Saltar para o conteúdo

Rebeca Andrade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rebeca Andrade
campeã olímpica
Rebeca Andrade
Rebeca Andrade em 2023
Ginástica Artística
Nome completo Rebeca Rodrigues de Andrade
Apelido Rebe
Modalidade Ginástica artística feminina
Representante brasileira
Nascimento 8 de maio de 1999 (25 anos)
Guarulhos, São Paulo
Nacionalidade brasileira
Compleição Peso: 50 kg • Altura: 1,55 m
Nível Elite Internacional Sênior
Treinador(a)(es/s) Francisco Porath
Ex-treinador(a)(es/s) Keli Tiemi Kitaura, Alexander Alexandrov, Valeri Liukin
Clube Flamengo
Período em atividade 2012–atualidade
Medalhas
Competindo por  Brasil
Evento
Jogos Olímpicos 1 1 0
Campeonato Mundial 3 4 2
Jogos Pan-Americanos 2 2 0
Campeonato Pan-Americano 4 2 0
Etapas de Copas do Mundo 7 9 3
Jogos Olímpicos
Ouro Tóquio 2020 Salto
Prata Tóquio 2020 Individual geral
Campeonatos Mundiais
Ouro Kitakyushu 2021 Salto
Ouro Liverpool 2022 Individual geral
Ouro Antuérpia 2023 Salto
Prata Kitakyushu 2021 Barras assimétricas
Prata Antuérpia 2023 Equipes
Prata Antuérpia 2023 Individual geral
Prata Antuérpia 2023 Solo
Bronze Liverpool 2022 Solo
Bronze Antuérpia 2023 Trave
Jogos Pan-Americanos
Ouro Santiago 2023 Salto
Ouro Santiago 2023 Trave
Prata Santiago 2023 Equipe
Prata Santiago 2023 Barras assimétricas
Campeonatos Pan-Americanos
Ouro Rio 2021 Individual geral
Ouro Rio 2021 Equipe
Ouro Rio 2022 Barras assimétricas
Ouro Rio 2022 Equipe
Prata Lima 2018 Equipe
Prata Rio 2022 Trave
Etapas de Copas do Mundo
Ouro Varna 2017 Barras assimétricas
Ouro Varna 2017 Salto
Ouro Koper 2017 Salto
Ouro Cottbus 2018 Salto
Ouro Cottbus 2018 Trave
Ouro Stuttgart 2019 Equipe
Ouro Doha 2021 Barras assimétricas
Prata São Paulo 2015 Salto
Prata São Paulo 2016 Barras assimétricas
Prata Doha 2016 Barras assimétricas
Prata Anadia 2016 Solo
Prata Anadia 2016 Trave
Prata Cottbus 2018 Barras assimétricas
Prata Paris 2022 Barras assimétricas
Prata Paris 2023 Barras assimétricas
Prata Antalya 2024 Barras assimétricas
Bronze Ljubljana 2015 Barras assimétricas
Bronze São Paulo 2016 Trave
Bronze Doha 2021 Trave

Rebeca Rodrigues de Andrade (Guarulhos, 8 de maio de 1999) é uma ginasta artística brasileira, campeã olímpica de 2020 no salto, bicampeã mundial no salto (2021, 2023) e campeã mundial individual geral de 2022.[1][2]

Nos Jogos Olímpicos de 2020, tornou-se a primeira ginasta brasileira a ser campeã olímpica e a primeira ginasta e atleta do Brasil a ganhar duas medalhas numa mesma edição das Olimpíadas, além de ser também a primeira latino-americana que se sagrou medalhista e campeã olímpica na ginástica artística feminina.[3][4]

Em 2021, ampliou seus feitos históricos no Mundial realizado em Kitakyushu, onde se tornou a primeira brasileira a conquistar duas medalhas em uma única edição do torneio, levando o ouro no salto e prata nas barras.[5] Em 2022, se tornou a primeira brasileira a conquistar o ouro na categoria individual geral,[6] feito que também a tornou a primeira ginasta brasileira a ser campeã mundial em duas categorias distintas (AA, VT). Em 2023, fez parte da equipe brasileira que ganhou a primeira medalha para o país na Ginástica em campeonatos mundiais, na Antuérpia,[7] sendo a primeira seleção sul-americana a realizar tal feito,[8] e se tornou a mais premiada ginasta no país em mundiais com suas sexta, sétima, oitava e nona medalhas, ao conquistar o campeonato no salto,[9] vice-campeonato no individual geral[10] e no solo,[11] e bronze na trave no mesmo ano,[12] além de ter sido a primeira no país a conquistar pelo menos uma medalha em cada uma das finais em campeonatos mundiais, e a 11ª ginasta feminina no mundo a realizar tal feito.[13]Ainda, hoje, é considerada a maior ginasta já produzida pela América Latina.

Rebeca e seus sete irmãos foram criados por sua mãe solteira, Rosa, que trabalhou como faxineira para poder pagar pelo treinamento da filha.[14] O irmão mais velho de Rebeca era encarregado de levá-la de casa aos treinos, percurso que demorava duas horas a pé, até conseguirem uma bicicleta.[14] De acordo Andrade, o apoio de sua família foi fundamental para chegar ao nível de elite do esporte.[15]

A atleta passou por três cirurgias de reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho direito.[16]

Andrade ganhou status de celebridade em terras brasileiras após seus feitos nas Olimpíadas de Tóquio, participando de programas de televisão como o Altas Horas e o Saia Justa.[17][18][19] Em outubro de 2021, ela foi capa da edição brasileira da revista Vogue.[20] No mesmo ano, foi congratulada com o Prêmio Brasil Olímpico como melhor atleta feminina do ano.[21]

