Rechã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rechan
  Distrito do Brasil  
Rechã 240109 REFON 4.JPG
Localização
Estado  São Paulo
Município Itapetininga
História
Criado em 1980
Características geográficas
População total (2010) 4 772 hab.

Rechan é o maior distrito de Itapetininga, localizado no estado de São Paulo[1]. Tem aproximadamente 5.000 habitantes. Está localizado a 42 km à oeste de Itapetininga, com acesso pela via Raposo Tavares SP-270, próximo ao município de Angatuba. O distrito foi criado pela Lei nº 2.343, de 14/05/1980[2], com sede no bairro de igual nome e com território pertencente ao Município de Itapetininga.

História[editar | editar código-fonte]

Estação Herval[editar | editar código-fonte]

Um dos fatores da fundação do distrito foi a criação de uma estação de trem da Estrada de Ferro Sorocabana no local em 1907. A estação foi inaugurada em 1907, com o nome de Herval. Como consta o aviso no Diário Oficial do Estado de São Paulo no dia 15 de outobro de 1907[3].:

A linha sairia de Itapetininga, passaria pela Estação Cesario, chegaria na Estação Herval e partiria a Estação Engenheiro Hermillo. No outro dia retornaria pelo mesmo trajeto.[4]

Estação Rechan: Tempos Dourados e Decadência[editar | editar código-fonte]

Em 1910, mudou para o nome atual, Rechã (ou Rechan). O prédio que ainda está lá hoje parece ser o original. Depois de passar mais de vinte anos desativada, com a extinção dos trens de passageiros do ramal, em 1978, a estação foi restaurada e passou a receber o trem de passageiros Sorocaba-Apiaí, no final de 1997. Rechã é um distrito afastado de Itapetininga, e, embora esse trem somente passasse duas vezes por dia - uma vez à noite, por volta das 21h, e outra vez de manhã, às 9h - a estação estava sempre cheia de pessoas para ver o trem chegar, como há 100 anos atrás. Em fins de fevereiro de 2001, a estação foi desativada de vez. Em agosto de 2002, estava tudo abandonado, toda aquela vida se perdeu. Atualmente, a estação serve como rodoviária, tendo também um bar, além de uma base dos Correios. No galpão hoje existe uma escola de capoeira.

Pedido de emancipação[editar | editar código-fonte]

O distrito tentou emancipar-se e ser transformado em município no ano de 1994, mas não obteve êxito.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é quente e temperado cfa, em Rechan existe uma pluviosidade significativa ao longo do ano. Mesmo o mês mais seco ainda assim tem muita pluviosidade. A temperatura média anual fica em torno 19,6 °C, com média mínima de 15,7 °C e a média máxima é de 22,8 °C. Seu índice pluviométrico anual é de 1 213 milímetros (mm).[5]

'Dados climatológicos para Rechan'
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 28,2 28,0 27,3 25,4 23,2 22,3 22,0 23,2 24,4 25,5 26,7 27,6 25,3
Temperatura média (°C) 22,8 22,8 21,9 19,9 17,3 16,2 15,7 17,2 18,6 20,0 21,2 22,1 19,6
Temperatura mínima média (°C) 17,4 17,6 16,6 14,4 11,4 10,1 9,5 11,2 12,8 14,5 15,8 16,6 13,9
Precipitação (mm) 191 180 134 59 65 54 40 41 65 130 97 157 1 213
Fonte: Climate-Data.org[5]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O distrito do Rechan é considerado um lugar prestigiado, pois fica entre o Rio Itapetininga e o Rio Capivari e ambos os rios fazem parte da Bacia Hidrográfica do Alto Paranapanema[6], por isso são alvo de diversos projetos ambientais referentes à proteção do Meio Ambiente.

O distrito faz parte também do Aquífero Tubarão, da rochas sedimentares do Grupo Itararé da Bacia do Paraná[7].

Limites[editar | editar código-fonte]

  • Rechan e o distrito de Gramadinho [8]:

Começa no ribeirão da Pescaria, na foz do córrego Mata do Pereira ou do Veado Pardo; sobe pelo ribeirão da Pescaria até a cabeceira de seu galho nororiental no espigão Paranapanema-Capivari; alcança na contra vertente, a cabeceira mais ocidental do córrego do Areão, pelo qual desce até a sua foz no rio Capivari; sobe por este até a foz do córrego Vira Copos.

Começa no rio Capivari na foz do córrego Vira Copos; sobe por este e pelo seu galho da esquerda, até sua cabeceira mais setentrional, no divisor Capivari-Itapetininga; transpõe este divisor, em demanda da cabeceira sudocidental do ribeirão Grande, pelo qual desce até sua foz no rio Itapetininga, pelo qual desce até a foz do ribeirão da Corrupção.

Começa na foz do ribeirão da Corrupção, no rio Itapetininga, pelo qual desce até a foz do córrego do Japão, sobe por este até sua cabeceira mais meridional; segue pelo contraforte fronteiro entre o córrego Monjolinho à direita, e os córregos Japãozinho e do Pinhalzinho, à esquerda, até cruzar com o espigão Itapetininga-Paranapanema; prossegue por este espigão até a cabeceira norocidental do córrego Mata do Pereira ou do Veado Pardo, pelo qual desce até a sua foz no ribeirão da Pescaria; desce por este ribeirão até sua foz no rio Paranapanema.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
19912 964
20003 56920,4%
20104 77233,7%
Censo Demográfico - 2010 [9]

População total: 4 772

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Cor/Raça Porcentagem
Branca 3 609
Negra 97
Parda 1 054
Amarela 12

Fonte: Censo Demográfico 2010[9]

Religião[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a população do distrito é muito voltada à religião. As denominações religiosas com maior número de adeptos são:

Problemas Sociais[editar | editar código-fonte]

Como forma de minimizar os problemas sociais decorrentes do descaso do poder público, uma série de ações sociais são desempenhadas por moradores e apoiadores. A presença policial é mínima, insuficiente para o atendimento à população, refletindo uma caótica situação de Segurança Pública. A Saúde também enfrenta um problema sério, pois conta com um único posto de saúde, funcionando como ESF (Estratégia Saúde da Família, com a coordenação do enfº Fabio Luís Pereira) que opera em sua máxima potencialidade. Alem disso, no inicio de 2015 houve grande aumento no numero de casos de dengue no distrito.[10]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Desde a criação da estação Herval tem se notícia da vinda e ida de mercadorias no local. Na primeira e segunda década do séc. XX o italiano Cármine Barretti começava a operar no então vilarejo e a manufaturar o algodão da roça com uma pequena usina no local de beneficiamento. Também começou a envasilhar e vender água mineral da "Fonte Santa Amélia" denominada água mineral "Excelsior".[11]

Quase no mesmo período a família libanesa Macruz (Macruz e Comp.) começa a administrar a Fazenda Monte Verde com plantação de algodão e pecuária em sua propriedade. A família Macruz administrou a fazenda até 1930 que por causa da crise de 1929 e a derrubada no preço do algodão foi liquidada e passada para o banco.[12][13] Posteriormente a fazenda foi adquirida por Vicente Langone que administrou até sua venda para a Nitro Quimica (Atual Grupo Votorantim).

Atualmente, o distrito abriga duas grandes empresas Rurais: a Citrosuco/Votorantim e o Grupo Alvorada, responsáveis por grande parte da geração de emprego no distrito, além de contar com empresas terceirizadas e serviços.

Educação[editar | editar código-fonte]

Na Educação, o Rechan possui uma creche, a EMEIF Profª Angelina G. da S. Martins e duas escolas, sendo elas a EE Profº Virgílio Silveira, destaque por realizar diversos trabalhos culturais junto à comunidade, principalmente voltados ao Meio Ambiente e a EMEF Julieta Rolim da Silva.

Política[editar | editar código-fonte]

O distrito do Rechan teve em sua história, quatro vereadores atuando na Câmara Municipal de Itapetininga:

  • Gentil de Araujo (Araujo) - 1989/2000 [14]
  • José Aristeu de Souza (Aristeu) - 2000/2004 [15]
  • João Batista de Souza (Batista do Pimenta) - 2012/2020 [16]
  • Sidnei Teixeira Barbosa (Sid do Rechã) - 2º Secretário 2012/2016 [17]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

O distrito era atendido pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[18], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[19], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[20] para suas operações de telefonia fixa.

