Rainha da Sucata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura o edifício com esse apelido em Belo Horizonte, veja Edifício Rainha da Sucata.
Rainha da Sucata
Informação geral
Formato Telenovela
Género comédia romântica
Duração 50 minutos
Estado finalizada
Criador(es) Silvio de Abreu
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Jorge Fernando
Roteirista(s) Alcides Nogueira
José Antônio de Souza
Elenco
Tema de abertura "Me Chama que eu Vou", Sidney Magal
Localização São Paulo
Exibição
Emissora original TV Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 2 de abril – 26 de outubro de 1990
Episódios 179
Cronologia
Tieta
Meu Bem, Meu Mal
Programas relacionados

Rainha da Sucata é uma telenovela brasileira produzida pela TV Globo e exibida originalmente de 2 de abril a 26 de outubro de 1990 em 179 capítulos.[1] Substituiu Tieta e foi substituída por Meu Bem, Meu Mal, sendo a 42ª "novela das oito" exibida pela emissora.

O enredo foi escrito por Silvio de Abreu, com a colaboração de Alcides Nogueira e José Antônio de Souza. Contou com a direção de Fábio Sabag, Mário Márcio Bandarra e Jodele Larcher. A direção geral e de núcleo foram de Jorge Fernando.[2]

Contou com as participações de Regina Duarte, Tony Ramos, Glória Menezes, Daniel Filho, Renata Sorrah, Raul Cortez, Aracy Balabanian e Paulo Gracindo.[1]

Produção[editar | editar código-fonte]

Rainha da Sucata foi a primeira novela "das 8" escrita por Sílvio de Abreu, que até então havia assinado várias tramas apresentadas às 19 horas. Ele foi designado para escrever uma telenovela humorística para as 20 horas. Nesta época, havia uma determinação do Departamento de Teledramaturgia da Rede Globo em evitar a apresentação de enredos excessivamente dramáticos neste horário, que começou com a exibição de O Salvador da Pátria. Entretanto, esta proposta só prevaleceu no início da trama. Devido à rejeição do público à comédia excessiva (fator esse que era notado na audiência), a partir de junho de 1990, o autor Silvio de Abreu decidiu deixar a comédia em segundo plano e apostar mais no drama.[3]

Ainda em junho de 1990, a trama passou a mostrar capítulos mais longos. O objetivo era amenizar o impacto que a novela Pantanal causava nos programas posteriores. Essa ação também fazia com que Pantanal perdesse publicidade, pelo fato de começar cada vez mais tarde. Além disso, a seção "cenas do próximo capítulo" também foi extinta.[4]

O Plano Collor, que foi um plano econômico implementado pelo então presidente brasileiro, Fernando Collor de Mello, foi incorporado à história de Rainha da Sucata. A Globo foi acusada de saber das intenções de Collor e não ter alertado a população sobre o tal plano. Mas o que aconteceu na verdade foi que, por causa desse plano do governo, muitas cenas que já estavam prontas tiveram que ser reescritas, para se adaptarem à realidade.[5]

No meio da trama, Silvio de Abreu precisou se afastar dos trabalhos. Gilberto Braga o substituiu e escreveu nove capítulos.[6]

A vilã Laurinha teve seu desfecho 8 capítulos antes do fim da novela. No capítulo 171, exibido em 17 de outubro de 1990, ela comete suicídio, se jogando do prédio da Sucata. Porém o mistério da sua morte é um dos fios condutores da reta final da trama. Três finais diferentes foram escritos para a novela, para manter o segredo sobre o fim da personagem Maria do Carmo.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Ambientada em São Paulo, a trama de Rainha da Sucata retrata o universo dos novos-ricos e da decadente elite paulistana contrapondo duas personagens femininas, a emergente Maria do Carmo Pereira e a socialite falida Laurinha Albuquerque Figueroa. Maria do Carmo enriquece com os negócios do pai, o vendedor de ferro-velho Onofre, e se torna uma bem-sucedida empresária, mas mantém os hábitos de seu passado humilde. Ela mora com o pai e a mãe, Neiva, no bairro de Santana, na zona norte de São Paulo.

Apaixonada por Edu Figueroa um boa-vida que a desprezara e humilhara na juventude, ela decide “comprá-lo”: propõe casar-se com ele para ajudar sua família, de origem tradicional, mas à beira da falência. Edu aceita a proposta, e a emergente, após o casamento, vai morar no casarão dos Figueroa, nos Jardins, sofisticado reduto da cidade. Na nova casa, Maria do Carmo passa a viver um pesadelo por causa de Laurinha. Casada com Betinho, pai de Edu, a socialite é obcecada pelo enteado e faz de tudo para conquistá-lo, e não vai deixar a "sucateira" Maria do Carmo em paz.

Além do mau casamento e da perseguição de Laurinha, a empresária começa a ver seus negócios darem errado por culpa do administrador Renato Maia, em quem ela confiava plenamente. Renato, na realidade, é um corrupto que aplica um golpe em Maria do Carmo. O executivo se casa com Mariana, uma mulher frágil e rica, que sofre com as ameaças do marido, que só se casou com ela por interesse em sua fortuna. Mariana é irmã de Caio, um paleontólogo gago que se vê dividido entre a noiva, a fogosa Nicinha e a dançarina de cabaré, Adriana Ross, que por sua vez é filha da vilã Laurinha Figueroa.

Outra personagem marcante é dona Armênia, uma armênia que mora no Brasil há muitos anos com os filhos Gera, Gino e Gerson, a quem trata como se fossem bebês. Gerson é o braço direito de Maria do Carmo na empresa, com quem acaba se envolvendo no início da trama. Os três irmãos mais tarde vão acabar disputando o amor da jovem Ingrid, filha da requintada senhora Isabelle. No meio da trama, dona Armênia descobre negócios escusos entre seu falecido marido e o pai de Maria do Carmo e se torna dona do território onde a empresa de Maria do Carmo é erguida, um prédio no meio da Avenida Paulista e resolve demolir o edifício. Sua frase "Vou botar essa prédio na chon!" marcou a trama e a personagem. Ao invés disso ela toma a empresa de Maria do Carmo que volta a catar sucatas na rua. Contudo, logo Maria do Carmo se recupera com a descoberta de que Caio e Mariana eram seus irmãos, eles passam suas ações da "Do Carmo Veículos" para ela, que volta a tempo de salvar a empresa de todo o caos e bagunça que dona Armênia aprontou com sua má administração.

Outras tramas também merecem destaque, como a da jornalista Paula, que apaixonada pelo trabalho, acaba se envolvendo com Edu e passa a fazer matérias sobre a derrocada da família Albuquerque Figueroa. Ainda na trama tem Jonas, que depois se descobre ser o pai misterioso de Paula, um homem sério, simpático e que anota tudo que se passa na mansão dos Figueroa onde trabalha como mordomo e guarda grandes segredos sobre o seu passado e seu envolvimento misterioso com Isabelle.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator / Atriz[1] Personagem[1]
Regina Duarte Maria do Carmo Pereira
Glória Menezes Laurinha Albuquerque Figueroa
Tony Ramos Eduardo Figueroa (Edu)[1]
Daniel Filho Renato Maia
Renata Sorrah Mariana Szimanski
Aracy Balabanian Dona Armênia Giovanni
Raul Cortez Jonas Qüeiroz Scott
Nicette Bruno Neiva Matias Pereira
Antônio Fagundes Caio Szimanski
Cláudia Raia Adriana Albuquerque Figueroa (Adriana Ross)
Paulo Gracindo Alberto Albuquerque Figueroa (Betinho)
Cláudia Ohana Paula Ramos
Gianfrancesco Guarnieri Irineu Saldanha
Cleyde Yáconis Isabelle Albuquerque Figueroa de Bresson
Patricia Pillar Alaíde Ribeiro
Flávio Migliaccio Osvaldo Moreiras (Seu Moreiras)
Lolita Rodrigues Helena Ribeiro (Lena)
Maurício Mattar Rafael Albuquerque Figueroa
Marisa Orth Eunice Moreiras (Nicinha)
Andréa Beltrão Ingrid Albuquerque Figueroa de Bresson
Marcello Novaes Geraldo Giovanni (Gera)
Jandir Ferrari Higino Giovanni (Gino)
Gerson Brenner Gerson Giovanni
Mônica Torres Guida Viana
Aldine Müller Ângela Martins
Edgard Amorim Fernando Silva
José Augusto Branco Dr. Ademar Rodrigues
Ivan Cândido Franklin
André Di Mauro Manuel Muniz de Souza (Maneco)
Paulo Reis Gustavo Motta Mello (Guga)
Maria Helena Dias Samira Zaída
Dill Costa Vilmar
Paulo Guarnieri Sérgio Saldanha
Hilda Rebello Jorgina
Moacyr Deriquém Marcelo

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator / Atriz[1] Personagem[1]
Lima Duarte Onofre Pereira
Fernanda Montenegro Salomé Szimanski
Laura Cardoso Iolanda Maia
Stênio Garcia Mendigo
Milton Moraes Marcos Vicente Pinheiro
Jorge Cherques Cyro Laurenza
Carlos Kroeber Giacomo Di Lampedusa
Mário Gomes Clóvis Castro
Jorge Dória Alberico Cassinelli
Ilka Soares Júlia Cassinelli
Neuza Amaral Dalva
Emiliano Queiroz Diretor do colégio onde Maria do Carmo e Edu estudaram
Zeni Pereira Mãe Mercedes
Inês Galvão Marisa Viana (Manon)
Mário Lago Ramiro Almeida
Ivan Mesquita Carlos Gouveia
Castro Gonzaga Julien Sorel
Neusa Borges Inês
Carlos Zara Olegário
Rosita Thomaz Lopes Estela
Carlos Gregório Osmar Maia
Ruth de Souza Juíza Elizabeth Andrade
Cláudio Correia e Castro Rogério Marques
Humberto Martins Osvaldinho
Thelma Reston Odete
Jorge Fernando Rebello
Fernando Amaral Marcos Juarez
Gilberto Martinho Geraldo Gomes
Serafim Gonzalez Gianlucca Muniz de Souza
Marcus Alvisi Giuliano Laurenza[1]
Oscar Magrini Figurante no enterro de Onofre
Marília Pêra Ela mesma
Sidney Magal Ele mesmo
Beto Barbosa Ele mesmo
Diogo Vilela Ele mesmo

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Na época de sua exibição, alcançou média geral de 61 pontos no IBOPE, ocupando a 6ª colocação entre as novelas de maior audiência da história da Rede Globo.

Foi reexibida pelo Vale a Pena Ver de Novo de 28 de fevereiro a 16 de setembro de 1994, substituindo Direito de Amar e sendo substituída por sua antecessora original, Tieta, em 145 capítulos.[7]

Foi reexibida na íntegra pelo Canal Viva de 21 de janeiro a 27 de setembro de 2013, substituindo Que Rei Sou Eu? e sendo substituída por Água Viva, à 00h.[8][9]

DVD[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2015, a telenovela foi lançada em formato DVD pela Loja Globo, em um box contendo 12 discos.[10]

Exibição internacional[editar | editar código-fonte]

A trama também fez grande sucesso no exterior, sendo vendida para Angola, Argentina, Bolívia, Canadá, Chile, Espanha, Costa Rica, Estados Unidos, Guatemala, México, Nicarágua, Paraguai, Uruguai entre outros países. A novela foi exibida em Portugal pela 1ª vez em 1991, na RTP1, às 20h30 de segunda a sexta feira, em horário nobre, no seu formato original, e depois na TV Globo Portugal, de 23 de novembro de 2009 a 18 de junho de 2010 às 19h30, em 148 capítulos. Na América Latina foi transmitida pela TNT de segunda a sexta as 18h (México DF), 21h (Buenos Aires), 19h (Bogotá) e 20h (Caracas).[carece de fontes?]

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Rainha da Sucata[editar | editar código-fonte]

Rainha da Sucata
Cláudia Raia como Adriana Ross[1]
Trilha sonora de Vários artistas
Lançamento 1990 (1990)
Gênero(s)
Duração 55:37
Idioma(s)
Formato(s)
Gravadora(s) Som Livre

Rainha da Sucata (comumente chamado de Rainha da Sucata - Nacional) foi o primeiro álbum da trilha sonora da homônima telenovela brasileira de 1990 da Rede Globo. O álbum foi lançado em CD, fita cassete, e LP pela Som Livre, em 1990 no Brasil,[11] e em 1991 em Portugal, pela Columbia Records.[12] O álbum conta com uma seleção variada de canções, de vários gêneros, como MPB, música latina, pop rock, lambada, e bossanova, interpretadas por diferentes artistas brasileiros.

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Rainha da Sucata – Edição brasileira
N.º TítuloCompositor(es)Artista(s) Duração
1. "Me Chama que Eu Vou"  
Sidney Magal 3:15
2. "Foi Assim (Juventude e Ternura)"  Wanderléa 4:17
3. "Coração Pirata"  Roupa Nova 4:42
4. "Cigano"  DjavanDjavan 4:48
5. "Próxima Parada" (Texto incidental)Marina Lima 3:48
6. "A Mais Bonita"  Chico BuarqueMaria Bethânia 3:56
7. "Na Captura" (instrumental)Ary SperlingAry Sperling 3:26
8. "Coisas da Vida"  Milton Nascimento 4:59
9. "Nua Idéia (Leila XII)"  Gal Costa 3:00
10. "Meninos e Meninas"  Legião Urbana 3:20
11. "Mais Você"  
Ritchie 4:39
12. "Lanterna dos Afogados"  Herbert ViannaParalamas do Sucesso 3:06
13. "Naquela Estação (Leila L)"  
Adriana Calcanhotto 4:43
14. "Em Busca do Amor" (instrumental)SperlingAry Sperling 3:38
Duração total:
55:37
Rainha da Sucata – Edição portuguesa
N.º TítuloCompositor(es)Artista(s) Duração
1. "Foi Assim (Juventude e Ternura)"  Wanderléa 4:17
2. "Me Chama que Eu Vou"  
Sidney Magal 3:15
3. "Sabor de Pecado"  Cid GuerreiroAngel 3:08
4. "Gira Gira Pião"  Dido OliveiraDido Oliveira 3:54
5. "Naquela Estação (Leila L)"  Adriana Calcanhotto 4:43
6. "Em Busca do Amor" (instrumental)SperlingAry Sperling 3:38
7. "Coisas da Vida"  Milton Nascimento 4:59
8. "Lambança" (instrumental)Richard LupinGrupo Sucata 3:11
9. "Cigano"  DjavanDjavan 4:48
10. "Melô da Sucata" (instrumental)Richard LupinGrupo Sucata 3:12
11. "Beijo na Boca"  
  • João Guimarães
  • George Dias
Sidney Magal 3:19
12. "Na Captura" (instrumental)Ary SperlingAry Sperling 3:26
Duração total:
45:50

Rainha da Sucata - Internacional[editar | editar código-fonte]

Rainha da Sucata - Internacional
Cláudia Ohana como Paula Ramos[1]
Trilha sonora de Vários artistas
Lançamento 1990 (1990)
Gênero(s)
Duração 52:16
Idioma(s)
Formato(s)
Gravadora(s) Som Livre

