Recordações da Casa dos Mortos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde outubro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Записки из Мёртвого дома
Recordação da casa dos mortos (BR)
Capa da edição J. M. Dent & Sons Ltd., de 1911
Autor(es) Dostoiévski
Idioma Russo
País Rússia
Gênero Romance
Lançamento 1861
Edição brasileira
Tradução Rachel de Queiroz
Editora José Olympio
Lançamento 1961

Recordações da Casa dos Mortos ou Cadernos da Casa Morta ou Memórias da Casa dos Mortos[1](em russo Записки из Мёртвого дома) é um romance publicado em 1862 pelo autor russo Fiódor Dostoiévski, retratando a vida de condenados nas prisões da Sibéria.

O livro é uma união imprecisa de uma coleção de fatos e eventos ligados à vida nas prisões da Sibéria, organizado particularmente mais pelo tema do que com a intenção de formar uma história contínua. O próprio Dostoiévski passou quatro anos exilado em uma dessas prisões, em função de sua condenação por envolvimento com o Círculo Petrashevski, um grupo literário russo banido pelo czar Nicolau I, devido à sua preocupação quanto ao perigo representado pelo relativo potencial subversivo lincado às Revoluções de 1848). A experiência deu-lhe condições de descrever com grande autenticidade as condições da vida nestas prisões e do caráter dos condenados que nelas viviam.

Em 1927-28, o romance foi reescrito e adaptado para ser apresentado em forma de ópera por Leoš Janáček; a adaptação foi chamada de Z Mrtvého Domu, "Da Casa dos Mortos".

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]