Racing Club de Strasbourg Alsace

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Racing Club de Estrasburgo
Nome Racing Club de Strasbourg Alsace
Alcunhas Racing, RCS, "RCSA"
Principal rival Metz
Fundação 1906 (115 anos)
(como FC Neudorf)
Estádio Stade de la Meinau
Capacidade 26 109
Localização Estrasburgo, França
Presidente França Marc Keller
Treinador França Thierry Laurey
Patrocinador França ES
França CroisiEurope
Material (d)esportivo Alemanha Adidas
Competição Ligue 1
Website rcstrasbourgalsace.fr
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

Racing Club de Estrasburgo é um clube de futebol francês, com sede na cidade de Estrasburgo. Na Ligue 2 2016/17 ascendeu à Ligue 1, primeira divisão do futebol francês.

Em sua história, a equipe conquistou 14 títulos - a Ligue 1 de 1978-79, três edições da Ligue 2 (1976-77, 1987-88 e 2016-17), três Copas da França (1951, 1966 e 2001), três Copas da Liga (1997, 2005 e 2019), além de ter vencido três vezes a Liga de Futebol da Alsácia (1923, 1924 e 1926), uma edição da Copa Intertoto (1995) e a Liga de Futebol da Dordonha em 1940.

História[editar | editar código-fonte]

O RC Strasbourg foi fundado em 1906. Ao longo de sua história o clube teve várias denominações; a primeira de 1906 até 1919 chamou-se FC Neudorf; em 1919, trocou seu nome para RC Strasbourg Neudorf. A partir de 1940 até 1944 chamou-se Rasenport-Club Straßburg. Do período de 1970 até 1976 virou RC Strasboug-Pierrots. O clube virou profissional no ano de 1933.

Profissionalização[editar | editar código-fonte]

Como muitos clubes da metade norte da França, o RC Strasbourg recusou o profissionalismo quando foi adotado em 1932.[1][2][3] Um ano depois, o clube votou por grande maioria pela transição para o profissionalismo[4] e, assim, participou do campeonato da Divisão 2 em 1933-1934. Racing agarrou o quarto lugar no Grupo Norte e venceu os play-offs de promoção para a primeira divisão. Pela primeira temporada na elite, em 1934-1935, o Racing foi vencedor do primeiro turno e terminou como vice-campeão, um ponto atrás do FC Sochaux. As temporadas seguintes são igualmente honrosas, com o Racing terminando sucessivamente em , , e 10º em um campeonato de dezesseis clubes. O clube também alcançou a final da Copa da França pela primeira vez em 1937. Graças a uma vitória por 3-1 nas semifinais frente ao FC Rouen com um hat-trick de Oskar Rohr, permitindo-lhe desafiar o FC Sochaux na final, no Estádio Olímpico Yves-du-Manoir, em Colombes. Os Sochaliens vencem por 2-1.[5]

No início da Segunda Guerra Mundial em setembro de 1939, os habitantes da cidade de Estrasburgo foram evacuados para o sul da França. O clube foi assim refundado por uma temporada em Périgueux sob o status de amador, e lá conquistou o título de campeão do Dordonha. Em 1940, a Alsácia é anexada ao Terceiro Reich[6] e o clube é deslocado para a Gauliga Elsass, a competição alemã, jogando com o nome germanizado de Rasensportclub Straßburg. Durante esses anos, os clássicos contra o rival do Red Star Strasbourg, controlado pela Schutzstaffel (SS) e renomeado como Sportgemeinschaft der SS, leva a partida para uma marcha de combate patriótica.

Time vice-campeão da Copa da França de 1937.

Primeiros títulos e competições europeias[editar | editar código-fonte]

Em 1945, o clube retomou o nome de Racing Club de Strasbourg e voltou a participar do campeonato francês profissional. Embora contundido pelo conflito, o clube ficou em terceiro lugar no campeonato 1946-1947 e chegou à final da Copa da França naquele mesmo ano. Strasbourg acaba derrotado contra o atual campeão, Lille OSC. Quatro anos depois, o Racing conquistou seu primeiro título nacional ao derrotar o US Valenciennes-Anzin na final da Copa da França de 1951 com um placar de 3-0.[7] Em seu retorno à Alsácia, os jogadores são celebrados por uma multidão exultante de 61.492 pessoas.[8]

O primeiro grande desafio europeu do Racing data da Taça das Cidades com Feiras de 1964-1965. Frente ao Milan. O Racing venceu por 2-0 em La Meinau e uma derrota por 1-0 no San Siro. Contra o FC Barcelona, o RC Strasbourg empatou em La Meinau (0-0) e depois novamente no Camp Nou (2-2). A partida extra terminou com um empate (0-0) em Camp Nou e o Racing se classificou nos gols fora de casa. Nas quartas de final, os alsacianos perderam para o Manchester United (0-5 em seus dominios e depois 0-0 em Old Trafford).

