Rauwolfia serpentina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaRauwolfia serpentina
Rauvolfia serpentina in Kudayathoor.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Filo: Tracheophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Gentianales
Família: Apocynaceae
Subfamília: Rauvolfioideae
Tribo: Vinceae
Género: Rauwolfia
Nome binomial
R. serpentina
(L.) Benth. ex Kurz[1]
Sinónimos[2]
  • Ophioxylon album Gaertn.
  • Ophioxylon obversum Miq.
  • Ophioxylon salutiferum Salisb.
  • Ophioxylon serpentinum L.
  • Ophioxylon trifoliatum Gaertn.
  • Rauvolfia obversa (Miq.) Baill.
  • Rauvolfia trifoliata (Gaertn.) Baill.

Rauvolfia serpentina, Raiz de cobra indiana ou pimenta do diabo é uma espécie de flor na família Apocynaceae. É nativa do subcontinente indiano e Ásia Oriental (de Índia para Indonésia)[3][4] Rauvolfia é um arbusto suburbano perene, amplamente distribuído na índia nos trilhos sub-Himalayas de até 1.000 m, bem como as faixas mais baixas dos Gates Orientais e Ocidentais e nas Ilhas Andamans.

Os antigos hindus já utilizavam o extrato de uma planta chamada Rauwolfia para combater desde insônias a distúrbios mentais. Esta planta produz o alcalóide reserpina, que passou a ser vendido na forma pura em 1954. Em 1981, entretanto, o EPA dos EUA classificou a droga como carcinogênica. Desde a segunda metade deste século, novas tipos de drogas foram produzidas para combater estas psicoses. Os tipos são classificados de acordo com a sua finalidade. As mais comuns são as dos grupos dos tranqüilizantes e dos antidepressivos. Os tranquilizantes estão entre os remédios mais receitados por médicos. O meprobamato (Equanil e Miltown) é a droga mais popular. Este tranquilizante pertence à classe dos carbamatos, que são ésteres do ácido carbâmico (ácido aminofórmico). O carisoprodol (Soma) é outro carbamato popular, e é um forte relaxante muscular.

INDICAÇÃO: Tranquilizante, calmante cardíaco, antitérmico, sedante e para o tratamento de psicoses.

Flores
Rauvolfia serpentina 11.JPG
Rauwolfia serpentina at talkatora gardens delhi.jpg
Vista da planta
Inflorescência

Nomes vernaculares[editar | editar código-fonte]

Inglês: serpentine wood[5] Bengali: Chandra; Hindi: Chandrabagha, Chota chand; Canarês: Patalagondhi, Sarpagandhi, Shivavabhiballi, Sutranavi; Malaiala: Chuvanna-vilpori, Suvapavalforiyan; Marata: Harkaya, Harki; Oriá:Patalgarur, Sanochada; Tâmil: Chivan amelpodi; Telugo: Paataala garuda, Paataala goni; urdu: Asrel.[6] indonésio : pule pandak;

Composição química[editar | editar código-fonte]

Rauvolfia serpentina A planta contém 200 alcaloides da família indol. Os alcaloides principais são ajmalina, ajmalicina, ajmalimina, deserpidina, indobina, indobinina, reserpina, reserpilina, rescinnamina, rescinnamidina, serpentina, serpentinina e yohimbina.[7]

Medicina tradicional[editar | editar código-fonte]

O extrato da planta usou há milênios em Índia. Alexandre o Grande administrou esta planta para curar seu general Ptolemeu I Sóter de uma flecha envenenada. [carece de fontes?] Foi relatado que Mahatma Gandhi tomou esta planta como um tranquilizante durante a sua vida.[8] A planta contém reserpina, que foi usada como uma droga farmacêutica na medicina ocidental de 1954 a 1957 para tratar a pressão arterial elevada e distúrbios mentais, incluindo esquizofrenia.[9] É uma das 50 ervas fundamentais usadas na medicina chinesa tradicional, onde tem o nome shégēn mù (chinês: ) or yìndù shémù (chinês: ). A planta também é útil em certas condições ginecológicas, como frigidez pré-menstrual e síndrome da menopausa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Rauwolfia serpentina
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rauwolfia serpentina

Referências

  1. «Module 11: Ayurvedic». Consultado em 11 de fevereiro de 2008 
  2. «The Plant List: A Working List of All Plant Species». Consultado em 12 de abril de 2015 
  3. eFloras. «Rauvolfia serpentina». Flora of China. Missouri Botanical Garden, St. Louis, MO & Harvard University Herbaria, Cambridge, MA. Consultado em 9 de abril de 2012 
  4. Oudhia, P. and Tripathi, R.S. (2002). Identification, cultivation and export of important medicinal plants. In Proc. National Seminar on Horticulture Development in Chhattisgarh: Vision and Vistas. Indira Gandhi Agricultural University, Raipur (India) 21-23 Jan. 2002:78-85.
  5. «Rauvolfia serpentina». Natural Resources Conservation Service Bases de dados de PLANTS. USDA. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  6. «Título ainda não informado (favor adicionar)» (PDF). www.bsienvis.nic.in 
  7. «SerpentinaDB». faculty.iiitd.ac.in 
  8. «Pills for Mental Illness?». www.time.com , TIME Magazine, November 8, 1954
  9. Sumit Isharwal and Shubham Gupta (2006). «Rustom Jal Vakil: his contributions to cardiology». Texas Heart Institute Journal. 33 (2): 161–170. PMC 1524711Acessível livremente. PMID 16878618