Ramal do Seixal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ramal do Seixal
Antiga plataforma de via do Ramal do Seixal, em 2008.
Antiga plataforma de via do Ramal do Seixal, em 2008.
Bitola: Bitola larga
00
Continuation backward
L.ª SintraSintra
Unknown route-map component "KBHFxe"
Lisboa-Rossio
Unknown route-map component "exLSTR"
Unknown route-map component "KBHFa grey" + Unknown route-map component "lINT"
(Lisboa - Cais do Sodré)
Transverse water Unknown route-map component "exWBRÜCKE"
Transverse water + Unknown route-map component "STR grey" + Pier
ponte (proj. abd.) × R. Tejo
Unknown route-map component "exCPICla" Unknown route-map component "uCPICma" Unknown route-map component "exCPICm"
Left side end station of cross-platform interchange + Unknown route-map component "KBHFe grey" + Unknown route-map component "lINT"
Cacilhas
Unknown route-map component "exCONTf" Urban straight track Unknown route-map component "exSTR"
L.ª Cap.ªCaparica (proj. abd.)
Unknown route-map component "uCONTgq" Unknown route-map component "uSTRr" Unknown route-map component "exSTR"
MSTUniv. (Monte da Caparica)
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "exABZgr"
L.ª OceanoSetúbal (proj. abd.)
Unknown route-map component "exHST"
Alfeite
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "exABZgr"
Lª SulPinhal Novo (proj. abd.)
Transverse water Unknown route-map component "exWBRÜCKE" Transverse water
ponte (dem.) × R. Judeu
Unknown route-map component "exLSTR"
(proj. abd.)
Unknown route-map component "exKBHFa"
4,4 Seixal
Unknown route-map component "exBHF"
4,4 Seixal
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "exABZg+r"
→ Siderurgia Nacional (proj. abd.)
Unknown route-map component "exHST"
3 0 Azinheira
Transverse water Unknown route-map component "exWBRÜCKE" Transverse water
× R. Coina
Unknown route-map component "exSTR" Head station
(Lisboa - Sul e Sueste)
Unknown route-map component "exSTR" Train travel on the ship
(Soflusa × Rio Tejo)
Unknown route-map component "exSTR" Head station
00 (Barreiro)
Unknown route-map component "exSTR" Station on track
00 (Barreiro)
Unknown route-map component "exHST" Unknown route-map component "LSTR"
1,9 Terrapleno
Unknown route-map component "exENDEa" Unknown route-map component "exHST" Unknown route-map component "LSTR"
Unknown route-map component "exCONTgq"
Unknown route-map component "exSTRr" + Unknown route-map component "exKRWl"
Unknown route-map component "exKRWg+r" Unknown route-map component "LSTR"
R. part. Shell
Unknown route-map component "exKMW" Unknown route-map component "LSTR"
0,0
2 0
(mud. PK)
Unknown route-map component "exKRWgl" Unknown route-map component "eKRWg+r"
2,0 novo traçado (desde 1941.04[1])
Unknown route-map component "exSTR"
Unknown route-map component "exBHF" + Stop on track
1,3 Barreiro-A
Unknown route-map component "exBST" Unknown route-map component "kSTR3"
0,8 Barreiro-Terra
Unknown route-map component "STR+l" Station on transverse track Unknown route-map component "eABZqr" One way rightward
0,0 Lavradio
Unknown route-map component "STR+l" Station on transverse track
Unknown route-map component "exSTRr" + Unknown route-map component "kSTRr+1"
Unknown route-map component "kSTRc4"
0,0 Lavradio ant. traç. (até 1973[1])
Continuation forward
00 L.ª Alentejo
Continuation forward

O Ramal do Seixal é um troço ferroviário desactivado, que ligava as estações do Seixal e do Barreiro, em Portugal. Este troço foi inaugurado em 29 de Julho de 1923[2] e encerrado em 1969.[3] Foi a única parte concluída do projecto do Ramal de Cacilhas, que planeava a ligação entre o Barreiro e Cacilhas, onde seria construído uma estação intermodal, que servisse os transportes ferroviário e fluvial, de forma semelhante à do Barreiro. Subsistem as estações e partes do leito de via e de uma ponte, no troço entre o Barreiro e o Seixal. A via férrea não foi além do Seixal por motivos técnicos e económicos.[4]

