Raposa-de-bengala

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaRaposa-de-bengala
Black tailed fox (Bengal Fox) at Desert NP (cropped).jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Canidae
Género: Vulpes
Espécie: V. bengalensis
Distribuição geográfica
Vulpes-bengalensis-map.png

A raposa-de-bengala (Vulpes bengalensis) é uma espécie de raposa endêmica ao subcontinente indiano, do sopé do Himalaia e Terai do Nepal ao sul da Índia,[2] e do sul e leste do Paquistão ao leste da Índia e sudeste de Bangladesh.[3][4][5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Ilustração de um crânio de raposa-de-bengala

Vulpes bengalensis é uma raposa relativamente pequena com um focinho alongado, orelhas longas e pontudas e uma cauda longa e espessa. A pelagem varia em cor de amarelo claro a cinza prateado com um efeito grisalho geral; a pelagem dorsal é principalmente acinzentada e mais pálida ventralmente. As pernas tendem a ser acastanhadas ou ruivas,[3] e as partes inferiores mais claras.[6]

A raposa-de-bengala é mais delicada do que a raposa-vermelha (V. vulpes) e pode ser facilmente reconhecida por sua cauda espessa de ponta preta, que tem cerca de 50-60% do comprimento da cabeça e do corpo.[7]

O dorso das orelhas é marrom escuro com uma margem preta, e branco no interior. As orelhas têm a mesma cor da nuca ou talvez mais escuras, mas não apresentam uma mancha escura como em V. vulpes . Seu rinário é nu e os lábios são pretos. O focinho é pontudo e pode haver uma marca escura manchada ao longo da parte superior do focinho, em frente aos olhos. Existe grande variação na cor da pelagem, mas geralmente varia de cinza a marrom claro. O comprimento da cabeça e do corpo é de 46 cm com uma cauda longa de 25 cm. Pesa em média 2,3–4,1 kg.[3]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Raposa-de-bengala em Rajkot

A raposa-de-bengala é endêmica do subcontinente indiano, desde o sopé do Himalaia e o Terai nepalense até a porção sul da Península Indiana e do sul e leste do Paquistão ao leste da Índia e sudeste de Bangladesh . No Nepal e no nordeste da Índia, ocorre até 1.500 metros de altitude. Não há registros do Afeganistão, Irã ou dos Gates Ocidentais, Índia.[1]

Favorece habitats semi-áridos, planos a ondulantes, mato e pastagem curta. Evita florestas densas, terrenos íngremes, pastagens altas e verdadeiros desertos.[3] É relativamente comum em áreas de baixa precipitação, onde a vegetação é geralmente arbustiva, espinhosa ou em florestas decíduas secas ou pastagens curtas.[1] Na península indiana, a espécie está confinada a planícies e matas abertas.[8]

Comportamento e ecologia[editar | editar código-fonte]

Raposa-de-bengala fêmea em local de toca no Pequeno Rann de Kutch
Raposa-de-bengala macho

As raposas-de-bengala são predominantemente crepusculares e noturnas; embora os indivíduos às vezes possam se tornar ativos durante os períodos frios do dia, eles normalmente passam as horas mais quentes do dia sob a vegetação ou em tocas subterrâneas. Eles usam três tipos distintos de toca: tocas básicas e compactas com duas aberturas usadas para períodos curtos de descanso, tocas complexas com várias aberturas e tocas sob rochas ou fendas nas rochas.[3] A unidade social básica da raposa-de-bengala é o casal reprodutor, formado por um par que pode durar muitos anos. Agregações maiores podem ocorrer enquanto os filhotes crescidos permanecem mais tempo do que a média na comunidade natal..[9] As raposas-de-bengala geralmente não têm medo de humanos, são fáceis de domar e podem ser encontradas perto de habitações humanas.[6]

Dieta[editar | editar código-fonte]

As raposas-de-bengala são onívoras e oportunistas, alimentando-se principalmente de insetos, pequenos mamíferos, répteis, aves pequenas e frutas.[10][11]