Na edição 1965-1966 da Taça das Cidades com Feiras, o Racing enfrenta o AC Milan. Depois de uma vitória para cada equipe e um placar de 1-1 em uma partida extra, os franceses são eliminados pelo gol fora de casa.

Em 1966 Racing chegou à final da Copa da França pela quarta vez. Jogando contra o time que seria o futuro campeão francês, FC Nantes. O Racing frustra as probabilidades ao vencer o seu segundo troféu, com vitória por 1-0. No ano seguinte, na Taça das Taças da Europa, o clube eliminou o FC Steaua Bucareste antes de perder para o Slavia Sofia nas oitavas de final.

O RC Strasbourg fundiu-se em 1970 com o Pierrots de Strasbourg, bicampeão amador francês, para se tornar o Racing Pierrots Strasbourg-Meinau (RPSM). Alguns membros dos Pierrots, insatisfeitos com a fusão, recriaram um clube amador, enquanto o RPSM viu duas descidas na Divisão 2 em 1971 e 1976. Em 1977, o clube retomou o nome de Racing Club de Strasbourg e conquistou seu primeiro título da Divisão 2. Recém-promovido à Divisão 1, o Racing liderado por seu novo técnico Gilbert Gress terminou em um surpreendente terceiro lugar no Campeonato de 1977-1978 enquanto o AS Monaco, outro promovido, conquistou o título.

Primeiro título francês[editar | editar código-fonte]

Na temporada seguinte, o Racing assumiu a liderança do campeonato após a quinta rodada e manteve-se, apesar da pressão de FC Nantes e AS Saint-Étienne. No último dia do campeonato, o time só precisava de um empate frente ao Olympique Lyonnais para garantir o título. O Racing vence por 3-0 e se torna campeão da França em 1979, com uma equipe bem regional: na segunda metade da partida contra o Lyon, o Racing tem em seu time títular nada menos que sete nativos da Alsácia, além do treinador.

O Racing conseguiu manter a sua classificação na temporada seguinte, terminando na quinta colocação do campeonato sem no entanto brigar pelo título nas rodadas finais. O título de 1979 permite ao RC Strasbourg qualificar-se para a Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1979-80. Depois de eliminar os noruegueses do IK Start (vitória por 2 a 1 e 4 a 0), o Strasbourg perde por 1 a 0 na primeira mão da segunda rodada o campeão da Tchecoslováquia, o Dukla Praga. Na segunda mão, o Strasbourg venceu por 1-0 no tempo regulamentar e classificou-se ao marcar o segundo gol na Prorrogação. Jogando contra o prestigioso Ajax nas quartas de final, o Racing conseguiu um empate em La Meinau (0-0) antes de perder na volta (4-0) e deixar a competição.

Em 1980, profundas desavenças entre Gilbert Gress e o novo presidente André Bord, somadas a decisão de demitir o treinador após a partida diante do atual campeão, o FC Nantes, em 23 de setembro de 1980. Ao longo da partida, slogans hostis ao presidente são lançados e a derrota por 2 a 1 provoca tumultos sem precedentes em La Meinau: o estádio é saqueado e Gilbert Gress é carregado pela multidão. Os resultados desportivos deterioraram-se gradualmente e o Racing caiu para a divisão inferior em 1986. Depois de subir como campeão da segunda divisão da França em 1988, o Racing sofreu o rebaixamento novamente na temporada seguinte. Ele terminou três vezes consecutivas na segunda posição do campeonato e depois de falhar duas vezes nas acessões, voltou à Primeira Divisão em 1992 ao triunfar sobre o Stade Rennais, em dois jogos (0-0 e depois 4-1 em casa) diante de uma multidão que se aproximava dos 40.000 espectadores.