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Material circulante[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, o material circulante utilizado era constituído por composições, normalmente mistas, de carruagens e de vagões traccionados por locomotivas a vapor, e por automotoras a vapor Borsig.[5] Mais tarde, passaram a circular as automotoras da Série 0100, de tracção a gasóleo.[5]

No Ramal também circularam as locotractoras da Série 1150, que rebocavam comboios de passageiros entre Barreiro-A e Seixal.[6]

Ponte do Seixal[editar | editar código-fonte]

A principal infra-estrutura deste ramal foi a Ponte Ferroviária do Seixal, que transportava a via férrea sobre o Rio Coina, com um tabuleiro levadiço.[7]

Estação do Barreiro, nos finais do Século XIX.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A estação do Barreiro entrou ao serviço em 15 de Junho de 1857, como terminal da futura rede ferroviária no Sul do país e ligação aos serviços fluviais com Lisboa[8], tendo sido posteriormente mudada para um local mais próximo do cais.[9] Ainda no Século XIX, reconheceu-se que o facto das ligações entre a capital e a rede do Sul e Sueste dependerem do uso de embarcações era pouco eficiente; por outro lado, a estação do Barreiro não tinha condições suficientes para acudir de forma eficiente ao movimento de passageiros e mercadorias, e sofria de várias deficiências nas suas infra-estruturas e nos seus serviços.[10]

Assim, começou-se a planear a construção de uma ponte ferroviária entre as duas margens do Rio Tejo.[11] A primeira proposta foi apresentada pelo engenheiro Miguel Pais, cuja ponte iria ligar o Montijo e os Grilos, unindo a Linha do Alentejo à Linha do Norte.[12] Posteriormente, os engenheiros Bartissol, Théophile Seyrig e Proença Vieira fizeram uma proposta semelhante, mas com a ponte a iniciar-se em Cacilhas.[12] Esta proposta foi recusada devido a vários motivos, incluindo a defesa do porto e a natureza sísmica da zona, tendo estudos ulteriores voltado a considerar o Montijo como ponto Sul da ponte.[12] Este projecto nunca chegou a ser concretizado devido aos custos proibitivos.[13] Em 1904, foi construída a Linha de Vendas Novas[14], que cruzava o Rio Tejo pela Ponte Rainha D. Amélia, junto a Santarém.[13] Embora este caminho de ferro ligasse as Linhas do Norte e do Alentejo, situava-se demasiado longe de Lisboa, além que não estava preparada para o excesso de tráfego que a ligação entre as duas margens iria acarretar.[13]

Mapa do Plano Geral da Rede Ferroviária ao Sul do Tejo, decretado em 1902. Um dos troços planeados é o ramal entre o Barreiro e Cacilhas.

Discussão e planeamento[editar | editar código-fonte]

Devido à falta de soluções alternativas, decidiu-se que a melhor forma de facilitar as ligações entre as duas margens era através de um novo terminal ferroviário e fluvial, situado em Cacilhas.[11] Este terminal permitiria um transporte rápido até à capital a qualquer altura do dia ou da noite[13], e iria resolver vários problemas de comunicação entre as margens do Rio Tejo, que estavam a provocar a desertificação na Margem Sul.[15] Já a pensar na ligação ferroviária a Cacilhas, a Parçaria dos Vapores Lisbonenses, empresa responsável pelo transporte fluvial, encomendou entre 1902 e 1903 barcos capazes de transportar composições ferroviárias e outros veículos.[15]

A construção de um troço entre o Barreiro e Cacilhas foi inicialmente estudada em 1890 pelo engenheiro Manuel F. da Costa Serrão.[16] Na sessão dos deputados de 18 de Janeiro de 1897, Costa Pinto interrogou o governo sobre este projecto, tendo o ministro das Obras Públicas respondido que os estudos já feitos revelaram que aquele troço teria cerca de 40 Km, e que seria orçado em 900 contos de réis.[17] Revelou igualmente que já tinha consultado o Conselho Superior de Obras Públicas, que aconselhou a realização de novos estudos para um novo traçado, de forma a reduzir os custos por quilómetro, uma vez que tal despesa era considerada muito elevada, especialmente considerando as condições precárias em que se encontravam as finanças nacionais, além que o ramal não era prioritário.[17] O governo concordou com o parecer do Conselho Superior, tendo ordenado a realização de estudos para um novo traçado, que nessa altura ainda estavam a decorrer.[17] Em meados desse ano, o ministro da Fazenda apresentou uma proposta para o arrendamento das redes ferroviárias do estado, onde deveria ser posta em concurso a construção e exploração de vários troços.[18] No caso da rede do Sul e Sueste, um dos ramais cuja construção deveria ser posta em concurso era o Barreiro ou das proximidades até Cacilhas, devendo o custo quilométrico ser inferior a 25:000$000.[18] Ainda se chegou a dar uma concessão para a construção deste troço, mas esta foi anulada pouco tempo depois.[11]

