Conflito entre facções criminosas brasileiras de 2016–2017

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar rapidamente.
Editado pela última vez em 23 de agosto de 2017.
Conflito entre facções criminosas
Data Setembro de 2016 – atual
Local Sistema carcerário brasileiro
Beligerantes
[1]
Forças
Força: 7.285 Força: 7.350
Baixas
~64 (somente dentro de presídios) ~69 (somente dentro de presídios)

O conflito entre facções criminosas brasileiras de 2016–2017 é uma série de confrontos entre organizações criminosas do país divididas em dois lados em fins da década de 2010. Os confrontos têm sido encabeçados por Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV), em lados opostos e apoiados por aliados, com episódios dentro de presídios e periferias de cidades brasileiras. Seu surgimento está ligado aos métodos do PCC para conquistar novos territórios para o narcotráfico, que envolvem a cobrança de seguros e centralização econômica e cuja organização rígida pseudoestatal encontra forte resistência de organizações criminais regionais, com organização predominantemente descentralizada.[2]

O confronto tem tomado a forma de rebeliões prisionais culminadas em massacres. No fim de 2016, ocorreu a primeira rebelião em Roraima com detentos mortos.[3] Em 1.° de janeiro de 2017, 56 presos foram mortos após um tumulto ocorrido no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) em Manaus, no Amazonas, na região Norte do país.[3] Integrantes de duas quadrilhas rivais de tráfico de drogas, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e a Família do Norte (FDN) — aliada do Comando Vermelho (CV) — entraram em confronto naquele que foi considerado o massacre mais violento da história do sistema prisional brasileiro desde a chacina do Carandiru (1992).[3] Cinco dias depois, 33 presos foram mortos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, localizada na zona rural de Boa Vista, em Roraima, também na região Norte.[4] Segundo a Folha de S.Paulo, a chacina em Roraima foi uma resposta do PCC à rebelião comandada pela FDN no Amazonas.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O Brasil possui a quarta maior população carcerária do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, da China e da Rússia.[3] Segundo as estimativas oficiais, há mais de 620 mil detentos no país.[3] No entanto, há 1,67 presos por vaga, sendo que o país deveria aumentar sua capacidade em pelo menos 50% para acomodar adequadamente os detentos.[3] O próprio Compaj deveria abrigar 454 presos, mas abriga 1 224.[5] Nesse cenário de superlotação e condições precárias, as penitenciárias brasileiras tornaram-se alvo fácil para a ação de grupos criminosos que dizem defender os interesses dos presos, tais como o Primeiro Comando da Capital (PCC), baseado em São Paulo e o Comando Vermelho (CV), baseado no Rio de Janeiro. Estas entidades paraestatais são financiadas através do tráfico de drogas, de sequestros e de assaltos[6] e usam seus fundos para exercer influência sobre agentes públicos com o intuito de dominar o sistema prisional.[7]

Conflitos entre PCC e rivais regionais remontam pelo menos ao início da década de 2010. O PCC, desde então, tem cooptado membros de tais grupos com propostas atrativas que envolvem empréstimo de armas e dinheiro, seguro de vida, assistência médica e auxílio a familiares. Estes grupos, menos numerosos, encontraram no CV um aliado de volume considerável que os permitiu desafiar o poder da organização paulista.[2][8][9][10]

Os órgão ligados à segurança pública(Polícias Militares e Civis nos estados, Polícia Federal) governos estaduais e federal assim como órgãos de defesa nacional(exército, Marinha, aeronáutica) e inteligência(ABIN) além da grande imprensa omitiram o crescimento do PCC nos estados na segunda metade da primeira década censurando o nome da facção envolvida em rebeliões e denunciada inclusive pelos órgãos do sistema penitenciário nos estados. No Rio Grande do Norte por exemplo o serviço de inteligência do sistema penitenciário denunciou em matéria publicada nos jornais do estado a presença do PCC dentro dos presídios organizando os presos sem que isso repercutisse na imprensa nacional. Como nada foi feito pelos governos, legisladores e pelo poder judiciário, o problema continuou aumentando.

