Rebelião tuaregue (2012)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rebelião tuaregue de 2012
Parte da(o) Revolta no norte do Mali de 2012-2013 e Rebeliões tuaregues
Azawad in context.JPG
Mapa de Azauade, como reivindicado pelo MNLA. Os pontos cinza escuro indicam regiões com maioria tuaregues.
Data 16 de Janeiro de 2012 – 6 de Abril de 2012
Local Norte do Mali
Desfecho Vitória tuaregue
Combatentes
 Mali

Apoiado por:
CEDEAO
AFRICOM[6][7]


FLNA[8][9]

MNLA flag.svg Azauade

Islamistas

Principais líderes
Mali Amadou Toumani Touré (até março)
Mali Sadio Gassama (até março)
Mali El Haji Ag Gamou (depois de março)
Mali Amadou Sanogo (depois de março)

Mohamed Lamine Ould Sidatt (FLNA)
Housseine Khoulam (FLNA)[8]

MNLA flag.svg Mahmoud Ag Aghaly
MNLA flag.svg Bilal Ag Acherif
MNLA flag.svg Moussa Ag Acharatoumane
MNLA flag.svg Ag Mohamed Najem[12]

Iyad ag Ghaly[13]
Omar Ould Hamaha[14]

Forças
7.000–7.800 regulares,
4.800 paramilitares,
3.000 de milícias (força militar conjunta)

~500 (FLNA)[8]

MNLA: 3.000[15][16]

Ansar Dine: ~300[16]

Vítimas
162+ mortos,[17][18]
400 capturados[19]
Total: 1.000–1.500+ mortos, capturados ou desertados[15]
65 mortos (fontes malianas)[18][20]
Deslocados: ~100.000 refugiados no estrangeiro
100,000+ deslocados internos[21]
Total: ~250.000[22]


A rebelião tuaregue de 2012, parte do Conflito no Norte do Mali de 2012-2013, foi uma guerra de independência contra o governo do Mali na região do deserto do Saara, Azauade.[23] Foi liderada pelo Movimento Nacional de Libertação do Azauade (MNLA) e foi parte de uma série de revoltas pelos tuaregues, um grupo tradicionalmente nômade, que remontam pelo menos a 1916. O MNLA foi formado por ex-insurgentes e um número significativo de tuaregues armados que lutaram na Guerra Civil Líbia.

Em 22 de março, o Presidente Amadou Toumani Touré foi derrubado em um golpe de Estado devido a forma com que lidava com a crise, um mês antes de uma eleição presidencial que deveria ter ocorrido.[24] Os militares revoltosos, sob a bandeira do Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado, (CNRDR) suspenderam a Constituição do Mali, embora este movimento fosse revertido em 1 de abril.[25]

O grupo islâmico Ansar Dine, também, começou a luta contra o governo em fases posteriores do conflito, alegando controle de vastas áreas do território, embora contestado pelo MNLA. Como consequência da instabilidade após o golpe de Estado, as três maiores cidades do Norte do Mali - Kidal, Gao e Tombuctu - foram invadidas pelos rebeldes,[26] em três dias consecutivos.[27] Em 5 de abril, após a captura de Douentza, o MNLA afirmou que havia conseguido os seus objetivos e cancelou sua ofensiva. No dia seguinte, proclamaram a independência de Azauade do Mali.[28]

Após o fim das hostilidades com o Exército do Mali, no entanto, os nacionalistas tuaregues e os islamitas se esforçaram para conciliar suas visões conflitantes para o novo Estado pretendido.[29] Em 27 de junho, os islamitas do Movimento para a Unidade e Jihad na África Ocidental (MUJOA) entraram em confronto com o MNLA na Batalha de Gao, ferindo o secretário-geral do MNLA Bilal Ag Acherif e assumindo o controle da cidade.[30] Em 17 de julho, o MOJWA e o Ansar Dine haviam expulsado o MNLA de todas as grandes cidades.[31]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Zonas étnico-culturais malinesas: árabe-bérberes (ou magrebinos), ao norte, e subsaarianos (ou negros), ao sul.

Os tuaregues pertencem a etno-linguística amazigue (berberes). Sua população em geral é difícil de avaliar e estaria em torno de 1,5 milhões, incluindo 550 000 no Mali, 800 000 no Níger, 50 000 na Argélia e Marrocos, o restante em Burquina Faso e Líbia.[32]

Ao longo das décadas anteriores à rebelião de 2012, líderes políticos tuaregues tinham afirmado que o povo nômade tuaregue foi marginalizado e, consequentemente, empobreceu tanto no Mali como no Níger, e que os projetos de mineração haviam danificado importantes áreas pastorais. Questões como as alterações climáticas e uma prática enraizada de modernização lançadas para áreas nômades do norte do Mali causaram muita tensão entre os povos tuaregues e o governo do Mali.[33] Os grupos separatistas tuaregues haviam encenado rebeliões anteriores mal sucedidas em 1990 e em 2007. Muitos dos tuaregues que combatem atualmente na rebelião receberam treinamento da Legião Islâmica de Gaddafi durante seu mandato na Líbia. Daí muitos dos combatentes são experientes em uma variedade de técnicas de guerra que têm trazido grandes problemas para os governos nacionais do Mali e do Níger.[34]