Este troço foi inserido, com o nome de Ramal de Cacilhas, no Plano da Rede ao Sul do Tejo, documento apresentado em 15 de Maio de 1899.[16] Era considerado de grande importância devido aos elevados tráfego e rendimento previstos[16], e por permitir uma ligação directa entre Lisboa e a Linha do Sado, que iria abranger a localidade de Setúbal e a zona do Vale do Rio Sado.[16][19] (actualmente, o antigo troço desta linha faz parte da Linha do Sul). Uma lei de 14 de Julho desse ano classificou a linha de Cacilhas como um das prioritárias a construir com os recursos do Fundo Especial de Caminhos de Ferro, decisão que foi novamente confirmada por um decreto de 27 de Novembro de 1902.[11][10] Em 1 de Julho de 1901, foi publicada uma portaria que autorizou o conselho de administração dos Caminhos de Ferro do Estado a iniciar a construção do primeiro lanço do Ramal de Cacilhas, entre a Estação do Barreiro e a margem direita da Ribeira de Coina[20], tendo o concurso já sido aberto em Setembro.[21]

Inauguração do Ramal do Seixal.

Construção e inauguração[editar | editar código-fonte]

Em 11 de Outubro de 1901, iniciaram-se as obras de construção do ramal para Cacilhas.[11]

Em Abril de 1902, durante uma reunião do Conselho de Administração das Obras Públicas, o ministro das Obras Públicas, Manuel Francisco Vargas, conferenciou sobre a construção de várias ligações ferroviárias, incluindo o Ramal de Cacilhas.[22] Um decreto publicado a 19 de Junho do mesmo ano determinou que os estudos e construção da rede complementar fossem divididos em 2 secções, sendo a primeira responsável pelo planeamento e construção de uma ligação ferroviária entre Barreiro e Cacilhas.[23] Ainda neste ano, também se procedeu à abertura da concessão para a construção da ligação entre o Pinhal Novo e Cacilhas; isto incitou o início de obras de expansão e de remodelação na Estação do Barreiro, de modo a minimizar os efeitos da prevista redução do tráfego.[16]

O primeiro projecto para este troço, da autoria do engenheiro Serrão, foi apresentado ainda em 1902[16][24], tendo os projectos respectivos aos segundo e terceiro lanços sido elaborados em 31 de Dezembro do mesmo ano.[25] Estes planos foram bastante complicados de elaborar, devido ao facto do trajecto atravessar dois esteiros em condições difíceis, e pela estação de Cacilhas ter de possibilitar um transbordo rápido e económico de passageiros e mercadorias, especialmente minérios, entre os transportes fluvial e ferroviário; por outro lado, o projecto também teria de manter as servidões de pesca locais, de forma a manter boas relações com as populações nas margens.[13] Com efeito, os esteiros a atravessar eram utilizados como ancoradouro para as embarcações da pesca do bacalhau, pelo que a navegabilidade teria de ser assegurada na construção das pontes.[26] O terminal em Cacilhas seria constituído por vários cais de embarque e desembarque abrigados para barcos de pequeno e grande calados de grande capacidade, um embarcadouro especial para minérios, terraplenos para mercadorias, várias vias para manobras, uma estação, e um canal para a Cova da Piedade.[13] O trajecto incluía igualmente uma paragem em Alfeite.[27]

Em Fevereiro de 1903, foi apresentado, ao Conselho Superior de Obras Públicas, o projecto do engenheiro Serrão para os segundo e terceiro lanços da ligação a Cacilhas.[28], tendo sido aprovado em Junho.[29] Na festa que marcou o início dos trabalhos na Linha do Sado, em Abril desse ano, o engenheiro José Fernando de Sousa sublinhou a necessidade de terminar a construção do Ramal de Cacilhas.[30] O autor foi louvado pela sua eficiência na elaboração do projecto, segundo um comunicado do governo de 1 de Julho.[31] A 11 de Julho, um comunicado oficial do Paço aprovou os planos para os segundo e terceiro troços do Ramal de Cacilhas, embora tenha apontado algumas alterações, especialmente em termos de prazos e orçamentos.[25] Um comunicado do Conselho de Administração da companhia dos Caminhos de Ferro do Estado, datado de 21 de Outubro, previu que o concurso para a construção do ramal fosse aberto brevemente, e destinou a quantia de 60.000 réis para este projecto.[32]