A ginasta trabalhou com uma psicóloga esportiva por iniciativa do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), e a terapia a incentivou a se matricular na faculdade de Psicologia.[22][23]

Início de carreira

[editar | editar código-fonte]

Rebeca começou a treinar aos quatro anos no Ginásio Bonifácio Cardoso, em um projeto social de iniciação ao esporte da prefeitura de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, após incentivo de sua tia, por conta da disposição natural da jovem em treinar truques em casa. Ainda criança, ficou conhecida como a "Daianinha de Guarulhos" em alusão a Daiane dos Santos,[24] uma de suas ídolos na ginástica, com quem chegou a treinar em 2009.[25]

Aos dez anos, Rebeca mudou-se sozinha para Curitiba, no Paraná, para conseguir melhores condições de treino, e, um ano depois, em 2011, mudou-se para o Rio de Janeiro para tornar-se atleta do Clube de Regatas do Flamengo, clube onde permanece até a atualidade.[26][27]

Andrade fez sua estreia internacional aos treze anos de idade no Campeonato Pan-Americano de Ginástica Artística de 2012, realizado em Medellín, na Colômbia, onde conquistou, ao lado da seleção brasileira, uma medalha de prata no evento por equipes.[28] Além da prova coletiva, conquistou, nas disputas individuais, medalha de ouro nas provas de individual geral, salto e solo, além de um bronze na trave.[29] Em seguida, no Campeonato Sul-Americano Júnior em Cochabamba, na Bolívia, a ginasta conquistou ouros nas disputas por equipe e individual geral. Em sua estreia em uma disputa doméstica no nível elite, Rebeca tornou-se campeã do Troféu Brasil de Ginástica Artística, superando ginastas de renome no cenário nacional, como Jade Barbosa e Daniele Hypólito.[30][31]

Andrade manteve o sucesso na sua carreira júnior no ano seguinte, iniciando a temporada com mais um ouro na categoria individual no Nadia Comăneci Invitational em Oklahoma City, nos Estados Unidos.[32] Em agosto, novamente ajudou a equipe brasileira a conquistar uma medalha de ouro no Campeonato Sul-Americano Júnior, além de ter ganhado ouro individual no salto e nas barras assimétricas, prata na trave, atrás apenas da brasileira Flávia Saraiva, e bronze na categoria individual geral, atrás das brasileiras Lorrane Oliveira e Flávia.[33]

Em novembro, a atleta participou da Gimnasíada, em Brasília, na qual fez parte da equipe brasileira que conquistou o vice-título atrás da Rússia.[34] Rebeca conquistou o bronze na competição individual geral, atrás da russa Alla Sosnitskaya e da brasileira Flávia Saraiva. Nas finais por aparelho, ela conquistou medalha de ouro no salto, mas o sexto lugar na prova de solo[35][36]

No ano de 2014, teve uma fratura no dedão do pé a tirou dos Jogos Olímpicos de Verão da Juventude de 2014, realizado em Nanquim, na China, onde foi substituída por Flávia Saraiva, e encerrou a sua temporada prematuramente.[37][38][15]

Em abril de 2015, Rebeca estreou nas competições adultas internacionais na Copa do Mundo de Ginástica, em Ljubljana, na Eslovênia, onde competiu nas finais das paralelas assimétricas, ficando em terceiro lugar com 12,800 pontos e conquistando a medalha de bronze.[39] Contudo, em junho, um rompimento no ligamento cruzado anterior do joelho direito impediu sua participação nos Jogos Pan-Americanos de 2015, realizado em Toronto no Canadá, e sua estreia no Campeonato Mundial, que ocorreu em Glasgow, na Escócia.[15][40][41]

No ano de 2016, Andrade retornou à competição após a cirurgia no joelho e conquistou cinco medalhas na circuito da Copa do Mundo, além de competir em sua primeira edição de Jogos Olímpicos de Verão na edição de 2016, realizada no Rio de Janeiro - cidade em que treina e reside desde 2011.[42][43][44]

Rebeca Andrade durante final por equipes da ginástica artística feminina nos Jogos Olímpicos Rio 2016

Seu retorno aconteceu no Trofeo di Jesolo, onde a ginasta competiu apenas nas barras assimétricas, trave de equilíbrio e salto sobre a mesa.[45] Ela contribuiu para que a equipe brasileira conquistasse a medalha de prata, ficando atrás da equipe dos Estados Unidos, que contou com a participação de Gabrielle Douglas e Aly Raisman.[45] Classificou-se para a final das barras assimétricas, onde terminou em oitavo lugar.[46] Em seguida, competiu na etapa da Copa do Mundo de Doha e conquistou a medalha de prata nas barras assimétricas, ficando atrás da ginasta sueca Jonna Adlerteg.[47]

Foi selecionada para competir no Evento-Teste Olímpico ao lado das atletas Jade Barbosa, Daniele Hypólito, Lorrane Oliveira, Carolyne Pedro e Flávia Saraiva, na tentativa de qualificar o Brasil para os Jogos Olímpicos.[48] Andrade competiu apenas no salto sobre a mesa e nas barras assimétricas, realizando um salto duplo twist Yurchenko e uma passagem limpa nas barras assimétricas.[49] A equipe brasileira conquistou a medalha de ouro no evento por equipes e garantiu uma vaga na disputa por equipes para os Jogos Olímpicos de 2016.[48] Individualmente, ela classificou-se para a final das barras assimétricas, onde conquistou a medalha de bronze, ficando atrás das alemãs Elisabeth Seitz e Sophie Scheder.[50][51]

