
  • 1933 - Linhas Gerais de uma Filosofia da Arte (Outlines of a Philosophy of Art)
  • 1933 - Um Ensaio sobre o Método Filosófico (An Essay on Philosophical Method)
  • 1938 - Os Princípios da Arte (The Principles of Art)
  • 1939 - Uma Autobiografia (An Autobiography, Neuauflage mit neuer Einleitung von Stephen Toulmin: 1978)
  • 1940 - Um Ensaio sobre Metafísica (An Essay on Metaphysics)
  • 1940 - O Registro do Primeiro Companheiro (The First Mate's Log)
  • 1942 - O Novo Leviatã ou Homem, Sociedade, Civilização e Barbárie (The New Leviathan or Man, Society, Civilization, and Barbarism)
  • 1944 - A Ideia de Natureza (The Idea of Nature, póstuma)

História[editar | editar código-fonte]

  • 1921 - Bretanha Romana (Roman Britain)
  • 1936 - Natureza Humana e História Humana (Human Nature and Human History)
  • 1935 - A Imaginação Histórica (The Historical Imagination)
  • 1946 - A Ideia de História (The Idea of History, póstuma)
  • 1999 - Os Princípios da História (The Principles of History, póstuma)

Arqueologia[editar | editar código-fonte]

  • 1930 - Arqueologia da Britânia Romana (Archaeology of Roman Britain)
  • 1936 - Britânia Romana e os Assentamentos Ingleses (Roman Britain and the English Settlements)

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Arrais, Cristiano (2013). «Robin George Collingwood». Lições de história: da história científica à crítica da razão metódica no limiar do século XX. Porto Alegre: Edipucrs. ISBN 9788539703203 .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Robin George Collingwood
Ícone de esboço Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.