Rael da Rima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rael da Rima
Informação geral
Nome completo Israel Feliciano
Também conhecido(a) como Rael
Nascimento Itabira-MG
Origem São Paulo, SP
País  Brasil
Gênero(s) Rap, jazz, reggae, MPB, Hip-Hop
Ocupação(ões) Rapper, cantor, compositor
Instrumento(s) Vocal, violão
Período em atividade 1999 - presente
Gravadora(s) Time do Loko (independente), Tratore, Laboratório Fantasma
Afiliação(ões) Pentágono, Emicida, Slim Rimografia, Kamau, MC Rashid,Criolo

Rael da Rima é rapper brasileiro que canta MPB. Fez parte por mais de 15 anos do grupo de rap paulistano Pentágono, no qual gravou quatro discos autorais e em 2012, Rael anunciou oficialmente sua saída do Pentágono, Rael justificou a saída ou “afastamento” como o mesmo disse, para dedicar-se exclusivamente a sua carreira solo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Rael começou a compor aos 16 anos. Pouco tempo depois formou junto com outros quatro integrantes o grupo Pentágono, que lançou dois discos. Em 2005, fez uma participação no documentário norte-americano Global Lives com a canção "Vejo depois". Dois anos depois, foi incluído no grupo de artistas que participou da primeira edição do tradicional Som Brasil, da Rede Globo, em homenagem à Vinícius de Moraes. Rael fez releituras de suas canções junto a rappers como Criolo Doido e Terra Preta. O rapper já fez a participação em músicas com artistas como Emicida, Kamau, Slim Rimografia , Don L e MC Rashid.

Além do programa Som Brasil, Rael esteve presente na série Antônia, da mesma emissora. Em 2010, Rael lançou seu primeiro single solo, intitulado "Trabalhador". Pouco tempo depois, veio o primeiro disco, intitulado MP3 - Música Popular do 3° Mundo.[1] Para lançamento deste CD, o rapper acertou uma parceria com a gravadora Tratore. Em 2011 fez participações no disco do Emicida intitulado Doozicabraba e a Revolução Silenciosa. Em 2013, retira o codinome "Da Rima", mantendo apenas Rael, lançando em março deste ano o esperado disco Ainda Bem Que Eu Segui As Batidas Do Meu Coração, com produção da dupla norte-americana Beatnick & K-Salaam, que trabalham com Lauryn Hill e também assinaram "Doozicabraba e a Revolução Silenciosa", de Emicida.[2]

Em 2016, lançou o disco "Coisas do Meu Imaginário" com participações especiais de Daniel Yorubá, Black Alien e Chico César. O emblemático clipe de "Minha Lei", liberado junto com o álbum, teve participação de Mano Brown, Criolo, Emicida, Projota, Rashid, DJ Marco, DJ Nyack, DJ Dan Dan, DJ Will, DJ Soares, DJ Kiko, Daniel Ganjaman, Rappin'Hood, Fióti, e outros grandes nomes do rap brasileiro.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com Pentágono
Álbuns solo

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Rael da Rima