Em seguida, ela competiu na etapa da Copa do Mundo de Ginástica em São Paulo, onde classificou-se para as finais das barras assimétricas e trave de equilíbrio. Na final das barras assimétricas, empatou com a alemã Kim Bui e conquistou a medalha de prata.[52] No dia seguinte, na trave de equilíbrio, ela conquistou a medalha de bronze, ficando atrás de sua compatriota Daniele Hypólito e da chilena Simona Castro.[53] Posteriormente, competiu a Copa do Mundo de Anadia, em Portugal, onde conquistou duas medalhas de prata na trave de equilíbrio e no exercício de solo, ambas atrás de sua companheira de equipe, Flavia Saraiva.[54]

Após a etapa da Copa do Mundo de Anadia, Andrade foi selecionada para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Verão de 2016, ao lado de Jade Barbosa, Daniele Hypólito, Lorrane Oliveira e Flavia Saraiva.[55] Sua última competição de preparação para as Olimpíadas foi um torneio amistoso que ocorreu na Holanda em julho, onde ela empatou com a ginasta holandesa Eythora Thorsdottir e conquistou a medalha de ouro na disputa individual geral.[56]

Nas Olimpíadas de 2016, disputadas no Rio de Janeiro, Andrade teve um desempenho satisfatório na fase de qualificação e ajudou o Brasil a se classificar para a final por equipes em quinto lugar.[57] Também classificou-se individualmente para a final do individual geral em terceiro lugar, com uma pontuação total de 58,732, ficando atrás apenas das ginastas americanas Simone Biles, Aly Raisman e Gabrielle Douglas.[58] Na final por equipes, contudo, Andrade teve uma queda na prova de solo, e a equipe brasileira terminou em oitavo lugar.[59] No individual geral, terminou em décimo primeiro lugar, com uma pontuação total de 56,965.[60]

Após as Olimpíadas, Andrade competiu no Campeonato Brasileiro em novembro.[61] A atleta ajudou a equipe do Flamengo na conquista do ouro por equipes.[62] Nas disputas individuais, conquistou a medalha de ouro no individual geral, barras assimétricas e trave de equilíbrio, e a medalha de prata no solo, ficando atrás de Thais Fidelis.[63]

Rebeca mais uma vez começou sua temporada no Trofeo di Jesolo, onde a equipe brasileira conquistou a medalha de prata, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.[64] Andrade ganhou a medalha de prata no individual geral, atrás da ginasta americana Riley McCusker.[64] Nas finais por aparelhos, ela terminou em quinto lugar nas barras assimétricas, sexto na trave de equilíbrio e quarto no exercício de solo.[65]

No dia 13 de maio de 2017, na etapa da Copa do Mundo de Koper, Eslovênia, Rebeca conquistou sua primeira medalha de ouro nas competições adultas após conquistar a prova de salto sobre a mesa.[66] Posteriormente, no Osijek Challenge Cup, competiu apenas nas barras assimétricas devido a um incômodo no pé direito, mas não se classificou para a final do aparelho, terminando em décimo lugar.[67][68] Poucas semanas depois, Andrade sofreu uma lesão no tornozelo durante os treinamentos e teve que usar uma bota de proteção por dois meses.[69] Retornou às competições em agosto no Campeonato Brasileiro, onde participou apenas nas barras assimétricas e conquistou a medalha de ouro.[carece de fontes?] Em seguida, ela competiu no Varna Challenge Cup e conquistou a medalha de ouro tanto no salto sobre a mesa quanto nas barras assimétricas.[70]

Andrade inicialmente foi convocada para a equipe do Campeonato Mundial juntamente com a estreante Thais Fidelis. No entanto, durante o aquecimento para o treino de pódio, ela rompeu o ligamento cruzado anterior pela segunda vez e ficou de fora da competição.[71] A atleta passou por uma segunda cirurgia de reconstrução do ligamento em outubro.[72]

Rebeca voltou a competir em setembro de 2018, no Campeonato Pan-Americano, no qual participou apenas em dois aparelhos, salto sobre a mesa e barras assimétricas, em Lima no Peru.[73] Rebeca fez parte da equipe brasileira que conquistou a prata na disputa por equipes, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.[74] No mesmo ano, Andrade participou de seu primeiro Campeonato Mundial, realizado em Doha no Catar, e competiu no salto sobre a mesa, barras assimétricas e trave de equilíbrio, contribuindo para que o Brasil se classificasse para a final por equipes em quinto lugar.[75] Na final por equipes, a equipe brasileira terminou em sétimo lugar depois que Andrade, Barbosa e Saraiva caíram nas barras assimétricas.[76] Após o Campeonato Mundial, Andrade competiu na etapa da Copa do Mundo de Cottbus em 2018, onde conquistou a medalha de ouro no salto sobre a mesa e na trave de equilíbrio, além da medalha de prata nas barras assimétricas.[77]

Sua única competição na temporada de 2019 foi o DTB Team Challenge em Stuttgart, onde conquistou uma medalha de ouro na disputa individual geral, além de contribuir para um ouro por equipes para a seleção brasileira.[78] Em junho de 2019, Rebeca lesionou pela terceira vez o joelho durante o Campeonato Brasileiro, o que impediu a sua participação no Mundial daquele ano, dificultando a garantia de uma vaga olímpica por equipes para a seleção brasileira.[79]

Por conta da pandemia de COVID-19, a volta às competições de Rebeca foram interrompidas.[80] Embora tenha se posicionado bem na qualificatória da etapa de Baku da Copa do Mundo, as finais de eventos foram canceladas devido às medidas de biossegurança no Azerbaijão.[81][82] Em dezembro, Rebeca e Flávia Saraiva testaram positivo para COVID.[83]

