RMS Olympic

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
RMS Olympic
Olympic in New York cropped.jpg
O Olympic chegando no porto de Nova Iorque no final de sua viagem inaugural, junho de 1911.
Carreira  Reino Unido
Proprietário White Star flag NEW.svg White Star Line
Fabricante Harland and Wolff, Belfast
Construção 16 de dezembro de 1908
Lançamento 20 de outubro de 1910
Porto de registo Government Ensign of the United Kingdom.svg Liverpool, Reino Unido
Viagem inaugural 14 de junho de 1911
Estado Desmontado
Características gerais
Tipo de navio Transatlântico
Classe Olympic
Deslocamento 52 100 t
Tonelagem 46.439 t
Altura 53.3 m
Comprimento 269 m
Boca 28.2 m
Calado 10.5 m
Propulsão 2 hélices com três lâminas
1 hélice com quatro lâminas
Velocidade 21 nós (39 km/h)
Tripulação 900
Carga 2 435 passageiros

O RMS Olympic foi um navio transatlântico inglês em serviço entre os anos 1911 e 1935. Media 269 metros de comprimento, 28 metros de largura e 56 metros de altura. Tinha capacidade para aproximadamente 700 pessoas em primeira classe, 800 em segunda classe, 950 em terceira classe e 899 pessoas de tripulação. Na sua capacidade total conseguia acomodar 3349 pessoas. Pertencia à mesma classe do RMS Titanic e HMHS Britannic.

História[editar | editar código-fonte]

No início do século XX a imigração para o então novo mundo, como era denominada a América, era intensa. Muitos procuravam uma nova oportunidade de vida e deixavam para trás a miséria e a fome do antigo mundo. A única forma de travessia era através de navios. E as companhias marítimas não demoraram muito para ver o mercado que estava diante delas. A luta foi intensa entre as companhias marítimas até o surgimento da aviação comercial no fim da década de 1940.

Olympic em seus testes no mar em Belfast em 1911

No começo de 1900 duas grandes companhias inglesas disputavam palmo a palmo a supremacia no Atlântico Norte no transporte de passageiros, a Cunard Line e a White Star Line. A White Star viu a sua rival transpor o Atlântico com imensos colossos até 1909, quando teve início nos estaleiros da Harland & Wolff, em Belfast, a construção de um trio de gigantes. Os denominados Olympic, Titanic e Gigantic seriam os maiores objetos móveis já construídos pelo homem. Os dois primeiros foram construídos em paralelo e o Olympic foi o primeiro a ficar pronto (1911), seguido pelo Titanic (1912), e pelo Gigantic, batizado como Britannic (1915).

Construção[editar | editar código-fonte]

O Olympic foi construído nos estaleiros da Harland and Wolff, em Belfast, Irlanda, destinado a competir com os navios RMS Lusitania e RMS Mauretania, da empresa rival Cunard Line. O Olympic, juntamente com os seus irmãos da classe Olympic, ainda em construção o Titanic,e o Britannic (originalmente chamado de Gigantic), se destinavam a ser os maiores e mais luxuosos navios a operar.

Comparações com o Titanic[editar | editar código-fonte]

Olympic (à esquerda) ao retornar a Belfast para reparos em março 1912, e o Titanic (à direita). Esta foi a última vez que os dois navios irmãos seriam vistos juntos

O Olympic era muito semelhante ao seu irmão mais novo, Titanic . Embora possuísse menor espaço interno, e, por consequência fosse mais leve, o casco era exatamente do mesmo comprimento que o do Titanic. Mas havia algumas diferenças. Duas das mais notáveis eram que mais da metade da parte da frente do deque A de passeio do Titanic fora substituída por janelas basculantes e a configuração das janelas do deque B diferia das do Olympic. O Titanic tinha um restaurante especial chamado Café Parisien, uma característica que o Olympic não tivera até 1913. Alguns dos defeitos encontrados no Olympic, tais como o rangido na inversão para a marcha à ré, foram corrigidos no Titanic. As luzes e a iluminação natural do deque A eram arredondadas; enquanto que no Olympic elas eram ovais. A ponte de comando do Titanic era maior e mais longa que a do Olympic. Essas e outras modificações fizeram do Titanic 1.004 toneladas brutas maior que o Olympic e assim, o maior navio em atividade em todo o mundo durante sua viagem inaugural em abril de 1912.

Colisão com o HMS Hawke[editar | editar código-fonte]

O primeiro grande acidente do Olympic ocorreu em 20 de setembro de 1911, quando ele colidiu com um navio de guerra britânico, o HMS Hawke, ao largo da Ilha de Wight, na Inglaterra, nas proximidades de Southampton, seu porto-base. Embora o incidente ter causado a inundação de dois de seus compartimentos e um eixo da hélice torcido, o Olympic foi capaz de retornar ao Southampton sob seus próprios motores, sem a necessidade de ser rebocado.