Declínio, falência e recomeço nas ligas amadoras[editar | editar código-fonte]

Em 1997, o município de Estrasburgo vendeu os 49% que detinha no capital do clube ao grupo de gestão desportiva International Management Group (IMG) e Patrick Proisy tornou-se o novo presidente do clube. Durante a primeira temporada 1997-1998, o RC Strasbourg teve uma boa participação na Copa da UEFA, classificando-se contra o Glasgow Rangers e o Liverpool. Na segunda rodada, bate por 2 a 0 a Inter de Milão de Ronaldo no estádio La Meinau, mas é eliminado desta competição depois de uma derrota por 3-0 na segunda mão, na Itália. Em 2001 e após duas temporadas na liga, o Strasbourg consegue vencer a Copa da França, mas cai para a segunda divisão. As relações entre o dono do clube e os torcedores são cada vez mais complicadas e o clube tem de abandonar por algum tempo o nome “Racing club de Strasbourg” na sequência de um conflito com o Racing Omnisports, detentor do número de acreditação da federação. Depois de um retorno para a primeira divisão em 2002, a IMG vende o clube para investidores locais em 2003.

A partir de 2009, o Strasbourg viveu um declínio que culminaria com seu rebaixamento ao Championnat National, correspondente à terceira divisão francesa, após sofrer onze derrotas consecutivas - maior sequência obtida por uma equipe francesa desde o pós-guerra.

Se não bastasse a péssima campanha na Ligue 2 de 2009-10, problemas internos atingiam o cotidiano do clube, que flertou o retorno à Segunda Divisão francesa na temporada seguinte, mas acabaria ficando em quarto lugar (atrás do Guingamp, o último entre os três promovidos).

Campeões da Ligue 2.

Em 2011, o Strasbourg, às voltas com gravíssimos problemas financeiros, entrou em liquidação no mês de julho, o que culminaria com sua exclusão do Championnat National, tendo sua vaga cedida ao Association Sportive de Cherbourg Football. Após longas negociações com a Federação Francesa de Futebol, o Strasbourg foi incorporado ao CFA-2 (quinta divisão), no Grupo C, e mudando seu nome para Racing Club de Strasbourg-Alsace. Em sua única temporada neste campeonato, o clube conquistou o acesso, marcando cem pontos em seu grupo.

Retorno[editar | editar código-fonte]

O 27 de maio de 2016 o RC Strasbourg obteve sua adesão à Ligue 2 e recuperou o status profissional cinco anos após entrar com pedido de falência.

Jogadores celebram o título da Copa da Liga Francesa.

O clube, apesar de anunciar a manutenção como objetivo principal, terminou campeão e foi promovido à Ligue 1 na última rodada de um campeonato bastante disputado. Assim, conseguindo uma dupla escalada, do Nacional para a Ligue 1.[9]

O 30 de março de 2019, O RC Strasbourg vence a Copa da Liga pela terceira vez em sua história, derrotando nos pênaltis o EA Guingamp por 4-1 nos pênaltis, após um empate sem gols no tempo normal. O RC Strasbourg se classifica para a segunda rodada preliminar da Liga Europa de 2019-20.[10][11]

Seu presidente é Marc Keller, ex-jogador do clube e com passagens pela Seleção Francesa.

Estádio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Stade de la Meinau

O RC Strasbourg realiza suas partidas no Stade de la Meinau, praça de esportes inaugurada em 1914 e que abrigou jogos da Copa de 1938 e da Eurocopa de 1984.[12][13] Sua capacidade chegou a superar 45 mil lugares, mas por questões de conforto e segurança, foi reduzida. Atualmente o estádio possui capacidade para receber 29.230 pessoas.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Continentais
Competição Títulos Temporadas
Intertoto.svg Copa Intertoto da UEFA 1 1995
Nacionais
Competição Títulos Temporadas
Ligue1 trophy.svg
Campeonato Francês 1 1978-79
Coupe de France de water-polo.svg Copa da França 3 1950-51, 1965-66 e 2000-01
Copa de la Liga de Francia.png
Copa da Liga Francesa 4 1963-64, 1996-97, 2004-05 e 2018-19
Flag of France.svg Campeonato Francês - Ligue 2 3 1976-77, 1987-88 e 2016-17
Flag of France.svg Campeonato Francês - National 1 2015-16

Uniforme[editar | editar código-fonte]

  • Uniforme titular: Camisa azul, calção branco e meias azuis;
  • Uniforme reserva: Camisa branca, calção azul e meias brancas.
  • Uniforme alternativo: Camisa vermelha, calção e meias vermelhas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Camisa vermelha, calção e meias vermelhas;
  • Camisa laranja, calção e meias laranjas;
  • Camisa preta, calção e meias pretas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • 2018-19
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Copa
  • 2017-18
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º uniforme
  • 2016-17
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º uniforme

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 17 de março de 2021.


