Raul Lino da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Raul Lino
Nome completo Raul Lino da Silva
Nascimento 21 de novembro de 1879
Lisboa
Morte 13 de julho de 1974 (94 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal portuguesa
Ocupação arquitecto
Prémios Prémio Valmor e Municipal de Arquitectura 1930

Prémio José de Figueiredo 1948

Casa dos Patudos, construída em 1905
Casa da Quinta da Comenda, construída em 1903

Raul Lino da Silva melhor conhecido como Raul Lino ComC (Lisboa, 21 de Novembro de 1879Lisboa, 13 de Julho de 1974), foi um arquiteto português.[1]

Foi uma personalidade única no que se refere ao panorama das artes em Portugal, muito devido ao facto de ter conseguido articular a tradição portuguesa com as inovadores correntes europeias do início do séc. XX. [2]Com 70 anos de atividade profissional, Lino é autor de mais de 700 obras. Também é importante referir que apesar do seu leque de projetos, ele também foi um homem com uma vasta obra teórica ou escrita, o que se tornou muito determinante, para os seus seguidores aos longo de décadas em Portugal.[3]

A vida[editar | editar código-fonte]

Raul Lino fez os seus estudos na Grã-Bretanha e Irlanda, para onde se deslocou com 10 anos de idade, e depois de 1893 na Alemanha, onde trabalhou no atelier de Albrecht Haupt [1], com quem manteve uma amizade duradoura.

O encontro e a amizade que manteve com o arquiteto alemão foi um dos pontos marcantes da sua formação estética, arquitectónica e da concepção do cultural. Haupt era apaixonado pela arquitectura do renascimento e levou a cabo várias viagens de estudo na Itália, Espanha e Portugal, procurando o contacto directo com as obras, por mais recônditas que estivessem, desenhando-as e documentando-se abundantemente. Uma concepção da cultura como elemento vivo, que se pode experimentar no terreno e participar dela.

Raul Lino regressou a Portugal em 1897, onde continuou os seus estudos. Desempenhou cargos no Ministério das Obras Públicas e foi Superintendente dos Palácios Nacionais. Foi membro fundador da Academia Nacional de Belas Artes, sendo seu presidente no momento da sua morte. No setor da imprensa, foi colaborador artístico em diversas publicações periódicas, nomeadamente nas revistas: Atlantida[4] (1915-1920), Ilustração [5] (1926-) e na Revista Municipal de Lisboa [6] (1939-1973).

Ao longo dos seus 70 anos de artista e arquitecto, defendeu a tradição na concepção das formas, afirmando que a arte e a arquitectura são elas também um produto do homem e para os homens, com história, genealogia, características e funcionalidades próprias do espaço e do tempo em que se inserem e da comunidade para que são produzidas. É, assim, um defensor da tradição versus modernismo ou um modernista da tradição.

A 4 de Março de 1941 foi feito Comendador da Ordem Militar de Cristo.[7]

No fundo podemos considerar Lino como um arquiteto de um paradigma consistente e inovador. Criando espaços voltados e organizados para pátios interiores, onde existe a criação de sombras e espaços de transição, em que valoriza os alpendres, uma pouco numa perspetiva anti-urbana. Designada romanticamente por Raul Lino como espírito do lugar, muito ao jeito de Frank Lloyd Wright (1876-1959), a sua arquitetura valorizava a articulação com a paisagem, segundo uma composição orgânica, sábia e intuitiva, com gosto pelo uso de materiais tradicionais, que apesar de terem um carácter decorativo são essencialmente funcionais, de acordo com os modos tradicionais do Arts and Crafts. Vai elaborar projetos a partir da planta, com uma interpretação das necessidades dos seus utilizadores com uma cuidado de quem entende a casa como um espaço de vivencia tanto individual como coletivo. Com uma aspiração de projetar uma obra de arte total, na qual vai envolver o seu mobiliário e o desenho do jardim.[8]


A Obra[editar | editar código-fonte]

Ao longo da sua vida, projectou mais de 700 obras, tais como a Casa dos Patudos, em Alpiarça, para José Relvas (1904), a Casa do Cipreste, em Sintra (1912), o Cinema Tivoli, em Lisboa, (1925), o Pavilhão do Brasil na Exposição do Mundo Português de 1940.

Foi ainda autor de numerosos textos teóricos sobre o problemática da arquitectura doméstica popular, como A casa portuguesa (1929), Casas portuguesas (1933) e L'évolution de l'architecture domestique au Portugal (1937).

Posteriormente, alguns textos foram reunidos num livro publicado pelo jornal O Independente em 2004, de nome "Não é artista quem quer".

Destacam-se entre os seus projectos arquitectónicos, os seguintes:

Teatro Tivoli[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. André Cruz. «O Estádio Nacional e os novos paradigmas do culto». Consultado em 14 de Novembro de 2011. 
  2. Fernandes, J. M. (2000). Arquitectura Portuguesa: Uma síntese. Lisboa: Casa da Moeda,p.93.
  3. Fernandes, J. M. (2006). Arquitectura do Século XX. Casal de Cambra: Caleidoscópio,p.92
  4. Rita Correia (19 de Fevereiro de 2008). «Ficha histórica: Atlantida: mensário artístico, literário e social para Portugal e Brasil» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 17 de Junho de 2014. 
  5. Rita Correia (16 de Junho de 2009). «Ficha histórica: Ilustração (1926-)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 06 de Novembro de 2014. 
  6. «Revista Municipal (1939-1973), Índice de colaboradores» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 30 de junho de 2015. 
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Raul Lino". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2016-04-16. 
  8. Fernandes, J. M., & Almeida, P. (1986). História da Arte em Portugal. A Arquitectura Moderna (Vol. Vol. XIV). Lisboa: Alfa,p.17.
  9. «Prémio Valmor e Municipal de Arquitectura / 1930/1939». Câmara Municipal de Lisboa. Consultado em 10 de Julho de 2012. 
  10. a b c A República das Artes Tugaland ed. Tugaland [S.l.] 2010. p. 13. ISBN 978-989-8179-85-2.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  11. Blog Viseu, fotos do AJ. Artigo de 29-6-2015 titulado «A Casa Museu Almeida Moreira» (visitado em 7 de setembro de 2015).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.