Desastre do Titanic[editar | editar código-fonte]

Em 14 de abril de 1912, o Olympic, agora sob comando de Herbert James Haddock, estava em uma viagem de volta de Nova York (em rota diretamente oposta à do Titanic). O operador do telégrafo Ernest James Moore recebeu o pedido de socorro do Titanic, mas o Olympic se encontrava muito distante, a cerca de 500 milhas náuticas (930 km) à sudoeste do Titanic. O Capitão Haddock calculou um novo curso, ordenou toda força aos motores e dirigiu-se para prestar o socorro.

Quando o Olympic estava a cerca de 100 milhas náuticas (190 km) de distância da última posição conhecida do Titanic, recebeu uma mensagem do Capitão Rostron (capitão do RMS Carpathia), explicando que continuar em direção do Titanic não adiantaria nada.

Quando o Olympic se ofereceu para levar os sobreviventes de volta para a casa, foi acaloradamente recusado pelo Capitão Rostron, que horrorizado, estava preocupado com relação ao pânico que isto geraria entre os sobreviventes do Desastre, ao verem uma cópia do Titanic surgir de repente e que se requisitasse para que subissem a bordo. O Olympic então retomou a sua viagem para Southampton, com todos os espetáculos musicais a bordo cancelados como um sinal de respeito, chegando em Southampton em 21 de Abril

Tempos de guerra[editar | editar código-fonte]

Abaixo uma relação dos ataques que ocorreram contra o Olympic durante a Primeira Grande Guerra Mundial. O Olympic participou ativamente entre Setembro de 1915 a Julho de 1919.

Novembro de 1915 Perseguido por um submarino alemão ao largo de Cape Matapan, Grécia.

Janeiro de 1916 Um submarino disparou dois torpedos contra o Olympic, sem atingi-lo.

Fevereiro de 1916 Foi atacado por aviões inimigos, mas sobreviveu ileso ao confronto.

06 de Maio de 1918 Localizado por um submarino alemão UB-72, mas devido a grande distância não houve confronto.

12 de Maio de 1918 Localizado novamente e atacado por um submarino alemão UB-103. O Olympic conseguiu evitar o torpedo, rapidamente virou e abalroou o submarino, que afundou logo em seguida. Foi o único navio mercante a afundar um verdadeiro navio de guerra ( submarino ) durante a Primeira Guerra Mundial. O Olympic voltou para Southampton com pelo menos duas chapas de proa torcida para o lado, mas não rompida.

HMT Olympic com sua camuflagem Dazzle enquanto servia como navio de transporte de tropas durante a Primeira Guerra Mundial

Em agosto de 1919 o Olympic voltou para Belfast para restauração para o uso no serviço comercial. Seu interior foi modernizado e suas caldeiras foram convertidas de queima de carvão para petróleo. O petróleo apesar de ser mais caro do que o carvão na época reduziu o tempo de reabastecimento de dias para horas e permitiu que o pessoal da sala de máquinas fosse reduzido de 350 para 60 pessoas. Durante os trabalhos de conversão na doca seca um dente com 45,72 cm de espessura com uma rachadura de 15,24 cm foi encontrado no centro do casco, 14 metros abaixo de sua linha d'água (linha de flutuação), mais tarde foi celebrado por ter sido causado por um torpedo que não conseguiu detonar.

RMS. Olympic - "Old Reliable"[editar | editar código-fonte]

O navio RMS Olympic foi construído entre setembro de 1907 e maio de 1910, altura em que foi lançado. Foi o primeiro de três grandes navios, a "Olympic Class" (os maiores naquele período), da White Star Line que fizeram parte da sua frota por volta da mesma época. Eram em muito semelhantes entre si, principalmente no tamanho, distribuição e vista exterior.

Em 14 de Junho de 1911 o RMS Olympic fez a sua viagem inaugural. Com 1313 passageiros a bordo a viagem transatlântica foi um sucesso. As próximas viagens foram de igual modo sem falhas. Mas o desastre aconteceu no início da sua quinta viagem. Pouco passava do meio-dia quando o navio saiu de Southampton a caminho de Cherbourg na França para levar mais passageiros. Inesperadamente o HMS Hawke da Marinha Britânica foi visto no meio do nevoeiro. O navio de guerra foi sugado pelas grandes pás das hélices do Olympic e o choque foi inevitável. O HMS Hawke bateu no lado estibordo do Olympic e deixou-lhe com um buraco e uma pá destruída. Apesar do forte embate os dois barcos conseguiram chegar ao porto mais próximo sem vítimas.

