Recbeat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Rec-Beat
Local(is) Recife, Brasil

Rec-Beat é um festival de música gratuito que acontece todos os anos no Recife, Pernambuco, Brasil durante o carnaval. Sua marca é a presença do inusitado e do experimental, o encontro da tradição com as novas tendências, a irreverência de blocos e troças, a integração entre música, dança e circo. Em 2019 chegou a sua 24ª Edição.

Esta celebração da pluralidade cultural, alegria e descontração, acontece durante o Carnaval do Recife, na Rua do Cais da Alfândega, às margens do rio Capibaribe. Com uma programação inusitada, irreverente e ousada, o Festival Rec-Beat é um dos pólos mais ecléticos do Carnaval pernambucano, conta com o patrocínio da Prefeitura do Recife.

Idealizado e produzido por Antonio Gutierrez (Gutie), jornalista e produtor cultural, o Festival Rec-Beat surgiu como desdobramento do Projeto Rec-Beat. Criado em 1993, o Projeto Rec-beat objetivava divulgar e fortalecer - através de festas itinerantes em casas noturnas da região portuária do Recife - as novas bandas que surgiam na cidade e que se projetavam no contexto de um novo movimento musical, que mais tarde se tornou conhecido como manguebeat. O Festival Rec-Beat, tal como é conhecido hoje, foi criado dois anos depois de iniciado o Projeto Rec-Beat. Começou em Olinda em 1995, durante o carnaval. Inicialmente tinha como objetivo mostrar ao visitante folião a "nova" cena musical pernambucana, que na época ganhava destaque na mídia nacional com a projeção de Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A.

Em 1999 saiu de Olinda e passou a ser realizado no Recife, ocupando a Rua da Moeda, situada na região portuária e centro histórico da cidade. Com o evento, a Rua da Moeda transformou-se em ponto de encontro da efervescente cena musical pernambucana.

Na Rua da Moeda, o festival continuou crescendo, ganhou o Recbitinho (uma tarde do festival com atrações para crianças), passou a reunir cerca de quinze mil pessoas por espetáculo e transformou-se em um dos maiores eventos do gênero do país. Com isso a Rua da Moeda também tornou-se pequena para o festival. Em 2004, mais uma mudança de local: desloca-se para o Cais da Alfândega, onde é realizado atualmente, também no centro histórico da cidade, as margens do Rio Capibaribe e um dos mais belos cartões-postais da cidade, com capacidade para trinta mil pessoas.

Pelo palco do Rec-Beat já passaram figuras míticas em nossa história musical, como Mundo Livre S/A, Eddie, Ira!, BNegão, Nação Zumbi, Karnak, Cordel do Fogo Encantado, Jards Macalé, Os Mulheres Negras, Marcelo Jeneci, Pato Fu, João Donato, Tom Zé, Luiz Melodia, Lenine, Odair José, Jards Macalé, Erasmo Carlos, DJ Dolores, O Terno, Seu Jorge e vários nomes contemporâneos da nova música brasileira, como Criolo, Gaby Amarantos, Karina Buhr, Otto, Dona Onete, Emicida, Siba, Céu, Boogarins, Baleia, Luiza Lian, Carne Doce, Larissa Luz, Xenia França, Bixiga 70, Johnny Hooker,  Liniker, Edgar, Tulipa Ruiz, Pabllo Vittar e nomes internacionais da alcunha de Mudhoney (EUA), Bomba Estéreo (Colômbia), Man or Astro-man? (EUA), AfrotroniX (Canadá), Ojos de Brujo (Espanha), Silver Apples (EUA), Inna Modja (Mali), La Dame Blanche (Cuba), Ana Tijoux (Chile), Tim Blake (UK), Monsieur Periné (Colômbia), Keziah Jones e Nneka (Nigéria).