Receptor olfatório

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Receptores olfativos (ROs), também conhecido como receptores olfatórios (do inglês ORs: olfactory receptors), são expressos nas membranas celulares dos neurônios receptores olfatórios e são responsáveis pela detecção de odorantes (por exemplo, compostos que têm um odor) que dão origem ao sentido do olfato. Ativados, os receptores olfatórios engatilham impulsos nervosos que transmitem informações sobre o odor para o cérebro. Esses receptores são os membros da família receptores acoplados à proteína G  (do inglês GPCRs, G protein-coupled receptorsclasse A rhodopsin-like.[1][2] Os receptores olfatórios formam uma  família de genes composta por cerca de 800 genes em humanos e cerca de 1400 genes em camundongos.[3]

Expressão[editar | editar código-fonte]

Mecanismo[editar | editar código-fonte]

Em vertebrados, os receptores olfatórios são localizados tanto nos cílios e quanto nas extremidades sinápticas dos neurônios sensoriais olfatórios,[4] no epitélio das vias respiratórias.[5] Em insetos, receptores olfativos estão localizados nas antenas e outros órgãos quimiossensoriais.[6] Espermatozóides também expressam o receptores olfatórios, que, acredita-se, estão envolvidos na quimiotaxia para encontrar o óvulo.[7]

Em vez de interagir com ligantes específicos, receptores olfativos apresentam afinidade por uma gama de moléculas de odor, bem como, uma única molécula pode se ligar a diversos receptores olfatórios com diferentes afinidades,[8] o que depende das interações intermoleculares envolvidas.[9] Uma vez ligado ao odorante, o receptor olfatório passa por mudanças estruturais que causam a ativação de um tipo de proteína G específico de neurônios olfatórios. A proteína G (Golf e/ou Gs) se mantém ligada aos receptores olfatórios, até que se ative.[10] Uma vez ativa, a subunidade alfa da proteína G se desprende e fosforila a proteína adenilato ciclase, tornando-a ativa. Essa proteína converte ATP em AMP cíclico (cAMP). O cAMP induz a abertura de canais iônios dependentes de AMP cíclico que permitem a entrada dos íons cálcio e sódio para o interior da célula, despolarizando o neurônio e dando início a um potencial de ação que transmite a informação para o cérebro.

A sequência primária de milhares de receptores olfatórios é conhecida a partir de genomas de mais de uma dezena de organismos: são proteínas com sete hélices transmembrana, mas não há (dados de Maio de 2016) a estruturas conhecida de qualquer OR. As suas sequências exibem motivos típicos de GPCRs classe A, útil para a previsão de suas estruturas com a modelagem molecular.[11] Golebiowski, Ma e Matsunami mostraram que o mecanismo de reconhecimento dos ligantes, embora semelhante a outros GPCRs classe A não-olfativos, envolve resíduos específicos de receptores olfatórios, nomeadamente na sexta hélice.[12] Há sequências altamente conservadas em cerca de três quartos de todos os ORs, que é um sítio de ligação tripodal  para um íon,[13] e Suslick propôs que os ORs são, na verdade, metaloproteínas (provavelmente com os íons de zinco, cobre e, possivelmente, de manganês) que servem como um sítio de ácido de Lewis para a ligação de muitas moléculas de odorantes. Crabtree, em 1978, já havia sugerido que o C u(I), é "o candidato mais provável para um sítio metalorreceptor na olfação" para o forte cheiro de substâncias voláteis, que também são bons ligantes na coordenação de metais, tais como tióis.[14] Zhuang, Matsunami e Block, em 2012, confirmaram a proposta de Crabtree/Suslick  para o caso específico de um receptor olfatório de camundongo, MOR244-3, mostrando que o cobre é essencial para a detecção de determinados tióis e outros compostos contendo enxofre. Assim, ao utilizar compostos químicos que se ligam ao cobre no nariz de camundongos, em situações que o cobre não estava disponível para os receptores, os autores mostraram que eles não conseguiram detectar o tióis. No entanto, estes autores também constataram que MOR244-3 perde a especificidade de sítio de ligação íons metálicos sugerida por Suslick, em vez de mostrar um motivo diferente no domínio EC2.[15]

Em uma recente, mas altamente controversa interpretação, tem sido especulado que os receptores olfativos podem, na verdade, sentir níveis de energia vibracional de uma molécula, em vez de motivos estruturais através de mecanismos de coerência quântica.[16] Como prova, tem sido mostrado que as moscas podem diferenciar entre duas moléculas de odor que se diferenciam apenas no isótopo de hidrogênio (que irá mudar drasticamente os níveis de energia vibracional da molécula).[17] As moscas não só poderiam distinguir entre as formas deuterada e não deuterada de uma molécula, como poderiam generalizar a propriedade de "deuterabilidade" para outras moléculas novas. Além disso, elas aprenderam a evitar o comportamento generalizado de moléculas que não foram deuteradas mas compartilham um significativo padrão de estiramento com moléculas deuteradas, um fato que a física diferencial da deuteração (below) has difficulty in accounting for.

Deve-se notar, no entanto, que a deuteração altera a absorção de calor e as temperaturas de ebulição e de solidificação de moléculas (pontos de ebulição: 100.0 °C para H2O vs. 101.42 °C para D2O; pontos de fusão: 0.0 °C para H2O, 3.82 °C para D2O), os valores de pKa (por exemplo, a constante de dissociação: 9.71x10-15 H2O vs. 1.95x10-15 para D2O, cf. água pesada) e a força de ligação de hidrogênio. Tais efeitos isotópicos são extremamente comuns, e por isso, é bem conhecido que a substituição por deutério substituição altera as constantes de ligação de moléculas com proteínas receptoras.[18]

Tem sido alegado que os receptores olfatórios de humanos também são capazes de distinguir entre isotopômeros de ciclopentadecanona por detecção dos níveis de energia vibracional.[19] No entanto, esta afirmação tem sido desafiado por um outro resultado, de que o receptor humano que reconhece almíscar, OR5AN1, que interagem com ciclopentadecanona e muscone, não consegue distinguir isotopômeros destes compostos in vitro. Além disso, o receptor de camundongo que reconhece (metiltio)metanotiol, MOR244-3, bem como outros receptores selecionados de humanos e de camundongo, respondeu de forma semelhante aos isotopômeros normal, deuterado, e com carbono-13 dos seus respectivos ligantes, em paralelo com os resultados encontrados para o receptor de almíscar OR5AN1.[20] Portanto, concluiu-se que a proposta de teoria de vibração não se aplica ao receptor humano de almíscar OR5AN1, receptor tiol de camundongo MOR244-3, ou outros receptores olfativos examinados. Além disso, a proposta de mecanismo de energia vibracional por transferência eletrônica entre odores e seus receptores pode ser facilmente suprimida por efeitos quânticos de modos vibracionais de moléculas não odorantes. Portanto, várias linhas de evidência argumentam contra a teoria vibracional do cheiro.[21] Este estudo posterior foi criticado, por usar "células em um prato, em vez de dentro de organismos" e que "a expressão de um receptor olfativo nas células embrionárias de rim humanas não reconstitui adequadamente a natureza complexa do olfato...". Em resposta, os autores do segundo estudo "células embrionárias humanas de rim não são idênticas às células do nariz ... mas se você está olhando para receptores, é o melhor sistema do mundo".[22][23][24]

Diversidade[editar | editar código-fonte]

Existe um grande número de diferentes receptores olfatórios, com cerca de 1.000 genes no genoma de mamíferos, que representa cerca de 3% de todos os genes do genoma. No entanto, nem todos estes potenciais genes receptores de odor são expressos e funcionais. De acordo com uma análise dos dados obtidos a partir do Projeto Genoma Humano, os seres humanos têm cerca de 400 genes funcionais que codificam para receptores olfatórios, enquanto que esse número aumenta para mais de 800 genes em camundongos.[25]

A razão para o grande número de diferentes receptores olfatórios é fornecer um sistema de reconhecimento que permite discriminar moléculas num amplo repertório de odores. Mesmo com essa variedade, cada receptor olfatório não detecta um único odorante, mas uma gama de estruturas similares.[26][27] A identificação de um odorante específico é dada através do conjunto de receptores ativados, com suas diferentes afinidades, num código combinatorial comum para cada espécie, o que aumenta a variabilidade de odorantes reconhecidos. Análogo ao sistema imunológico, a diversidade que existe dentro da família de receptores olfatórios permite a caracterização de moléculas que nunca foram encontrados. No entanto, ao contrário do sistema imunológico, que gera a diversidade através de recombinação in-situ, cada receptor olfatório é traduzido de um gene específico, daí a grande parte do genoma dedicado a codificação desses genes.

A Deorfanização de receptores olfatórios pode ser concluída utilizando técnicas eletrofisiológicos e de imagem que permitem analisar os perfis de resposta de um único neurônio sensorial para repertórios de odorantes.[28] Tais dados, permitem a decifração do código combinatório da percepção de odores.[29]

Tal diversidade de expressão dos genes de ORs maximiza a capacidade do olfato. Tanto a expressão monoalélica quanto a expressão monogênica dos OR nos neurônios sensoriais são essenciais para a especificidade e sensibilidade de detecção olfativa. Assim, a ativação de receptores olfativos é um problema de design com duplo objetivo. Utilizando modelos matemáticos e simulações de computador, Tian et al propôs um mecanismo de regulação evolutivamente otimizado de três camadas que inclui a segregação em zonas, a barreira epigenética acoplada a um feedback negativo e uma etapa de competição de enhancers [30] . Este modelo não só recapitula a expressão monogênica e monoalélica, mas também infere como o sistema olfativo aumenta e mantém a diversidade de expressão.

Famílias[editar | editar código-fonte]

Uma nomenclatura do sistema foi concebido para a família dos receptores olfatórios[31] e é a base para os símbolos do Projeto Genoma Humano (HUGO) para os genes que codificam esses receptores. Os nomes individuais dos receptores olfativos membros da família estão no formato "ORnXm", onde:

  • OR é a raiz (Olfactory Receptor superfamily)
  • n = um número inteiro que representa uma família (por exemplo, 1-56), cujos membros têm identidade de sequência maior do que 40%,
  • X = uma única letra (A, B, C, ...), denotando uma subfamília (>60% de identidade de sequência), e
  • m = um número inteiro representando um indivíduo membro da família (isoforma).

Por exemplo, OR1A1 é a primeira isoforma da subfamília A de receptores olfatórios da família 1.

É provável que membros pertencentes à mesma subfamília de receptores olfatórios reconheçam moléculas de odorantes semelhantes.[32]

Duas principais classes de receptores olfatórios foram identificados em humanos:[33]

  • classe I (receptors como os de peixes) famílias de ORs 51-56
  • classe II (receptores específicos de tetrápodes) famílias de ORs 1-13

Evolução[editar | editar código-fonte]

A família gênica dos receptores olfatórios de vertebrados tem evoluído de acordo com proccessos genônimos como duplicação de genes ou conversão gênica.[34] A evidência para a duplicação de genes em tandem se dá pelo fato de que muitos genes de receptores olfatórios pertencentes ao mesmo clado filogenético estão localizados no mesmo cluster de genes.[35] Neste ponto, a organização genômica dos clusters de ORs é bem conservada entre humanos e camundongos, embora o número de genes funcionais entre estas duas espécies seja bem diferente.[36][37]

Primatas têm um número relativamente pequeno de funcional genes de OR funcionais, em comparação com outros mamíferos. Por exemplo, uma vez que a divergência de seu mais recente ancestral comum (MRCA), camundongos, ganhou um total de 623 novos genes OR, e perdeu 285 genes, os humanos ganharam apenas 83 genes e perdeu 428.[38] Os ratos têm um total de 1035 genes codificadores dessas proteínas enquanto que os humanos têm 387 genes.[38] A hipótese de prioridade da visão afirma que a evolução da visão de cores em primatas pode ter diminuído a necessidade de desenvolvimento do olfato, o que explica o relaxamento da pressão seletiva que leva ao acumulo de pseudogenes para essa família gênica.[39] Entretanto, evidências recentes têm tornado a hipótese de prioridade da visão obsoleta, porque foi baseada em premissas e dados enganosos. A hipótese assumida de que genes de OR funcionais estão correlacionados com a capacidade olfativa e pseudogenes se relacionam a perda dessa capacidade se mostrou enganosa[39] uma vez que os cães, que são conhecidos pelo faro excelente,[40] não têm o maior número de genes funcionais.[38] Além disso, pseudogenes podem ser funcionais: em 67% dos seres humanos pseudogenes de ORs são expressos no epitélio olfatório, onde eles possivelmente têm papel de regulação na expressão gênica.[41] A hipótese da prioridade da visão assumia uma drástica perda de funcionalidade no ramo dos OWMs devido ao número de genes de OR expressos, mas essa conclusão foi influenciado pela baixa resolução que apontava cerca de 100 genes.[42] Estudos de maior resolução mostraram que primatas de outros ramos da MRCA têm perdido genes de OR para os humanos indicando que a degeneração do repertório de ORs em primatas não pode ser simplesmente explicado pela mudança na capacidades de visão.[43]

Tem sido demonstrado que a seleção negativa de receptores olfatórios em humanos modernos ainda está relaxada, sugerindo que o mínimo de função olfativa ainda não foi alcançado nos humanos e ainda pode estar em processo de depleção. Esta é considerada uma primeira pista para o futuro humano na evolução genética.[44]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Em 2004, Linda B. Buck e Richard Axel ganharam o Prêmio Nobel em Fisiologia ou Medicina por seu trabalho[45] em receptores olfatórios.[46] Em 2006, foi mostrado que uma outra classe de odorante receptores existem para detecção de aminas voláteis,[47] Exceto para TAAR1, todos os TAARs funcionais, em humanos, são expressos no epitélio olfatório.[48]