Entretanto, em 1904 abriu a Linha de Vendas Novas[33], que criou concorrência ao troço entre o Barreiro e Vendas Novas; por este e outros motivos, deu-se um novo impulso ao desenvolvimento dos caminhos de ferro na Margem Sul, incluindo a continuação da via férrea até Cacilhas.[11] Assim, uma portaria de 6 de Novembro de 1909 ordenou a abertura do concurso para a empreitada deste troço.[11]

Em meados de 1912, foi realizado um empréstimo de 2.400 contos para a conclusão das linhas do Sado e de Cacilhas.[34] Em 1 de Setembro de 1914, já estava a ser montado o último tramo da ponte ferroviária, e em Dezembro desse ano estava concluída a linha até ao Seixal.[35] Em Novembro de 1917, já estavam concluídas as estações do Seixal e do Barreiro-Terra.[35]

A Lei 675, de 11 de Abril de 1917, autorizou o governo a conceder à companhia dos Caminhos de Ferro do Estado um suprimento de 400.000 escudos para a continuação das obras de construção de várias linhas, incluindo o Ramal de Cacilhas.[36] O financiamento para as obras também foi assegurado pela lei 731, de 5 de Julho do mesmo ano.[11]

Em 31 de Agosto de 1918, um decreto do Secretário de Estado do Comércio, Joaquim Mendes do Amaral, ressalva a importância da conclusão das linhas assinaladas na lei de 1917, de modo a reduzir os efeitos da crise económica que o país atravessava, e evitar os prejuízos decorrentes da paralisação destes projectos.[37]

A 1 de Julho de 1923, o troço entre o Seixal e o Barreiro foi considerado pronto a ser inaugurado, após a Administração das Estradas e Turismo ter efectuado uma vistoria.[37] Em 29 de Julho de 1923, este troço foi inaugurado e aberto à exploração pública, com serviços entre o Lavradio e Seixal.[38][2]

Transição para a CP[editar | editar código-fonte]

Em 11 de Abril de 1927, os Caminhos de Ferro do Estado foram integrados na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[39]

Ponte rodoviária da EN253, junto a Alcácer do Sal.

Cancelamento do troço até Cacilhas[editar | editar código-fonte]

Pouco tempo após a inauguração, e tendo-se já iniciado a construção de uma ponte sobre o Rio Judeu, as obras cessaram quando chegaram a Alfeite, devido ao facto do terreno naquela zona não ser suficientemente estável para assentar a via.[37] No ano seguinte, tiveram lugar várias reuniões, assistidas pelas Comissões Administrativas de Seixal e de Almada e a Câmara Municipal de Almada, entre outras entidades, no sentido de terminar a ligação ferroviária até Cacilhas; resolveram dirigir-se ao Ministro do Comércio e Comunicações, que prometeu ocupar-se daquele assunto.[37][40]

Em Novembro de 1932, o troço foi visitado por uma comissão oficial, tendo-se discutido o facto da linha nunca poder ser construída devido à construção do Arsenal do Alfeite e os problemas que a conclusão da travessia sobre o Rio Judeu iria trazer para a navegação fluvial; o ministro das Obras Públicas e Comunicações, Duarte Pacheco, ao verificar o estado de degradação em que se encontravam as pontes, tendo decidido que os tabuleiros da ponte sobre o Rio Judeu deveriam ser aproveitados na construção da ponte rodoviária da Estrada Nacional 253 sobre o Rio Sado, junto a Alcácer do Sal[37][41], que foi inaugurada em 1945.[42]

Um diploma do Ministério das Comunicações, publicado no Diário do Governo n.º 9, II Série, de 12 de Janeiro de 1949, determinou que fosse nomeada uma comissão para estudar os problemas que existiam em prolongar a linha desde o Seixal até Cacilhas.[43] O facto do ramal não ter passado do Seixal foi criticado pelo jornalista Carlos Manitto Torres num artigo de 1958 na Gazeta dos Caminhos de Ferro, onde afirmou que, caso a via férrea tivesse alcançado Cacilhas, teria sido de grande importância do ponto de vista económico, social, militar e turístico.[11]

Cais de Cacilhas em 1950.