Nos meses seguintes a Guerra Civil Líbia, o Sael vê milhares de combatentes tuaregues - que apoiavam Muammar Gaddafi ou os rebeldes líbios - retornando ao Níger e Mali, com um vasto armamento de guerra, dessa forma, após o fim da guerra na Líbia, os tuaregues passam a lutar pela independência do Azauade.[35] A força desta revolta e o uso de armas pesadas, que não estavam presentes nos conflitos anteriores, foi dito ter "surpreendido" os oficiais malianos e observadores.[36] Este conflito é parte de uma série de insurreições geralmente chamadas de "rebeliões tuaregues" opondo membros do povo tuaregue e os governos do Mali e do Níger. Desde 1916, houve vários conflitos importantes:

A partir de 1958, o Movimento Popular para o Azauade (MPA) afirma a soberania tuaregue.[32]

Também afetada pela seca de 1970, os tuaregues se refugiaram na Argélia e Líbia nos acampamentos onde os jovens são treinados e recrutados pelas forças armadas.[32]
Em 1988, o Movimento Popular para a Libertação do Azauade (MPLA) é criado.[32]

  • A Rebelião tuaregue de 1990-1995 no Mali e Níger. No Mali, um período inicial de conflito (outubro-dezembro de 1990), levou à assinatura dos Acordos de Tamanrasset em 1991 e do Pacto Nacional em 1992,[37] mas não marca o fim definitivo das hostilidades. Os conflitos reapareceram em 1994-1995 e a paz foi finalmente selada em 27 de março de 1996 em Tombuctu, durante a cerimônia da Chama da Paz, em que os rebeldes tuaregues queimaram 3.000 armas usadas durante a rebelião.
  • A insurreição tuaregue de 23 de maio de 2006 no Mali, levando aos Acordos de Argel (assinado 4 de julho de 2006).[32]
  • A Rebelião tuaregue de 2007-2009 no Níger e Mali.

Desenrolar do conflito[editar | editar código-fonte]

Janeiro[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Stratfor, os primeiros ataques ocorreram em Menaka em 16 e 17 de janeiro. Em 17 de janeiro, ataques em Aguelhok e Tessalit foram relatados. O governo do Mali afirmou ter recuperado o controle de todas as três cidades no dia seguinte.[38] Em 24 de janeiro, os rebeldes retomaram Aguelhok depois que o Exército do Mali ficou sem munição.[15] No dia seguinte, o governo de Mali, mais uma vez recapturou a cidade.[38]

Em 26 de janeiro, os rebeldes atacaram e tomaram o controle das cidades do norte do Mali de Andéramboukane e Léré depois de confrontos com os militares. A Stratfor também relatou um ataque em Niafunké em 31 de janeiro.[38] A Agence France-Presse (AFP) informou que os rebeldes tinham capturado Menaka em 1 de fevereiro.[39]

Em 13 de fevereiro, a rádio francesa RFI relatou declarações do exército maliano de que o MNLA tinha realizado execuções de seus soldados em 24 de janeiro cortando suas gargantas ou atirando-lhes na cabeça. O ministro do Desenvolvimento francês Henri de Raincourt mencionou que houve cerca de 60 mortes, enquanto que um oficial maliano envolvido no sepultamento dos mortos contou a AFP que 97 soldados foram mortos.[40] No entanto, as evidências não foram verificadas e, em parte, negadas como forjadas pelo MNLA.[15]

O Mali lançou operações aéreas e terrestres para retomar os territórios apreendidos,[41] e, em seguida, Touré reorganizou seus comandantes para a luta contra os rebeldes.[42]

Fevereiro[editar | editar código-fonte]

No início de fevereiro de 2012, negociações foram realizadas em Argel entre o ministro das Relações Exteriores do Mali Soumeylou Boubeye Maiga e um grupo rebelde tuaregue conhecido como Aliança Democrática de 23 de Maio de 2006 para a Mudança. O acordo estabelecia um cessar-fogo e a abertura de um diálogo. No entanto, o MNLA rejeitou o acordo e afirmou que não estavam representados nestas negociações.[43]

Em 1 de fevereiro, o MNLA tomou o controle da cidade de Menaka, quando o exército maliano operou o que eles chamaram de um recuo tático. A violência no norte levou a protestos anti-rebelião que fecharam Bamako, a capital do Mali. Dezenas de soldados do Mali também foram mortos em combates em Aguelhok.[44] Após os protestos em Bamako, o ministro do Interior tomou o lugar do ministro da Defesa. O presidente Touré também pediu que a população não atacasse qualquer comunidade depois que algumas propriedades dos tuaregues foram atacadas nos protestos.[44]

