RKO 281

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
RKO 281
RKO 281 (BR)
 Estados Unidos
1999 •  cor •  83 min 
Direção Benjamin Ross
Produção Su Armstrong
Roteiro Richard Ben Cramer
Thomas F. Lennon
John Logan
Elenco Liev Schreiber
James Cromwell
Melanie Griffith
John Malkovich
Brenda Blethyn
Roy Scheider
Género drama
Distribuição HBO
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

RKO 281 é um telefilme dramático de 1999 dirigido por Benjamin Ross e estrelado por Liev Schreiber, James Cromwell, Melanie Griffith, John Malkovich, Roy Scheider e Liam Cunningham. Baseado no documentário The Battle Over Citizen Kane, do programa de TV American Experience, o filme reconstitui a produção de Cidadão Kane, em 1941, e defende a tese de que o filme foi em grande parte inspirado na vida do jornalista William Randolph Hearst, dono de um dos maiores impérios da comunicação nos EUA. O título do filme é uma referência ao número de produção original de Cidadão Kane.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em 1940, Orson Welles (Schreiber), o chefe do estúdio RKO George Schaefer (Scheider), e o roteirista Herman J. Mankiewicz (Malkovich) lutam para fazer o que será considerado o maior filme de todos os tempos, Cidadão Kane. Welles e Mankiewicz participam de uma festa no Castelo Hearst, onde Welles conhece o hipócrita e tirânico jornalista William Randolph Hearst (Cromwell), que dá a Welles a inspiração para fazer um filme sobre sua vida. Mankiewicz é contra a ideia, pois como ele sabe, a ira de Hearst será horrível. Ele conta a Welles a história (nunca comprovada) de como Hearst tentou assassinar Charlie Chaplin e acabou matando por engano o ator e produtor Thomas Ince. Mas Welles não se intimida e Mankiewicz finalmente aceita.

Depois de descobrir, através de Hedda Hopper, após uma exibição para a imprensa, que o filme de Welles é, na verdade, uma biografia pouco velada e excepcionalmente indecorosa dele, Hearst usa seu imenso poder e influência para tentar barrar o lançamento do filme. A amante de Hearst, a atriz Marion Davies (Griffith), supera o constrangimento de ter suas vidas privadas expostas e vilipendiadas, ao mesmo tempo em que oferece consolo a Hearst e até dinheiro quando suas finanças começam a diminuir (vendendo todas as joias que ganhou dele e dando-lhe o dinheiro em cheque).

No final, após consideráveis ​​atrasos e turbulências, além da desintegração da relação profissional entre Welles e Mankiewicz e um golpe caro para a carreira de Schaefer, o filme é finalmente lançado, para o desgosto de Hearst. A divulgação do filme é prejudicada pela proibição de Hearst sobre sua menção em todas as suas publicações, e seu sucesso comercial é limitado. Welles, no entanto, tem a satisfação de ter criado um dos filmes mais criticamente admirados de todos os tempos.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Cenários[editar | editar código-fonte]

O produtor Ridley Scott queria filmar no próprio Castelo Hearst, mas foi negado.[1] RKO 281 foi filmado no Reino Unido, principalmente em Londres. A escadaria gótica do castelo de Hearst foi filmada nas câmaras de St. Pancras, anexadas à estação ferroviária de St. Pancras. Os aposentos e escritórios privados de Hearst, incluindo uma lareira de mármore, foram filmados no Salão Gamble, no Museu Victoria and Albert.[1] A lareira vista na sala foi salva de Dorchester House antes da demolição desse edifício em 1929. O salão de jantar e o salão de baile de Hearst foram filmados no Grande Salão do London Guildhall.[2]

Recepção[editar | editar código-fonte]

No site Rotten Tomatoes, o filme possui uma classificação "fresh" de 93%, baseada em 14 avaliações.[3]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

O filme ganhou o Globo de Ouro de melhor minissérie ou filme para televisão de 2000, e também recebeu um Prêmio Emmy na categoria Composição Musical Excelente para Minissérie, Filme ou especial. O compositor de cinema John Altman também ganhou o Prêmio Emmy na categoria Composição Musical Excelente para Minissérie, Filme ou especial.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Gritten, David (5 de setembro de 1999). «The Los Angeles Times Television Section September 05, 1999». Consultado em 23 de outubro de 2010 
  2. «The City of London - Guildhall». Consultado em 24 de agosto de 2012. Arquivado do original em 13 de maio de 2008 
  3. «RKO 281 Review». Rotten Tomatoes. Consultado em 24 de agosto de 2012 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.