Declínio e encerramento[editar | editar código-fonte]

Desde o início da exploração, o rendimento deste troço foi posto em causa, devido a horários desadequados e à concorrência do transporte fluvial, que provocavam um baixo volume no transporte de passageiros e de mercadorias[5]; os principais produtos transportados, nos regimes de Grande e Pequena Velocidades, eram muito variados, destacando-se os produtos agrícolas e florestais, e os géneros alimentícios.[5]

Em 30 de Maio de 1933, os serviços de passageiros no Ramal do Seixal passam a ser efectuados por via rodoviária, permanecendo apenas 2 comboios de mercadorias diários.[44] Nesse ano, a Comissão Administrativa do Fundo Especial de Caminhos de Ferro autorizou que fossem construídos dois muros de revestimento, para reforço do aterro na linha.[45]

Em 1936, foi consertado o troço móvel da ponte do Seixal, que tinha caído ao rio.[46] No Relatório e Contas da gerência do Fundo Especial de Caminhos de Ferro de 1938, ainda se registou a despesa de 1.115$15 na construção do troço entre Seixal e Cacilhas.[47] Em 20 de Junho de 1940, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses modificou todos os horários dos comboios no Ramal de Cacilhas, que passaram a ter todos início em Barreiro-A.[48]

Em finais de 1968, começaram a surgir os primeiros sinais acerca do encerramento do Ramal do Seixal, devido à situação deficitária da sua exploração, e ao facto da ponte sobre o Rio Coina se ter tornado um obstáculo aos barcos com origem e destino na Siderurgia Nacional, cujo cais se situava a Sul da ponte.[4] A ponte em especial envolvia grandes despesas devido à sua natureza como estrutura móvel, que aumentava os custos com exploração e manutenção.[4] Além disso, o funcionamento do complexo siderúrgico exigia um grande movimento de barcos, que só podiam passar quando a ponte estava levantada, gerando por várias vezes avarias graves à parte móvel e aos pilares da ponte.[4] A Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses propôs a construção de um ramal da Azinheira até à Siderurgia, mas este alvitre foi recusado pela administração daquele complexo industrial, devido principalmente ao facto do ramal não ser suficiente para suprir todas as necessidades da Siderurgia, continuando a ser necessário utilizar embarcações.[4] Por outro lado, já estava a ser planeada a instalação da via férrea entre Lisboa e a Margem Sul, utilizando o tabuleiro inferior da Ponte Salazar, e podia-se construir uma ligação até à Siderurgia a partir da nova linha, em melhores condições do que a partir do Ramal do Seixal.[4]

Com efeito, no mapa elaborado pelo Gabinete da Ponte Salazar, então responsável pela instalação do caminho de ferro na ponte, já estava indicada a ligação à siderurgia nacional, mas não constava o Ramal do Seixal.[4] A Companhia dos Caminhos de Ferro já tinha previsto a realização de serviços fluviais entre o Barreiro e o Seixal, que se iniciariam depois do ramal ser encerrado.[4]

O Decreto-Lei número 48.939, de 27 de Março de 1969, desclassificou o Ramal do Seixal[3], e o tráfego foi suspenso após a Ponte ferroviária do Seixal, sobre a foz do Rio Coina, ter sido danificada numa colisão com o navio Alger, a 18 de Setembro do mesmo ano.[49]

Ligação projectada a Sesimbra e à Caparica[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Linha Tejo - Oceano - Sado

Durante o mandato de António Cardoso Avelino na Pasta das Obras Públicas, no Século XIX, foi proposta uma linha de Cacilhas a Sesimbra[50], projecto que ainda chegou a ser expandido para Setúbal, mas que foi cancelado em 1937.[51]

Em 1933, o Ministério das Obras Públicas e das Comunicações abriu um concurso para a construção de uma linha entre Cacilhas e a Costa da Caparica.[52]

Em 1892, foi pedida autorização para construir uma linha do tipo americano entre Cacilhas e a Costa de Caparica.[53]

Actualidade e futuro[editar | editar código-fonte]

Está projectado o prolongamento da rede do Metro Sul do Tejo até ao Lavradio (e eventualmente à Moita), passando por Fogueteiro e Barreiro, e utilizando no troço Seixal-Barreiro o traçado do Ramal do Seixal; o seu eventual prolongamento à Caparica a partir da actual término “Universidade” é essencialmente idêntico à Linha Cacilhas-Caparica projectada na década de 1930.[52]