Em junho de 2021, a ginasta conquistou a vaga olímpica ao receber a medalha de ouro individual geral no Campeonato Panamericano, realizado no Rio de Janeiro.[84] No mês seguinte, durante os Jogos Olímpicos de Verão de 2020, realizado em Tóquio, no Japão, Rebeca fez história ao conquistar uma inédita primeira medalha da ginástica feminina em Olímpiadas, ao receber a prata na disputa Individual Geral.[85] Outro feito histórico foi garantido na final do salto, disputa na qual Rebeca foi medalhista de ouro, tornando-se a primeira mulher ginasta campeã olímpica do Brasil e a primeira atleta brasileira com duas medalhas em uma mesma Olímpiada.[86][87] Rebeca foi confirmada como porta-bandeira da delegação brasileira na cerimônia de encerramento dos Jogos de Tóquio.[88]

No Mundial de 2021, realizado em Kitakyushu no Japão, a ginasta mais uma vez ultrapassou recordes ao ser a primeira brasileira a conquistar mais de uma medalha em um campeonato mundial de ginástica artística, após se tornar medalhista de ouro no salto e medalhista de prata nas assimétricas.[89]

No ano de 2022, Rebeca iniciou sua temporada em maio no Troféu Brasil[90], onde conquistou a medalha de ouro nas barras assimétricas[91] e a medalha de prata na trave de equilíbrio.[92]

Em julho, a ginasta foi convocada para a equipe brasileira no Campeonato Pan-Americano que ocorreu na cidade do Rio de Janeiro, ao lado de Flávia Saraiva, Christal Bezerra, Lorrane Oliveira, Carolyne Pedro e Júlia Soares.[93] No primeiro dia de competição, que determinou os resultados do individual geral e por aparelhos, Andrade conquistou a medalha de ouro nas barras assimétricas, bem como a medalha de prata na trave de equilíbrio, atrás de Saraiva.[94] Além disso, ela ajudou o Brasil a se classificar para a final por equipes em primeiro lugar.[94] Optou por não competir no solo.[95] Na final por equipes, Andrade contribuiu com notas no salto sobre a mesa, barras assimétricas e trave de equilíbrio para a vitória do Brasil em primeiro lugar, à frente dos Estados Unidos e do Canadá - a primeira vitória do Brasil sobre os Estados Unidos na competição desde 1997.[95] Andrade afirmou que "Essa vitória é muito importante para o futuro da ginástica [no Brasil], para as meninas que estão surgindo e para as que vieram antes de nós."[96]

Em agosto, Andrade competiu no Campeonato Brasileiro, onde conquistou o título no individual geral, à frente de Saraiva e Soares e também obteve as maiores pontuações no salto sobre a mesa, barras assimétricas e trave de equilíbrio, bem como a segunda maior pontuação no exercício de solo, apesar de realizar coreografias mais simples tecnicamente.[97] Em setembro, Andrade competiu na etapa de Paris da Copa do Mundo, onde disputou apenas as barras assimétricas, aparelho no qual conquistou a medalha de prata, ficando atrás da estadunidense Shilese Jones.[98]

Em outubro, Andrade foi convocada para a equipe que competiria no Campeonato Mundial em Liverpool ao lado de Saraiva, Soares, Oliveira, Pedro e Bezerra.[99] Na fase de qualificação, Andrade classificou-se em primeiro lugar para a final do individual geral, em segundo lugar para a final do exercício de solo, em terceiro lugar para a final das barras assimétricas, em sétimo lugar para a final da trave de equilíbrio e ajudou o Brasil a se classificar para a final por equipes em terceiro lugar, contudo, no salto sobre a mesa, apesar de ter marcado 15.066 em seu primeiro salto, um Cheng, suas mãos escorregaram na mesa durante sua segunda tentativa de salto, o que a levou a 11.466 de nota, deixando-a de fora da final no aparelho.[100] Na final por equipes, o Brasil terminou em quarto lugar, atrás dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e do Canadá. Na final do individual geral, Andrade conquistou a medalha de ouro à frente de Shilese Jones e Jessica Gadirova, com uma pontuação de 56.899, tornando-se a primeira ginasta sul-americana a conquistar um título mundial no individual geral.[6] Rebeca ainda conquistou a medalha de bronze na final do exercício de solo ao lado da estaunidense Jade Carey, ficando atrás da britânica Jessica Gadirova e da estadunidense Jordan Chiles, que terminaram em primeiro e segundo lugar, respectivamente.[101]

Em dezembro, por sua performance esportiva, em especial nas Olimpíadas do ano anterior, foi condecorada pelo governo brasileiro com a Ordem de Rio Branco, no grau de Comendador.[102]

Em 2023, juntamente com as atletas Flávia Saraiva, Jade Barbosa, Lorrane Oliveira, Carolyne Pedro e Júlia Soares, Rebeca fez parte da equipe brasileira que conquistou a primeira medalha na categoria por equipes para o país em campeonatos mundiais, na Antuérpia, com uma prata.[103]Este feito histórico marcou a primeira vez que uma seleção sul-americana alcançou tal conquista.[8]

Além disso, Rebeca se tornou a ginasta mais premiada do país em mundiais, ao garantir sua sexta medalha ao conquistar o vice-campeonato no individual geral no mesmo ano.[104] Um marco histórico adicional foi a inédita presença de três mulheres negras no pódio do Mundial de Ginástica, composto por Simone Biles levando o ouro, Rebeca conquistando a prata, e Shilese Jones ficando com o bronze.[105] Nesta mesma competição, Andrade sagrou-se campeã na categoria salto, superando a lendária Simone Biles, e conquistando o bicampeonato, uma vez que também havia vencido em 2021.[106] Ainda na mesma competição, assegurou a medalha de bronze na categoria trave e a medalha de prata na categoria solo, em um pódio inédito com a também brasileira Flávia Saraiva, que garantiu o bronze, assim medalhando em todas as finais às quais se classificou.[107][108] Com esse feito, Rebeca se tornou a primeira ginasta brasileira a conquistar medalhas em todas as cinco categorias em um mesmo Mundial, encerrando a competição com nove medalhas mundiais em sua carreira.[108]

