Raquel Dodge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Raquel Dodge
Dodge em 2017
41ª Procuradora-geral da República do Brasil
Período 18 de setembro de 2017
até a atualidade
Nomeada por Michel Temer
Antecessor(a) Rodrigo Janot
Dados pessoais
Nome completo Raquel Elias Silveira Dodge
Nascimento 26 de julho de 1961 (57 anos)
Morrinhos, Goiás
Progenitores Mãe: Ivone Elias Cândido Ferreira
Pai: José Rodrigues Silveira
Alma mater Universidade de Brasília[1]
Cônjuge Bradley Dodge
Filhos
  • Fernando
  • Sofia
Religião católica[2]

Raquel Elias Ferreira Dodge (Morrinhos, 26 de julho de 1961) é uma jurista brasileira, atual procuradora-geral da República do Brasil.[3][4]

É bacharel em direito pela Universidade de Brasília e mestre em direito pela Universidade de Harvard. Membro do Ministério Público Federal desde 1987, integrou a 3ª Câmara de Coordenação e Revisão, que trata de assuntos relacionados ao consumidor e à ordem econômica, e o Conselho Superior do Ministério Público. Foi Coordenadora da Câmara Criminal do MPF.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Morrinhos, Goiás, filha de Ivone Elias Cândido Ferreira e de José Rodrigues Ferreira, então advogado, pais de mais três filhos, outra mulher e dois homens. A família morava em frente ao Colégio Coronel Pedro Nunes, onde Raquel e seus irmãos iniciaram seus estudos, acompanhados pela tia materna, a professora Ivonete Elias Cândido.

Ainda durante a infância de Raquel, o Dr. Rodrigues Ferreira foi aprovado em concurso público para juiz de direito e mudou-se com a família para Araguacema, atualmente no estado de Tocantins, depois para Formoso, Goiás, e, por fim, Brasília, na época em que entrou para o Ministério Público Federal. Já adolescente, Raquel começou a se preparar para também seguir carreira na área jurídica.

Graduada em direito pela Universidade de Brasília, entrou para o Ministério Público Federal como procuradora da República em 1987.

Em dezembro de 1992, casou-se com Bradley Dodge, cidadão americano residente no Brasil como professor da Escola das Nações, instituição de ensino para filhos de integrantes do corpo diplomático de Brasília. O encontro entre ambos aconteceu pois Raquel, que ansiava por cursar o mestrado na conceituada Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, buscava um professor de língua inglesa. Ele lhe deu aulas com foco em termos jurídicos. Já casada e mãe de dois filhos, um casal, Dodge transferiu-se temporariamente para os Estados Unidos e obteve seu mestrado. Eduardo e Sofia, seus filhos, atualmente residem nos Estados Unidos, onde são estudantes.[5]

Atuação no Ministério Público[editar | editar código-fonte]

Raquel Dodge teve atuações quase que temáticas no órgão. Em sua maioria, processos envolvendo a defesa dos direitos humanos, principalmente casos sobre trabalhadores em situação análoga à escravidão e violações aos direitos indígenas.

Dodge integrou a operação que investigou o esquadrão da morte comandado pelo ex-coronel e ex-deputado federal Hildebrando Pascoal, na década de 1990, no Acre.

Em 2009, convidada pelo então procurador-geral Roberto Gurgel, coordenou a força-tarefa da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, responsável por investigar um esquema de corrupção que tinha, entre seus integrantes, o então governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda.[6]

Foi coordenadora da Câmara Criminal do MPF, membro da 6ª Câmara, Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão Adjunta. Atuou na equipe que redigiu o 1.º Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil, e na 1.ª e 2.ª Comissão para adaptar o Código Penal Brasileiro ao Estatuto de Roma.

Integrou a 3ª Câmara de Coordenação e Revisão, que trata de assuntos relacionados ao Consumidor e à Ordem Econômica. Foi membro do Conselho Superior do Ministério Público por três biênios consecutivos.[7]

Procuradoria-geral da República[editar | editar código-fonte]

Em 28 de junho de 2017, foi escolhida pelo presidente Michel Temer para substituir o procurador-geral da República Rodrigo Janot, a partir de lista tríplice, na qual figurava em segundo lugar, enviada pela Associação Nacional dos Procuradores da República à presidência da República, que não tem obrigação constitucional ou legal de nomear quaisquer um dos indicados.[8] Em 12 de julho de 2017, sua indicação foi aprovada pelo Senado por 74 votos a favor e 1 contra.[9] Foi nomeada oficialmente pelo presidente Temer no dia seguinte[10] e tomou posse em 18 de setembro.[4]

Em 16 de outubro de 2017, em sua primeira atuação na PGR, Dodge pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para que a Polícia Federal desse prosseguimento às investigações dos cinquenta e um milhões de reais encontrados em bunker de Geddel Vieira Lima.[11] O pedido foi aceito pelo relator da Operação Lava Jato Edson Fachin, que expediu mandados de busca e apreensão.[12] O alvo da operação foi o irmão de Geddel, o deputado federal Lúcio Vieira Lima. A PF cumpriu os mandados no gabinete do deputado, na Câmara dos Deputados.[13] Em setembro, por haver indícios do envolvimento do deputado, que tem foro privilegiado, as investigações foram remetidas ao STF.[14]

Em março de 2018 pediu a prisão do ex-assessor de Michel Temer José Yunes, do ex-ministro do Governo Dilma Wagner Rossi, do empresário Antonio Celso Grecco, e de outras pessoas na Operação Skala, autorizada pelo ministro do Supremo Luís Roberto Barroso como parte das investigações no inquérito que apura irregularidades no Decreto dos Portos.[15] No mesmo mês reiterou denúncia contra Aécio Neves por corrupção e obstrução de justiça.[16]

Em 30 de abril de 2018 denunciou o ex-presidente Lula por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.[17] Também foram denunciados a senadora Gleisi Hoffmann, o ex-ministros do governo Lula Paulo Bernardo e Antonio Palocci e o empresário Marcelo Odebrecht.[18]

Referências

  1. «Temer escolhe Raquel Dodge para ser a sucessora de Janot na PGR». Revista VEJA. 28 de Junho de 2017. Consultado em 29 de Junho de 2017. 
  2. «Dodge deve levar estilo rígido e reservado à Procuradoria». Uol. 9 de julho de 2017. Consultado em 16 de maio de 2018.. A dedicação e Dodge é refletida em seus hábitos de católica praticante 
  3. a b Macedo, Fausto; Affonso, Julia (28 de junho de 2017). «Temer escolhe Raquel Dodge, não alinhada a Janot». Estadão. Consultado em 20 de setembro de 2017. 
  4. a b Ramalho, Renan; Mazui, Guilherme (18 de setembro de 2017). «Raquel Dodge toma posse no cargo de procuradora-geral da República». G1. Consultado em 20 de setembro de 2017. 
  5. Prateado, Helmiton (30 de junho de 2017). «O Brasil cresce em Goiás». Diáro da Manhã. Consultado em 20 de setembro de 2017.. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2017 
  6. Ragazzi, Lucas (3 de julho de 2017). «A dona do futuro da Lava Jato». O Tempo. Consultado em 18 de julho de 2017. 
  7. «Raquel Dodge é indicada para o cargo de procuradora-geral da República». Ministério Público Federal. 28 de junho de 2017. Consultado em 18 de setembro de 2017. 
  8. Calgaro, Fernanda (28 de junho de 2017). «Temer escolhe Raquel Dodge para suceder Janot no comando da PGR». G1. Consultado em 20 de setembro de 2017. 
  9. «Senado aprova indicação de Raquel Dodge para procuradora-geral da República». G1. 12 de julho de 2017. Consultado em 12 de julho de 2017. 
  10. Uribe, Gustavo (13 de julho de 2017). «Temer nomeia Raquel Dodge para substituir Janot na PGR». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de julho de 2017. 
  11. Bela Megale (16 de outubro de 2017). «PF achou digitais de assessor de irmão de Geddel em 'bunker' com R$ 51 milhões». O Globo. Globo.com. Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  12. Camlia Bomfim e Gabriel Luiz. «PF cumpre mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel». G1. Globo.com 
  13. «PF cumpre mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel». G1. Globo.com 
  14. «Irmão de Geddel, deputado Lúcio Vieira Lima é alvo de operação da PF». Último Segundo. iG. 16 de outubro de 2017. Consultado em 16 de outubro de 2017. 
  15. Breno Pires. «Barroso mandou prender 13 na Operação Skala, que pega amigos do presidente». Consultado em 29 de março de 2018. 
  16. «Dodge reitera ao STF denúncia contra Aécio por corrupção e obstrução de Justiça; senador nega ato ilícito». G1. Globo.com. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  17. Rafael Moraes Moura e Luiz Vassalo (30 de abril de 2018). «Raquel denuncia Lula, Gleisi e Palocci por US$ 40 mi da Odebrecht». Estadão. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  18. «PGR apresenta ao Supremo nova denúncia contra Lula, Gleisi, Paulo Bernardo e Marcelo Odebrecht». G1. Globo.com. 30 de abril de 2018. Consultado em 1 de maio de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Rodrigo Janot
Procurador-geral da República do Brasil
2017 – atual
Sucedido por
-