Em 2002, o antigo edifício da estação do Seixal estava ocupado pela Cruz Vermelha Portuguesa.[54]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Quail’s map fragment
  2. a b NONO, Carlos (1 de Julho de 1948). «Efemérides ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 60 (1453). p. 362-363. Consultado em 11 de Janeiro de 2017 
  3. a b MARTINS et al, 1996:271
  4. a b c d e f g h «O Ramal do Seixal está condenado» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 81 (1932). 16 de Dezembro de 1968. p. 171. Consultado em 8 de Janeiro de 2017 
  5. a b c d FERREIRA, Isabel da Conceição Dias (4 de Janeiro de 2005). «Exploração da via Barreiro—Seixal». Barreiroweb. Consultado em 7 de Maio de 2010 
  6. REIS et al, 2006:136
  7. REIS et al, 2006:69
  8. SANTOS, 1995:108
  9. SOUSA, José Fernando de (16 de Setembro de 1934). «A transformação das oficinas gerais dos C. F. E., no Barreiro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1122). p. 465-467. Consultado em 12 de Janeiro de 2017 
  10. a b «Parte Official» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (360). 16 de Dezembro de 1902. p. 381-384. Consultado em 10 de Março de 2012 
  11. a b c d e f g h i TORRES, Carlos Manitto (1 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1683). p. 75-78. Consultado em 12 de Janeiro de 2017 
  12. a b c SOUSA, José Fernando de (1 de Abril de 1934). «A Ponte sobre o Tejo» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1111). p. 190. Consultado em 12 de Janeiro de 2017 
  13. a b c d e f SOUSA, José Fernando de (1 de Julho de 1903). «O prolongamento do Barreiro a Cacilhas» (PDF). Gazeta das Caminhos de Ferro. 16 (373). p. 219-221. Consultado em 10 de Março de 2012 
  14. REIS et al, 2006:12
  15. a b «Navegação no Tejo» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (368). 16 de Abril de 1903. p. 118-119. Consultado em 10 de Março de 2012 
  16. a b c d e f SOUSA, José Fernando de (16 de Dezembro de 1902). «O serviço Fluvial do Sul e Sueste» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (360). p. 379-381. Consultado em 10 de Março de 2012 
  17. a b c «Há Quarenta Anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 49 (1179). 1 de Fevereiro de 1937. p. 88-89. Consultado em 10 de Janeiro de 2017 
  18. a b «Há Quarenta Anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 49 (1190). 16 de Julho de 1937. p. 367-368. Consultado em 12 de Janeiro de 2017 
  19. VARGAS, Manuel Francisco de (16 de Outubro de 1903). «A linha do Sado» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (380). p. 345-346. Consultado em 10 de Março de 2012 
  20. MARTINS et al, 1996:251
  21. «Efemérides» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1227). 1 de Fevereiro de 1939. p. 111-114. Consultado em 11 de Janeiro de 2017 
  22. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (344). 16 de Abril de 1902. p. 124. Consultado em 10 de Março de 2012 
  23. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (349). 1 de Julho de 1902. p. 202-203. Consultado em 10 de Março de 2012 
  24. SOUSA, José Fernando de (1 de Dezembro de 1902). «A rêde ferro-viaria ao Sul do Tejo» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (359). p. 354-356. Consultado em 10 de Março de 2012 
  25. a b «Parte Official» (PDF). Gazeta das Caminhos de Ferro. 16 (374). 16 de Julho de 1903. p. 237-340. Consultado em 10 de Março de 2012 
  26. SOUSA, José Fernando de (16 de Julho de 1903). «O prolongamento do Barreiro a Cacilhas» (PDF). Gazeta das Caminhos de Ferro. 16 (374). p. 236-237. Consultado em 10 de Março de 2012 
  27. FERREIRA, Isabel da Conceição Dias (4 de Janeiro de 2005). «Abordagem à História do Ramal Barreiro - Seixal». Barreiroweb. Consultado em 8 de Janeiro de 2017. Arquivado do original em 29 de Outubro de 2013 
  28. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (365). 1 de Março de 1903. p. 74-75. Consultado em 10 de Março de 2012 
  29. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (372). 16 de Junho de 1903. p. 212. Consultado em 10 de Março de 2012 
