Reaganomics

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conferência do presidente Reagan, no Salão Oval, em julho de 1981, descrevendo seu plano de redução de impostos

Reaganomics (uma palavra-valise resultante de fusão de Reagan e economics, cuja criação é atribuída ao radialista Paul Harvey[1] ) refere-se à política econômica adotada pelo presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, durante a década de 80, cujos quatro pilares eram:[2]

  1. Redução do gasto público
  2. Redução do imposto sobre a renda e sobre os ganhos de capital
  3. Redução da regulação da economia
  4. Controle da oferta de moeda para reduzir a inflação

Em sua intenção declarada de cortar os gastos domésticos enquanto reduzia as taxas, a abordagem de Reagan divergiu de seus predecessores imediatos. Embora seus registros ainda sejam debatidos, Reagan obteve sucesso com alíquotas baixas em conjunto com impostos sobre renda simplificados, e desregulação continuada. Entretanto, os gastos do governo e os déficits subiram durante sua administração, assim como a disparidade entre ricos e pobres.[3]

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

Antes do governo de Reagan, os Estados Unidos viveram uma década de estagnação econômica e inflação, conhecida como estagflação. Pressão política favoreceram estímulos, resultando em uma expansão da oferta de dinheiro. O controle de salário e preço de Nixon foi abandonado.[4] Sob a administração de Ford, os problemas continuaram. As reservas nacionais de petróleo foram criadas para facilitar qualquer impacto futuro de curto prazo. Carter começou a eliminar o controle de preço sobre o petróleo, mas criou o Departamento de Energia. Muito do crédito para a resolução da estagflação é dado a duas causas: três anos de contração regulada[5] [5] da oferta de dinheiro pelo Banco Central americano sob a direção de Paul Volcker,[4] a facilitação de longo prazo do fornecimento e o controle de preço do petróleo. No momento que Reagan assumiu a presidência, a estagflação estava próxima do fim e durante o resto de sua presidência a economia andou bem.[carece de fontes?]

Fim da Reaganomics[editar | editar código-fonte]

A Reaganomics continuou após o fim do mandato de Reagan, em 20 de janeiro de 1989, com seu sucessor, George Bush, e terminou oficialmente nos primeiros meses de 1993, já no governo de Bill Clinton, que reverteu as decisões da era Reagan-Bush, que, apesar de terem propiciado o crescimento econômico dos Estados Unidoso, levaram o país ser uns dos maiores devedores no mundo.

Referências

  1. "Paul Harvey, pioneiro da radialismo americano, morre aos 90 anos". Folha de S.Paulo. 1 de Março, 2009. Consult. 1 de Março, 2009. 
  2. William A. Niskanen. "Reaganomics". The Concise Encyclopedia of Economics. 
  3. "The Sad Legacy of Ronald Reagan". Página acessada em 3 de setembro de 2015.
  4. a b Alan Greenspan (2007), Age of Turbulence, Penguin Press
  5. a b Volcker Fails to Sell a Bank Strategy

Ver também[editar | editar código-fonte]