Goleiros
N.º Jogador
1 Bélgica Matz Sels
16 Japão Eiji Kawashima
30 França Bingourou Kamara
Defensores
N.º Jogador Pos.
2 Guiné Mohamed Simakan Z
5 Costa do Marfim Lamine Koné Z
13 Sérvia Stefan Mitrovic Capitão Z
24 Gana Alexander Djiku Z
4 França Frédéric Guilbert LD
29 Marrocos Ismaël Aaneba LD
19 França Anthony Caci LE
23 França Lionel Carole LE
Meio-campistas
N.º Jogador Pos.
6 Costa do Marfim Jean-Eudes Aholou V
18 França Mahame Siby V
27 Mali Ibrahima Sissokho V
11 França Dimitri Liénard M
14 Bósnia e Herzegovina Sanjin Prcić M
17 França Jean-Ricner Bellegarde M
26 França Adrien Thomasson M
Atacantes
N.º Jogador
8 Gana Abdul Majeed Waris
9 França Kevin Gameiro
12 África do Sul Lébo Mothiba
20 Mali Kévin Zohi
25 França Ludovic Ajorque
28 Senegal Habib Diallo
Comissão técnica
Nome Pos.
França Thierry Laurey T

Recordistas[editar | editar código-fonte]

Mais partidas[editar | editar código-fonte]

# Jogador Jogos Período
1. França René Hauss 516 1949–1967
2. França Dominique Dropsy 406 1973–1984
3. França Léonard Specht 387 1972–1989
4. França René Deutschmann 334 1969–1984
5. França Edmond Haan 307 1947–1961
6. França Francis Piasecki 294 1977–1986
7. França Gérard Hausser 284 1959–1974
8. França Raymond Kaelbel 250 1950–1969
9. França Johnny Schuth 249 1961–1971
10. França Guillaume Lacour 243 2001–2010

Maiores goleadores[editar | editar código-fonte]

# Jogador Gol(o)s Período
1. Alemanha Oskar Rohr 118 (136) 1934–1939
2. França Albert Gemmrich 94 (227) 1973–1984
3. França Casimir Koza 83 (152) 1959–1964
França Marc Molitor 83 (121) 1969–1973
5. França Gerard Hausser 78 (284) 1960–1974
6. França Oscar Heisserer 76 (210) 1934–1949
França Edmond Haan 76 (307) 1947–1961
8. França Fritz Keller 71 (155) 1933–1939
9. França Didier Monczuk 70 (97) 1989–1992
10. França Francis Piasecki 63 (294) 1977–1986

Atletas famosos[editar | editar código-fonte]

França[editar | editar código-fonte]

Outros países[editar | editar código-fonte]

Treinadores do clube[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Stein, Leandro (18 de agosto de 2014). «A história que você não sabia de Fontaine: como ele fundou o Bom Senso FC da França». Trivela. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  2. «As transformações no modelo do futebol francês». História(s) do Sport. 9 de fevereiro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  3. Les Archives du football : sport et société en France, 1880-1980. Alfred, ... Wahl, Impr. SEPC). Paris: Gallimard. 1989. OCLC 417153034 
  4. textes Didier Braun, Damien Degorre, Pierre-Marie Descamps [et autres] ; réalisé par Pierre-Marie Descamps et Yannick Lebourg ; avec Damien Burnier ; sous la direction de Gérard Ejnès et Jacques Hennaux ; iconographie Philippe Le Men, Gilles Montgermont et Christian Naitslimane (2007). Coupe de France : la folle épopée. Issy-les-Moulineaux (Hauts-de-Seine): L'Equipe. OCLC 421664431 
  5. «Campeões da Copa da França». www.campeoesdofutebol.com.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  6. «Estrasburgo, uma cidade dividida entre a França e Alemanha». Um Pouquinho de Cada Lugar. 5 de janeiro de 2013. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  7. «Palmarès de la Coupe de France». www.fff.fr. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  8. «France - Cup History». www.rsssf.com. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  9. Stein, Leandro (15 de agosto de 2017). «O renascimento triunfal do Strasbourg: Campeão em quatro divisões após falir e, enfim, de volta à Ligue 1». Trivela. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  10. «Strasbourg vence Guingamp nos pênaltis e é campeão da Copa da Liga Francesa». www.uol.com.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  11. UEFA.com. «Strasbourg - UEL». UEFA.com (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  12. «Copa do Mundo 1938 - França | globoesporte.com». globoesporte.globo.com. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  13. UEFA.com (14 de fevereiro de 2020). «EURO 1984: Tudo o que precisa de saber». UEFA.com. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias