Recbeat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Rec-Beat
Local(is) Recife, Brasil

Rec-Beat é um festival de música que ocorre todo ano no Recife, Pernambuco, Brasil. Sua marca é a presença do inusitado e do experimental, o encontro da tradição com as novas tendências, a irreverência de blocos e troças, a integração entre música, dança e circo. Em 2015 chegou a sua 20ª Edição.

Esta celebração da pluralidade cultural, alegria e descontração, acontece durante o Carnaval do Recife, na Rua do Cais da Alfândega, às margens do rio Capibaribe. Com uma programação inusitada, irreverente e ousada, o Festival Rec-Beat é um dos pólos mais ecléticos do Carnaval pernambucano, conta com o patrocínio da Prefeitura do Recife e tem entrada franca.

Idealizado e produzido por Antonio Gutierrez (Gutie), jornalista e produtor cultural, o Festival Rec-Beat surgiu como desdobramento do Projeto Rec-Beat. Criado em 1993, o Projeto Rec-beat objetivava divulgar e fortalecer - através de festas itinerantes em casas noturnas da região portuária do Recife - as novas bandas que surgiam na cidade e que se projetavam no contexto de um novo movimento musical, que mais tarde se tornou conhecido como manguebeat. O Festival Rec-Beat, tal como é conhecido hoje, foi criado dois anos depois de iniciado o Projeto Rec-Beat. Começou em Olinda em 1995, durante o carnaval. Inicialmente tinha como objetivo mostrar ao visitante folião a "nova" cena musical pernambucana, que na época ganhava destaque na mídia nacional com a projeção de Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A.

Em 1999 saiu de Olinda e passou a ser realizado no Recife, ocupando a Rua da Moeda, situada na região portuária e centro histórico da cidade. Com o evento, a Rua da Moeda transformou-se em ponto de encontro da efervescente cena musical pernambucana.

Na Rua da Moeda, o festival continuou crescendo, ganhou o Recbitinho (uma tarde do festival com atrações para crianças), passou a reunir cerca de quinze mil pessoas por espetáculo e transformou-se em um dos maiores eventos do gênero do país. Com isso a Rua da Moeda também tornou-se pequena para o festival. Em 2004, mais uma mudança de local: desloca-se para o Cais da Alfândega, onde é realizado atualmente, também no centro histórico da cidade, as margens do Rio Capibaribe e um dos mais belos cartões-postais da cidade, com capacidade para trinta mil pessoas.

Em sua existência, o festival acumula em seu histórico o lançamento da banda Cordel do Fogo Encantado (1999), a volta de Nação Zumbi (1999), reunião da banda Fellini (2000), o retorno da banda Ira! (2000), a estréia de F.U.R.T.O (2005), além de apresentações como: Pinduca (2000), Mudhoney (2001), Reggae B (2002), Flavio Guimarães e Tavares da Gaita (2003), Mestres da Guitarrada (2003), entre outros.

Programações anteriores[editar | editar código-fonte]

2006 - 25 a 28 de fevereiro[editar | editar código-fonte]

Nação Zumbi, Turbo Trio, Pavilhão 9, Jumbo Elektro, Mawaca, 3 Ceguinhas, Yunta Taura, Benzina A.K.A Scandurra, Carimbó Uirapuru, Sonic Jr, Eddie, Riachão, Os Britos, Naurêa, Academia da Berlinda, Profiterolis, Banda Marcial do Ginásio Pernambucano, Beto Kaiser, Cinval Coco Grude, 3Ets Records, Maracatu Estrela de Ouro de Aliança, DuSouto, Backing Ballcats Barbis Vocals e os Bobs da Babilônia, Carroça de Mamulengo, Mula Manca e a Triste Figura, Boi Veludinho, Fethxa, The Playboys, Siba e Fuloresa convidam Poetas da Mata Norte, e concentração do Bloco Quanta Ladeira.

2005[editar | editar código-fonte]

Lenine, Cordel do Fogo Encantado, Os replicantes, La Pupuña, Circo Zé Brasil, China, Black Alien, Negroove, Afoxé Oxum Pandá, Faces do Subúrbio (lançando o CD perito em rima com o baixista Eduardo slap e o baterista Pernalonga), Mombojó, Júnio Barreto, Bonsucesso Samba Clube, Samba de Côco Raízes de Arcoverde, Ludov, Rádio de Outono, Samba de véio, Grupo Experimental

2004[editar | editar código-fonte]

Pedro Luiz e Lula Queiroga, A roda, Moraes Moreira, Eleonora Falcone, Rogério Skylab, Fábio Trummer (Eddie), Maracatu Nação Porto Rico, Silvério Pessoa (Refinaria), Tira Poeira, Kenny Brown, Nega Gizza, Cia de Dança Tuparetama, Dj Dolores: Aparelhagem, Samba de Côco Raízes de Arcoverde, Cia. Experimental, Mestres Siba e Barachinha, Jorge Du Peixe (N.Z.) e Fred 04, Maria Alcina, Nação Zumbi