Em 4 de fevereiro, os rebeldes afirmaram que estavam atacando a cidade de Kidal, enquanto o exército do Mali disse que suas tropas disparavam com armas pesadas para evitar que a cidade fosse atacada. Como resultado do conflito, 3.500 civis deixaram a cidade para cruzar a fronteira para a Mauritânia. Anteriormente aproximadamente 10.000 civis fugiram para campos de refugiados no Níger após os combates em Menaka e Andéramboukane.[45] As fontes oficiais do Mali informaram que 20 rebeldes tuaregues foram mortos pelo exército na região de Tombuctu, a maioria deles sendo mortos por helicópteros.[20]

Em 8 de fevereiro, o MNLA tomou a cidade fronteiriça Mali-Argélia de Tinzaouaten, forçando os soldados do Mali a fugirem para a Argélia.[46] Um porta-voz rebelde disse que conseguiram obter armas e veículos militares encontrados nos campos militares da cidade. O combate pela cidade matou um soldado do governo e um rebelde.[47] Durante o mês, Niafunké também foi capturada e depois perdida novamente pelos rebeldes.[48]

Em 23 de fevereiro, os Médecins Sans Frontières declararam que uma menina tinha sido morta e outras dez mulheres e crianças ficaram feridas quando a força aérea do Mali bombardeou um acampamento para deslocados internos no norte. O MNLA repetidamente acusou o governo do Mali de bombardeios indiscriminados por helicópteros de ataque malianos pilotados por mercenários estrangeiros.[49]

Março: até que o golpe de Estado[editar | editar código-fonte]

Em 4 de março, uma nova série de combates foi relatado próximo à cidade de Tessalit, anteriormente mantida pelos rebeldes.[50] No dia seguinte, três unidades do Exército do Mali desistiram de tentar suspender o cerco.[15][51] A Força Aérea dos Estados Unidos faz lançamento aéreo de suprimentos através de um C-130 em apoio aos soldados malianos sitiados.[6]

Em 11 de março, o MNLA reassumiu Tessalit e seu aeroporto, após os esforços do governo e de seus aliados, para reabastecer a cidade fracassar, e as forças militares do Mali fugirem em direção à fronteira com a Argélia. O MNLA anunciou que também tinha capturado diversos soldados, bem como armas leves e pesadas e veículos blindados.[52] Cerca de 600 combatentes tuaregues participaram da batalha.[53]

Os rebeldes avançaram para cerca de 125 quilômetros de Tombuctu e seu avanço não foi contido quando entraram sem combates nas cidades de Diré e Goundam.[54] Uma fonte militar maliana afirma que as cidades foram invadidas pois os militares planejavam defender Niafunké.[55] O jornal francês Libération também informou que os rebeldes reivindicavam controlar um terço do Mali e que o exército do Mali estava esforçando-se para lutar. Um dos três helicópteros do governo tripulados por mercenários ucranianos também quebrou, enquanto os outros dois estavam sendo mantidos para proteger o sul.[56][57][58] O Ansar Dine também alegou ter o controle da fronteira Mali-Argélia. Foi noticiado que seus líderes estavam planejando uma troca de prisioneiros com o governo do Mali.[59]

Golpe de Estado[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Golpe de Estado no Mali em 2012

Em 21 de março, os soldados malianos atacaram o ministro da Defesa Sadio Gassama, que pretendia discutir com eles sobre a rebelião, em uma base militar perto de Bamako. Os amotinados estavam insatisfeitos com tratamento de Touré a revolta e os equipamentos que tinham recebido para lutar contra os insurgentes.[60] Mais tarde naquele dia, os soldados invadiram o palácio presidencial, forçando Touré a se esconder.[61]

Na manhã seguinte, o capitão Amadou Sanogo, o presidente do Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado (CNRDR), fez uma aparição na televisão em que anunciava que a junta havia suspendido a constituição do Mali e assumido o controle da nação.[62] O CNRDR serviria como um regime transitório até que o poder pudesse ser devolvido a um novo governo democraticamente eleito.[63]

O golpe foi "condenado de forma unânime" pela comunidade internacional,[64] inclusive pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas,[65] pela União Africana,[65] e pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que anunciou em 29 de março que o CNRDR tinha 72 horas para ceder o controle antes que as fronteiras sem acesso ao mar do Mali fossem fechadas por seus vizinhos,[66] e seus bens ficariam congelados pela União Económica e Monetária da África Ocidental, e os indivíduos do CNRDR teriam seus patrimônios congelados e viagens proibidas.[67] A CEDEAO [68] e a União Africana, também suspenderam o Mali. Os Estados Unidos, o Banco Mundial e o Banco Africano de Desenvolvimento suspenderam os fundos de ajuda ao desenvolvimento em apoio às reações da CEDEAO e da UA para o golpe.[69][70]