O RMS Olympic voltou para Belfast para ser extensivamente reparado. Este desastre, apesar de fazer questionar se navios maiores tornavam a navegação menos segura, também ajudou a criar o mito de que eram navios inafundáveis, pois nada de muito grave lhe aconteceu.

Este mito foi derrubado em 15 de Abril de 1912 quando o Titanic sofreu um embate com um iceberg e afundou-se, resultando na morte de mais de 1500 pessoas.

Assim que o RMS Olympic chegou a Inglaterra foram-lhe imediatamente adicionados 24 botes aos 20 que já tinha. Mesmo assim passageiros e tripulação achavam que a segurança ainda não estava boa e a White Star teve que retirar o Olympic durante seis meses para reparações mais profundas. Dentre outras, foi-lhe adicionado uma "dupla pele" para resistir melhor a embates. Em 1913 o RMS Olympic tinha 68 botes salva-vidas e estava pronto para enfrentar as linhas transatlânticas rivais.

Mesmo com o começo da Primeira Guerra Mundial o navio ainda continuou em serviço até que foi finalmente chamado para atracar indefinidamente em Belfast. O grande navio esteve 10 meses parado e foi então requisitado pelo governo britânico. Ele foi pintado com cores muito claras, e com formas geométricas para confundir os submarinos inimigos e seu nome foi mudado para H.M.T. (His Majesty's Transport) Olympic.

O então HMT Olympic juntou-se ao seu irmão mais novo, o Britannic, que servia como barco hospital, no Mediterrâneo para transporte de tropas e sobreviventes. Depois começou transportar tropas canadenses e no final de 1916 já tinha completado 10 viagens entre o Canadá e a Europa. Mais tarde faria o trajeto Estados Unidos - Europa com a mesma finalidade.

Em maio de 1918 o Olympic foi atacado pelo submarino alemão U-103 no canal Inglês com um torpedo. Afortunadamente o torpedo errou o alvo e foi então que o Olympic se virou contra o submarino e o abalroou. O submarino rapidamente começou a afundar e algumas pessoas que escaparam foram apanhadas pelo destroyer USS Davis que por ali passava.

Em novembro de 1918 a guerra terminou. Durante a Primeira Guerra Mundial, o HMT Olympic transportou 41.000 passageiros civis, 66.000 soldados das tropas e 12.000 membros do batalhão trabalhador chinês. Ele percorreu 184.000 milhas e consumiu 347.000 toneladas de carvão. Por estes recordes de guerra, o navio ganhou a alcunha de "Old Reliable", que traduzido para o Português seria: "velho confiável".

O navio foi, então, devolvido para a White Star Line, sendo renomeado como R.M.S. Olympic para, uma vez mais, fazer rotas transatlânticas. Na década de 1920 o Olympic ainda era um dos mais maravilhosos e luxuosos navios de passageiros a circular e por isso várias personalidades fizeram travessias nele, como é caso de Charlie Chaplin Albert Einstein, Mary Pickford, Douglas Fairbanks Eduardo, Príncipe de Gales.Em 1928 numa tentativa da White Star Line de se adaptar aos novos tempos, converte o transatlântico para "navio-turismo" onde as antigas 2° e 3° classe são extintas e sofre muitas mudanças nas acomodações internas perdendo muitas características que compartilhava com seu "navio-irmão" o Titanic.

Na década de 1930, o Olympic sofre com a queda da demanda de passageiros devido a Grande Depressão em 1929, e com a a concorrência devido a chegada dos transatlânticos Bremen, Rex,Europa, futuramente do Normandie .Na metade de 1932 a White Star retirou o Olympic para reformas que duraram pouco mais de 4 meses. Mas foi no ano de 1933 que sofreu com a pior queda para os negócios, levou apenas 10.000 passageiros neste ano .Em 1934 a White Star Line se funde com a Cunard line por instigação do governo britânico e a nova Cunard White Star resolve aposentar seus velhos navios.

Em Março de 1935 o RMS Olympic fez a sua última viagem para Nova Iorque e foi vendido para um milionario francês que pretendia convertê-lo em um navio-museu .Porém seu plano fracassou e foi obrigado a vende-lo para Sir John Jarvis por 100.000 mil libras e futuramente demolido na cidade de Jarrow na Inglaterra juntamente com o RMS Mauretania, terminando assim a era de ouro.

Muitos de seus acessórios, decorações e painés foram leiloados e se encontra presente em hotéis, transatlânticos modernos e museus.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]