Reator de água pressurizada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}

Um reator de água pressurizada, também referido pela sigla PWR (do inglês pressurized water reactor), é o tipo de reator nuclear que constitui a grande maioria das plantas de energia nuclear no ocidente e é um dos três tipos de reatores de água leve (LWR, na sigla em inglês), os outros tipos sendo os reatores de água fervente (BWR, na sigla em inglês) e reatores de água super-crítica (SCWR, na sigla em inglês).

Em um reator PWR, o líquido de refrigeração primário (normalmente água desmineralizada) é bombeado sob altas pressões dentro do núcleo do reator onde é aquecido pela energia liberada pela fissão nuclear. A água aquecida flui através do circuito primário para um sistema gerador de vapor, onde sua energia térmica é transferida para o sistema secundário através de trocadores de calor, que por sua vez provoca um fluxo de vapor no sistema secundário de refrigeração que gira um conjunto de turbinas elétricas que gera grandes quantidades de eletricidade. Em contraste com os reatores de água fervente (BWR's, na sigla em inglês), a alta pressão presente no circuito primário de refrigeração mantém a água em estado líquido, mesmo a altas temperaturas. Todos os reatores de água leve (LWR's) usam água como líquido refrigerante e moderador de nêutrons.

Os reatores PWR foram originalmente projetados para servir como propulsão para submarinos nucleares e foram utilizados em seu desenho original na segunda planta comercial de geração de energia na Usina Nuclear de Shippingport, nos EUA. As usinas de energia PWR's que operam nos EUA são consideradas de segunda geração. Os reatores nucleares do tipo VVER da Rússia são similares aos PWR's dos EUA.

Este tipo de reator produz mais da metade de toda a eletricidade de origem nuclear do mundo. No Brasil, ambas as usinas nucleares existentes (Angra I e II) e a única em construção, Angra III, são deste tipo. Além de ser o mais usado reator para usinas atômicas no mundo, este tipo de reator é também o mais usado em navios e submarinos nucleares.

Seu sucesso deve-se a vários fatores. Foi o reator mais patrocinado pelos Estados Unidos, tem segurança intrínseca, não torna radioativa a turbina e é dos tipos mais seguros. De fato, com mais de 200 reatores deste tipo, nenhum deles teve acidente radioativo com vítimas. Na França, que tem mais de 80% de sua eletricidade de origem nuclear, todos os reatores são desse tipo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]