Um relatório feito pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo em março de 2014 revelou que o PCC era praticamente onipresente nos presídios paulistas e que a organização possuía planos de expandir-se para demais estados.[11] Segundo um promotor ouvido pela revista CartaCapital á época, o PCC se tornaria hegemônico em todo o país, caso não houvesse uma revolução no sistema penitenciário nacional.[11] Ainda segundo este promotor, a primeira ação do PCC, após consolidar-se num novo estado, era promover revoltas em presídios da região.[11] Um relatório anterior, feito pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça em 2012 apontava a expansão do grupo pelo território nacional.[12]

No início de 2016, Jorge Rafaat Toumani, narcotraficante que controlava a rota do tráfico na fronteira entre Brasil e Paraguai, deu início a uma cobrança mais alta na droga trazida para a organização paulista. Esse regime levou à sua execução em 15 de junho de 2016, em Pedro Juan Caballero, Paraguai, por um grupo de aproximadamente 100 mercenários formado por membros do PCC e criminosos paraguaios.[13] Com esta ação, o PCC garantia um lucro maior em suas atividades, além de ilhar os grupos regionais e o CV, que se viram obrigados a negociar com a organização.[13]

Em setembro de 2016, o PCC circulou um "salve" (ordem de ação) declarando guerra ao CV e seus aliados. As justificativas para o salve foram as tentativas do PCC de negociar a paz com grupos locais e a recusa do CV em comunicar-se com a cúpula do grupo paulista.[2]

Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

A proliferação do PGC (Primeiro Grupo Catarinense) se deu de forma vertiginosa em Santa Catarina. No tráfico, atingiu o mercado de drogas sintéticas. Fora do Estado, houve associações com facções rivais. A principal delas foi com o Comando Vermelho, liderado pelo narcotraficante Fernandinho Beira-Mar, a quem coube, além de trocas de informações, o aperfeiçoamento dos recrutados pelo PGC no manuseio de armas e de fuzis e a sofisticação no modus operandi dos crimes. [14]

A aliança entre as duas facções causou a entrada do PGC na Guerra contra o PCC, rival da facção fluminense. Conflito que se intensificou também por Santa Catarina, com a tentativa de dominação de território em comunidades do estado por parte do PCC contra os catarinenses. O principal motivo pelo domínio de Santa Catarina seria os portos do litoral, que facilitaria a exportação de drogas e armas para a Europa, África e Ásia. [15] Só em Florianópolis foram registrados 60 assassinatos em 2016 com ligação com o embate entre as duas facções. [16]

Em Florianópolis, o principal conflito ocorre no bairro Monte Cristo, na parte continental da cidade. A guerra entre os traficantes das comunidades vizinhas da Chico Mendes (dominada pelo PGC) e Novo Horizonte (aliada ao PCC) se intensificou em 4 anos (desde 2013). O bairro é o mais violento da cidade, pelo grande número de integrantes das duas facções rivais, que tentam dominar a aérea. [17] [18] [19]

Joinville foi a primeira cidade a entrar na guerra das duas facções. Sua localização é estratégica, pois é próxima a divisa com o Paraná, estado que tem as unidades prisionais dominada pelo mesmo grupo. [16] A taxa de homicídios em Joinville já era maior que a de São Paulo e Rio de Janeiro no começo de 2017. [20]

Rebeliões[editar | editar código-fonte]

Em 16 de outubro de 2016, durante uma rebelião na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista, Roraima, membros do PCC assassinaram 10 membros da Família do Norte (FDN). Poucas horas depois, na Penitenciária Ênio dos Santos Pinheiro, em Porto Velho, Rondônia, oito membros do PCC foram asfixiados durante um incêndio causado por membros da FDN.[2]

