RJ-162

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rodovia Prefeito José Bicudo Jardim
Rodovia Dep. Cláudio Moacyr de Azevedo
País
Nome popular Rodovia Serramar
Identificador  RJ-162 
Extensão 102 km
Extremos
 • norte:
 • sul:

RJ-174.svg RJ-174, Trajano de Moraes, RJ
RJ-106.svg RJ-106, Rio das Ostras, RJ
Interseções RJ-168.svg RJ-168
BR-101 RJ.svg BR-101 (Rio-Vitória)
Concessionária DER-RJ

A RJ-162 é uma rodovia brasileira do estado do Rio de Janeiro.

Com 102 quilômetros de extensão, liga a cidade de Rio das Ostras ao município de Trajano de Moraes. passando pela região serrana do município de Macaé.

O trecho inicial da rodovia, de 15,1 quilômetros é pavimentado, tendo o de maior tráfego de veículos. Popularmente chamado de Rodovia Serramar, entre Rio das Ostras e Rio Dourado (distrito do município de Casimiro de Abreu), onde ela intercede com a BR-101. Desde 2011 este trecho da RJ-162 é oficialmente denominado de Rodovia Prefeito José Bicudo Jardim, em homenagem ao ex-prefeito da cidade de Casimiro de Abreu no período compreendido entre 1966 e 1970.[1][2]

Entre o distrito de Rio Dourado e Trajano de Moraes, a rodovia recebe o nome de Rodovia Deputado Cláudio Moacyr de Azevedo, um político nascido em Macaé. Sendo que a partir de Rio Dourado passa a ser sem pavimentação, em leito natural, no trecho que atravessa a Reserva Biológica União. Já em território macaense, volta a ser pavimentada, a partir da localidade de Ponte do Baião. Subindo a Serra da Pedra Branca, passa pelos distritos macaenses de Córrego do Ouro e Glicério, e finalmente chega a Trajano de Moraes a partir do distrito de Vila da Grama (Tapera). Depois de mais um trecho de leito natural, de aproximadamente 19 quilômetros, passa pelo distrito de Sodrelândia e chega à sede do município, onde encontra a RJ-174.

Moradores das cidades servidas pela RJ-162 reclamam constantemente do estado de conservação da rodovia, que está com asfalto ruim e buracos em vários trechos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «PROJETO DE LEI Nº 2600/2009». ALERJ. 25 de setembro de 2009. Consultado em 4 de março de 2017 
  2. «LEI Nº 5874, DE 13 DE JANEIRO DE 2011.». ALERJ. 13 de janeiro de 2011. Consultado em 4 de março de 2017