Um acordo foi mediado entre a junta e os negociadores da CEDEAO em 6 de abril, em que Sanogo e Touré renunciariam, as sanções seriam suspensas, aos amotinados seria concedida a anistia, e o poder passaria ao porta-voz da Assembleia Nacional do Mali, Dioncounda Traoré.[71] Após posse de Traoré, ele prometeu "travar uma guerra total e implacável" contra os rebeldes tuaregues, a menos que eles liberassem o controle das cidades do norte do Mali.[72]

Ofensivas renovadas[editar | editar código-fonte]

Como resultado da incerteza após o golpe, os rebeldes lançaram uma ofensiva com o objetivo de capturar várias cidades e acampamentos militares abandonados pelo exército do Mali.[73] O MNLA tomou a cidade de Anefis sem lutar e o exército maliano declaradamente abandonou seus postos em várias outras cidades do norte também.[74] Embora a ofensiva aparentemente incluiu tanto o MNLA e o Ansar Dine, de acordo com Jeremy Keenan, da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres, a contribuição deste último grupo foi pequena: "o que parece acontecer é que, quando eles se movem em uma cidade, o MNLA retira a base militar - que não haja muita resistência - e Iyad [ag Aghaly] entra na cidade, coloca a bandeira e começa a dar ordens a todos ao redor sobre a lei da sharia".[75]

Em 24 de março, Amadou Sanogo, líder do Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado, anunciou sua intenção de buscar conversações de paz com o MNLA.[76] As negociações ocorreram no Níger.[77] Na França, Henri de Raincourt afirmou mais tarde que o MNLA estava em negociações com o governo sob os auspícios da CEDEAO em Burkina Faso.[78]

Em 30 de março, os rebeldes assumiram o controle de Kidal, capital da região de Kidal.[79] Ansar Dine teria entrado na cidade do sul após um dia de intensos combates.[80] Em resposta à perda, Sanogo pediu aos vizinhos do Mali para que fornecessem ajuda militar para "salvar a população civil e a integridade territorial do Mali".[79]

No mesmo dia, o MNLA assumiu o controle das cidades de Ansongo e Bourem na região de Gao,[81] uma vez que o exército declarou que estava saindo de suas posições em ambas as cidades para apoiar a defesa de Gao,[82] que era o quartel general do Exército do Mali, no norte. Um administrador em Bourem teria sido morto pelos rebeldes.[83] Na manhã do dia 31 de março,[77] os rebeldes entraram em Gao e hastearam suas bandeiras de Azauade.[84] O MOJWA também afirmou que fazia parte das forças de ataque e ocupação de Gao.[85]

Embora o Exército do Mali, em seguida, usasse helicópteros para responder ao ataque,[84] abandonaram suas bases em torno de Gao no final do dia.[86] O MNLA seguida, assumiu o controle da cidade[87]

Tanto as bandeiras do MNLA como as do Ansar Dine foram vistas ao redor da cidade, levando a relatos conflitantes de qual grupo estava no controle.[26] A Associated Press informou que segundo um refugiado que "sinais de desunião" tinham começado a aparecer entre o MNLA e o Ansar Dine, incluindo a remoção de bandeiras do MNLA de Kidal.[88] Dos dois acampamentos militares da cidade, o MNLA assumiu o controle do Campo 1, o antigo centro de operações do Exército do Mali contra a rebelião,[89] ao mesmo tempo que o Ansar Dine assumiu o controle do Campo 2.[90]

A prisão teria sido aberta, enquanto edifícios públicos teriam sido saqueados por civis.[91] Os rebeldes também foram acusados de terem saqueado cofres bancários, enquanto o Ansar Dine começou impor a sharia.[92] As lojas da cidade também fecharam.[77]

Postos de controle foram construídos em torno de Tombuctu,[77] visto que forças rebeldes cercaram a cidade,[90] com o MNLA declarando que procurou "desalojar o restante da administração política e militar do Mali" na região.[93] Os soldados do Mali com origens sulistas teriam iniciado a evacuação de Tombuctu, enquanto soldados árabes do norte ficaram para defender a cidade.[94]

Captura de Tombuctu e Douentza[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte, os rebeldes começaram a atacar os arredores de Tombuctu[95] de madrugada [92] visto que relatos indicavam que os soldados do governo haviam desertado pelo menos de uma das bases.[91] O ataque ocorreu com o uso de armas pesadas e armas automáticas,[92] que foram deixadas por desertores do exército maliano anteriormente.[96] A Al Jazeera informou a captura de Tombuctu no dia definido para expirar um prazo de 72 horas imposto pela CEDEAO para o início do retorno para o governo civil.[67] A defesa da cidade foi deixada sobretudo para milícias árabes locais visto que a maior parte do Exército do Mali fugiu.[97] O MNLA então assumiu Tombuctu sem muita luta, comemorando sua vitória com a bandeira de Azauade em picapes em torno da cidade.[91]