Sua dieta consiste principalmente de ortópteros, cupins, formigas, besouros, aranhas, roedores das espécies Millardia meltada, Mus booduga e Tatera indica, e aves das espécies Acridotheres tristis, Francolinus ponticerianus, e Eremopterix griseus. As presas menos comuns incluem lagartos terrestres, cobras da espécie Ptyas mucosa, ouriços (Paraechinus nudiventris) e lebres-indianas (Lepus nigricollis). Se alimentam de frutas de dão (Ziziphus mauritiana), nim (Azadirachta indica), manga (Mangifera indica), jamelão (Syzygium cumini) e figueira-de-bengala (Ficus benghalensis).[12] A raposa de Bengala também preda de ovos e possivelmente de filhotes de abetarda. Excrementos de filhotes indicam que eles alimentam principalmente roedores.[13]

Raposa-de-bengala

Comunicação[editar | editar código-fonte]

As raposas-de-bengala fazem uma ampla variedade de vocalizações. Uma vocalização comum é um "grito estridente" que parece ter um papel significativo no estabelecimento da territorialidade e que também pode ser usado como um chamado de alerta.[9] Eles também rosnam, choram, latem, uivam, etc.[6] As raposas-de-bengala não apresentam comportamento de latrina, uma característica observada em alguns canídeos sociais, em que todos os membros defecam em locais específicos.[11]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Filhote de 2-3 semanas em Pequeno Rann de Kutch; observe a ponta da cauda preta

Acredita-se que as raposas-de-bengala formam pares monogâmicos de longo prazo, mas esta suposição é baseada em evidências escassas.[12] Durante a estação de reprodução, os machos vocalizam intensamente durante a noite e ao anoitecer e amanhecer.[12] Durante a maior parte de sua extensão, a temporada de acasalamento ocorre de dezembro a janeiro e, após um período de gestação de cerca de 50–53 dias, dois a quatro filhotes nascem em uma toca. Ambos os pais participam da criação e proteção dos filhotes.[11] Filhotes às vezes podem ser amamentados por várias fêmeas, mas a relação entre eles é incerta.[11]

Durante o dia, eles tendem a descansar sob arbustos, exceto no verão, quando descansam em tocas. Brincadeiras entre filhotes são típicas durante os primeiros 3 meses e consistem em saltos verticais, arqueamento das costas, punhaladas dianteiras e exibições submissas; o macho adulto às vezes brinca com os jovens. No noroeste da Índia, os juvenis estão espalhados durante a temporada de monções, quando as oportunidades são abundantes.[3] Os filhotes são totalmente desmamados cerca de 3-4 meses após saírem da toca. A mortalidade dos filhotes é alta durante os primeiros meses.[14]

Ameaças[editar | editar código-fonte]

Embora a raposa-de-bengala seja comum, geralmente ocorre em baixas densidades em toda a sua área de distribuição, e as populações podem experimentar flutuações significativas devido à abundância de presas e doenças, como cinomose e raiva.[15] Quaisquer perturbações humanas podem ser toleradas, mas com o aumento das populações humanas e o aumento do crescimento das pastagens para uso agrícola e industrial, o habitat da raposa-de-Bengala está continuamente sendo reduzido. A combinação das causas acima pode causar extirpação localizada.[1]

A falta de proteção do habitat é talvez a maior ameaça para a raposa de Bengala. Por exemplo, no sul da Índia, menos de 2% do potencial habitat da raposa indiana está coberto pela rede de áreas protegidas existentes dos estados de Karnataka e Andhra Pradesh.[16] A caça por pele e carne, bem como conversão de suas pastagens habitat para a agricultura, indústria e, cada vez mais, as plantações de biocombustíveis afetaram sua densidade populacional. Além disso, suas partes corporais são utilizadas na medicina tradicional.[3]