Como muitos outros GPCRs, ainda há uma falta de estruturas experimentais em nível atômico para receptores olfatórios e as informações estruturais são baseadas em métodos de modelagem por homologia.[49]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Gaillard I, Rouquier S, Giorgi D (fevereiro de 2004). «Olfactory receptors». Cellular and Molecular Life Sciences. 61 (4): 456–69. PMID 14999405. doi:10.1007/s00018-003-3273-7 
  2. Hussain A, Saraiva LR, Korsching SI (março de 2009). «Positive Darwinian selection and the birth of an olfactory receptor clade in teleosts». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 106 (11): 4313–8. Bibcode:2009PNAS..106.4313H. PMC 2657432Acessível livremente. PMID 19237578. doi:10.1073/pnas.0803229106 
  3. Niimura Y (dezembro de 2009). «Evolutionary dynamics of olfactory receptor genes in chordates: interaction between environments and genomic contents». Human Genomics. 4 (2): 107–18. PMC 3525206Acessível livremente. PMID 20038498. doi:10.1186/1479-7364-4-2-107 
  4. Rinaldi A (julho de 2007). «The scent of life. The exquisite complexity of the sense of smell in animals and humans». EMBO Reports. 8 (7): 629–33. PMC 1905909Acessível livremente. PMID 17603536. doi:10.1038/sj.embor.7401029 
  5. Gu X, Karp PH, Brody SL, Pierce RA, Welsh MJ, Holtzman MJ, Ben-Shahar Y (março de 2014). «Chemosensory functions for pulmonary neuroendocrine cells». American Journal of Respiratory Cell and Molecular Biology. 50 (3): 637–46. PMID 24134460. doi:10.1165/rcmb.2013-0199OC 
  6. Hallem EA, Dahanukar A, Carlson JR (2006). «Insect odor and taste receptors». Annual Review of Entomology. 51: 113–35. PMID 16332206. doi:10.1146/annurev.ento.51.051705.113646 
  7. Spehr M, Schwane K, Riffell JA, Zimmer RK, Hatt H (maio de 2006). «Odorant receptors and olfactory-like signaling mechanisms in mammalian sperm». Molecular and Cellular Endocrinology. 250 (1-2): 128–36. PMID 16413109. doi:10.1016/j.mce.2005.12.035 
  8. Buck LB (novembro de 2004). «Olfactory receptors and odor coding in mammals». Nutrition Reviews. 62 (11 Pt 2): S184-8; discussion S224-41. PMID 15630933. doi:10.1301/nr.2004.nov.S184-S188 
  9. Saberi M, Seyed-allaei (2016). «Odorant receptors of Drosophila are sensitive to the molecular volume of odorants». Scientific Reports. doi:10.1038/srep25103 
  10. Jones DT, Reed RR (maio de 1989). «Golf: an olfactory neuron specific-G protein involved in odorant signal transduction». Science. 244 (4906): 790–5. Bibcode:1989Sci...244..790J. PMID 2499043. doi:10.1126/science.2499043 
  11. de March, Claire A.; Kim, Soo-Kyung; Antonczak, Serge; Goddard, William A. III; Golebiowski, Jérôme (setembro de 2015). «G protein-coupled odorant receptors: From sequence to structure». Protein Science. 24 (9): 1543–1548. doi:10.1002/pro.2717 
  12. de March, Claire A.; Yu, Yiqun; Ni, Mengjue J.; Adipietro, Kaylin A.; Hiroaki, Matsunami; Ma, Minghong; Golebiowski, Jérôme (29 de junho de 2015). «Conserved Residues Control Activation of Mammalian G Protein-Coupled Odorant Receptors». Journal of the American Chemical Society. 137 (26): 8611–8616. doi:10.1021/jacs.5b04659 
  13. Wang J, Luthey-Schulten ZA, Suslick KS (março de 2003). «Is the olfactory receptor a metalloprotein?». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 100 (6): 3035–9. Bibcode:2003PNAS..100.3035W. PMC 152240Acessível livremente. PMID 12610211. doi:10.1073/pnas.262792899 
  14. Crabtree RH (1978). «Copper (I): A possible olfactory binding site». Journal of Inorganic and Nuclear Chemistry. 40 (7). 1453 páginas. doi:10.1016/0022-1902(78)80071-2 
  15. Duan X, Block E, Li Z, Connelly T, Zhang J, Huang Z, Su X, Pan Y, Wu L, Chi Q, Thomas S, Zhang S, Ma M, Matsunami H, Chen GQ, Zhuang H (fevereiro de 2012). «Crucial role of copper in detection of metal-coordinating odorants». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 109 (9): 3492–7. Bibcode:2012PNAS..109.3492D. PMC 3295281Acessível livremente. PMID 22328155. doi:10.1073/pnas.1111297109 