Histórico competitivo

[editar | editar código-fonte]
Ano Evento AA Equipe VT UB BB FX
2012 Campeonato Sul-Americano Juvenil Medalha de ouro Medalha de ouro
Troféu Brasil Medalha de ouro
2013 Comaneci Invitational Medalha de ouro
Campeonato Sul-Americano Juvenil Medalha de ouro Medalha de bronze Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de prata
Gimnasíada Medalha de prata Medalha de bronze Medalha de ouro
2014 WOGA Classic Medalha de prata Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de prata
Campeonato Pan-Americano Medalha de prata Medalha de prata Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de prata
Ano Evento AA Equipe VT UB BB FX
2015 Copa do Mundo - Ljubljana Medalha de bronze
Copa do Mundo - São Paulo Medalha de prata
Flanders Team Challenge Medalha de bronze Medalha de prata
2016 Troféu Cidade de Jesolo Medalha de prata
Copa do Mundo - Doha Medalha de prata
Evento-teste das Olimpíadas Medalha de ouro Medalha de bronze
Copa do Mundo - São Paulo Medalha de prata Medalha de bronze
Copa do Mundo - Anadia Medalha de prata Medalha de prata
Dutch Olympic Qualifier Medalha de ouro
Jogos Olímpicos 11°
Campeonato Brasileiro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de prata
2017 Troféu Cidade de Jesolo Medalha de prata Medalha de prata
Copa do Mundo - Koper Medalha de ouro
Campeonato Brasileiro Medalha de ouro
Copa do Mundo - Varna Medalha de ouro Medalha de ouro
2018 Campeonato Pan-Americano Medalha de prata
Campeonato Mundial
Copa do Mundo - Cottbus Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de ouro
2019 DTB Team Challenge Medalha de ouro Medalha de ouro
2020 Copa do Mundo - Baku [a] [a]
2021 Campeonato Pan-Americano Medalha de ouro Medalha de ouro
Copa do Mundo - Doha Medalha de ouro Medalha de bronze
Jogos Olímpicos Medalha de prata Medalha de ouro
Campeonato Brasileiro Medalha de ouro Medalha de ouro
Campeonato Mundial Medalha de ouro Medalha de prata
2022 Troféu Brasil Medalha de ouro Medalha de prata
Campeonato Pan-Americano Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de prata
Campeonato Brasileiro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de prata
Copa do Mundo - Paris Medalha de prata
Campeonato Mundial Medalha de ouro 12° Medalha de bronze
2023 Campeonato Brasileiro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de ouro Medalha de ouro
Copa do Mundo - Paris Medalha de prata
Campeonato Mundial Medalha de prata Medalha de prata Medalha de ouro Medalha de bronze Medalha de prata
Jogos Pan-Americanos Medalha de prata Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de ouro
  1. a b Rebeca se classificou para as finais de barras assimétricas e trave; no entanto, as finais do evento foram canceladas devido a pandemia de COVID-19 no Azerbaijão.[109]