  30. «Linha do Valle do Sado» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (369). 1 de Maio de 1903. p. 147-148. Consultado em 10 de Março de 2012 
  31. «Parte Official» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (378). 16 de Setembro de 1903. p. 313-315. Consultado em 10 de Março de 2012 
  32. «Parte Official» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (381). 1 de Novembro de 1903. p. 362-364. Consultado em 10 de Março de 2012 
  33. CUSTÓDIO e MATA, 2010:10
  34. «Efemérides» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1230). 16 de Março de 1939. p. 177-179. Consultado em 11 de Janeiro de 2017 
  35. a b «Efemérides» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1231). 1 de Abril de 1939. p. 202-204. Consultado em 11 de Janeiro de 2017 
  36. MARTINS et al, 1996:253-254
  37. a b c d e FERREIRA, Isabel da Conceição Dias (4 de Janeiro de 2005). «A construção do ramal Barreiro — Cacilhas e a inauguração do troço Barreiro — Seixal». Barreiroweb. Consultado em 8 de Janeiro de 2017. Arquivado do original em 25 de Maio de 2016 
  38. MARTINS et al, 1996:255
  39. BARRETO e MÓNICA, 1999:223
  40. «Linhas Portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 39 (931). 1 de Outubro de 1926. p. 304. Consultado em 2 de Maio de 2010 
  41. «Linhas Portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 45 (1077). 1 de Novembro de 1932. p. 512. Consultado em 2 de Maio de 2010 
  42. PEREIRA, Alberto (19 de Junho de 2006). «As pontes de Alcácer do Sal». Setúbal na Rede. Consultado em 7 de Maio de 2010 
  43. «Parte Oficial» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 61 (1470). 16 de Março de 1949. p. 224-227. Consultado em 17 de Dezembro de 2016 
  44. MARTINS et al, 1996:259
  45. «Caminhos de Ferro: Direcção geral de Melhoramentos nas Linhas do Estado» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1089). 1 de Maio de 1933. p. 277. Consultado em 2 de Maio de 2010 
  46. «O que se fez em Caminhos de Ferro durante o ano de 1936» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 49 (1179). 1 de Fevereiro de 1937. p. 86-87. Consultado em 10 de Janeiro de 2017 
  47. SOUSA, José Fernando de (16 de Setembro de 1939). «O Fundo Especial de Caminhos de Ferro: Relatório de 1938» (PDF). 51 (1242). p. 425-427. Consultado em 11 de Janeiro de 2017 
  48. «Viagens e Transportes» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 52 (1261). 1 de Julho de 1940. p. 497. Consultado em 2 de Janeiro de 2017 
  49. FERREIRA, Isabel da Conceição Dias (4 de Janeiro de 2005). «Encerramento do ramal». Barreiroweb. Consultado em 7 de Maio de 2010 
  50. SERRÃO, 1986:238
  51. «Caminhos de Ferro Portugueses» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 49 (1190). 16 de Julho de 1937. p. 351. Consultado em 10 de Janeiro de 2017 
  52. a b «Linhas Portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1101). 1 de Novembro de 1933. p. 588. Consultado em 2 de Maio de 2010 
  53. «Efemérides 1888 - 1938» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1225). 1 de Janeiro de 1939. p. 43-48. Consultado em 10 de Janeiro de 2017 
  54. ZÚQUETE, Pedro (Novembro de 2002). «A Linha do Vouga» (PDF). Ejssoft. p. 8. Consultado em 7 de Maio de 2010 [ligação inativa] 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Ramal do Seixal

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, António; MÓNICA, Maria Filomena (1999). Dicionário de História de Portugal: Suplemento A/E. Volume 7 de 9 1.ª ed. Lisboa: Livraria Figueirinhas. 714 páginas. ISBN 972-661-159-8 
  • CUSTÓDIO, Jorge; MATA, Luís (2010). Santarém: Roteiros Republicanos. Col: Roteiros Republicanos. Matosinhos: Quidnovi, Edição e Conteúdos, S. A. e Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República. 128 páginas. ISBN 978-989-554-734-0 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 
  • SANTOS, Luís (1995). Os Acessos a Faro e aos Concelhos Limítrofes na Segunda Metade do Séc. XIX. Faro: Câmara Municipal de Faro. 213 páginas 
  • SERRÃO, Joaquim Veríssimo (1986). História de Portugal: O Terceiro Liberalismo (1851-1890). Volume 9 de 19. Lisboa: Verbo. 423 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]