O MNLA afirmou então que havia conseguido a "libertação total" da região de Tombuctu.[98] Kidal com base do Exército do Mali do coronel El Haji Ag Gamou[57] anunciou sua deserção para o MNLA com 500 de suas tropas. Gamou Ag e seus homens depois fugiram para o Níger; Ag Gamou afirmou que havia fingido participar do MNLA apenas para salvar seus homens. Seu regimento foi desarmado pelo exército do Níger e colocado em um campo de refugiados, levando o número de soldados do Mali que buscaram refúgio no Níger para mais de 1.000.[99]

Em 6 de abril, foi noticiado que Douentza também estava sob o controle do MNLA, que anunciou que a cidade era a última captura na região.[100] A velocidade da captura de grandes cidades foi visto como uma consequência da instabilidade em Bamako, a junta militar com as mãos atadas entre os rebeldes e a ameaça de sanções econômicas pela CEDEAO e outros.[101] Com as tropas da CEDEAO em espera para uma primeira intervenção em um país membro, Sanogo disse: "A partir de hoje temos o compromisso de restaurar a constituição de 1992 e todas as instituições da república. Contudo, dada a crise multidimensional que enfrentamos, vamos precisar de um período de transição para preservar a unidade nacional. Vamos iniciar conversações com todas as entidades políticas para para colocar em prática um corpo de transição que vai supervisionar eleições livres e transparentes na qual não iremos participar".[68]

Declaração de independência e escalada das tensões[editar | editar código-fonte]

Após a queda de Douentza, em meio a relatos de tensões entre secularistas e islâmicos em Tombuctu e Gao, o MNLA pediu à comunidade internacional para proteger o que denominaram Azauade. No entanto, outros países africanos e os organismos supranacionais rejeitaram por unanimidade a partição do Mali. Um dia antes de o Conselho de Segurança ter solicitado o fim das hostilidades, o chanceler francês Alain Juppé disse: "Não haverá uma solução militar com os tuaregues. Deve haver uma solução política".[102] Juppé referiu-se ao MNLA como um interlocutor credível no diálogo contínuo entre Paris e as facções rivais no Mali, reconhecendo-o como distinto do Ansar Dine e da Al Qaeda no Magreb Islâmico, grupos com que descartou negociações.[103]

Em 6 de abril, indicando que havia garantido todo o seu território desejado, o MNLA declarou a independência do Mali. No entanto, a declaração foi indeferida como inválida pela União Africana e a União Europeia.[104]

A partir de 8 de abril, o MNLA mantinha 400 soldados malianos capturados durante o conflito. Os prisioneiros sofreram com a falta de higiene, e um comandante do MNLA afirmou que nem o governo de Bamako nem as organizações humanitárias se importavam com eles.[19] Em 15 de maio, a Anistia Internacional divulgou um relatório alegando que combatentes com o MNLA e o Dine Ansar estavam "operando o motim" no norte do Mali,[105] casos documentando de estupro, execuções extrajudiciais e uso de crianças como soldados tanto pelos tuaregues como por grupos islâmicos [106]

Cidades capturadas pelos rebeldes[editar | editar código-fonte]

Cidade Data de captura Data de perda Data de recaptura Detidas por
Ménaka 16–17 janeiro 18 de janeiro 1 de fevereiro[44] MNLA
Aguelhok 17 de janeiro
24 de janeiro
18 de janeiro
25 de janeiro
? ?
Tessalit 17 de janeiro 18 de janeiro 11 de março[52] MNLA
Andéramboukane[107] 26 de janeiro MNLA
Léré[108] 26 de janeiro MNLA
Tinzaouaten[46] 8 de fevereiro MNLA
Niafunké[48] ~fevereiro fevereiro ? ?
Diré[54] ~13 de março (incerto se realizou) ?
Goundam[54] ~13 de março (incerto se realizou) ?
Anefis[109] 23 de março MNLA
Kidal[79] 30 de março Ansar Dine
Ansongo[81] 30 de março Ansar Dine
Bourem[81] 30 de março MNLA
Gao[86] 31 de março Ansar Dine/MUJAO
Tombuctu[67] 1 de abril Ansar Dine[10]
Ber[108] ? MNLA
Douentza > 2 de abril MNLA
Konna 10 de janeiro de 2013 Ansar Dine

Referências

  1. Afua Hirsch (22 de março de 2012). «Mali rebels claim to have ousted regime in coup». The Guardian. London. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  2. «Communiqué N°14-04-04-2012- Fin des Opérations Militaires» (em francês). National Movement for the Liberation of Azawad. 4 de Abril de 2012. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  3. «Tuaregs claim 'independence' from Mali». Al Jazeera. 6 de Abril de 2012. Consultado em 6 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  4. «Mali Tuareg and Islamist rebels agree on Sharia state». BBC News. 26 de Maio de 2012. Consultado em 27 de Maio de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  5. «Líder jihadista anuncia fusão e promete atacar Egito». Estado de São Paulo. 29 de Junho de 2012. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  6. a b «Malian forces battle Tuareg rebels». News24. South African Press Association. 4 de março de 2012. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  7. «Logistics: American Robots Sustain The Siege of Tessalit». Strategypage.com. 8 de Março de 2012. Consultado em 22 de Março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  8. a b c «Mali: nouveau groupe armé créé dans le Nord». Europe1.fr. Agence France-Presse. Consultado em 9 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  9. Felix, Bate; Diarra, Adama (10 de Abril de 2012). «New north Mali Arab force seeks to "defend" Timbuktu». Reuters. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  10. a b «Ansar Dine Salafists chase MNLA rebels from Timbuktu». Shanghai Daily. Xinhua. 4 de Abril de 2012. Consultado em 3 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  11. Couamba Sylla (4 de Abril de 2012). «Tuareg-jihadists alliance: Qaeda conquers more than half of Mali». middle-east-online.com. Consultado em 6 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  12. MISNA (20 de Janeiro de 2012). «Mali: Fighting In North; The New Touareg War». Eurasiareview.com. Consultado em 7 de Março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  13. Serge Daniel (30 de Março de 2012). «Mali's isolated junta seeks help to stop Tuareg juggernaut». ModernGhana.com. Agence France-Presse. Consultado em 1 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  14. «Mali Tuareg rebels' call on independence rejected». BBC. 6 de Abril de 2012. Consultado em 6 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  15. a b c d e Jeremy Keenan (20 de Março de 2012). «Mali's Tuareg rebellion: What next?». Al Jazeera English. Consultado em 23 de Março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  16. a b Sofia Bouderbala (2 de Abril de 2012). «Al-Qaeda unlikely to profit from Mali rebellion: experts». The Daily Star. Consultado em 3 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  17. Herve Bisseleua, Shefa Siegel, Allison Greenberg (12 de Abril de 2012). «Making sense of Mali». Haaretz. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  18. a b «Fierce clashes between Malian army and Tuareg rebels kill 47». The Telegraph. London. 19 de Janeiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  19. a b «Des prisonniers crient leur détresse – Actualité» (em francês). El Watan. 8 de abril de 2012. Consultado em 9 de abril de 2012. (pede subscrição (ajuda)) 
  20. a b Tiemoko Diallo and Adama Diarra (5 de fevereiro de 2012). «Mali says 20 rebels killed, thousands flee». Reuters. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  21. «Tuareg rebels take Mali garrison town, say sources». Reuters. 11 de Março de 2012. Consultado em 11 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  22. Nick Meo (7 de Abril de 2012). «Triumphant Tuareg rebels fall out over al-Qaeda's jihad in Mali». The Telegraph. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  23. Andy Morgan (23 de Março de 2012). «Coup threatens to plunge Mali back into the darkness of dictatorship». The Guardian. Consultado em 5 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  24. «Mali soldiers say president toppled in coup – Africa». Al Jazeera English. 4 de Outubro de 2011. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  25. «Malian coup leaders restore constitution». Al Jazeera. 1 de Abril de 2012. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  26. a b Baba Ahmed (2 de Abril de 2012). «Islamist group plants flag in Mali's Timbuktu». The Seattle Times. Associated Press. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  27. Cheick Dioura and Adama Diarra (31 de Março de 2012). «Mali Rebels Assault Gao, Northern Garrison». The Huffington Post. Reuters. Consultado em 5 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  28. «Tuareg rebels declare the independence of Azawad, north of Mali». Al Arabiya. 6 de Abril de 2012. Consultado em 6 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  29. «Mali: Islamists seize Gao from Tuareg rebels». BBC News. 27 de Junho de 2012. Consultado em 27 de Junho de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  30. Serge Daniel (27 de Junho de 2012). «Islamists seize north Mali town, at least 21 dead in clashes». Google News. Agence France-Presse. Consultado em 27 de Junho de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  31. Adam Nossiter (18 de Julho de 2012). «Jihadists' Fierce Justice Drives Thousands to Flee Mali». The New York Times. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  32. a b c d e f Yidir Plantade (25 janvier 2012). «Dans le nord du Mali, les Touaregs du MNLA lancent un nouveau défi armé à l' État». lemonde.fr  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  33. «Q&A: Tuareg unrest». BBC News. 7 de abril de 2007. Consultado em 31 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2012 
  34. http://web.ebscohost.com.www.remote.uwosh.edu/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=2&hid=21&sid=37d5c97c-9362-41bb-a0bd-78aac157aa89%40sessionmgr12
  35. «Mali: 47 Die in Clashes Between Troops, Rebels – Ministry». allAfrica.com. Agence France-Presse. 19 de janeiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012 
  36. Adam Nossiter (5 de fevereiro de 2012). «Qaddafi's Weapons, Taken by Old Allies, Reinvigorate an Insurgent Army in Mali». The New York Times. Consultado em 26 de março de 2012 
  37. « Pacte national conclu entre le gouvernement de la République du Mali et les mouvements et fronts unifiés de l'Azawad consacrant le statut particulier du Nord du Mali », Journal officiel de la République du Mali, Secrétariat général du Gouvernement, Koulouba, 1992
  38. a b c «Mali Besieged by Fighters Fleeing Libya». Stratfor. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  39. «AFP: Tuareg rebels take Mali town after army pullout». Google. Agence France-Presse. 31 de Janeiro de 2012. Consultado em 7 de Março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  40. «Tuareg rebels behind January killings, confirms Mali army». Radio France International. 13 de Fevereiro de 2012. Consultado em 7 de Março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  41. Xan Rice (19 de Fevereiro de 2012). «Mali steps up battle against Tuareg revolt». Financial Times. Consultado em 24 de Março de 2012. (pede subscrição (ajuda)) 
  42. «Mali: Rebellion claims a president». Irinnews.org. 22 de Março de 2012. Consultado em 2 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  43. «Tuareg rebels not bound by truce talks». News24. Agence France-Presse. 7 de fevereiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  44. a b c «Mali capital paralysed by anti-rebellion protests». Reuters. 2 de fevereiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  45. «Heavy weapons fire rocks town in Mali's north». Reuters. 4 de fevereiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  46. a b «Malian rebels seize key border town, civilians flee». Reuters. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  47. «UN calls on Mali's Tuareg rebels to halt advance». FRANCE 24. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  48. a b «Le MNLA continue sa conquête du nord-Mali». MaliActu. Consultado em 2 de abril de 2012 [ligação inativa] 
  49. «Girl killed in Mali airstrike on displaced camp – MSF». Reuters. 23 de fevereiro de 2012. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  50. «Malian soldiers battle Tuareg rebels in northeast: sources». Gulf-times.com. Agence France-Presse. Consultado em 7 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  51. «Mali govt forces fail to lift garrison town siege». Reuters. 5 de março de 2012. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  52. a b «Tuareg rebels take Mali garrison town, say sources». Trust.org. Reuters. 11 de março de 2012. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  53. «Mali Tuaregs say they control major military base». 9news.com. Associated Press. 14 de março de 2012. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  54. a b c «Mauritania denies collusion as Mali rebels advance». Reuters. 14 de março de 2012. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  55. «Après la prise de Tessalit : Le MNLA continue sa conquête du nord-Mali» (em francês). Fratmat.info. Consultado em 24 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  56. «Les rebelles touaregs contrôlent un tiers du Mali – Libération». Libération. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  57. a b Roger Kaplan (12 de março de 2012). «Mischief in Mali». The Weekly Standard. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  58. «Mali: Battle rages in Tessalit, battles and aerial bombardment». Reliefweb.int. 17 de Fevereiro de 2012. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  59. «Armed Islamist group claims control in northeast Mali». Google News. Agence France-Presse. 20 de março de 2012. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  60. «Renegade Mali soldiers announce takeover». BBC. 22 de março de 2012. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  61. Agence France-Presse (25 de março de 2012). «Mali army claims upper hand over rebels amid coup disarray». Theprovince.com. Consultado em 25 de março de 2012 [ligação inativa] 
  62. «Renegade Mali soldiers declare immediate curfew». Reuters. 9 de fevereiro de 2009. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  63. «Renegade Mali soldiers say seize power, depose Toure». Reuters. 22 de março de 2012. Consultado em 22 de3 março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  64. «Au Mali, le front des putschistes se fragilise». Le Monde (em francês). 24 de março de 2012. Consultado em 24 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  65. a b «International condemnation for Mali coup». Al Jazeera. 23 de março de 2012. Consultado em 24 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  66. «Ecowas gives Mali leaders ultimatum to relinquish power». BBC News. 29 de março de. Consultado em 30 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  67. a b c «Malian coup leader to restore constitution». Al Jazeera. 1 de abril de 2012. Consultado em 31 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  68. a b «Is Mali heading for a split?». Al Jazeera. 2 de abril de 2012. Consultado em 2 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  69. «International condemnation for Mali coup – Africa». Al Jazeera English. 4 de outubro de 2011. Consultado em 23 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  70. «US cuts off aid to Mali's government after coup». USA Today. Associated Press. 26 de março de 2012. Consultado em 26 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  71. «Mali awaits next step after president, coup leader resign». The Daily Star. 10 de abril de 2012. Consultado em 9 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  72. «Mali's new leader threatens 'total war' against Tuareg rebels». The Telegraph. 13 de abril de 2012. Consultado em 14 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  73. David Lewis (23 de março de 2012). «Mali rebels advance in north, mutineers seek president». Reuters. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  74. Baba Ahmed and Michelle Faul. «The Associated Press: Mali state TV goes off air; fear of countercoup». Yahoo! News. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  75. Robyn Dixon and Jane Labous (4 de abril de 2012). «Gains of Mali's Tuareg rebels appear permanent, analysts say». Los Angeles Times. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  76. «Mali coup leader Amadou Sanogo 'in complete control'». BBC News. 24 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  77. a b c d «Tuareg rebels enter key Malian town». 4 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  78. «Henri de Raincourt : Le MNLA est un partenaire incontournable de la résolution du conflit malien». africa1.com. 5 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  79. a b c «Mali coup: Rebels seize desert town of Kidal». BBC News. 30 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  80. Felix Bate (30 de março de 2012). «Tuareg rebels enter strategic northern Mali town». Reuters. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  81. a b c David Lewis and Adama Diarra (30 de março de 2012). «Mali coup leader seeks help as rebels seize towns». Reuters. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  82. «Malians back coup as rebels gain ground». Al Jazeera English. 4 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  83. «Administrator in Northern Mali Killed by Tuareg Rebels». English.cri.cn. 15 de abril de 2005. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  84. a b «Rebels enter northern Mali town of Gao». Reuters. 31 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  85. «Nord Mali: l'armée en déroute face aux rebelleS touareg, Tombouctou assiégée» (em francês). Agence France-Presse. 1 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  86. a b Cheick Dioura and Tiemoko Diallo (1 de abril de 2012). «Mali army abandons northern town after rebel attack». Reuters. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  87. «Mali Tuareg rebels seize key garrison town of Gao». BBC News. 31 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  88. «Mali rebels attack northern town in coup aftermath». USA Today. Associated Press. 31 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  89. Baba Ahmed (1 de abril de 2011). «La mutinerie a gagné la ville de Gao» (em francês). Malijet.com. Jeune Afrique. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  90. a b «Rebels seize Mali's main northern city: Witnessses». Agence France-Presse. 1 de abril de 2011. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  91. a b c «Mali Tuareg rebels enter Timbuktu after troops flee». BBC News. 1 de abril de 2012. Consultado em 1 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  92. a b c Associated Press (1 de abril de 2012). «Mali coup leader reinstates old constitution, amid international pressure to step down». The Washington Post. Consultado em 1 de abril de 2012 [ligação inativa]
  93. Mike Pflanz (1 de abril de 2012). «Timbuktu encircled as Mali coup intensifies». London: Telegraph. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  94. «Mali junta pledges to cede power, rebels advance». Af.reuters.com. 9 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  95. Associated Press (1 de abril de 2012). «Mali coup leader reinstates old constitution». USA Today. Consultado em 5 de julho de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012. Tuareg rebels penetrated and seized ... Timbuktu ... heavy firefight 
  96. «Timbuktu bombarded as Mali constitution 'restored'». Jakarta Globe. Agence France-Presse. 1 de aril de 2012. Consultado em 31 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  97. «Tuareg rebels enter Mali's Timbuktu: witnesses». Xinhua. 1 de abril de 2012. Consultado em 31 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  98. Jemal Oumar (2 de abril de 2012). «Touareg capture Timbuktu as Mali junta restores constitution». Maghrebia.com. Consultado em 5 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  99. «Mali: le MNLA proclame l'indépendance de l'Azawad». Radio France Internationale. 6 de abril de 2012. Consultado em 6 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  100. «Tuareg Fighters Declare Mali Ceasefire». InterPress News Service/Al Jazeera. 5 de abril de 2012. Consultado em 6 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  101. «Mali junta caught between rebels and Ecowas sanctions». BBC. 2 de abril de 2012. Consultado em 2 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  102. «Tuareg fighters declare Mali ceasefire». Al Jazeera. 5 de abril de 2012. Consultado em 6 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  103. «France urges talks with Mali rebels, unity against al Qaeda». Reuters. 5 de abril de 2012. Consultado em 5 de abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  104. «Mali Tuareg rebels declare independence in the north». BBC News. 6 de abril de 2012. Consultado em 28 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2012 
  105. Afua Hirsch (15 de maio de 2012). «Mali rebels face backlash after months of instability and violence». The Guardian. Consultado em 16 de maio de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  106. «Mali's worst human rights situation in 50 years». Amnesty International. 16 de maio de 2012. Consultado em 16 de maio de 2012. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2012 
  107. «Tuareg rebels attack fifth town in Mali – Africa». Al Jazeera English. 26 de Janeiro de 2012. Consultado em 7 de Março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  108. a b «Libération Complète de la Région de Tinbouctou» (em francês). Mnlamov.net. Consultado em 2 de Abril de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  109. Robyn Dixon (23 de março de 2012). «With military in disarray, Tuareg rebels gain in northern Mali». Los Angeles Times. Consultado em 24 de março de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]