Em 1.º de janeiro de 2017, aproximadamente 56 membros do PCC e outros desafetos foram assassinados por integrantes da FDN em uma rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, Amazonas.[21] Após a rebelião, o governo estadual transferiu 284 membros do PCC para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no centro de Manaus, que estava desativada havia 3 meses. Em 8 de janeiro de 2017, os integrantes da organização provocaram uma rebelião nesta unidade, em que 4 detentos foram assassinados.[22]

Em 6 de janeiro de 2017, membros do PCC executaram aproximadamente 33 integrantes da FDN na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista, Roraima.[23]

Em 14 de janeiro de 2017, 26 membros do SDC-RN, aliado do Comando Vermelho, foram executados por integrantes do PCC dentro da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Natal, no Rio Grande do Norte.[24][25][26]

16 de outubro de 2016: Boa Vista[editar | editar código-fonte]

Uma rebelião ocorrida em outubro de 2016 na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista, Roraima, deixou 25 mortos[3] e evidenciou a consolidação do PCC na região. Segundo a imprensa, o motim foi provocado pela rivalidade entre o PCC e a FDN, que controlava o presídio até então e é ligada ao CV.[3] O PCC e o CV romperam um pacto que mantinham para a compra de drogas e armas em regiões de fronteira em meados de 2016.[27] Segundo a socióloga Camila Nunes, que investiga as organizações criminosas, o fim da aliança pode ter ocorrido por disputa pelo controle de presídios.[27] Segundo o promotor Lincoln Gakiya, o PCC não aceitou dividir com o CV o lucro do tráfico de drogas na fronteira com o Paraguai.[28] Ela afirmou, em outubro de 2016, que o fim do pacto poderia gerar "instabilidade no sistema prisional do Brasil inteiro, principalmente no Norte e Região Nordeste, onde há um equilíbrio de poder entre os dois grupos dentro e fora das prisões".[27]

1–2 de janeiro de 2017: Manaus[editar | editar código-fonte]

A rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) em Manaus teve início na tarde de 1° de janeiro de 2017, durante o horário de visita, e estendeu-se até a manhã do dia 2 de janeiro, durando aproximadamente 17 horas.[3] Ao todo, 56 pessoas foram mortas, segundo autoridades do estado do Amazonas.[3] Anteriormente, o secretário de Segurança Pública do estado, Sérgio Fontes, havia afirmado que 60 pessoas haviam morrido.[3] Durante o motim, ao menos 12 agentes penitenciários – empregados da Umanizzare, empresa para a qual a administração do presídio foi privatizada pelo governo do Amazonas[29] – e 74 presos foram feitos reféns.[3] Seis presos foram decapitados e os corpos de alguns deles foram arremessados por cima dos muros do complexo prisional.[3] O ex-PM Moacir Jorge Pessoa da Costa morreu carbonizado em sua cela.[5] Já os agentes penitenciários foram libertados na manhã do dia seguinte sem ferimentos.[3]

De acordo com Pedro Florêncio, da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), os detentos que se rebelaram tiveram ajuda de presos do regime semiaberto.[5] Eles teriam feito um buraco no muro e, através dele, entregado as armas aos detentos.[5] Foram apreendidas quatro pistolas, uma espingarda calibre 12 e várias armas improvisadas.[5] A rebelião começou na tarde do dia 1°, quando os corpos de seis pessoas foram jogados para fora do presídio, sem as cabeças.[5] A negociação com os presos começou às 20:30 (horário local) do dia 1° e foram feitas pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-AM, Epitácio Almeida, e pelo juiz da Vara de Execuções Penais, Luiz Carlos Valois,[5] que escreveu em sua página no Facebook: "vi muitos corpos, parece que morreram entre 50 a 60 presos (pessoas), mas difícil afirmar, pois muitos estavam esquartejados".[3] Às 20h50 do horário local, a SSP-AM confirmou que 12 agentes penitenciários estavam sendo mantidos como reféns.[5] Os outros funcionários do local haviam conseguido escapar.[5] Ao longo da noite, dezenas de pessoas foram para a porta do presídio aguardar informações de parentes presos; outras compareceram à sede do Instituto Médico Legal (IML) de Manaus, mas a entrada de parentes e de jornalistas no local foi proibida.[5] Segundo Almeida, os presos liberaram os últimos sete reféns na manhã do dia 2 de janeiro.[5] Eles entregaram as armas e se renderam às 8h40 do horário de Manaus.[5]

