Recaptação neuronal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Uma sinapse antes e durante a recaptação. Note que alguns neurotransmissores foram perdidos e não foram reabsorvidos.

Recaptação é o nome que se dá a reabsorção de um neurotransmissor através de um transportador neurotransmissor de um neurônio pré-sináptico após este ter exercido a função de transmissor de um impulso neural. Tal mecanismo previne atividades prolongadas do neurotransmissor sobre seus receptores, enfraquecendo os seus efeitos.

Como exemplo, temos o neurotransmissor serotonina. É produzida pelos neurônios no cérebro e utilizado por eles para se comunicarem, uns com os outros. O neurônio libera a serotonina por meio de exocitose na fenda sináptica. A serotonina é liberada na fenda até juntar-se ao receptor nas superfícies da membrana pós-sináptica, como pode ser recolhido através do neurotransmissor transportador e levado novamente a membrana pré-sináptica, decomposto e utilizado novamente.

Tal processo é referido como recaptação. Um equilíbrio é alcançado para a serotonina entre a junção dos neurônios próximos. Existem medicamentos que agem como inibidores da recaptação seletiva da serotonina (SSRI) que bloqueiam a recaptação da mesma e assim aumenta o nível de serotonina no cérebro. Exemplos desses medicamentos são: fluoxetina, sertralina, paroxetina e clomipramina.