Referências

  1. Cavalheiro, Giulia (4 de julho de 2023). «A construção do heroísmo de Rayssa Leal, Rebeca Andrade e Italo Ferreira nas Olímpiadas de Tóquio: análise da cobertura do jornal Correio do Povo» (PDF). Universidade Federal de Santa Maria. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 5 de novembro de 2023 
  2. Porto, Flávia; Reis, Beatriz Helena Ramos; Domingues, Samira Bulcão Carvalho; Lírio Gurgel, Jonas (23 de junho de 2023). «Saltos básicos do solo da ginástica artística: quais são, como executá-los e avaliá-los?». Caderno de Educação Física e Esporte: e30713. ISSN 2318-5090. doi:10.36453/cefe.2023.30713. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  3. Sarmento, Gabriela (29 de julho de 2021). «Rebeca Andrade: Como 'Baile de Favela' foi parar nas Olímpiadas de Tóquio». G1. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  4. Vecchioli, Demétrio (1 de agosto de 2021). «Rebeca ganha ouro no salto e crava nome na história da ginástica do Brasil». UOL. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2023 
  5. «Rebeca Andrade é ouro no salto e prata nas barras do Mundial de ginástica». GE 
  6. a b Guerra, Marcos (3 de novembro de 2022). «Rebeca Andrade é ouro no individual geral no Mundial de ginástica». ge. Consultado em 3 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2022 
  7. Longo, Gustavo; Bregman, Scott (4 de outubro de 2023). «Equipe feminina do Brasil conquista prata inédita no Mundial de Ginástica Artística 2023». Jogos Olímpicos de Verão. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  8. a b Sáenz, Lissete Lanuza (5 de outubro de 2023). «Brazil Makes History at Gymnastics World Championships 2023». Remezcla (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2023 
  9. Vecchioli, Demétrio (7 de outubro de 2023). «Olhar Olímpico: Rebeca Andrade é bicampeã mundial do salto, e Biles é prata após queda». UOL. Consultado em 7 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  10. Pereira, Guilherme; Dillon, Lorena; Romera, Rogerio (6 de outubro de 2023). «Rebeca Andrade é prata, e Simone Biles fatura o hexa no Mundial». ge. Consultado em 6 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2023 
  11. Rosa, Paola (8 de outubro de 2023). «Rebeca Andrade e Flávia Saraiva dividem pódio com Simone Biles em Mundial». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  12. «Avisa que é ela! Rebeca Andrade garante a medalha de bronze na trave». CNN Brasil. 8 de outubro de 2023. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  13. Vecchioli, Demétrio (8 de outubro de 2023). «Olhar Olímpico: Rebeca fatura o bronze na trave e agora é medalhista em todas as provas». UOL. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  14. a b «As A Child, Rebeca Andrade Climbed Bunk Beds and Traveled to Training on An Old Bike». Folha de S. Paulo (em inglês). 2 de agosto de 2021. Consultado em 3 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2022 
  15. a b c «5 vezes em que Rebeca Andrade poderia ter desistido - e por que persistiu». Forbes Brasil. 27 de agosto de 2021. Consultado em 3 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2021 
  16. Macur, Juliet (1 de agosto de 2021). «On a Refurbished Knee, Brazil's Andrade Vaults to a Gold Medal». The New York Times. Consultado em 26 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2021 
  17. Carayol, Tumaini (25 de outubro de 2021). «Gymnast Rebeca Andrade stands proud at end of her breakthrough year». The Guardian. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2021 
  18. «Na TV, Rebeca Andrade revela qual faculdade vai cursar ano que vem; confira! | Televisão». Jornal O Dia. 5 de setembro de 2021. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2021 
  19. Olímpio, Victória (3 de agosto de 2021). «Campeã olímpica Rebeca Andrade participa do Saia justa desta quarta». Correio Braziliense. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  20. Bregman, Scott (15 de outubro de 2021). «Rounding Off: Rebeca Andrade featured on the cover of Brazilian Vogue». Comité Olímpico Internacional. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2021 
  21. «Rebeca Andrade e Isaquias Queiroz conquistam os troféus de Melhor Atleta do Ano do Prêmio Brasil Olímpico 2021». Comitê Olímpico do Brasil. 8 de dezembro de 2021. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2021 
  22. Angélica (29 de agosto de 2022). «Rebeca Andrade: "Só venci as Olimpíadas porque cuidei da mente"». Mina. Consultado em 3 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2022 
  23. «Na faculdade, Rebeca Andrade planeja carreira pós vida de atleta: 'Ser psicóloga esportista'». Glamour. 8 de março de 2023. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 25 de março de 2023 
  24. Knoploch, Carol; Furtado, Tatiane (29 de julho de 2021). «Rebeca Andrade: Conheça a história da 'Daianinha de Guarulhos', medalhista olímpica com o Baile de Favela». Extra. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  25. «Em vídeo de 2009, Rebeca Andrade se rendia ao encanto de Daiane e Laís Souza em Guarulhos». Guarulhos Web. 28 de julho de 2021. Consultado em 29 de julho de 2021. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  26. «Rebeca Andrade: a menina dos olhos de Guarulhos». Mídia Ninja. 28 de julho de 2021. Consultado em 3 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2021 
  27. Paranhos, Rômulo (6 de setembro de 2020). «A estrada para o Flamengo: Rebeca Andrade - Flamengo». Clube de Regatas do Flamengo. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2021 
  28. «Campeonato Panamericano Juvenil y Adultos Por Aparatos De Gimnasia Artistica Competicion Por Equipos» (PDF). Gymnastics Results (em espanhol). 23 de junho de 2012. Consultado em 10 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 10 de outubro de 2021 
  29. «Junior and Senior Pan-American Championship 2012». Gymnastics Results. Consultado em 5 de novembro de 2023. Arquivado do original em 15 de maio de 2016 
  30. «Atleta de 13 anos surpreende e vence Jade e Daniele em disputa nacional». ge. 26 de maio de 2012. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  31. «Ginasta de 13 anos desbanca Hypolito e Jade no Troféu Brasil». Terra. 26 de maio de 2012. Consultado em 28 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de março de 2016 
  32. Hopkins, Lauren (16 de fevereiro de 2013). «2013 Nadia Comaneci Invitational Results». The Gymternet. Consultado em 16 de junho de 2021. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2020 
  33. Hopkins, Lauren (25 de agosto de 2013). «2013 South American Junior Championships Results». The Gymternet. Consultado em 17 de junho de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  34. «GDF lança logomarca da Gymnasiade 2013». Jornal de Brasília. 10 de dezembro de 2012. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  35. «Bulletin 06» (PDF). Gymnasiade Brasilia 2013. 2 de dezembro de 2013. p. 27. Consultado em 17 de junho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 28 de dezembro de 2013 