Durante a rebelião, 112 detentos do Compaj teriam fugido do presídio.[30] No mesmo dia, também teriam ocorrido revoltas em outras duas unidades prisionais de Manaus: no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) e na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP).[30] As informações sobre revolta na UPP não foram confirmadas pelo governo do Amazonas, mas, segundo informações oficiais, 72 detentos do Ipat haviam fugido e quatro da UPP haviam morrido, somando 60 mortos no sistema prisional de Manaus num único dia.[30][31] O governo do Amazonas não esclareceu o motivo das mortes na UPP, mas afirmou que "a unidade se encontra em situação estável".[30] Quanto aos foragidos, o governo afirmou que 40 deles haviam sido capturados pela polícia até as 17h00 do dia 2 de janeiro.[30][5]

Segundo Fontes, os presos assassinados eram membros do PCC e detentos condenados por estupro.[5][31] "Tudo indica que foi o ataque de uma facção maior contra uma menor para eliminar a concorrência", afirmou.[3] O secretário de Segurança Pública do Amazonas afirmou que as forças de segurança optaram por não entrar no Compaj por considerar que as consequências seriam imprevisíveis.[3] Ao UOL, Fontes disse que a entrada da Polícia Militar no Compaj poderia ter causado um massacre como o ocorrido em 1992 no Carandiru, em São Paulo.[30] Ele considerou a situação "sob controle", embora disse temer a retaliação do PCC.[30]

Reação[editar | editar código-fonte]

Mesmo com todas todas as evidências antes dos massacres ocorridos em 2017 nos presídios dos estados, o Governo Federal na pessoa do ministro da Justiça Alexandre de Moraes negava existência de uma guerra nacional de facções responsabilizando os massacres à acertos de contas internos e à terceirização da administração dos presídios . Somente após o massacre ocorrido no primeiro dia do ano de 2017 com 56 mortos foi que o Governo Federal admitiu haver uma guerra nacional de facções tratando porém como se esta guerra estivesse limitada aos presídios e não às ruas como vem ocorrendo há vários anos. Uma matéria do Diário Catarinense vem mostrando através de denuncias dos responsáveis pelo sistema penitenciário através de depoimentos de presos e cartas apreendidas que o Comando Vermelho vem usando pelo menos desde 2011 as comunidades cariocas dominadas pela facção como bases de instrução e treinamento de bandidos de facções aliadas de outros estados para que esses bandidos saibam como manusear fuzis, granadas e explosivos que o Comando vermelho estaria fornecendo pra eles provocando uma explosão nos índices de segurança em todos os estados.

Para evitar mais violência dentro dos presídios, o governo amazonense transferiu cerca de 130 detentos ligados ao PCC para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no centro de Manaus.[30] A prisão, inaugurada em 1907, estava desativada desde outubro de 2016, mas foi reativada para, segundo o governo, "abrigar presos de uma facção criminosa que estão recebendo ameaças de morte".[30] Além disso, membros do PCC teriam sido isolados dos demais detentos nos 11 presídios do Amazonas.[31] Para a ONG Human Rights Watch, o episódio demonstra que o Amazonas não detém o controle sobre seu sistema prisional.[30] O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cláudio Lamachia, chamou o ocorrido de "selvageria que parece não encontrar limites".[30] Em nota, o Ministério da Justiça informou que o ministro Alexandre de Moraes manteve contato com o governador do Amazonas, José Melo de Oliveira, e colocou-se à disposição para ajudar.[5] O governador disse ao ministro, segundo a nota, que vai usar os 44,7 milhões de reais que recebeu de repasse do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) em 29 de dezembro de 2016 para reparar os estragos no Compaj.[5][3]