  16. Brookes JC, Hartoutsiou F, Horsfield AP, Stoneham AM (janeiro de 2007). «Could humans recognize odor by phonon assisted tunneling?». Physical Review Letters. 98 (3). 038101 páginas. Bibcode:2007PhRvL..98c8101B. PMID 17358733. arXiv:physics/0611205Acessível livremente. doi:10.1103/PhysRevLett.98.038101 
  17. Franco MI, Turin L, Mershin A, Skoulakis EM (março de 2011). «Molecular vibration-sensing component in Drosophila melanogaster olfaction». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 108 (9): 3797–802. Bibcode:2011PNAS..108.3797F. PMC 3048096Acessível livremente. PMID 21321219. doi:10.1073/pnas.1012293108 
  18. Schramm VL (outubro de 2007). «Binding isotope effects: boon and bane». Current Opinion in Chemical Biology. 11 (5): 529–36. PMC 2066183Acessível livremente. PMID 17869163. doi:10.1016/j.cbpa.2007.07.013 
  19. Gane S, Georganakis D, Maniati K, Vamvakias M, Ragoussis N, Skoulakis EM, Turin L (2013). «Molecular vibration-sensing component in human olfaction». PLOS ONE. 8 (1): e55780. PMC 3555824Acessível livremente. PMID 23372854. doi:10.1371/journal.pone.0055780 
  20. Block E, Jang S, Matsunami H, Sekharan S, Dethier B, Ertem MZ, Gundala S, Pan Y, Li S, Li Z, Lodge SN, Ozbil M, Jiang H, Penalba SF, Batista VS, Zhuang H (maio de 2015). «Implausibility of the vibrational theory of olfaction». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 112 (21): E2766-74. PMID 25901328. doi:10.1073/pnas.1503054112 
  21. Vosshall LB (maio de 2015). «Laying a controversial smell theory to rest». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 112 (21): 6525–6. PMID 26015552. doi:10.1073/pnas.1507103112 
  22. Everts S (2015). «Receptor Research Reignites A Smelly Debate». Chemical & Engineering News. 93 (18): 29–30 
  23. Turin L, Gane S, Georganakis D, Maniati K, Skoulakis EM (junho de 2015). «Plausibility of the vibrational theory of olfaction». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 112 (25): E3154. PMID 26045494. doi:10.1073/pnas.1508035112 
  24. Block E, Jang S, Matsunami H, Batista VS, Zhuang H (junho de 2015). «Reply to Turin et al.: Vibrational theory of olfaction is implausible». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 112 (25): E3155. PMID 26045493. doi:10.1073/pnas.1508443112 
  25. Gilad Y, Lancet D (março de 2003). «Population differences in the human functional olfactory repertoire». Molecular Biology and Evolution. 20 (3): 307–14. PMID 12644552. doi:10.1093/molbev/msg013 
  26. Malnic B, Hirono J, Sato T, Buck LB (março de 1999). «Combinatorial receptor codes for odors». Cell. 96 (5): 713–23. PMID 10089886. doi:10.1016/S0092-8674(00)80581-4 
  27. Araneda RC, Peterlin Z, Zhang X, Chesler A, Firestein S (março de 2004). «A pharmacological profile of the aldehyde receptor repertoire in rat olfactory epithelium». The Journal of Physiology. 555 (Pt 3): 743–56. PMC 1664868Acessível livremente. PMID 14724183. doi:10.1113/jphysiol.2003.058040 
  28. Smith R, Peterlin Z, Araneda R (2013). Pharmacology of Mammalian Olfactory Receptors. Olfactory Receptors Methods in Molecular Biology: Humana Press. pp. 203–209. ISBN 978-1-62703-377-0. doi:10.1007/978-1-62703-377-0_15 
  29. de March, Claire A.; Ryu, SangEun; Sicard, Gilles; Moon, Cheil; Golebiowski, Jérôme (setembro de 2015). «Structure–odour relationships reviewed in the postgenomic era». Flavour and Fragrance Journal. 30 (5): 342–361. doi:10.1002/ffj.3249 
  30. Tian, Xiao-Jun; Zhang, Hang; Sannerud, Jens; Xing, Jianhua (24 de maio de 2016). «Achieving diverse and monoallelic olfactory receptor selection through dual-objective optimization design». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 113 (21): E2889–E2898. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.1601722113 
  31. Glusman G, Bahar A, Sharon D, Pilpel Y, White J, Lancet D (novembro de 2000). «The olfactory receptor gene superfamily: data mining, classification, and nomenclature». Mammalian Genome. 11 (11): 1016–23. PMID 11063259. doi:10.1007/s003350010196 
  32. Malnic B, Godfrey PA, Buck LB (fevereiro de 2004). «The human olfactory receptor gene family». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 101 (8): 2584–9. Bibcode:2004PNAS..101.2584M. PMC 356993Acessível livremente. PMID 14983052. doi:10.1073/pnas.0307882100 