As populações da Índia estão listadas no Apêndice III da CITES. O Indian Wildlife Conservation Act (1972 conforme emendado para 2005) proíbe a caça de todos os animais selvagens e relaciona a raposa-de-bengala no Anexo II. Não se aplica a nenhuma categoria particular na legislação de proteção da vida selvagem do Nepal. É listado como pouco preocupante na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN.[1]

Referências

  1. a b c d e Jhala, Y.V. (2016). «Vulpes bengalensis». Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas da UICN 2020 (em inglês). ISSN 2307-8235 
  2. Vanak, A.T. (2005). «Distribution and status of the Indian fox Vulpes bengalensis in southern India» (PDF). Canid News. 8 (1) 
  3. a b c d e f g Gompper, M.E.; Vanak, A.T. (2006). «Vulpes bengalensis» (PDF). Mammalian Species. 795: 1–5. doi:10.1644/795.1 publicação de acesso livre - leitura gratuita
  4. Wozencraft, W.C. (2005). Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.), ed. Mammal Species of the World 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. pp. 532–628. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  5. Mivart, St George (1890). «Dogs, jackals, wolves and foxes: A monograph of the Canidae». Londres: R H Porter: 126–131 
  6. a b c Sheldon, Jennifer W. (1992). Wild Dogs: the Natural History of the Nondomestic Canidae. San Diego: Academic Press, Inc. ISBN 0-12-639375-3 
  7. Menon, Vivek (20 Junho 2014). Indian Mammals: A Field Guide (em inglês). Gurgaon: Hachette UK. p. 506. ISBN 978-93-5009-761-8 
  8. Vanak, A.T.; Gompper, M. E. (2010). «Multiscale resource selection and spatial ecology of the Indian fox in a human-dominated dry grassland ecosystem». publicado of Zoology. 281 (2): 140–148. doi:10.1111/j.1469-7998.2010.00690.x 
  9. a b Johnsingh, A.J.T.; Jhala, Y.V. (2004). «Indian fox». In: Sillero-Zubiri, Claudio; Hoffmann, Michael; Macdonald, David W. Canids: foxes, wolves, jackals, and dogs (PDF). Gland: IUCN/SSC Canid Specialist Group. ISBN 978-2-8317-0786-0 
  10. Vanak A.T., Gompper M.E. (2009). «Dietary niche separation between sympatric free-ranging dogs and Indian foxes in central India». J. Mammal. 90 (5): 1058–1065. doi:10.1644/09-mamm-a-107.1 publicação de acesso livre - leitura gratuita
  11. a b c d Johnsingh, A.J.T. (1978). «Some aspects of the ecology and behaviour of the Indian fox Vulpes bengalensis Shaw.». J. Bombay Nat. Hist. Soc. 75: 397–405 
  12. a b c Meadors, Pamela (2007). «Vulpes bengalensis (Bengal fox)». Animal Diversity Web (em inglês). Consultado em 10 de novembro de 2020 
  13. Manakadan, R; A R Rahmani (2000). «Population and ecology of the Indian fox Vulpes bengalensis at Rollapadu wildlife sanctuary, Andhra Pradesh, India». J. Bombay Nat. Hist. Soc. 97 (1): 3–14 
  14. Vanak, A.T.; Gompper, M.E. (2007). «Effectiveness of non-invasive techniques for surveying activity and habitat use of the Bengal fox Vulpes bengalensis in southern India». Wildlife Biology. 13: 219–224. doi:10.2981/0909-6396(2007)13[219:eontfs]2.0.co;2 
  15. Belsare, A. V.; Vanak, A. T.; Gompper, M. E. (Agosto 2014). «Epidemiology of Viral Pathogens of Free-Ranging Dogs and Indian Foxes in a Human-Dominated Landscape in Central India». Transboundary and Emerging Diseases. 61: 78–86. ISSN 1865-1674. doi:10.1111/tbed.12265. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  16. Vanak, A.T.; Irfan-Ullah, M.; Peterson, T. (2008). «Gap analysis of Indian fox conservation using ecological niche modeling». publicado of the Bombay Natural History Society. 105 (1): 49–54