Em 4 de janeiro de 2017, o Papa Francisco pronunciou-se sobre o ocorrido em Manaus: "Recebi ontem, do Brasil, a notícia dramática do massacre na prisão em Manaus, onde um choque violento entre quadrilhas rivais causou dezenas de mortos. Expresso minha dor e preocupação pelo que aconteceu. Convido a todos a rezarem por aqueles que morreram, pelas suas famílias, por todos os prisioneiros daquela prisão e por quem trabalha lá. Renovo o apelo para que as instituições penitenciárias sejam locais de reeducação e de reinserção social. E que as condições de vida dos detentos sejam dignas de seres humanos".[32]

Além disso, o Ministério da Justiça anunciou a liberação de 1,8 bilhão de reais para o sistema penitenciário ainda neste semestre.[33] Ao falar sobre o assunto, o presidente da República, Michel Temer, disse que 800 milhões de reais, provenientes do Funpen serão utilizados para a construção de ao menos um presídio em cada estado do país.[33] Para o presidente, a construção dos novos presídios possibilitará separar os presos em função do delito cometido, da idade e do gênero, conforme previsto na Constituição.[33] Temer disse ainda que 150 milhões de reais serão usados para a instalação de bloqueadores de telefones celulares em ao menos 30% dos presídios de cada estado, e mais 200 milhões de reais serão destinados à construção de cinco penitenciárias federais para presos de alta periculosidade.[33] As declarações foram dadas em 5 de janeiro, durante a abertura da reunião do presidente com o núcleo institucional do governo, no Palácio do Planalto, para debater questões de segurança e de defesa.[33] Esta foi a primeira vez que ele se manifestou sobre a rebelião.[33] Para Temer, não houve "responsabilidade objetiva, clara e definida dos agentes estatais", uma vez que o Compaj era privatizado.[33]

Temer classificou o episódio como um "acidente pavoroso".[33] Para investigadores, no entanto, não se tratou de uma casualidade.[30] Os principais líderes da FDN, que atua no tráfico de drogas, haviam sido presos em novembro de 2015 e transferidos para presídios controlados pelo governo federal.[30] Nessa época, segundo a Polícia Federal, já existiam "planos para o assassinato de todos os membros [do PCC] que se encontram presos em Manaus (pelo menos 3 das principais lideranças do PCC foram brutalmente assassinadas nos últimos meses pela FDN dentro do sistema)".[30] Além disso, uma inspeção feita por integrantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ao Compaj em outubro de 2016 avaliou a penitenciária como péssima.[3] Além da superlotação, o CNJ constatou que a unidade não possuía detector de metais e equipamentos para bloqueio de sinal de celulares e que presos provisórios dividiam celas com condenados.[3]

6 de janeiro de 2017: Boa Vista[editar | editar código-fonte]

Durante a primeira semana de 2017, passou a circular em grupos de WhatsApp uma suposta carta do Comando Regional Norte do PCC jurando vingança à FDN pela chacina no Compaj.[28] Segundo a carta, a FDN seria "dizimada da face da Terra", pois teria quebrado a ética do crime ao promover o massacre de Manaus.[28] A meta de ambas as organizações, segundo a carta, era "lutar contra o Estado e não contra nossos irmãos mesmo que de outras organizações fossem".[28]

Na madrugada do dia 6 de janeiro de 2017, ao menos 33 detentos da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista, Roraima, foram mortos.[34] Um representante do governo de Roraima afirmou à agência de notícias AFP que não houve uma rebelião e que o massacre foi o resultado de uma ação rápida de um grupo de detentos.[35] A ação durou menos de uma hora e a maioria das vítimas foi morta com facas, disse o representante do governo local.[35] Armas de fogo não teriam sido encontradas no presídio.[35] Policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar de Roraima entraram no presídio no começo da manhã, e logo a situação já se encontrava sob controle, segundo informações do governo de Roraima, que não forneceu muitos detalhes sobre o ocorrido.[34]

