V. M. Rabolú

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rabolu)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquín Enrique Amórtegui Valbuena
Nascimento 11 de outubro de 1926
Tolima,
Colômbia
Morte 8 de janeiro de 2000 (73 anos).
cidade de Bogotá,
Colômbia
Cônjuge Olga Gordillo
Cargo Coordenador Geral Internacional
Religião Gnosticismo

Venerável Mestre Rabolú, pseudônimo de Joaquín Amórtegui-Valbuena (11 de outubro de 19268 de janeiro de 2000), foi um ocultista colombiano[1]

Camponês,[2] vivia na Sierra Nevada de Santa Marta na Colômbia quando o Mestre Samael lá se estabeleceu em 1952. Aproximou-se do Mestre Samael com muita desconfiança, quando verificou a seriedade de seu trabalho e o resultado das práticas em sua vida, tornou-se discípulo do gnóstico colombiano Samael Aun Weor, fundador do Movimento Gnóstico Cristão Universal.[2] Foi parte do grupo "proletário", formado quando Samael abandonou os círculos rosacruzes para buscar novos seguidores nas populações rurais do interior da Colômbia. Ganhou a consideração do mestre, que lhe dedicou todo um capítulo de seu livro As Três Montanhas[3][4]

Em 1978, após a morte de «Venerable Mestre Samael Aun Weor», Venerable Mestre Rabolú passou a comandar a organização. Iniciou então um expurgo da obra do fundador, desautorizando a maior parte dos seus livros.[5]

Em confronto aberto com a viúva e o filho de Samael, Rabolú expulsou da ordem os missionários internacionais e pregou um aprofundamento do caráter revolucionário da organização. Quando se diz caráter revolucionário, não interprete como revolução política ou social. Interprete como a essência lutando contra o ego. Já com a saúde debilitada, recusou-se a nomear um sucessor, rebaixando todos os demais membros à categoria de "estudantes".[6] Em 1998 escreveu o livro Hercolubus ou Planeta Vermelho, no qual sintetiza suas idéas.[7] Publicado em 40 países, o livro anuncia a iminente destruição da Terra pelo choque com o planeta fictício Hercólubus. Traz também descrições dos habitantes de Marte e de Vênus, que Rabolú afirma ter visitado em espírito.[8]

Outorgação de autoridade pelo V. M. Samael Aun Weor[editar | editar código-fonte]

O Venerável Mestre Samael Aun Weor então coordenador no Movimento Gnóstico Universal, outorgou plenos poderes ao seu discípulo Venerable Mestre Rabolú de reformar o Movimento.[9], este afirmou:

O V.M. Rabolú, como juiz do carma, tem poder absoluto para estabelecer a ordem onde quer que se faça necessário. Indubitavelmente o V. M. Rabolú deve derrubar muitos ídolos de argila e corrigir muitos erros.
Samael Aun Weor
, Extraído do Grande Manifesto Gnóstico Internacional de 1976
O Mestre Rabolú é um Mestre do Carma reencarnado e devidamente reconhecido pela Sede Patriarcal do Movimento Gnóstico Cristão Universal na cidade capital de México, DF.
Samael Aun Weor
, Extraído da Carta de Autorização do VM Samael Aun Weor em 15 de Outrubro de 1975, da Sede Patriarcal do México.
A sede Patriarcal do México, considerando indispensável a lei e a ordem no Movimento Gnóstico Cristão Universal, autoriza o Venerável Mestre Rabolú (Joaquin Amortegui Valbuena) para legislar transformar, julgar e resolver problemas relacionados com Movimento Gnóstico Cristão Universal em geral.
Samael Aun Weor
, Extraído da Carta de Autorização do VM Samael Aun Weor em 15 de Outrubro de 1975, da Sede Patriarcal do México.

Uso de Mantra[editar | editar código-fonte]

O V.M. Rabolú incentivou o uso dos mantras indicados V.M. Samael Aun Weor para diversos fins(desdobramento astral, concentração, pedidos de força, saúde ou proteção) com o intuito destes auxiliar os estudantes na obtenção de resultados em suas práticas, para tanto salientou a importância de pronuncia-los corretamente.[10] Os mantras «larras» e «farraón», usados para propiciar o desdobramento astral, foram detalhados em seu livro Hercólubus ou planeta vermelho.[11]

Obras[editar | editar código-fonte]

Escreveu diversas obras, todas focadas no gnosticismo para orientar os estudantes a seguir o caminho da revolução da consciência.

Referências

  1. Wulfhorst, Ingo (1995): «Movimento Gnóstico Cristão Universal do Brasil na Nova Ordem: Um Grupo da Nova Era», artigo na revista Estudos Teológicos, 35 (2): págs. 189-210, 1995. página 188
  2. a b Rabolú, Venerable Mestre (1991). 2 Congresso Gnóstico Mundial 1989. São Paulo: Movimento Gnóstico Cristão Universal do Brasil Na Nova Ordem. p. Contra capa. ISBN 85-85353-04-X 
  3. SILVA, Ana Cloclet da;. CAMPOS, Marcelo Leandro de (2017): «Entre contextos e discursos: a biografia de Samael Aun Weor e o gnosticismo colombiano», artigo na Revista Brasileira de História das Religiões, volume 9, nº 27, janeiro/abril de 2017, páginas 108-110.
  4. Samael Aun Weor (1994). As Três Montanhas 2a ed. São Paulo: Movimento Gnóstico Cristão Universal do Brasil na Nova Ordem. p. 228. ISBN 85-85353-13-9 
  5. CAMPOS, Marcelo Leandro de. Disseminação de idéias no milieu esotérico: notas sobre a influência de Gurdjieff no Movimento Gnóstico de Samael Aun Weor. PUC-Campinas, junho de 2013. Página 15
  6. CAMPOS, Marcelo Leandro de. http://www.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/tde_arquivos/12/TDE-2016-02-24T072023Z-1962/Publico/Marcelo%20Leandro%20de%20Campos.pdf. Dissertação de Mestrado em Ciências da Religião. PUC-Campinas, 2015. Páginas 143-144
  7. MELTON, J. Gordon; BAUMANN, Martin. Religions of the World: A Comprehensive Encyclopedia of Beliefs and Practices, 2nd Edition (6 volumes): A Comprehensive Encyclopedia of Beliefs and Practice. ABC-CLIO, 2010. Página 1229 (em inglês)
  8. CARLOS, Daniel Pícaro. Extraterrestres: Ciência e Pensamento Mítico no Mundo Moderno. Dissertação de Mestrado em Antropologia. UFSCar, 2007. Páginas 92-95
  9. Rabolú, Venerable Mestre. Do ponto final ao ponto seguinte. São Paulo: Movimento Gnóstico Cristão Universal do Brasil na Nova Ordem 
  10. Rabolú, V.M. (1991). «4». 2 Congresso Gnóstico Mundial, 1989, SP, Brasil. São Paulo, SP: Movimento Gnóstico Cristão Universal do Brasil na Nova Ordem (publicado em março de 1991). p. 38. ISBN 858535304X. ... porque os mantrans atuam ou servem de acordo com o tom de voz que alguém lhes dê. Se alguém vai cantá-los desatentamente, por aí, ou com outro tom, não lhe servem. 
  11. Rabolú, V.M. (2000). «O desdobramento astral». Hercólubus ou Planeta Vermelho. São Paulo, SP: Milenium Edições do Brasil. p. 45-46. ISBN 8577660206 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]