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º TítuloCompositor(es)Artista(s) Duração
1. "Into My Life"  Colin HayColin Hay Band 4:16
2. "All Around the World"  
Lisa Stansfield 4:26
3. "Rebel in Me"  Jimmy CliffJimmy Cliff 3:46
4. "Listen to Your Heart"  Stock Aitken WatermanSonia 3:15
5. "Come Back to Me"  Janet Jackson 4:55
6. "Forever"  Kiss 4:06
7. "Inside of You"  
  • Freight
  • Robinson
Howard Thomas & Sarah Bishop 2:44
8. "My Romance"  
Carly Simon 2:32
9. "Send Me an Angel"  
  • David Sterry
  • Richard Zatorski
Real Life 3:50
10. "Vision of Love"  
Mariah Carey 3:27
11. "It Had to Be You"  Harry Connick Jr. 2:36
12. "Blue"  
  • Geoffrey Williams
  • Jody Spence
  • George Cocchini
  • Monroe Jones
Geoffrey Williams 4:07
13. "Reve d'Amour"  
  • Fernand
  • Palome
Nuages 3:00
14. "Too Many Lonely Hearts"  
Petula Clark 5:16
Duração total:
52:16

Trilha complementar: Lambateria Sucata[editar | editar código-fonte]

Capa: Coxas de dançarina (Ilustração)[1]

N.º TítuloMúsicaPersonagem Duração
1. "Preta"  Beto BarbosaTema Geral 03:21
2. "Conversa Bonita"  Fafá de BelémTema Geral 03:41
3. "É Bom Suar"  Moraes Moreira & Pepeu GomesTema Geral 02:59
4. "Maracangalha"  GerônimoTema Geral 03:02
5. "Beijo na Boca"  Sidney MagalTema Geral 03:20
6. "Gira, Gira Pião"  Dido OliveiraTema Geral 03:55
7. "Melô da Sucata (Instrumental)"  Grupo SucataTema Geral 03:13
8. "Ouro Puro (Ao Vivo)"  Elba RamalhoTema Geral 05:34
9. "Paixão e Loucura"  Jorge AltinhoTema Geral 02:38
10. "Sabor de Pecado"  AngelTema Geral 03:07
11. "Vem Lambadear Comigo"  Banana SplitTema Geral 03:21
12. "Loirinha"  José OrlandoTema Geral 02:52
13. "Marmelada (Bas Moin Laia)"  Margareth MenezesTema Geral 03:57
14. "Lambança (Instrumental)"  Grupo SucataTema Geral 03:08
Duração total:
48:16

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l «Rainha da Sucata». Teledramaturgia. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2016 
  2. «Rainha da Sucata». Memória Globo. Consultado em 2 de junho de 2015 
  3. «Em 1990, Globo tentou inovar com Rainha da Sucata e quebrou a cara». Notícias da TV. 7 de junho de 2015. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  4. James Cimino (8 de julho de 2013). «Silvio de Abreu conta que Globo esticava "Rainha da Sucata" para "Pantanal" perder anunciantes». UOL. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  5. Nilson Xavier (25 de outubro de 2015). «Há 25 anos, Rainha da Sucata enfrentou Plano Collor e sucesso de Pantanal». UOL. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  6. «Mortes, brigas e tragédias mudam rumo de novelas; veja exemplos». Terra. 24 de junho de 2012. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  7. «Novela que defendeu Plano Collor volta». Folha de S.Paulo. 27 de fevereiro de 1994. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  8. Nilson Xavier (1 de outubro de 2012). «Canal Viva vai reprisar a novela "Rainha da Sucata"». UOL. Consultado em 6 de julho de 2021 
  9. «Sucesso dos anos 1990, "Rainha da Sucata" volta no canal Viva». Folha Ilustrada. 20 de janeiro de 2013. Consultado em 10 de setembro de 2015 
  10. «Rainha da Sucata chega em DVD». Gazeta do povo. 3 de setembro de 2015. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  11. (1990) Créditos do álbum Rainha da Sucata por Vários artistas [LP]. Brasil: Som Livre (4050007).
  12. (1991) Créditos do álbum Rainha da Sucata por Vários artistas [LP]. Portugal: Som Livre (4715261).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]