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, os mortos em Roraima eram ligados à FDN e a nova chacina seria uma retaliação ao massacre ocorrido no presídio de Manaus no dia 1.°.[34] A Secretaria de Justiça e Cidadania de Roraima descartou a possibilidade das mortes estarem associadas à guerra entre as organizações criminosas.[35] Em declarações ao Estado de S. Paulo, o secretário de Justiça e Cidadania de Roraima, Uziel de Castro Júnior, atribuiu o ocorrido a um "acerto de contas interno" do PCC e afirmou que a "maioria dos mortos estava sem a cabeça e esquartejada".[34] "Alguns dos corpos estavam sem o coração", acrescentou.[34] Segundo ele, na penitenciária estariam apenas presos integrantes do PCC e os que dizem não pertencer a nenhuma facção, enquanto que os membros do CV e da FDN estariam na Cadeia Pública de Boas Vista.[35] "É improcedente a informação de que o que aconteceu seja uma vingança às mortes em Manaus", afirmou.[35]

14 de janeiro de 2017: Rio Grande do Norte[editar | editar código-fonte]

No dia 14 de janeiro de 2017, 26 presos foram assassinados na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, no Rio Grande do Norte.[36] De acordo com o governo do RN, a rebelião teve início por volta das 17h (18h no horário de Brasília), quando presos do pavilhão 5, chamado de Presídio Rogério Madruga Coutinho, invadiram o pavilhão 4 para matar rivais. A rebelião não atingiu os pavilhões 1, 2 e 3.[37]