  36. «Bulletin 07» (PDF). Gymnasiade Brasilia 2013. 3 de dezembro de 2013. p. 16. Consultado em 17 de junho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 28 de dezembro de 2013 
  37. Hopkins, Lauren (31 de julho de 2014). «Changes in the 2014 Youth Olympic Games Roster». The Gymternet. Consultado em 17 de junho de 2021. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2014 
  38. Turner, Amanda (23 de julho de 2014). «Roster Released For Youth Olympic Games». International Gymnast Magazine. Consultado em 17 de junho de 2021. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2019 
  39. «Em estreia internacional como adulta, Rebeca Andrade fica com o bronze». SporTV. 4 de abril de 2015. Consultado em 5 de abril de 2015. Cópia arquivada em 8 de abril de 2015 
  40. «Cortada do Pan de Toronto, ginasta brasileira passa por cirurgia no joelho». ESPN.com. 8 de julho de 2015. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  41. «Revelação da ginástica sofre grave lesão e está fora do Pan de Toronto». Folha de S. Paulo. 29 de junho de 2015. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  42. «Olimpíada do Rio 2016». Memória Globo. 19 de janeiro de 2022. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2022 
  43. «Rebeca Andrade conquista ouro no salto em etapa da Copa do Mundo de ginástica». ESPN.com. 2 de setembro de 2017. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  44. «Com 17 anos, Rebeca Andrade está entre as melhores do mundo na ginástica artística na Rio 2016». Confederação Brasileira de Ginástica. 8 de novembro de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 24 de agosto de 2016 
  45. a b «Em Jesolo, Brasil leva a prata e tem retorno de Rebeca e brilho de Flavinha». ge. 21 de março de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  46. «IX Trofeo Di Jesolo - Final Senior Individual Senior - Bars» (PDF). Gymnastics Results. 20 de março de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 4 de maio de 2021 
  47. «9th FIG Artistic Gymnastics World Challenge Cup Women's Uneven Bars Final» (PDF). Gymnastics Results. FIG. 25 de março de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 13 de junho de 2021 
  48. a b «Brasil encerra evento-teste de ginástica artística com cinco medalhas». Confederação Brasileira de Ginástica. 19 de abril de 2016. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  49. Hopkins, Lauren (17 de abril de 2016). «2016 Olympic Test Event Subdivision 2 Live Blog». The Gymternet. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 18 de abril de 2016 
  50. «Brasileira Rebeca Andrade conquista bronze no evento-teste de ginástica artística». ESPN.com. 18 de abril de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  51. «Rebeca Andrade fatura o bronze nas barras assimétricas no evento-teste». Estadão. 18 de abril de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  52. «Zanetti confirma bi na Copa do Mundo de ginástica; Brasil conquista cinco ouros». ESPN.com. 22 de maio de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  53. «Daniele Hypolito conquista terceiro ouro na Copa do Mundo, em São Paulo». Zero Hora. 22 de maio de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  54. «Flavinha obtém notão na trave, ganha o solo e leva dois ouros em Portugal». SporTV. 26 de junho de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 29 de junho de 2016 
  55. «Brasil estreia na ginástica feminina com seleção 'equilibrada' e meta definida: 4 finais». ESPN.com. 7 de agosto de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  56. Hopkins, Lauren (22 de julho de 2016). «Dutch Team Named Following Trials». The Gymternet (em inglês). Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2016 
  57. Kestelman, Amanda; Rodrigues, João Gabriel (7 de agosto de 2016). Guerra, Marcos, ed. «Flávia e Rebeca fecham classificação na "zona do pódio", e Brasil fica em 5º». ge. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  58. «Individual All-Around, Women (2020)». Olympedia. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 7 de junho de 2020 
  59. «Com Simone Biles, EUA levam ouro na ginástica; Brasil é 8º». Veja. 9 de agosto de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2016 
  60. «Rio 2016: ginástica brasileira faz história e é marcada por emoções». Confederação Brasileira de Ginástica. 17 de agosto de 2016. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 24 de agosto de 2016 
  61. «Caio Souza e Rebeca Andrade se destacam no Brasileiro de ginástica». ESPN.com. 13 de novembro de 2016. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  62. «Flamengo é campeão brasileiro de ginástica artística feminino por equipes». ge. 12 de novembro de 2016. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2016 
  63. «Rebeca Andrade e Thaís Fidelis levam título brasileiro do individual geral». ge. 10 de novembro de 2016. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  64. a b Gavini, Fernando (2 de abril de 2017). «Veja vídeo das séries que deram à Flávia Saraiva ouro no solo e prata na trave na Itália». Olimpíada Todo Dia. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  65. Hopkins, Lauren (2 de abril de 2017). «2017 City of Jesolo Trophy Results». The Gymternet (em inglês). Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 2 de abril de 2017 
  66. «Com ótimas notas, Rebeca é campeã do salto na Copa do Mundo de Koper». SporTV. 13 de maio de 2017. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 27 de maio de 2017 
  67. «Brasil se garante em quatro finais no primeiro dia de disputas na Croácia». ESPN.com. 18 de maio de 2017. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  68. Hopkins, Lauren (18 de maio de 2017). «2017 Osijek Challenge Cup Results». The Gymternet (em inglês). Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 9 de julho de 2017 
  69. Guerra, Marcos (19 de outubro de 2017). «Após perder o Mundial por lesão no joelho, Rebeca Andrade passa por cirurgia». ge. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 16 de maio de 2022 
  70. «Ginástica brasileira encerra 2017 com grandes expectativas para o ciclo». Confederação Brasileira de Ginástica. 22 de dezembro de 2017. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  71. «Rebeca Andrade sofre entorse no joelho direito e está fora do Mundial de Montreal». ge. 3 de outubro de 2017. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  72. Guerra, Marcos (19 de outubro de 2017). «Após perder o Mundial por lesão no joelho, Rebeca Andrade passa por cirurgia». ge. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 16 de maio de 2022 
  73. «Pan-americano de ginástica marca retorno de Rebeca Andrade». ge. 10 de setembro de 2018. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  74. «FINALES EQUIPOS» (PDF). Campeonato Pan-Americano de Ginástica de 2018 (em espanhol). Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 5 de novembro de 2023 
  75. Guerra, Marcos (25 de outubro de 2018). «Rebeca Andrade coloca lesão para trás e se anima para seu primeiro Mundial: "Estou bem de tudo"». ge. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2018 
