Rafael Lusvarghi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rafael Lusvarghi
Nome completo Rafael Marques Lusvarghi
Apelido Riurik
Cachaça
Dados pessoais
Nascimento 14 de novembro de 1984 (33 anos) Jundiaí, São Paulo, Brasil
Vida militar
Força
Anos de serviço 2003 – 2015
Hierarquia primeiro-tenente

Rafael Marques Lusvarghi (em russo: Рафаэль Лусварги; Jundiaí, 14 de novembro de 1984)[1] é um ex-militar, ex-ativista e ex-policial brasileiro de origem húngara,[2] atualmente detido na Ucrânia.

Após ter alegadamente servido na Legião Estrangeira, na Polícia Militar e nas FARC, Rafael Lusvarghi ficou conhecido no Brasil primeiramente por seu detimento durante os protestos contra a Copa do Mundo de 2014. Após 45 dias preso, rumou para a República Popular de Lugansk, onde lutou na infantaria e tornou-se instrutor e primeiro-tenente da Brigada Prizrak. Após haver retornado ao Brasil, foi preso durante escala na Ucrânia a caminho de suposta oportunidade de emprego e condenado a treze anos de prisão por terrorismo e formação de organização paramilitar ilegal. Tendo sido provisoriamente liberto em Tribunal de Apelação, foi capturado em 4 de maio de 2018 pelos grupos Batalhão Azov e C14 e levado às autoridades, que decretaram em 11 de maio seu detimento provisório por 60 dias, renovado após nova audiência em 26 de junho.

Carreira militar[editar | editar código-fonte]

Após concluir um curso técnico de agronomia, Rafael Marques Lusvarghi alega ter rumado para a França e se alistado em novembro de 2002 na Legião Estrangeira, onde teria servido por três anos, inicialmente sendo treinado no 4º RE e posteriormente servindo no 2º REP em Calvi, pelo qual teria participado em missões na África até ser ferido e retornar ao Brasil.[2][3][4] De volta ao país, foi soldado da Polícia Militar do Estado de São Paulo entre 2006 e 2007, posteriormente servindo no Pará[1] enquanto buscava a carreira de oficial da instituição, abandonando a instituição como cadete em 2009 e rumando para a Rússia em 2010, onde estudou medicina na Universidade Estadual de Kursk, recebeu o apelido de Riurik e tornou-se notável ao testemunhar a morte acidental de um colega brasileiro.[2][5][6][7]

Na Rússia, Lusvarghi alega ter sido voluntário na escola infantil Udmurtia[8] e tentado ingressar na Forças Terrestres, mas, não conseguindo, teria retornado para a América do Sul, onde relata ter ingressado nas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, servindo em Cartagena de Indias e Arauca até frustrar-se com as negociações com o Estado colombiano e deixar a instituição,[2][3] retornando novamente a Jundiaí e trabalhando como professor de inglês e assistente de help desk. Em seu país natal, tornou-se nacionalmente conhecido após sua segunda prisão durante os protestos durante a Copa do Mundo de 2014, em São Paulo. Na ocasião, foi fotografado sendo agredido pela polícia com uma garrafa e spray de pimenta, acusado de integrar grupo de black blocs, e detido na 8ᵃ Delegacia de Polícia de São Paulo por 45 dias até ser solto por falta de provas, após laudos técnicos comprovarem que não portava explosivos na ocasião.[2][6] Segundo entrevista de Lusvarghi ao G1, foi-lhe apresentada como seu suposto explosivo no Departamento de Investigações sobre Crime Organizado uma garrafa vazia de iogurte que sequer reconhecia como sua.[2]

Participação em Lugansk[editar | editar código-fonte]

Bandeira da Brigada Prizrak, pela qual Lusvarghi combateu na Ucrânia

Em 20 de setembro do mesmo ano, tendo sido convocado pelas organizações Unidade Continental e Frente Brasileira de Solidariedade com a Ucrânia, Lusvarghi, no contexto da Guerra Civil no Leste da Ucrânia, custeou uma viagem para a recentemente autodeclarada República Popular de Lugansk, onde foi alojado em Slaviansk[9] e ingressou na artilharia da Brigada Prizrak, associada à Unidade Continental,[3][8][10] em batalhão comandado pelo colombiano Victor Afonso Lenta,[11] passando a operar um veículo BM-21 Grad.[6] Relatou, na ocasião, ter sido motivado por ligações genéticas com povo russo, além de aversão ao liberalismo e ao avanço político da OTAN, especialmente representando os interesses estadunidenses e da União Europeia.[3][6] Posteriormente, relatou ter-se tornado um partidário da Quarta Teoria Política.[7]

Inicialmente lutando na unidade Paltinik como soldado do plantão de artilharia, passou para a unidade Babai em novembro, onde rapidamente se tornou instrutor, sendo promovido em janeiro de 2015 a primeiro-sargento e retornando à Paltinik, posteriormente sendo promovido a primeiro-tenente.[5][6] Lusvarghi lutou ao menos com três outros brasileiros,[5] e, em homenagem a sua nacionalidade, recebeu na região o nome de guerra de "Cachaça", que utilizou no mesmo período nas redes sociais.[12]

Em dado momento, comandou sua própria unidade com voluntários de diversas nacionalidades, inclusive brasileiros, chamada Vikernes, sobrenome do músico norueguês Varg Vikernes, com o qual Lusvarghi posteriormente teve contato, avisando-o sobre a homenagem.[8][9] Em abril de 2015, foi ferido em ação no Aeroporto Internacional de Donetsk e hospitalizado.[7][13] Segundo relatório do Serviço de Segurança da Ucrânia, participou de operações em Horlivka, Pervomaisk e Verhulivka (em Lugansk), além de Starobesheve e Debaltseve (em Donetsk), e recebeu medalha militar de Igor Strelkov.[7] Após decepções com Minsk II, comportamentos do grupo aliado Rusitch e a baixa qualidade de novos combatentes, retornou para o Brasil.[5][8][14]

Retorno à Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Após um período tranquilo em Jundiaí, Lusvarghi foi atraído por supostas oportunidades de emprego na empresa Omega no Chipre e interceptado em escala pelo Serviço de Segurança da Ucrânia no aeroporto de Boryspil, na Ucrânia, em 6 de outubro de 2016, que deteve o brasileiro.[5][14][15][16] Investigações da revista independente Opera teriam revelado que a suposta empresa teria entre seus clientes o Diretório Máximo de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia, e que um mandado de prisão preventiva teria sido emitido pela Procuradoria de Kiev na antevéspera de sua passagem pelo país, o que também foi publicado pela mídia local.[7][17] Em entrevista para a Rádio Svoboda na prisão, Lusvarghi disse desaprovar a continuidade da guerra, preferindo que fossem tomadas vias diplomáticas.[8]

Prisão de Lukianivska, onde Lusvarghi ficou detido e foi supostamente torturado

Em 25 de janeiro de 2017, Lusvarghi foi condenado em corte de Petchersky a treze anos de prisão e confisco de bens por terrorismo e criação de organização paramilitar ilegal, em polêmica condenação que selou o primeiro processo contra um estrangeiro por estes crimes no país.[14][15][18] O promotor do caso, Ihor Vovk, declarou-se satisfeito com o veredito, visto que se aproximava do máximo de 14 anos e 224 dias que pedira, mas diminuídos por seu tempo anterior de custódia e pelas atenuantes de cooperação com a investigação e confissão.[18]

A condenação chamou a atenção do advogado ucraniano Valentin Rybin Vladimirovitch, que passou a advogar pelo ex-combatente, divulgando que seu cliente teria confessado sob tortura, o que o mesmo alegara em cartas privadas, além de ter sido forçado a fazer declarações contra sua vontade, ao contrário do que antes dissera nota do Ministério das Relações Exteriores.[15][19][20] Na véspera da condenação, o jornal russo Vzgliad já denunciara torturas sofridas por Lusvarghi na Prisão de Lukianivska, em Kiev, desde sua transferência para a mesma, ainda em janeiro.[21]

Apesar de Lusvarghi alegadamente não ter conseguido tomar parte nas usuais trocas de prisioneiros, sua condenação foi revogada em 17 de agosto do mesmo ano pelo Tribunal de Apelação de Kiev, que acatou os argumentos de que o julgamento original havia se baseado apenas na confissão do ex-combatente, sem levar em conta mesmo a alegação do mesmo de admissão forçada de culpa, e de que o tribunal de Kiev não teria competência para julgar crimes no leste do país, no que lhe concedeu liberdade provisória até o próximo julgamento,[19][22] com soltura cumprida no 18 de dezembro seguinte após expiração do prazo para novos pleitos.[16][22][23][24] Segundo Rybin, contudo, Lusvarghi efetivamente tomou parte nas trocas de prisioneiros, sendo liberto no contexto de uma libertação de ucranianos pela República Popular de Donetsk.[24][25] Luiza Lopes da Silva, representante do Ministério das Relações Exteriores, declarou em entrevista para o Fantástico que a libertação de Lusvarghi se deu por motivos meramente processuais, e que o Ministério fora informado pelo governo ucraniano que Lusvarghi não poderia deixar o país, pelo que não lhe emitiu passaporte.[24]

Recaptura[editar | editar código-fonte]

Com seu passaporte retido, o brasileiro passou a trabalhar para e morar no Mosteiro da Santa Intercessão, em Holosiivski, convertendo-se do Ásatrú para o cristianismo ortodoxo. Após ser encontrado por jornalistas ucranianos da Rádio Svoboda no fim de abril, o que foi prontamente revelado ao público e causou furor em redes sociais ucranianas,[20][24][26][27][28] recebeu aval da embaixada brasileira para refugiar-se em pousada,[24] sendo capturado em 4 de maio no caminho da mesma pelos grupos neonazistas Batalhão Azov e C14,[24][29] que o agrediram e arrastaram pelas ruas em ação transmitida ao vivo pelo Facebook pelo militante Serhi Filimonov e o deixaram na porta da sede do Serviço Secreto da Ucrânia, sendo trazido para dentro do edifício por funcionários para interrogatório.[22][29][30][31]

Já no dia seguinte, 5 de maio, a justiça ucraniana adiou seu julgamento de 6 de junho para 7 de maio.[32] Segundo o Ministério das Relações Exteriores, apesar da truculência mostrada no vídeo, o brasileiro, que pediu por proteção policial ao governo ucraniano após o ataque, estaria bem e em segurança.[30][33] O promotor do caso prontamente anunciou que pediria a prisão,[34] e em 11 de maio foi decretada a prisão de Lusvarghi por 60 dias por um colegiado sob a justificativa de que a fiança e a prisão domiciliar eram impossíveis para o crime de terrorismo e sua prisão original fora justificada, sendo o réu, pois, levado a Dnipro para cumprimento da sentença provisória.[24][28]

Em entrevista para o jornal online Ukraina.ru publicada no dia 22 de maio, o advogado Valentin Rybin revelou que o paradeiro de seu cliente fora publicizado pela própria embaixada brasileira na Ucrânia, em relatório oficial ao Ministério da Justiça e ao Ministério das Relações Exteriores ucranianos, escrita pelo próprio cônsul da embaixada. Reiterou, ainda, que a embaixada negara documentos que Lusvarghi requisitara para retornar ao Brasil, apesar de alegadamente o Estado ucraniano ter concedido esta oportunidade ao brasileiro.[25] Em 2 de junho, a mesma plataforma anunciou que o nome de Rafael Lusvarghi haveria sido incluso em uma lista de prisioneiros para troca, citando como fonte Olga Kobtseva, principal responsável pelas negociações da parte da República Popular de Lugansk.[35] No dia 26 de junho, Lusvarghi teve em Pavlograd sua primeira audiência após a nova prisão, e recebeu outra detenção provisória por 60 dias, como requisitado pelo promotor.[36]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Polícia Militar do Pará: Pontuação dos Aprovados e Classificados à 2ᵃ Etapa» (PDF). Fundação do Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa. 14 de setembro de 2007. p. 4. Cópia arquivada (PDF) em 18 de dezembro de 2010 
  2. a b c d e f Tomaz, Kleber (9 de agosto de 2014). «Ativista solto após 45 dias preso quer combater na Ucrânia com separatistas». G1. Consultado em 7 de maio de 2018.. Cópia arquivada em 17 de junho de 2018 
  3. a b c d Post, Fabiano (29 de setembro de 2014). «Conversei com o Brasileiro que se Juntou às Forças pró-Rússia». Vice. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  4. «Апеляційний суд скасував вирок громадянину Бразилії, який воював на боці «Л/ДНР»» Apeliatsiiny sud skasuvav vyrok hromadianinu Brazilii, iaky voiuvav na botsi "L/DNR". Hromadske Radio (em ucraniano). 17 de agosto de 2017. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  5. a b c d e «Brasileiro preso na Ucrânia acusado de terrorismo gravava treinamentos». Fantástico. 23 de outubro de 2016. Rede Globo. Consultado em 17 de maio de 2018. 
  6. a b c d e Boechat, Yan (4 de fevereiro de 2018). «"Matei quatro soldados e precisei comer cachorro", diz brasileiro que luta na Guerra da Ucrânia». Istoé. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  7. a b c d e «Бразилець Рафаел Лусваргі: воював за "ДНР" і Росію від Дубліна до Сіетла, затриманий у "Борисполі"» Brazylets Rafael Lusvarhi: voiuvav za "DNR" i Rosiu vid Dublina do Sietla, zatrymany u "Boryspoli". Antykor (em ucraniano). 7 de outubro de 2016. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  8. a b c d e Dikhtiarenko, Andri (1 de março de 2017). «На Донбасі нас називали «мавпами» – засуджений бразилець із угруповання «ДНР»» Na Donbasi nas nazyvaly "mavpami" - zasudjeny brazylets iz urgupovannia "DNR". Radio Svoboda (em ucraniano). Consultado em 18 de maio de 2018. 
  9. a b Bellini, Jomar (21 de julho de 2015). «Irmão de brasileiro que luta na Ucrânia descarta risco: 'Brasil é mais perigoso'». G1. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  10. Sant’Anna, Lourival (1 de outubro de 2014). «Ativista preso em SP vira combatente na Ucrânia». O Estado de São Paulo. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  11. Torres, Renato (28 de setembro de 2014). «Brasileiro vai para a Ucrânia lutar junto com separatistas». O Tempo. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  12. Klaubert, David (2 de outubro de 2014). «„Neurussland oder Tod"». Frankfurter Allgemeine (em alemão) 
  13. Tomaz, Kleber (1 de maio de 2015). «Brasileiro que luta na Ucrânia diz ter sido ferido em confronto e estar bem». G1. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  14. a b c «Entenda a história do brasileiro condenado na Ucrânia por lutar na milícia de Donetsk». Sputnik News. 26 de janeiro de 2017. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  15. a b c «Advogado diz que brasileiro preso na Ucrânia confessou crime sob tortura». Fantástico. 5 de fevereiro de 2017. Rede Globo. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  16. a b Chade, Jamil (3 de janeiro de 2018). «Brasileiro acusado de terrorismo ganha liberdade provisória na Ucrânia». O Estado de São Paulo. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  17. Ortega, André; Marin, Pedro (9 de outubro de 2016). «Empresa ligada à inteligência ucraniana pode ter sido responsável por viagem de brasileiro preso em Kiev». Revista Opera. Consultado em 8 de maio de 2018. 
  18. a b «Печерський суд виніс вирок бразильцю Лусваргі, терористу "ДНР/ЛНР"» Petchersky sud vynis vyrok braziltsu Lusvarhi, teroristy "DNR/LNR". Novynarnia (em ucraniano). 25 de janeiro de 2017. Consultado em 18 de maio de 2018. 
  19. a b Tomaz, Kleber (6 de outubro de 2017). «Justiça da Ucrânia anula condenação por terrorismo de brasileiro preso há um ano». Consultado em 7 de maio de 2018. 
  20. a b «Brazilian fighter against Ukraine in Donbas secretly living in Kyiv's Moscow-controlled monastery» (em inglês). 4 de maio de 2018. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  21. Gurianov, Sergei (24 de janeiro de 2017). «СМИ сообщили об издевательствах над ополченцем из Бразилии в украинских СИЗО» SMI soobshchili ob izdevatelstvakh nad opoltchentsem iz Brazilii v ukrainskikh SIZO. Vzgliad (em russo). Consultado em 17 de maio de 2018. 
  22. a b c Shevtchuk, Igor (4 de maio de 2018). «Из «ДНР» в Голосеевский монастырь: что известно о бразильце Рафаэле Лусварги» Iz "DNR" v Goloseevski monastyr: tchto izvestno o braziltse Rafaele Lusvargi. Gromadskoe (em russo). Consultado em 7 de maio de 2018. 
  23. «Corte revoga condenação de brasileiro por terrorismo na Ucrânia». Folha de São Paulo. 6 de outubro de 2017. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  24. a b c d e f g «Brasileiro é arrastado pelas ruas de Kiev após ser preso por terrorismo». Fantástico. 13 de maio de 2016. Rede Globo. Consultado em 13 de maio de 2018. 
  25. a b «Адвокат: В том, что случилось с Лусварги, велика вина посольства Бразилии в Украине» Advokat: V tom, tchto slutchilos s Lusvarghi, velika vina posolstva Brazilii v Ukraine. Ukraina.ru (em russo). 22 de maio de 2018. Consultado em 5 de julho de 2018. 
  26. Miller, Christopher (3 de maio de 2018). «From Brazilian Poster Boy For Ukraine's Separatists To 'Man Of God'». Radio Free Europe - Radio Liberty (em inglês). Consultado em 7 de maio de 2018. 
  27. Stek, Levko (3 de maio de 2018). «Из "ДНР" – в послушники. Бразилец, воевавший за сепаратистов, живет в монастыре под Киевом» Iz "DNR" – v poslushniki. Brazilets, voevavshi za separatistov, jivet v monastyre pod Kievom. Radio Svoboda (em russo). Consultado em 7 de maio de 2018. 
  28. a b «Экс-боевика Лусварги взяли под арест» Eks-boevka Lusvargi vziali pod arest. Telekanal novostei 24 (em russo). 7 de maio de 2018. Consultado em 1 de junho de 2018. 
  29. a b «Brasileiro que combateu na Ucrânia é capturado por nacionalistas em Kiev». Veja. 4 de maio de 2018. Consultado em 8 de maio de 2018. 
  30. a b Wentzel, Marina. «Quem é o guerrilheiro brasileiro capturado na Ucrânia». BBC Brasil. Consultado em 7 de maio de 2018. 
  31. «Ukrainian nationalists catch Brazilian fighter Lusvarghi in Kyiv, bring him to SBU (Photo, video)». Unian (em inglês). 4 de maio de 2018. Consultado em 8 de maio de 2018. 
  32. «Рекламный боевик. Что Лусварги делал в Украине» Reklamny boevik. Tchto Lusvargi delal v Ukraine. Korrespondent (em russo). 5 de maio de 2018. Consultado em 8 de maio de 2018. 
  33. Gielow, Igor (5 de maio de 2018). «Brasileiro pede para ficar sob proteção policial na Ucrânia». Folha de São Paulo. Consultado em 8 de maio de 2018. 
  34. «СБУ допрашивает бразильца Лусварги, прокуратура попросит об аресте» SBU doprashivaet braziltsa Lusvargi, prokuratura poprosit ob areste. Segodnia (em russo). 4 de maio de 2018. Consultado em 8 de maio de 2018. 
  35. «Арестованный в Киеве бразилец Лусварги включен в списки на обмен пленными» Arestovanny v Kieve brazilets Lusvargi vkliutchen v spiski na obmen plennymi. Ukraina.ru (em russo). 2 de junho de 2018. Consultado em 5 de julho de 2018. 
  36. «Суд продлил арест бразильскому наемнику Лусварги» Sud prodlil arest brazilskomu naemniku Lusvargi. Segodnia (em russo). 27 de junho de 2018. Consultado em 12 de julho de 2018.