Os líderes da rebelião pertencem ao PCC e foram transferidos para outras unidades prisionais do estado.[38] O governador do estado, Robinson Faria informou que vai pedir ao governo federal o reforço do efetivo da Força Nacional de Segurança "para o enfrentamento à crise instalada no sistema penitenciário".[38] Ele pediu "uma audiência com o presidente Michel Temer para tratar sobre a situação".[38] Em setembro, 116 homens da Força Nacional chegaram ao Rio Grande do Norte.[38] No último dia 9, o Ministério da Justiça autorizou a prorrogação da permanência do efetivo no Estado por 60 dias.[38] Junto com Porto Alegre e Aracaju, Natal integra a lista das três capitais escolhidas para o início do Plano Nacional de Segurança (PNS), elaborado pelo governo federal com auxílio dos Estados.[38] Segundo o governo, os "problemas penitenciários" de Natal geraram um aumento no número de homicídios no segundo semestre do ano passado.[38]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «PCC quer dominar o tráfico nas ruas de SC, afirma promotor paulista que investiga a facção criminosa». Diário Catarinense. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  2. a b c d Época, ed. (25 de outubro de 2016). «O crime está em guerra: as maiores facções brasileiras romperam». Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t «Rebelião em prisão de Manaus deixa 56 mortos». DW.com. 2 de janeiro de 2017. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  4. a b «Chacina deixa 33 mortos em prisão de Roraima». DW.com. 6 de janeiro de 2017. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p Camila Henriques; Suelen Gonçalves; Adneison Severiano (3 de janeiro de 2017). «Rebelião em presídio chega ao fim com 56 mortes, diz governo do AM». G1. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  6. Souza, Fátima (s/d). «Como funciona o PCC - Primeiro Comando da Capital». HowStuffWorks. Consultado em 6 de janeiro de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Souza, Fátima (s/d). «História do 'partido'». HowStuffWorks. Consultado em 6 de janeiro de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. Notícias do Dia, ed. (19 de dezembro de 2015). «Guerra entre facções pelo tráfico de drogas em Joinville já era anunciada no começo deste ano». Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  9. Paraiba.com.br, ed. (14 de novembro de 2013). «Chefe da Okaida explica guerra com o PCC na Paraíba; facção já teria dominado vários estados». Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  10. JC online, ed. (12 de maio de 2012). «Al-Qaeda x EUA na Paraíba». Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  11. a b c Serapião, Fábio (11 de março de 2014). «Crime em lugar do Estado: como o PCC pretende dominar o Brasil». CartaCapital. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  12. «Relatório nacional aponta expansão do PCC pelo Brasil». Gazeta do Povo. 25 de novembro de 2012. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  13. a b El País, ed. (22 de junho de 2016). «Assassinato do "rei do tráfico" na fronteira deixa em alerta autoridades brasileiras». Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  14. «Ministério Público compara PGC a máfias como a Camorra». Diário Catarinense. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  15. «PCC quer dominar o tráfico nas ruas de SC, afirma promotor paulista que investiga a facção criminosa». Diário Catarinense. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  16. a b «Violência que amedontra». ClicRBS. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  17. «Tiroteio no Monte Cristo, em Florianópolis, deixa dois homens feridos». Diário Catarinense. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  18. «Polícia Militar ocupa áreas de conflito no Monte Cristo e realiza comando de trânsito». NDOnline. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  19. «Tiroteios e ataque a base da PM marcam segunda-feira violenta em Florianópolis». NDOnline. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  20. «Proporção de homicídios por habitantes em Joinville é superior a do Rio de Janeiro». Diário Catarinense. Consultado em 2 de Fevereiro de 2017 
  21. Uol, ed. (2 de janeiro de 2017). «Rebelião em presídio termina com ao menos 56 mortos em Manaus, diz governo». Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  22. G1, ed. (8 de janeiro de 2017). «Rebelião em cadeia pública reativada deixa quatro mortos em Manaus». Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  23. Folha de S.Paulo, ed. (6 de janeiro de 2017). «Retaliação mata 33 presos em RR; essa é a 2ª maior matança após o Carandiru». Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  24. BBC, ed. (14 de janeiro de 2017). «Após 14 horas, rebelião em presídio no Rio Grande do Norte é controlada; polícia conta corpos». Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  25. Blog do BG, ed. (15 de janeiro de 2017). «Facção do PCC no Ceará comemora mortes do Sindicato do Crime em Alcaçuz». Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  26. O Estado de São Paulo, ed. (15 de janeiro de 2017). «PCC decapita 26 presos rivais em motim de 14h na maior prisão do RN». Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  27. a b c Fellet, João (18 de outubro de 2016). «Ruptura entre PCC e Comando Vermelho pode gerar 'carnificina', diz pesquisadora». BBC Brasil. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  28. a b c d «PCC já teria plano para se vingar de Família do Norte - ISTOÉ Independente». ISTOÉ Independente. 6 de janeiro de 2017 
  29. «Veja o que se sabe sobre a Umanizzare, administradora de presídio no AM onde 56 presos morreram». G1. 5 de janeiro de 2017. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  30. a b c d e f g h i j k l m n «Quase 200 presos estão foragidos após rebeliões em Manaus; mortes chegam a 60». UOL Notícias. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  31. a b c «Quatro presos são mortos em presídio na Zona Rural de Manaus». G1. 3 de janeiro de 2017. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  32. (www.dw.com), Deutsche Welle (4 de janeiro de 2017). «Papa expressa dor pelo massacre em Manaus». DW.COM. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  33. a b c d e f g h (www.dw.com), Deutsche Welle (5 de janeiro de 2017). «Temer diz que massacre de Manaus foi "acidente pavoroso"». DW.COM. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  34. a b c d e (www.dw.com), Deutsche Welle (6 de janeiro de 2017). «Chacina deixa 31 mortos em prisão de Roraima». DW.COM. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  35. a b c d e f (www.dw.com), Deutsche Welle (6 de janeiro de 2017). «Ministro diz que chacina de Roraima não foi retaliação». DW.COM. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  36. «Rebelião mais violenta da história do RN tem 26 mortos, diz governo». G1. Globo.com. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  37. Aliny Gama (14 de janeiro de 2017). «Briga entre facções rivais deixa mortos no maior presídio do RN». Uol. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  38. a b c d e f g Fábio Farias (16 de janeiro de 2017). «Suspeitos de liderar rebelião no RN são retirados de presídio». Uol. Consultado em 18 de janeiro de 2017