  76. Mendes, Abelardo (3 de novembro de 2018). «Mundial de Ginástica Artística Doha 2018 — Rede do Esporte». Rede do Esporte. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2018 
  77. «Ginástica artística feminina do Brasil brilha em encerramento da Copa do Mundo em Cottbus». Confederação Brasileira de Ginástica. 25 de novembro de 2018. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2019 
  78. «Ginástica Artística Feminina do Brasil consegue feito inédito com título da DTB Pokal Team». Confederação Brasileira de Ginástica. 16 de março de 2019. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  79. Bregman, Scott (30 de maio de 2021). «Rebeca Andrade: I learned a lot about perseverance». Comité Olímpico Internacional. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 30 de maio de 2021 
  80. «Rebeca Andrade aproveita pandemia para se recuperar de lesão no joelho e chegar 100% a Sangalhos». Comitê Olímpico do Brasil. 25 de julho de 2020. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2020 
  81. «A caminho de Baku, Rebeca Andrade e Flávia Saraiva posam com máscara contra o coronavírus». ge. 9 de março de 2020. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2023 
  82. Scott, Bregman (14 de março de 2020). «Brazilian gymnast Rebeca Andrade makes successful return to competition». Comité Olímpico Internacional. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 31 de julho de 2021 
  83. «Rebeca Andrade e Flávia Saraiva testam positivo pra Covid-19». Olimpíada Todo Dia. 5 de dezembro de 2020. Consultado em 4 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2020 
  84. Nick, Astrid (2 de junho de 2021). «Campeonato Pan-Americano de Ginástica Artística começa nesta sexta». Agência Brasil. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 2 de junho de 2021 
  85. Vechiolli, Demétrio (29 de julho de 2021). «Rebeca Andrade conquista a medalha de prata para o Brasil na ginástica». UOL. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  86. Guerra, Marcos (1 de agosto de 2021). «Rebeca Andrade: conheça os saltos do ouro nas Olimpíadas». ge. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2021 
  87. Rodrigues, João; Dillon, Lorena (1 de agosto de 2021). «Rebeca Andrade é 1ª brasileira a ganhar duas medalhas em uma única edição das Olimpíadas». ge. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2021 
  88. «Rebeca Andrade será porta-bandeira do Brasil em cerimônia de encerramento das Olimpíadas». ge. 4 de agosto de 2021. Consultado em 4 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2021 
  89. Gil, Carlos; Guerra, Marcos (23 de outubro de 2021). «Rebeca Andrade é ouro no salto e prata nas barras do Mundial de ginástica». ge. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2023 
  90. Rodrigues, João (19 de maio de 2022). «Rebeca Andrade vai à final com a melhor nota no Troféu Brasil de ginástica». ge. Consultado em 21 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 19 de maio de 2022 
  91. Rodrigues, João (21 de maio de 2022). «Rebeca Andrade é campeã das barras assimétricas no Troféu Brasil». ge. Consultado em 21 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 21 de maio de 2022 
  92. Vieira, Sheila (22 de maio de 2022). «Flávia Saraiva supera Rebeca Andrade na trave no Troféu Brasil de Ginástica». Comité Olímpico Internacional. Consultado em 21 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 25 de maio de 2022 
  93. «Brasil é ouro no Pan de ginástica rítmica no Rio». ge. 9 de julho de 2022. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 9 de julho de 2022 
  94. a b Guerra, Marcos; Dillon, Lorena (17 de julho de 2022). «Brasil bate EUA pela 1ª vez e é ouro no Pan de ginástica». ge. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 17 de julho de 2022 
  95. a b «Rebeca Andrade poupa joelho e não compete no solo no Pan de ginástica». ge. 11 de julho de 2022. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 11 de julho de 2021 
  96. Bregman, Scott (17 de julho de 2022). «Rebeca Andrade leads Brazilian upset over Team USA at Pan American Championships» [Rebeca Andrade lidera a vitória surpresa do Brasil sobre a equipe dos EUA no Campeonato Pan-Americano]. Comitê Olímpico Internacional (em inglês). Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 17 de julho de 2021 
  97. Franceschi Neto, Virgílio (28 de junho de 2023). «Rebeca Andrade e Caio Souza campeões brasileiros do individual geral de ginástica artística». Comité Olímpico Internacional. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2023 
  98. «Rebeca Andrade leva a prata nas barras assimétricas na Copa do Mundo de Paris». Zero Hora. 25 de setembro de 2022. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2023 
  99. Vecchioli, Demétrio (3 de novembro de 2022). «Olhar Olímpico - Rebeca Andrade é ouro e se consagra como a melhor ginasta do mundo». UOL. Consultado em 5 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2022 
  100. Cunha, Gustavo (31 de outubro de 2023). «Rebeca fica em primeiro e seleção feminina em terceiro na fase classificatória do Mundial». Rede do Esporte. Consultado em 21 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2022 
  101. «Rebeca Andrade conquista o bronze no solo pelo Mundial após revisão da nota de americana». Lance!. 6 de novembro de 2022. Consultado em 21 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2022 
  102. «DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO - Seção 1 | Edição extra | Nº 225-A , quinta-feira, 1 de dezembro de 2022». Imprensa Nacional. 1 de dezembro de 2022. p. 2. Consultado em 4 de fevereiro de 2024 
  103. Pereira, Guilherme; Dillon, Lorena; Romera, Rogerio (4 de outubro de 2023). «Brasil conquista prata inédita por equipes no Mundial de ginástica». ge. Consultado em 28 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2023 
  104. «Veja quanto Rebeca Andrade ganhou de premiação em dinheiro pelo Mundial». CNN Brasil. Consultado em 28 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  105. Mosley, Kyle (6 de outubro de 2023). «Black Gymnastics History: Biles, Andrade, Jones, Richard Win Medals At World Gymnastics Championships» [Histórico para Ginástica Negra: Biles, Andrade, Jones, Richard Medalham no Mundial]. HBCU Legends (em inglês). Consultado em 21 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2023 
  106. Pereira, Guilherme; Dillon, Lorena; Romera, Rogério (7 de outubro de 2023). «Rebeca Andrade é bicampeã mundial do salto em cima de Simone Biles». ge. Consultado em 28 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2023 
  107. «Avisa que é ela! Rebeca Andrade garante a medalha de bronze na trave». CNN Brasil. 9 de outubro de 2023. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  108. a b Vecchioli, Demétrio (8 de outubro de 2023). «Olhar Olímpico: Rebeca é prata, e Flávia vai ao pódio pela 1ª vez com bronze no solo». UOL. Consultado em 8 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2023 
  109. «Finals of Baku World Cup cancelled» [Final da Copa do Mundo de Baku cancelada]. Federação Internacional de Ginástica (em inglês). 13 de Março de 2020 

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Rebeca Andrade