Rodovias e Estradas[editar | editar código-fonte]

O principal meio de ligação do distrito é pela Rodovia Raposo Tavares (SP-270) e conta com diversas estradas vicinais de ligação com outros bairros rurais de Itapetininga.

  • SP-270 Rodovia Raposo Tavares pavimentada
  • Estrada Vicinal Carmine Barreti (município de Angatuba) liga o distrito à SP-270.[21] pavimentada
  • EM-468 José Francisco de Almeida - liga o distrito com o bairro retiro, com início na ponte sobre o Rio Capivari e término na EM-50, com extensão de 21 km aproximadamente.[22] não pavimentada
  • EM-354 Est. Fazendinha (Granja Alvorada) - liga a vicinal José Francisco de Almeida ao Grupo Alvorada.[23]não pavimentada
  • EM-454 José Francisco de Almeida - liga o grupo alvorada ao bairro viracopos, tem 7 km de extensão.[24]não pavimentada

Lazer e Cultura[editar | editar código-fonte]

Existem projetos sociais que são realizados pela Casa do Adolescente de Itapetininga, beneficiando diversas crianças e adolescentes. Possui também o Grupo de Capoeira Cordão de Ouro, que através da prática dessa tradicional expressão cultural, ensina as pessoas o que realmente é a cultura brasileira.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  2. «Lei nº 2.343, de 14/05/1980». ALESP 
  3. Diário Oficial do Estado de SP, 15 de outubro de 1907, p. 2916. Assinado no dia 12 de outubro de 1907 por John M. egan, superintendente. - Percival Farquhar & Hector Legru. Arrendatários
  4. Diário Oficial de Sp. «Diário oficial de Sp, 15 de outubro de 1907, p.2916» (PDF). Impressão Oficial. Consultado em 30 de janeiro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 30 de janeiro de 2019 
  5. a b «Clima: Rechan». Climate-Data.org. Consultado em 26 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2019 
  6. «Plano da Bacia Hidrográfica do Alto Paranapanema(UGRHI 14) 2016-2027» (PDF). CBH-ALPA. 31 de dezembro de 2016. Consultado em 16 de outubro de 2019 
  7. «Qualidade das Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo» 🔗 (PDF). CETESB. 2017. Consultado em 16 de outubro de 2019 
  8. a b c PL 160/1980-Comissão de Assuntos Municipais. «Lei n° 2.343, de 14/05/1980». Consultado em 9 de Novembro de 2015 
  9. a b IBGE 2010. «Sidra - Censo Demográfico 2010» 
  10. G1. «Suspeitas de casos de dengue têm alta de 800% em janeiro deste ano». Consultado em 9 de Novembro de 2015 
  11. Jhony Borges. «Da Itália, Cármine Barretti projeta o Distrito de Rechã». Rechã online. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  12. Museu da Pessoa. «História de: Pioneirismo na cardiologia - Radi Macruz». Museu da Pessoa. Consultado em 27 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2019 
  13. Diário Oficial. «Falência de Macruz e comp.» (PDF). Imprensa Oficial. Consultado em 27 de dezembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 27 de dezembro de 2019 
  14. Siave - Camara de Itapetininga. «Vereador Araujo». Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  15. Siave - Camara de Itapetininga. «Vereador Aristeu de Souza». Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  16. Camara de Itapetininga. «vereador Batista Pimenta». Consultado em 9 de Novembro de 2015 
  17. Camara de Itapetininga. «vereador Sidnei». Consultado em 9 de Novembro de 2015 
  18. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  19. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  20. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  21. G1 Itapetininga e Região (24 de outubro de 2014). «Má conservação de vicinal». G1. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  22. «Lein 4.822 Denominação PMI». legislacao digital. 05 de março de 2004. Consultado em 18 de dezembro de 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  23. «Requerimento 125/02 CMI». Câmara Municipal de Itapetininga. 15 de março de 2002. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  24. «Pl 21/02 -Denominação PMI». Prefeitura Municipal de Itapetininga. 11 de março de 2002. Consultado em 18 de dezembro de 2019 

Predefinição:Distritos do estado de São Paulo