  33. Glusman G, Yanai I, Rubin I, Lancet D (maio de 2001). «The complete human olfactory subgenome». Genome Research. 11 (5): 685–702. PMID 11337468. doi:10.1101/gr.171001 
  34. Nei M, Rooney AP (2005). «Concerted and birth-and-death evolution of multigene families». Annual Review of Genetics. 39: 121–52. PMC 1464479Acessível livremente. PMID 16285855. doi:10.1146/annurev.genet.39.073003.112240 
  35. Niimura Y, Nei M (2006). «Evolutionary dynamics of olfactory and other chemosensory receptor genes in vertebrates». Journal of Human Genetics. 51 (6): 505–17. PMC 1850483Acessível livremente. PMID 16607462. doi:10.1007/s10038-006-0391-8 
  36. Niimura Y, Nei M (fevereiro de 2005). «Comparative evolutionary analysis of olfactory receptor gene clusters between humans and mice». Gene. 346 (6): 13–21. PMID 15716120. doi:10.1016/j.gene.2004.09.025 
  37. Nozawa M, Nei M (2008). «Genomic drift and copy number variation of chemosensory receptor genes in humans and mice». Cytogenetic and Genome Research. 123 (1-4): 263–9. PMC 2920191Acessível livremente. PMID 19287163. doi:10.1159/000184716 
  38. a b c Niimura Y, Nei M (2007). «Extensive gains and losses of olfactory receptor genes in mammalian evolution». PLOS ONE. 2 (8): e708. PMC 1933591Acessível livremente. PMID 17684554. doi:10.1371/journal.pone.0000708 
  39. a b Gilad Y, Wiebe V, Przeworski M, Lancet D, Pääbo S (janeiro de 2004). «Loss of olfactory receptor genes coincides with the acquisition of full trichromatic vision in primates». PLoS Biology. 2 (1): E5. PMC 314465Acessível livremente. PMID 14737185. doi:10.1371/journal.pbio.0020005 
  40. Craven BA, Paterson EG, Settles GS (junho de 2010). «The fluid dynamics of canine olfaction: unique nasal airflow patterns as an explanation of macrosmia». Journal of the Royal Society, Interface / the Royal Society. 7 (47): 933–43. PMID 20007171. doi:10.1098/Rsif.2009.0490 
  41. Zhang X, De la Cruz O, Pinto JM, Nicolae D, Firestein S, Gilad Y (2007). «Characterizing the expression of the human olfactory receptor gene family using a novel DNA microarray». Genome Biology. 8 (5): R86. PMC 1929152Acessível livremente. PMID 17509148. doi:10.1186/gb-2007-8-5-r86 
  42. Matsui A, Go Y, Niimura Y (maio de 2010). «Degeneration of olfactory receptor gene repertories in primates: no direct link to full trichromatic vision». Molecular Biology and Evolution. 27 (5): 1192–200. PMID 20061342. doi:10.1093/molbev/msq003 
  43. Niimura Y (abril de 2012). «Olfactory receptor multigene family in vertebrates: from the viewpoint of evolutionary genomics». Current Genomics. 13 (2): 103–14. PMC 3308321Acessível livremente. PMID 23024602. doi:10.2174/138920212799860706 
  44. Pierron D, Cortés NG, Letellier T, Grossman LI (fevereiro de 2013). «Current relaxation of selection on the human genome: tolerance of deleterious mutations on olfactory receptors». Molecular Phylogenetics and Evolution. 66 (2): 558–64. PMID 22906809. doi:10.1016/j.ympev.2012.07.032 
  45. Buck L, Axel R (abril de 1991). «A novel multigene family may encode odorant receptors: a molecular basis for odor recognition». Cell. 65 (1): 175–87. PMID 1840504. doi:10.1016/0092-8674(91)90418-X 
  46. «Press Release: The 2004 Nobel Prize in Physiology or Medicine». Consultado em 6 de junho de 2007. 
  47. Liberles SD, Buck LB (agosto de 2006). «A second class of chemosensory receptors in the olfactory epithelium». Nature. 442 (7103): 645–50. Bibcode:2006Natur.442..645L. PMID 16878137. doi:10.1038/nature05066 
  48. Liberles SD (outubro de 2015). «Trace amine-associated receptors: ligands, neural circuits, and behaviors». Curr. Opin. Neurobiol. 34: 1–7. PMID 25616211. doi:10.1016/j.conb.2015.01.001 
  49. Khafizov K, Anselmi C, Menini A, Carloni P (março de 2007). «Ligand specificity of odorant receptors». Journal of Molecular Modeling. 13 (3): 401–9. PMID 17120078. doi:10.1007/s00894-006-0160-9 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]