RMS Adriatic (1907)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros navios com o mesmo nome, veja SS Adriatic (1871).
RMS Adriatic
RMS Adriatic em um cartão postal.
Carreira  Reino Unido
Proprietário White Star Line
Fabricante Harland and Wolff, Belfast
Lançamento 20 de setembro de 1906
Comissionamento 25 de abril de 1907
Viagem inaugural 8 de maio de 1907
Descomissionamento 1935
Porto de registo Liverpool, Inglaterra
Número do casco 358
Estado Desmontado
Características gerais
Tonelagem 24.541 t
Comprimento 222,7 m
Boca 22,3 m
Propulsão Dois motores a vapor de expansão quádrupla
hélices duplas
Velocidade 17 nós (31 km/h)
Carga 2 825 passageiros

RMS Adriatic foi um navio de passageiros britânico operado pela White Star Line. Ele foi o quarto de um quarteto de navios batizados de The Big Four. O navio foi o único do quarteto a nunca conquistar o título de maior navio do mundo; no entanto, ele foi o mais rápido entre eles. O Adriatic foi o primeiro transatlântico a ter uma piscina coberta e um banho turco.[1]

Ele foi construído nos estaleiros da Harland and Wolff e lançado ao mar em 20 de setembro de 1906 (no mesmo dia que o Mauretania da Cunard Line). Ele partiu em sua viagem inaugural em 8 de maio de 1907, deixando Liverpool com destino a Nova Iorque sob o comando do capitão Edward Smith. Seu itinerário foi alterado para Southampton após sua viagem inaugural, inaugurando assim o serviço de Southampton da White Star. Ele foi a primeira embarcação a utilizar o cais recentemente construído em Southampton, chamado White Star Dock (que foi renomeado em 1922 para Ocean Dock). Ele serviu nesta rota até 1911, quando o Olympic o substituiu; o Adriatic retornou então a Liverpool. O Adriatic partiu de Liverpool em 18 de abril de 1912 e chegou a Nova Iorque em 27 de abril de 1912. Alguns passageiros e tripulantes resgatados do Titanic viajaram de volta à Grã-Bretanha a bordo dele, partindo de Nova Iorque em 2 de maio de 1912. Alguns dos passageiros a bordo incluíram o presidente da White Star Line, J. Bruce Ismay[2] e Millvina Dean, a mais nova e última sobrevivente do desastre.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o Adriatic serviu como navio de tropas e sobreviveu à guerra sem incidentes. Após o fim da guerra, ele retornou ao serviço de passageiros. Em 1933, ele foi retirado da rota do Atlântico Norte e convertido em cruzeiro.

Após o bem-sucedido "Cruzeiro da Paz" de 1933 no Báltico pelo Calgaric, os escoteiros e bandeirantes britânicos o alugaram para um cruzeiro similar no Mediterrâneo, sob o comando do capitão C.P. Freeman. O Adriatic partiu de Liverpool em 29 de março de 1934 e ligou Gibraltar, Villefranche, Malta, Argel e Lisboa.[3]

Destino[editar | editar código-fonte]

O Adriatic deixou Liverpool pela última vez em 19 de dezembro de 1934, em sua mais longa viagem, com destino a Onomichi, no Japão, onde foi totalmente desmontado e vendido como sucata.

Referências

  1. (em inglês) Shifrin, Malcolm (2015). «Chapter 23: The Turkish bath at sea». Victorian Turkish Baths. [S.l.]: Historic England. ISBN 978-1-84802-230-0 
  2. (em inglês) http://www.thegreatoceanliners.com/adriatic2.html
  3. (em inglês) Reference to follow, once the Journal I have of a passenger has been transcribed and put up.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Chirnside, Mark (2016). The 'Big Four' of the White Star Fleet: Celtic, Cedric, Baltic & Adriatic. Stroud, Gloucestershire: The History Press. ISBN 9780750965972 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Um vídeo dedicado ao RMS Adriatic (em inglês)