Ramal de Itararé (Estrada de Ferro Sorocabana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ramal de Itararé (Estrada de Ferro Sorocabana)
Info/Ferrovia
Informações principais
EF EF-116[1]
Área de operação São Paulo
Tempo de operação 1895–Presente
Operadora Rumo Logística
Interconexão Ferroviária Linha Tronco (Estrada de Ferro Sorocabana)
Tronco Principal Sul
(atravéz do Ramal de Apiaí e Pinhalzinho)
Especificações da ferrovia
Bitola bitola métrica
1 000 mm (3,28 ft)

O Ramal de Itararé da Estrada de Ferro Sorocabana é uma ferrovia paulista, que originalmente ligava a antiga Linha Tronco, com a antiga Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande na cidade de Itararé, na divisa dos estados, conectando a rede ferroviária paulista às estradas de ferro do Paraná, pelo antigo Caminho dos Tropeiros que viajavam até o sul do Brasil.[2] Atualmente se conecta á malha ferroviária do Paraná em Pinhalzinho, pelo Tronco Principal Sul.

História[editar | editar código-fonte]

O ramal de Itararé começou a ser construído pela Estrada de Ferro Sorocabana em 1888, partindo da estação de Boituva e chegando a Itapetininga somente em 1895, com uma extensão de 65 km. Somente em 1905 as obras foram retomadas, e em abril de 1909, a estrada chegou finalmente a Itararé.[3]

Em 1928, aproveitando as obras de retificação e duplicação da Linha Tronco, o ramal passou a iniciar na estação nova de Santo Antonio (atualmente Iperó), diminuindo a extensão do trecho em 23 km.

Por conta de sua ligação com o sul do país, o ramal sempre teve grande importância ao estado. Em 1951, a linha foi eletrificada até Morro do Alto (Itapetininga) e em 1960, até Itapetininga, mas não passou daí.[4]

Em 1973, foi construído pela FEPASA, a partir de Itapeva, um ramal para Apiaí, e dele um outro para Pinhalzinho, na divisa com o estado do Paraná, onde os trilhos se encontravam com a nova linha do Tronco Principal Sul da RFFSA, que vinha da região de Curitiba.

Em 1978, o tráfego de passageiros no ramal foi extinto. O trecho a partir de Itapeva acabou desativado depois que o trecho paranaense até Jaguariaíva foi suprimido, nos anos 90. O trecho entre Itapeva e Itararé teve os trilhos arrancados em 2001.

Em 22/12/1997, o trem de passageiros, voltou a funcionar, desta vez entre Sorocaba e Apiaí. O trem, com algumas interrupções, funcionou até fevereiro de 2001.

Operação[editar | editar código-fonte]

O ramal era parte da a concessão da Malha Paulista, feita pela RFFSA em 1998, porém foi passado para a Malha Sul pela Brasil Ferrovias S/A em 2002. Atualmente é operado pela Rumo Logística como um "prolongamento" do Tronco Principal Sul até a Malha Paulista, transportando principalmente combustíveis para a Região Sul do país.

Referências

  1. http://vfco.brazilia.jor.br/Legislacao-Ferrovias/1973-ferrovias-incluidas.shtml
  2. «Trem do Ramal de Itararé -- Trens de passageiros do Brasil». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 5 de junho de 2018 
  3. «Itararé -- Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 5 de junho de 2018 
  4. «Ramal de Itararé | Estações ferroviárias em 1960». vfco.brazilia.jor.br. Consultado em 5 de junho de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.